O inventário da dor de Lya Luft | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O samba de Donga na Festa da Penha
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> Fantasma Edição Histórica Nº22 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Saber (1996)
>>> Fantasma Especial Nº31 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1989)
>>> O segredo de Helena de Lucinda Riley pela Arqueiro (2018)
>>> Fantasma Nº20 de Lee Falk e Ray Moore pela Saber (1995)
>>> Fantasma Nº29 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1991)
>>> A casa das orquídeas de Lucinda Riley pela Novo conceito (2012)
>>> Espiritismo Para Jovens: A história de Jesus e o livro dos espíritos para iniciantes da doutrina espírita de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2018)
>>> A Mente Educada de Kieran Egan pela Bertrand Brasil (2002)
>>> O Médico Quântico: Orientações De Um Físico Para A Saúde E A Cura de Dr. Amit Goswami pela Cultrix (2017)
>>> Olá, Consciência! Uma Viagem Pela Filosofia de Mendo Henriques; Nazaré Barros pela É Realizações (2015)
>>> Os botões de Napoleão: As 17 moléculas que mudaram a história de Penny Le Couteur; Jay Burreson pela Zahar (2006)
>>> O livro da sociologia de Diversos pela Globo (2016)
>>> Rápido e devagar de Daniel Kahneman pela Objetiva (2012)
>>> Alice no país do Quantum: A física quântica ao alcance de todos de Robert Gilmore pela Zahar (1998)
>>> O poder do subconsciente de Dr. Joseph Murphy pela Bestseller (2019)
>>> O Tao da Física: Uma Análise Dos Paralelos Entre A Física Moderna E Misticismo Oriental de Fritjof Capra pela Cultrix (2011)
>>> Ciência e Mito de Wolfgang Smith pela Vide Editorial (2014)
>>> Mãos de luz: Um guia para a cura através do campo de energia humano de Barbara Ann Brennan pela Pensamento (2018)
>>> História da pedagogia de Franco Cambi pela Unesp (2002)
>>> Dogma e ritual da alta magia de Eliphas Levi pela Madras (2018)
>>> Bruxas Celtas de Lady Mirian Black pela Icone (2014)
>>> O Caibalion: Edição Definitiva e Comentada de William Walker Atkinson pela Pensamento (2018)
>>> Resignificando: programação neurolingüística e a transformação do significado de Richard Bandler; John Grinder pela Summus (1986)
>>> Fantasma Edição Histórica Nº19 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Saber (1995)
>>> O Enigma Quântico - Desvendando a Chave Oculta de Wolfgand Smith pela Vide Editorial (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/7/2008
O inventário da dor de Lya Luft
Marcelo Spalding

+ de 7100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Luft é nome extremamente conhecido e respeitado aqui no Sul. Antigamente por causa do grande gramático e professor Celso Pedro Luft; hoje muito mais por causa da carreira literária daquela que foi sua esposa e herdou seu sobrenome: Lya Luft. Lya iniciou na literatura como tradutora de inglês e alemão de grandes clássicos como Virginia Woolf e Rainer Maria Rilke e, aos 41 anos, em 1980, publicou seu primeiro romance, As parceiras. Até os anos 2000 manteve uma carreira regular, como a de tantos outros bons nomes da nossa literatura contemporânea: algum espaço na mídia, algum estudo acadêmico, grande admiração dos seus pares. Mas com Perdas e Ganhos, publicado em 2003, Lya alcançou o raríssimo posto de autora de best-sellers e tornou-se uma das mais festejadas escritoras da literatura brasileira. Para ilustrar, naquele ano passou a vender mais que Paulo Coelho.

O sucesso repentino, apesar da carreira sólida, trouxe tudo o que se sabe que trará um sucesso repentino: superexposição na mídia, mudança de rumo da sua obra, narizes torcidos. Seus pares já não achavam tão cult citar Lya, e os críticos acusavam-na de ter feito um livro de auto-ajuda, ainda que insistisse em chamá-lo de ficção. Com o tempo, Lya trocou de telefone, de e-mail, tornou-se mais reservada, virou capa de revista semanal, trocou o jornal local, Zero Hora, pela revista que a brindara com capa, procurou evitar holofotes, lançou novos títulos pela Record, livros de crônicas, poesia e até um infantil. Mas precisaria de cinco anos para que voltasse à ficção.

Esse retorno, aguardado e festejado, chega em 2008 com o volume de contos O silêncio dos amantes (Record, 2008, 160 págs.). Amplamente propagandeado aqui em Porto Alegre, tornou-se presente preferido (para quem ainda compra livros de presente) no Dia das Mães e no Dia dos Namorados, mas deve ter deixado muitos filhos, mães, maridos, esposas e namorados surpresos: não parece a mesma autora, decididamente não é o mesmo texto.

Por todo o sucesso dos livros anteriores, naturalmente abre-se o volume de contos à espera da Lya otimista de Perdas e Ganhos, de Pensar é transgredir, de suas colunas, da Lya conselheira, da Lya avó, da senhora de cabelos entre loiros e grisalhos a cantar o prazer da idade, da sabedoria, da leitura. E o que temos é exatamente o oposto: uma Lya soturna, pessimista, criando e matando personagens num ritmo trevisânico.

Amantes, em O silêncio dos amantes, há poucos, e os que existem não vivem bem, odeiam-se calados, cometem violências, vingam-se. Há muitos pais e filhos, há muitos filhos que morrem, alguns que se suicidam. Há velhos, muitos velhos, em geral dependentes, descritos para que deles tenhamos asco, e para tanto não são poupados detalhes escatológicos de uma avó numa clínica. E há, sobretudo, seres imaginários como aqueles amigos de infância que algumas crianças cultivam, seres que acompanham as personagens na vida adulta, na velhice, doces fantasmas a compartilhar segredos.

O resultado é um livro pesado, difícil de se chegar ao final, um livro que como tantos outros desde Rubem Fonseca coloca a violência nua e crua diante do leitor mas não tem nem o ritmo estético próprio desse gênero nem a ousadia existencial da Clarice de A hora da estrela. Resta a dor, apenas a dor, a dor do tempo que passa e envelhece os amantes, embrutece os justos, maltrata as gentes.

Exemplo do tom do livro é o próprio conto que dá título ao volume, "O silêncio dos amantes". Nele, a narradora, entre ressentida e resignada ― como em geral o são as mulheres dos contos ― lembra como conheceu Valentim, aquele que agora dorme ao seu lado, o acaso do primeiro encontro e narra com uma ênfase assustadora a tragédia pela qual havia passado seu agora marido:

"(...) Um assaltante arrancou [a grávida] de dentro do carro e a derrubou no chão. Pegou rapidamente bolsa, relógio e celular da moça caída na calçada, e entrou no carro. As sacolas de compra ficaram no chão, ao lado dela. Quando já estava arrancando, sem explicação, sem motivo a não ser a alucinação da droga ou a maldade mais primitiva, inclinou-se um pouco para fora, e disparou. Duas vezes, na barriga volumosa. O bebê explodiu junto com as entranhas da mãe. Naquela hora, mataram também a Valentim. (...)"

Note que a grávida não é apenas morta, ela tem suas "entranhas explodidas", e ficam o leitor, a narradora e Valentim sem explicação alguma para a brutalidade da cena, a brutalidade da narrativa. Mais do que isso, na seqüência do conto a narradora conquista o homem mas passa a conviver com o fantasma da grávida que rondaria pela casa "com olhos melancólicos e desesperados", num sinal evidente que não há espaço sequer para uma transcendentalidade; a tragédia urbana e humana marcariam em definitivo a existência daquela mulher, daquele bebê, daquela narradora. Que conclui, não por acaso, com a singela frase: "a dor faz parte".

Não é casual que este conto seja o último do livro, que esta frase seja a última do conto, conto e livro que surpreenderão a muitas leitoras, de certo afastarão outras tantas, e talvez seja exatamente essa a intenção de Lya Luft. Ou a de resgatar uma identidade como escritora, ficcionista e contista "respeitada", ainda que para isso tenha que apavorar leitores acostumados a frases como "Porque o amor, do jeito que pode ser, é o caminho da liberdade e da grandeza ― é a nossa única possibilidade de salvação" ("Um tema tão delicado", em Pensar é transgredir).

Se melhor ou pior, não cabe a um reles resenhista afirmar. O que talvez mereça reparo é que um escritor precisa ser honesto com seu público mesmo sendo ele formado por leitoras da Veja. Nesse sentido, não precisava a edição trazer o atraente e romântico título "O silêncio dos amantes" e muito menos a comercial chamada "da autora de Perdas e Ganhos". É outro livro, é quase outra autora. Uma que deve ser guardada bem longe de Paulo Coelho e bem perto de Dalton Trevisan.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 10/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres de Adriana Baggio
02. O naufrágio é do escritor de Vicente Escudero
03. Festa ou casamento? de Daniela Sandler
04. Quatro nomes para o êxtase britânico de Arcano9
05. Apresentação de Adriana Baggio


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/7/2008
19h55min
Nesse caso, acho que vou dar uma espiada no livro. Não tinha a menor intenção de o ler pelas razões que você expôs. Eu, como leitora de Dalton Trevisan, me sinto tentada a fazê-lo, embora com muita resistência. Também acho que o escritor tem direito de mudar, sim, mesmo que afaste os seus fiéis leitores, desde que seja para melhor. Parabéns pelo texto, ótima resenha.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
15/7/2008
15h41min
Muito boa a resenha, principalmente a exortação final, para que o escritor seja honesto com seu leitor, que serve também para editor e distribuidor (que sejam honestos em suas práticas comerciais...).
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
27/7/2008
02h20min
Esta resenha lembra os primeiros livros de ficção de Lya Luft, com densidade psicológica dos personagens, um peso que tornava difícil ler tais livros.
[Leia outros Comentários de Jose Alfredo ]
28/7/2008
11h53min
Não bastasse ser um ser humano ímpar, Lya Luft é uma escritora genial, como poucas o são no Brasil.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
29/7/2008
20h01min
Mais uma bela tacada da autora. Como você bem disse, Marcelo, não é por acaso que Lya mudou. Mudaram não somente a narrativa, mas as motivações e sentimentos da autora. Ao escrever "O silêncio dos amantes", da forma como fez (o leitor desavisado não entenderá a contradição entre capa e conteúdo), Lya também tenta exorcizar alguns dos fantasmas internos. Dá um "grito mudo", mas nem tão mudo, de desabafo e escancara, como que dizendo: "não sou o que pareço, me deixem em paz!".
[Leia outros Comentários de Fabiana Silvestre]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Rua do Sabão
Manuel Bandeira
Global
(2014)



Aventuras e Receitas de Lígia Azevedo
Lígia Azevedo
Best Seller
(2011)



Criatividade Progresso e Potencial
Calvin W. Taylor
Ibrasa
(1976)



Saúde Integral Com Medicina Ayurvédica - 1ª Edição
Dr. Frank John Ninivaggi
Pensamento
(2015)



Os Guerreiros do Tempo
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1995)



Zul - o Avesso e o Direito do Ser Humano
Anna Sharp
Rai
(2010)



Exportação: Aspectos Práticos e Operacionais
José Augusto de Castro
Aduaneiras
(1998)



Loucura do Livre Mercado
Peter A. Ubel
Civilização Brasileira
(2014)



Conspiração Contra o Álcool
Jaime Rotstein
José Olympio
(1985)



O Caminho da Rosa-cruz nos Dias Atuais
Pentagrama
Pentagrama
(2016)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês