E assim se passaram dez anos... | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
>>> Presenças
>>> Se você não fosse tão burro...
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/7/2008
E assim se passaram dez anos...
Julio Daio Borges
+ de 6400 Acessos
+ 7 Comentário(s)

* Outro dia, um amigo que eu não via há anos me perguntou o que eu era, afinal. O propósito deste texto era repassar meus dez anos de empreendimentos na internet, desde 1998, mas pode também ser uma tentativa de responder a esse meu amigo, e a outras pessoas que, porventura, não entendem o que eu faço, ou o que eu andei fazendo nestes anos... A internet, embora mais consolidada desde a Web 2.0, ainda é muito fluída ― e as pessoas que trabalham nela têm a oportunidade, às vezes perigosa, de se meter em uma porção de coisas que ainda não ganharam nem nome... A gente ainda vai sentir saudade desta fase de criatividade em que muitos ganharam pouco (ou nada) fazendo coisas incríveis; em que poucos ganharam alguma coisa apenas persistindo; e em que alguns ganharam uma fortuna produzindo monstros tentaculares como o Google (a marca mais valiosa hoje em dia). Este texto é uma homenagem às pessoas que, desde 1998, dividiram a aventura da internet comigo;

* Seguindo o exemplo do meu pai, eu fui fazer Engenharia. Mas não Engenharia Civil ― como a dele ―, Engenharia Elétrica, com ênfase em Computação (às vezes eu me denomino "Engenheiro de Computação"), porque eu gostava de tecnologia. Dentro da faculdade ― a Poli ―, eu descobri que não gostava de Engenharia ― mas prossegui; não tinha certeza do que fazer se saísse dali. Mais ou menos no meio do curso, descobri uns caras chamados Rubem Fonseca e Nélson Rodrigues; e mais ou menos no fim do curso, passei a ler, religiosamente, um sujeito chamado Paulo Francis. Mas eu ainda não queria ser jornalista; eu achei que queria ser escritor ― embora nunca tenha existido uma faculdade para isso... Quase no fim do curso, travei contato com um certo Daniel Piza. De repente, todo o rebuliço em torno da minha crítica dirigida à faculdade, com respingos na coluna do Luís Nassif, me convenceu a usar o incipiente e-mail para canalizar minhas diatribes. Os primeiros endereços eletrônicos de jornalistas e personalidades diversas fizeram o resto. Nascia o "J.D. Borges" e sua newsletter;

* Considerando todas as mutações de forma e alcance, sou colunista desde 1998. Nos primeiros anos, eu confesso, queria pôr tudo abaixo. Recomendo a experiência a todos ― é fundamental querer mudar o mundo na juventude; para depois mudá-lo um pouco; senão, quando? Além do tom exagerado, que reconheci em quase todos os outros jovens colunistas que conheci, minha linguagem era carregada e havia um certo virtuosismo. O iniciante parece que quer mostrar todos seus truques na primeira oportunidade. Ainda assim, foi importante impressionar gente como o mesmo Rubem Fonseca, o onipresente Sérgio Augusto e o imprevisível Diogo Mainardi. Depois de saltar do precipício umas tantas vezes, bancar o camicase ou distribuir bombas atômicas toda semana, cansei de, como a andorinha do ditado, tentar fazer verão sozinho. Fundei uma revista ― o Digestivo ― e juntei uma turma, os Colunistas. Continuei Colunista, dos "Digestivos", mas descobri que o desafio maior não é o da verve, nem o da polêmica, nem mesmo o do "furo" ― é o da constância, da permanência, da continuidade;

* Muitas vezes, quando não tive mais certeza de nada, me senti Editor acima de tudo. Por mais que eu não tenha uma "obra" ― só centenas de textos dispersos e fragmentados ―, o esforço valeu a pena por lançar gente aqui. Por ajudar a construir uma paisagem que, antes da internet, não havia e que, por conta do jornalismo impresso, jamais haveria. Não sei se preciso citar nomes; nem caberia. Basta dizer que demos à luz os blogs e os blogueiros, filhos bastardos ora do jornalismo com a internet, ora da internet com a literatura... E republicar praticamente todos os grandes nomes que li com devoção, da literatura e do jornalismo (de novo)... E reafirmar a importância das pessoas da minha geração, e de outras, que criaram coisas... E ecoar infindáveis novos blogs (descubro um a cada dia, há anos); e até jogar lenha nos Comentários dos Leitores... E, claro, organizar eventos para discutir tudo isso "ao vivo"... Quando digo, sem remorso, que os jornais impressos vão acabar é porque o ecossistema que todos alimentamos na Web - riquíssimo - me dá segurança para lançar esse desafio;

* Pelo acúmulo, acho, virei crítico; e é engraçado isso. Não era a minha maior ambição. Aconteceu antes que eu fizesse esforço para tanto - ou enquanto eu me esquecia de que poderia ter sido... Ao fim e ao cabo, penso que as pessoas respeitam minha opinião mais porque escrevo direitinho. Convenço-as pela forma mais do que por ter efetivamente razão (pelo conteúdo, digo). Conto uma boa historinha. No nosso universo atual, de papos desencontrados, de vidas pela metade, de esquecimentos definitivamente esquecidos, está em alta quem afirma, e briga pelo que acredita. Não mudou muito desde o tempo do messias. Já nos primeiros Editoriais do Digestivo, percebi o quanto uma auto-imagem pode ser crível, se ela for suficientemente persuasiva. Mas voltemos ao crítico. Nunca me convenci totalmente escrevendo sobre gastronomia. Entendo um pouco de literatura, ou sou minimamente sensível à linguagem, para apostar em um ou outro autor. Internet talvez seja a minha praia, porque eu conheço por dentro, fazendo. Amo música (quis ser músico). Gosto de teatro. Cinema é diversão. Arte é aprendizado. Da TV, tenho horror. A imprensa está no fim. (E "Além do Mais" era falta de assunto mesmo);

* Jornalista, para mim, sempre foi gente se acotovelando em frente à câmera com o microfone na mão. Ou gente fazendo reivindicações políticas (para mim sem nenhum sentido). Nunca senti a menor simpatia. (Da tentação de cursar jornalismo, não sofri.) Mas gostei de ser repórter, a meu modo. De fazer coberturas, digo. Minha crítica ― se é que ela existe ― sempre foi de gabinete, a posteriori, depois do fato. Com processador de texto (corretor ortográfico), dicionário eletrônico e muito Google. Mas o verdadeiro teste do jornalista ― que eu vejo pouca gente fazendo (porque é trabalhoso e não necessariamente traz hits) ― é escrever, e publicar, "a quente". Ver, anotar (às vezes só mentalmente) e elaborar na hora. Com erros, omissões, falhas. Humanamente. É uma grande experiência. Dispendiosa mesmo. Não dá para trabalhar e ser repórter ao mesmo tempo, por exemplo. Brincadeira: eu quis dizer que é full time, o negócio. On the road. O mais perto que cheguei de Woodstock, provavelmente. A Flip. É a embriaguez com o fato, com a notícia (talvez). Muito longe do "jornalismo" reprocessado, a partir de releases, na grande mídia; ou mesmo lincado e relincado, "remixado", pela blogosfera tupiniquim;

* Mas os jornalistas não vão mudar o mundo e minha sorte foi poder ser empreendedor, numa família de empreendedores. Quando o primeiro amigo me chamou de empreendedor, na realidade, não achei que era comigo. Eu fiz as coisas por necessidade e não porque quisesse "empreender", lançar um empreendimento (no sentido imobiliário do termo). Mas fui empreendedor, à minha maneira, de novo. E, desde a Web 2.0 (2005), tenho sido empreendedor mais conscientemente. Briguei com os jornalistas ― e com o jornalismo tradicional ― porque, desde o início da internet, eu os vi acomodados. Uma geração inteira explodindo em criatividade e eles fingindo que não viam, menosprezando deliberadamente, para depois sancionar um ou outro. Os jornais estão "a perigo"; e os jornalistas estão pagando pela sua teimosia. E a internet produziu uma geração de empreendedores... ― desde os fundadores do Yahoo (1994) e do Google (1997), eu me identifico com quase todos. Meu negócio não é de bilhões, nem de milhões ainda, mas a motivação de tentar resolver um problema, ocupar um nicho, crescer e ser bem-sucedido é igual em empreendedores de internet no mundo todo. Algumas das palavras mais estimulantes que encontrei vieram deles. Soam como música para os meus ouvidos. São a minha literatura do dia-a-dia;

* Mas eu não teria sido empreendedor, na Web, sem ser, antes, programador (eu admito). Aprendi a programar sozinho, com 11-12 anos, lendo um manual de Basic e escrevendo meus primeiros programas num Apple II+ (que ganhamos de Natal). Li, há muito, que a habilidade com a linguagem faz da programação uma ciência, também, humana ― e minha habilidade para escrever, outras coisas, talvez venha dessa prática anterior. Passei várias horas da minha primeira adolescência programando ― era minha "conversa" particular com os Steves Jobs e Wozniak, com o mundo que eles criaram. Mergulhei em revistas, livros. Tinha lembranças tão profundas desse tempo que aquela minha Coluna sobre o assunto me fez encontrar um ídolo, também programador, desse período (o Eduardo Saito). Enfim, anualmente me dedico, alguns meses, à programação ― ao aperfeiçoamento ― do site. É um luxo que ainda mantenho; pois até a Edição consegui passar para frente. De qualquer jeito, essa excrescência, do empreendedor-programador, permite melhores posições no Google, melhor performance, mais audiência, mais resultados para todos. Dizem, igualmente, que as grandes sacadas, em software, são sempre obra de uma pessoa só. Mais recentemente, o criador do del.icio.us; e, no Brasil, o nosso Edney Souza;

* Tenho lido livros de administração e business ― tudo por causa do internet business ― e me sentido administrador, ultimamente. Não aquele que se forma na faculdade, mas aquele que tem de administrar os recursos, o tempo, as pessoas... (eu sei que muitas vezes ambos coincidem). Até penso em estudar seriamente business um dia, mas tenho trauma de cursos formais ― e minha lista de projetos só cresce; de modo que só me sobra tempo, mesmo, para os livros de business (em especial, claro, os de internet business). Quando virei colunista da revista GV-executivo, me vi até na obrigação de conhecer mais o assunto ― porém, no processo, surgiu um gosto, que tem menos a ver com a Letras e Números que com as minhas tarefas do dia-a-dia (believe it or not). Idéias para consolidar, por escrito, o que tenho aprendido sobre "produtividade pessoal", "life hacking", mesmo "empreendedorismo em internet" não faltam, mas fico em dúvida se o Digestivo é o veículo ideal para isso. E até se vou acrescentar algo ou se, como tantos, vou chover no molhado. Gosto de pensar, ainda, como economista, em algumas situações. Talvez soe pretensioso ― ou absurdo, para você que me lê aqui ― mas o jeito "econômico" de pensar a vida, o mundo, o futuro tem me atraído. (Para terminar com a sessão choque anafilático, o único jornal que leio ultimamente é o Valor Econômico);

* E tenho sido consultor, neste semestre, oficialmente. Na minha área, de internet, evidentemente. A Bolha afugentou os investidores da Web 1.0 em 2000, mas a Web 2.0 trouxe os investimentos de volta ― e quem sobreviveu, além de boas histórias para contar, tem coisas úteis para ensinar. Como um site funciona? Por que as pessoas voltam a ele? Por que alguns se dispõem a alimentá-lo, inclusive? Por que ele se torna importante? Quais critérios são importantes, por exemplo, para o Google? O que faz um site crescer? Quais são as armadilhas do crescimento (e como sustentá-lo)? Como ganhar dinheiro? Como não perder dinheiro? Como ganhar reputação? Como manter a relevância? Como não parar no tempo (dentro da internet)? Como vencer na Web? Eu não tenho todas as respostas, obviamente; mas eu tenho algumas. E é estimulante ajudar a desenvolver um outro projeto. Li, outro dia, que a internet, nos próximos anos, vai crescer, pelo menos, 100 vezes ― há espaço mais que suficiente para novos empreendimentos, para reciclar velhas idéias, para turbinar sites que já vão bem... Se você, como pioneiro, supera a fase da incompreensão, alcança uma expertise, e um background, que pouca gente tem;

* Recentemente, trombei com o termo webmeister. Aplicado, acho, ao Jason Calacanis ― fundador do Weblogs, Inc.; hoje empreendendo com o Mahalo. Os webmeisters (não confundir com webmasters) escreveram, com suas iniciativas, um pedaço da história da internet. O Jerry Yang, por exemplo, do Yahoo é um webmeister ― ontem e hoje. O Jeff Bezos, da Amazon, nem precisa dizer. O Marc Andreessen, que, com a Netscape, quase rachou a Microsoft em duas ― agora, com o Ning, quer bater o Facebook (de cujo board, inclusive, participa...). O Evan Williams, pai do Blogger, bombando com o Twitter. Mesmo, neste momento, o Robert Scoble, ex-blogueiro da Microsoft; e o Michael Arrington, um blogueiro-VC, na lista das 100 personalidades mais influentes da revista Time. No Brasil da Web 2.0, eu apostaria no Edney (de novo), que, junto com o Inagaki, está se revelando um empreendedor em série; no Fabio Seixas, inegavelmente; no Cris Dias, como uma "consciência" da blogosfera; no Michel Lent, como o Luli, na publicidade... E em outros que estou sempre conhecendo. É ao lado dessa turma que quero estar nestes próximos dez anos. Escrevendo e editando, também ― mas, sobretudo, empreendendo e fazendo a nossa internet amadurecer. Feliz 2018!


Julio Daio Borges
São Paulo, 25/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual prático do ódio de João Luiz Peçanha Couto
02. Carregando o Elefante de Marilia Mota Silva
03. Dia do lixeiro passar de Guga Schultze
04. No meio do caminho: 80 anos de Cristiane Carvalho
05. A crítica musical de Débora Costa e Silva


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
05. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2008
00h50min
Dez anos de internet parecem um século. Sobreviver e, mais ainda, construir alguma coisa é uma façanha. Parabéns pela história e que ela continue. Abçs!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
26/7/2008
10h40min
Oi, Julio. Parabéns por sua história, pela sua determinação de levar a cabo um negócio tão ousado e trabalhoso. Ainda bem que você continua insistindo em ousar cada vez mais. Os leitores agradecem.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
26/7/2008
18h16min
Gostei muito de ter lido este breve relatório sobre seus dez anos de atividade na Web, comentando também a respeito da sua adolescência e os fatos que o conduziram até editor/colunista deste Digestivo que, pessoalmente, digiro com curiosidade e prazer, mesmo quando o assunto na tela seja espinhoso e ("no pun intended") indigesto. Como diriam os americanos, "Keep up the great Job!"
[Leia outros Comentários de Ricardo Lima Haddad]
26/7/2008
20h43min
Legal ler este texto, Julio. Gostei dos negritos nas "profissões". Não fariam o mínimo sentido juntas, digamos, numa só pessoa - mas acho que não é mais preciso que façam sentido. Me lembrei daquela frase do Hugh MacLeod: "If an average guy in a bar can understand what you do for a living, chances are you're halfway to becoming a commodity."
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
28/7/2008
12h19min
A junção de ousadia, trabalho e competência é o resultado da equação do sucesso. Parabéns, Julio, por ter sabido resolvê-la.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
29/7/2008
20h44min
Julio, o seu espírito empreendedor produziu um acervo riquíssimo nesses 10 anos, em quase todas áreas do Pensamento. À medida que mais céticos curvam-se a esse diálogo universal on-line, tanto mais o seu Digestivo será revisitado como fonte de referência. Você podia fazer uma edição das melhores matérias de cada década. Seria um balanço alimentador, digestivo e um update indicador de assuntos e sites relevantes para os próximos 10 anos. Abraço e parabéns. E até 2018, 28, 38...
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
30/7/2008
19h54min
Julio, e pensar que isso tudo foram só os primeiros 10 anos... imagine o que ainda vem pela frente... um grande abraço
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cozinhando Com o Microondas Vol 1 (1995)
Não Especificado
Circulo do Livro
(1995)



Fabrica e a Cidade Ate 1930, a - a Vida no Tempo
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2002)



Port Out , Starboard Home
Michael Quinion
Penguin Uk
(2005)



Os Subterrâneos da Liberdade Iii - a Luz no Túnel 1974
Jorge Amado
Martins Fontes
(1951)



O Imperador Vol. 4 - os Deuses da Guerra - Confira!
Conn Iggulden
Record
(2008)



Scooby-doo! Em Múmias no Shopping
Gail Herman
Babel
(2011)



1808 - Edição Juvenil - Laurentino Gomes
Laurentino Gomes
Planeta Jovem
(2009)



Quem é essa Mulher Vestida de Sol
Biba Arruda
Gente
(1998)



Uma Estranha Aventura Em Talalai
Joel Rufinho dos Santos
Pioneira
(1982)



Livro da Familia - Coleção Pessoinhas - Natureza e Sociedade 2
Ruth Rocha; Anna Flora / 1ª Ed
Ftd
(2010)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês