A máquina de poder que aprisiona o espírito | Tatiana Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Terça-feira, 11/3/2008
A máquina de poder que aprisiona o espírito
Tatiana Cavalcanti

+ de 6000 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Maria será o personagem dessa história. Certa vez, Maria estava sozinha dirigindo seu carro, numa bela tarde de sol, pelas ruas de São Paulo, quando parou no semáforo vermelho. Uma moça jovem e bonita se aproximou e educadamente perguntou: "Você tem Jesus no coração? Gostaria de ler a palavra que o Senhor nos deixou?". Maria, também muito educada, respondeu: "Não quero não, obrigada, sou atéia". A moça arregalou os olhos e exclamou inconformada: "Atéia, mas como assim atéia?". Maria respondeu da forma mais calma possível: "Atéia, sim, não acredito em Deus". Pronto, foi o início de uma pregação de segundos, mas que pareceu durar horas, até que o semáforo finalmente abriu e Maria se despediu daquela jovem inconformada por conhecer alguém que optou pelo ateísmo e não por Deus.

João, outro personagem, acabara de entrar na primeira série do colégio no auge dos seus sete anos de idade. Novos amigos, novos professores e novos dilemas. Pensou que ia estudar matemática, história, geografia, entre outras matérias, mas tudo que fez foi rezar. A primeira coisa que fazia toda manhã antes do início da aula era juntar as mãos e agradecer mecanicamente por isso e aquilo. Nunca compreendeu por que tinha que seguir rigorosamente aquele ritual matutino, sendo que ele nem era religioso. Quando entrou no colegial, tudo que queria era passar no vestibular e seguir uma carreira. Mas no que diz respeito à biologia, não se deparou com aulas de evolucionismo. Em vez disso, teve aulas de religião e, para explicar a origem do homem, a professora contou a velha história da criação segundo a Bíblia, com Adão, Eva e a maçã. Ele entendia que o pai da Teoria da Evolução, Charles Darwin, deixou algumas lacunas nos seus estudos, entretanto, conhecia a teoria do Evolucionismo como origem da vida. Tudo o que João queria era entender como chegamos aqui.

Se a teoria de Darwin é falha, deve-se corrigir e chegar à perfeição, afinal, estamos aqui na Terra para evoluir, não? Mas excluir a Teoria da Evolução dos currículos escolares ― como foi feito recentemente em alguns estados norte-americanos ― e substituir pela Teoria do Criacionismo é um tanto exagerado. A primeira teoria afirma que surgimos de um processo evolutivo ocorrido em milhares de anos, já a segunda, conta que o mundo foi feito em seis dias, com a supervisão de Deus, sendo o homem criado do barro e a mulher de uma costela. Quando se impõe o ensino religioso nas escolas, devemos lembrar que vivemos num país católico, entretanto, temos diversas religiões distintas, com crenças distintas, e todas elas devem ser respeitadas da mesma forma. Quando se exclui a ciência do currículo escolar, desrespeita-se a origem de nós mesmos.

Ao mesmo tempo, a ciência não pode ser considerada uma verdade absoluta, há que se impor limites para que não haja atrocidades como os experimentos "médicos" na Segunda Guerra Mundial, em que os nazistas usavam seus prisioneiros para experiências dantescas. O mais maléfico dos "médicos" foi Josef Mengele (que morou anos no Brasil até morrer afogado na região da praia de Bertioga, litoral paulista), que em Auschwitz fez barbaridades com gêmeos e liliputianos, e crueldades inimagináveis, como injeções no olho sem anestesia para tentar mudar a cor, esterilizações, contaminação com agentes causadores de doenças, amputações desnecessárias e retirada de órgãos. A ciência é feita para buscar soluções inteligentes e éticas.

Enquanto isso, a Igreja Católica nos dá livre arbítrio, desde que nossas atitudes sejam tomadas de acordo com as leis regidas por ela e pelo Papa. Onde está a liberdade de escolha se eu optar por um caminho diferente do que propõe a igreja? O personagem de Al Pacino, no filme Advogado do Diabo, define bem esse conceito, ao alegar que Deus gosta de tirar sarro de nós, mortais: "Deus gosta de observar. Ele é um gozador, dá instinto aos homens (...) e depois cria regras contrárias. É a maior piada de todas. 'Olhe, mas não toque. Toque, mas não prove. Prove, mas não engula', tudo isso enquanto ele ri", ironiza.

As leis religiosas podem até ter um lado positivo para tentar orientar as pessoas a tomarem atitudes corretas. Criam-se leis moralistas para que as pessoas não ultrapassem o limite do bom senso. Mas que limite é esse que é ultrapassado o tempo todo pelos dirigentes de Igrejas? E a pedofilia na Igreja Católica, não é um crime bárbaro? Ou mesmo o desvio de dinheiro do bispo e bispa da Igreja Renascer presos nos Estados Unidos? Qual é o papel da religião que não ajudar ao próximo? Se Deus é a personificação da bondade, como pregam as religiões, como se sentiria ao ver uma mulher estuprada, machucada e grávida em decorrência dessa atrocidade? Aborto nem pensar? Mas e o direito de decidir seu destino, não fica valendo? Essa mulher provavelmente enfrentará outro conflito, além da violência, que é o de querer tomar uma atitude, mas não o fazer por receio a sua religião. Afinal, religião é para curar a alma ou confundir?

A Igreja Católica não aceita que nos dias de hoje se use camisinha. Um pensamento um tanto retrógrado, visto as doenças contagiosas ― como a AIDS, HPV, entre outras ― que temos a temer atualmente. Um amigo meu australiano tentou me explicar uma vez. Alegou que o que a Igreja prega é a fidelidade entre os casais, e isso tudo é muito lindo, mas, convenhamos, não faz parte da nossa realidade. Pessoas fiéis existem, com certeza, mas a questão é: como saber que nosso companheiro também é? É arriscado demais evitar a camisinha, e quando o Papa condena seu uso, pode estar cometendo, de forma indireta, um genocídio, visto que muitas pessoas ouvirão e obedecerão tais regras, mas muitos deles não deixarão de resistir aos seus instintos. A Igreja agora quer proibir a pílula do dia seguinte, um avanço da ciência que beneficia a milhares de mulheres no mundo todo. Organizações religiosas tentaram impedir ― nos idos dos anos 1970 ― estudos sobre a doação de órgãos, procedimento que até hoje já salvou milhares de vidas desde então.

O Estado é laico, mas ninguém parece se importar quando a religião se intromete em assuntos que não dizem respeito à espiritualidade nem a ajudar ao próximo. A religião cuida da alma, o Estado do cidadão, um não deveria interferir no outro. Muitas vezes a religião ― ou até mesmo a religiosidade ― aprisiona a espiritualidade do indivíduo numa camisa de força como uma máquina de poder. Por essa razão, a rigidez das Igrejas tem feito crescer em parte da população o interesse por escritores assumidamente ateus como Richard Dawkins, que recentemente lançou o livro Deus, um delírio, em que promete fazer o leitor virar ateu ou ao menos repensar seus conceitos sobre religião.

Dawkins ― grande expressão do Novo Ateísmo ― vive em Oxford, na Inglaterra. Sua casa fica a apenas 20 minutos de distância do memorial a Percy Bysshe Shelley, um dos maiores poetas românticos, que foi expulso da Universidade de Oxford há quase 200 anos ― por ateísmo.

Seja como for, boa parte dos ateus se sentem como os homossexuais na década de 1970, não têm coragem de "sair do armário" e assumir seu ateísmo ― por receio de represálias e preconceitos ou mesmo receio da possibilidade de não se conseguir um emprego ― e precisam se esconder atrás de personagens ou ainda se calam para não "ofenderem" aqueles que em Deus acreditam, até porque, mais do que ninguém, o ateu deve respeitar todas as crenças, sem exceção, mas em contrapartida, deve ser respeitado da mesma forma, porque o ateísmo é uma opção de vida, assim como a religião.


Tatiana Cavalcanti
São Paulo, 11/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
02. As sobras completas, poesias de Jovino Machado de Jardel Dias Cavalcanti
03. Nova Gramática do Poder de Marilia Mota Silva
04. Fake-Fuck-Fotos do Face de Jardel Dias Cavalcanti
05. O sublime Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Tatiana Cavalcanti
Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/3/2008
12h57min
Agradeço pela franqueza das opiniões. Gostaria de dizer que penso exatamente como você no tocante "a se esconder no armário". Como nós, ateus, temos de respeitar a religião dos outros, muitas vezes temos de engolir calados verdadeiras obscenidades nada sutis dos religiosos, quanto a nosso futuro no inferno ou o destino cruel que nos aguarda, quando "Deus punir os infiéis". Afora o ensino religioso, os símbolos explícitos de uma religião, o som de igrejas em tom elevado, para que todos ouçam a pregação...
[Leia outros Comentários de Fúlvio Antônio Lopes]
11/3/2008
19h11min
Achei interessante o texto, mas não concordo quanto ao fato da descriminação dos ateus. Hoje em dia, ser ateu é ser cool. Todo cara descolado se diz ateu. Complicado é ter fé. Vê-se uma pessoa que tem fé como alguém alienado ou menor. Pois, pelo o que parece, ser ateu é ser dono do seu próprio nariz. O que também não concordo. Concordo com alguns pontos da igreja católica, alguns citados no texto, mas não é de forma integral que ela pensa assim. O que há são opiniões e eu acho que o brasileiro ainda é muito culturalmente desfavorecido para respeitar os outros independente de suas escolhas e mesmo assim continuar amigo, sair para tomar um café e ter um realcionamento. Isso no Brasil é utopia. O brasileiro não tolera a diversidade do outo, tanto de um lado quanto do outro. E, no fim, a sociedade perde como um todo. Quanto ao Dawkins, ele é um novo Dan Brown, logo a fama acaba e ele cai no ostracismo.
[Leia outros Comentários de André Seixas]
12/3/2008
14h30min
O ateísmo é só uma opção de pensar livremente, sem as muletas dos irracionalismos ingênuos (professados por iletrados - ou seja, não tiveram acesso a toda a cultura produzida pela humanidade). parabéns pela reflexão, semelhante à minha, contrária ao pensamento religioso.
[Leia outros Comentários de jardel]
19/3/2008
11h34min
Concordo totalmente com o comentário do André Seixas. O que percebo no nosso meio, dito "cultural", é que ser ateu é que é considerado ser racional. Uma leitura simplista feita por pessoas que, na maior parte das vezes, não têm vivência alguma de religião.
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
19/3/2008
13h11min
Cara Roberta, agradeço seu comentário e opinião, entretanto, creio que vc está pensando exatamente da forma que os ateus radicais e "racionais" que vc tanto critica, até porque sou atéia e não penso que sou mais inteligente que uma pessoa religiosa. Religião não traz mais inteligência que um livro. Uma das experiências mais fascinantes que tive na vida foi com uma colega de classe que era evangélica... ela quis entender pq eu era atéia e eu entendi a religiosidade dela, trocamos experiências, ela fascinada com minhas opiniões e visões do ateismo - e vice-versa. Religiosos e não-religiosos devem ser respeitados igualmente, pq da mesma forma que um religioso odeia ser chamado de fanático, o ateu não gosta que o chamem de radical e racional.
[Leia outros Comentários de Tatiana Cavalcanti ]
24/3/2008
18h22min
Concordo plenamente com a Tatiana, o Estado é laico, não deve haver interferência de religião nenhuma. Por exemplo: fiéis de algumas religiões foram ao Congresso Nacional para pressionar os parlamentares na votaçao de liberação do uso de células tronco. Mas a religião não pode interferir na ciência...
[Leia outros Comentários de terezinha oliveira]
28/3/2008
23h33min
Se as religiões são incoerentes em suas atitudes e pregações, não significa que a única opção, neste caso, é a descrença, ou seja, ser ateu. Uma coisa não tem nada a ver com outra. Afirmar que a rigidez da igreja tem levado leitores a se interessarem por escritores ateus é um absurdo. Não é concebível, através de um raciocínio normal, rejeitar a existência de Deus devido a rigidez de uma determinada igreja, assim como seria incoerente aceitar prontamente sua existência por ser uma igreja amistosa e flexível. A outra questão é ser ateu e sofrer pressões. O "drama" de ser um ateu, destacado no artigo, me pareceu um pouco exagerado. Tenho 54 anos, nunca segui nenhuma religião, e minha vida social sempre foi normal. Não acredito em discos voadores e meu melhor amigo é um estudioso do assunto.
[Leia outros Comentários de Ubirajara G. Bueno]
10/1/2009
12h47min
Existe sim preconceito para com os ateus, pois eu como atéia que sou já passei por situações desagradáveis com pessoas do meu círculo que se recusaram até mesmo a sentar na mesma mesa que eu pelo simples fato de eu ter declarado minha "falta de fé". Há muitas pessoas que confundem ateísmo com satanismo e assim julgam o seu "irmão" sem ao menos entender a situação...
[Leia outros Comentários de Sandra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SAL
LETICIA WIERZCHOWSKI
INTRINSECA
(2013)
R$ 10,00



ASTROLOGIA - A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
PERCY SEYMOUR
NOVA ERA
(1997)
R$ 30,00



PRESTES: LUTAS E AUTOCRÍTICAS
DÊNIS DE MORAES & FRANCISCO VIANA
VOZES
(1982)
R$ 10,00



LECCIONES DE LENGUA CASTELLANA
G. M. BRUÑO
PROCURADURIA GENERAL - PARIS
(1938)
R$ 30,00



DESIGN - THE ARCHIVE SERIES
WALT DISNEY
DISNEY EDITIONS
(2010)
R$ 70,00



PANIS ANGELICUS OU O SACRAMENTO DA VIRGINDADE - 9021
GIUSEPPE PETAZZI
DIOCESE
(1966)
R$ 20,00



UTOPIA & PAIXÃO 11ª EDIÇÃO
ROBERTO FREIRE E FAUSTO BRITO
GUANABARA KOOGAN
(1991)
R$ 4,50



A MULHER DO FUTURO - CARTAS PARA A MINHA FILHA
ZULMA REYO
GROUND
(1996)
R$ 67,90



MUDANÇAS NO RELACIONAMENTO AFETIVO-SEXUAL
REGINA ISABEL NOGUEIRA
ESCUTA
(2003)
R$ 23,82



BIOLOGIA INTEGRADA - ENSINO MÉDIO - VOLUME ÚNICO
LUIZ EDUARDO CHEIDA
FTD
(2003)
R$ 9,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês