Haverá sangue | David Donato | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Terça-feira, 4/3/2008
Haverá sangue
David Donato

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma das invenções mais legais da Web 2.0 (e um dos motivos do upgrade) é uma prática simples, mas impensável dois anos atrás, a folksonomia, ou as tags comunitárias. É só colocar "etiquetas" com todas as palavras-chave que fazem alguma referência ao objeto. Ficou famosa com o Gmail, o Flickr, o del.ici.ous e os blogs, mas funciona praticamente em qualquer coisa que se queira catalogar para busca futura. Um grupo de amigos meus usa tags de maneira um pouco diferente: costumamos mandar links de bobagens variadas da internet e, em vez de um título descritivo do tipo "ótimo site de design de interfaces", usamos palavras-chave do tipo "design, interface, referência, inovação". Assim, na hora de buscar aquele link de 4 meses atrás, fica fácil buscar pelas tags. Também é bom para quem vê os e-mails no trabalho e não sabe se vai poder abrir a qualquer hora.

Vou começar assim, falando das tags do novo filme de Paul Thomas Anderson, There Will Be Blood: Petróleo, religião, virada do século, Cidadão Kane, Kubrick, Oscar, Daniel Day-Lewis, melhor de 2007

Paul Thomas Anderson é um dos poucos diretores-autores que passeiam por Hollywood hoje em dia. Ele escreve, dirige e produz todos os seus filmes com uma desenvoltura impressionante desde 1997, com Boogie Nights, passando pelo altmaniano ame-o ou odeie-o Magnolia (sua obra prima, em suas próprias palavras), de 1999 e pelo híbrido estranho de humor e drama Punch-Drunk Love, de 2002. Quatro anos depois, PT Anderson (como é conhecido) lança um filme que segue a regra de não ser parecido com nenhum de seus filmes anteriores.

There Will Be Blood é inspirado (mais do que baseado) no livro Oil! de Upton Sinclair, que fala da Califórnia do início do século XX tomada por exploradores de ouro e petróleo. O diretor, que leu o livro por acaso quando estava em Londres, com saudades de casa e viu a capa do livro com uma fotografia da Califórnia, adaptou as primeiras 150 páginas e criou um dos personagens mais fascinantes dos últimos anos.

Daniel Plainview (interpretado pelo "já ganhou mais um Oscar" Daniel Day-Lewis) é um prospector de petróleo, trabalhador, eloqüente, manipulador, misantropo... a lista segue. Depois de suar muito procurando ouro e prata em minas empoeiradas, montou sua própria empresa de prospecção de petróleo e se tornou um homem poderoso. Poderoso como Charles Foster Kane de Orson Welles. Poderoso como o velho Michael Corleone. E solitário como só pessoas poderosas conseguem ser. "Às vezes, quando olho para as pessoas, não consigo ver nada que valha a pena gostar." ele diz, num momento raro de sinceridade. Posa de homem de família com seu "filho e sócio na empresa" a tiracolo, desde que isso o ajude a conseguir mais terras, mais óleo.

Da mesma maneira que Plainview vê pessoas como escada para o próprio sucesso, Eli Sunday, um jovem pastor pentecostal fundador da Igreja da Terceira Revelação vê a chegada do prospector e sua equipe à sua pequena cidade como a grande oportunidade de encher sua igreja de gente (e de dinheiro). Paul Dano, o irmão calado da Little Miss Sunshine, dá o sangue nos sermões alucinados do pastor. Os traços juvenis e gritos desafinados de adolescente do ator, criticados por deslocar o personagem, na verdade trazem uma certa aura demoníaca ao antagonista do prospector e sem dúvida contribuem para o clima de estranheza do filme inteiro.

Há quem diga que There Will Be Blood é um filme de horror, e indícios para isso não faltam. Daniel Plainview não é essencialmente mau, mas sua persona já foi comparada ao próprio Drácula, que usa as pessoas para sugar sua riqueza (a frase "I drink your milkshake!!" vai demorar para sair da cabeça). A trilha sonora é simplesmente aterrorizante. Jonny Greenwood, guitarrista do Radiohead e fã dos filmes de Anderson, criou uma série de anticlímax e dissonâncias que ficam com o espectador do mesmo modo que Beethoven ficou depois de A Clockwork Orange. E por falar em Kubrick, PT Anderson segue brilhantemente a cartilha do mestre em algumas cenas, como a da pista de boliche, tão simétrica e fria quanto as salas do hotel Overlook em The Shining.

There Will Be Blood não é um filme de sustos, mas ainda assim é um filme que assombra, da maneira que uma alma atormentada faria. Ele persegue o espectador muito depois de sair da sala de cinema, relembrando, naqueles momentos em que a mente está em branco, entre um raciocínio e outro, o rosto carismático e assustador de Daniel Plainview, um rosto que se confunde com o dos próprios Estados Unidos, que trocam sangue por óleo em nome do progresso e do próprio bolso gordo há tanto tempo.

There Will Be Blood é uma experiência rara. É menos uma ida ao cinema e mais a chance de participar de um poderoso conto de cobiça e poder, realizado por um mestre com domínio completo de sua arte. Chamá-lo de novo Kubrick, entretanto, além de exagerado é, acima de tudo, ingênuo. Basta saber que é gratificante poder esperar por um próximo projeto de um diretor que prova a cada filme que há infinitas histórias poderosas para serem contadas na tela grande, e que bons contadores de história não são privilégio do passado.


David Donato
São Paulo, 4/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Roland Barthes e o prazer do texto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet de Noah Mera
03. A magia da Pixar de Gian Danton
04. Conselhos para jovens escritores de Isabel Furini
05. Viagens e viajantes de Carla Ceres


Mais David Donato
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/3/2008
09h31min
As tags que ficaram na minha mente, depois de ver o filme, foram "experiência" e "rara". Até hoje lembro do filme em embascadado estado de contemplação. A Sangue Negro, milkshakes em brinde!
[Leia outros Comentários de Montana]
4/3/2008
18h32min
"o rosto carismático e assustador de Daniel Plainview"; é exatamente isso que eu pensava a cada momento que a câmera focava aquele homem. Por mais que "Onde os fracos não têm vez" seja um bom filme, "Sangue Negro" é muito superior, é a saga de um homem como há muito não víamos. Há cenas inesquecíveis, além claro das batidas da trilha sonora. Uma das minhas preferidas é a volta de H.W., depois de toda aquela loucura que foi o acidente, a tomada em que ele retorna estamos meio distantes dos dois, assistindo de longe. Daniel Day-Lewis fez um personagem incrível, cheio de nuances, a relação com o filho, com o desconhecido que diz ser seu irmão, com Eli, com os concorrentes. Tudo é grandioso, as cenas são carregadíssimas de sentido. É realmente uma experiência única e rara, como bem disse Montana.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pequenas Piadas Grandes Negocios
Renato Rodrigues
Gênero
(2000)



Achieve - Volume Único -
Varios
Oxford
(2018)



Sonetos Típicos da Bahia de Outrora
Silva Dutra
Egba
(1997)



Novos Espaços Democráticos Vol 1
Antonio Gutiérrez Vegara e Outros
Perseu Abramo
(2003)



Hot Pusuit
Karen Van Der Zee
Harlequin
(1988)



A Ilha do Tesouro
Robert Louis Stevenson; Robert Louis Stevenson
Ibep Nacional
(2004)



Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Núcleo
(2003)



Ai!!
Natalie Babbitt
Companhia das Letrinhas
(2001)



Renda Básica de Cidadania
Yannick Vanderborght
civilização brasileira
(2006)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês