Literatura é coisa para jovem? | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/9/2008
Literatura é coisa para jovem?
Marcelo Spalding

+ de 11300 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Permitam-me um pouco de biografismo: 2008 me tem sido um bom ano literário. Finalmente consegui uma editora que editará meus livros e investirá no meu trabalho, consegui criar um formato de palestra que deu certo e com ela já fui do Rio de Janeiro à Ijuí, cidade a 450 km de Porto Alegre. E foi justamente o tema proposto por essa cidade que provocou este artigo: literatura é coisa para jovem?

A questão parece retórica, mas quem circula por escolas sabe que o interesse pela leitura decresce ao longo dos anos escolares, apesar do esforço das instituições para que os alunos se interessem por literatura: quando se pergunta numa turma de Eduação Infantil quem gosta de ler, todos levantam a mão rapidamente; no Ensino Fundamental, metade levanta a mão com certa timidez; no Ensino Médio, é raro alguém se manifestar. Partindo do pressuposto de que a literatura é, como qualquer arte, "coisa" para qualquer idade, qualquer classe social e qualquer lugar, porque é algo que nos ajuda a compreender o mundo e a nós mesmos, somos obrigados a nos perguntar os motivos desse desinteresse. E nesse ponto algumas perguntas se impõem:

1. A literatura é valorizada na mídia, na publicidade?
Em outras palavras: quantas vezes num filme juvenil aparece um personagem leitor? Qual o espaço que a literatura ocupa nas publicações para jovens, desde a revista Recreio até a Capricho? Quando um personagem de Malhação manifestou interesse por literatura, pela escrita? Este parece o ponto central para compreendermos por que a sociedade como um todo não percebe valor na leitura, e isso responde um pouco também a questão 2.

2. A literatura é presente em casa? E na escola? A criança vê o pai ou o professor com um livro debaixo do braço?
Não sejamos ingênuos: o problema da leitura pode começar na escola, mas prossegue ou se intensifica ao longo da vida. E hoje são poucos os leitores de fato: aqueles que, por puro prazer, entram numa livraria e compram livros. Isso não ocorre apenas com os pais, que têm lá suas ocupações e compromissos, mas também com os professores, soterrados por cargas horárias elevadíssimas e salários que não permitem a compra de, digamos, um bom livro por mês. Assim, a criança e o adolescente não têm o exemplo, a referência, e ainda que isso não signifique necessariamente um afastamento da leitura, pode desmotivar aqueles jovens propensos a ler. Jovens, aliás, logo estigmatizados como nerds ou algo do gênero.

3. Também não será verdade que há uma parcela de leitores entre nossos alunos?
Como esboçado acima, não podemos negar que há algumas crianças e adolescentes propensos a ler, mais interessados na literatura, nas artes. É natural, aliás, que numa turma de 40 alunos uns 10 identifiquem-se mais com a matemática, outros com as ciências, outros com as humanas, incluída aí a literatura. É uma ilusão o professor pensar que toda sua classe irá reagir bem à Hora do Conto ou a um trabalho de literatura. Talvez seja o caso de valorizar aqueles que lêem a fim de que os demais percebam valor nisso. E aí vem a questão seguinte.

Que tipo de livros esses alunos procuram? E que tipo de livros nós gostaríamos que eles procurassem e por quê?
Já foi dito que necessariamente haverá, numa classe de 40 alunos, uns 20% que gostam de ler, têm prazer em pegar um bom livro ou uma boa revista. O problema é quando o que eles consideram bom não é do gosto do professor, seja por um motivo ou outro. Exemplos temos vários, desde o menino fissurado por história em quadrinhos, que conhece todos os heróis e lê os gibis do pai para conhecer a história do gênero, até a menina ingênua encantada com Pollyanna ou agora fã de Meg Cabot. Passando, é claro, por alguns que descobrem que a literatura não precisa ser politicamente correta e procuram nela sexo ou violência, para pavor do professor, ainda que talvez seja este seu gênero preferido.

É nesse sentido que entra também o já batido debate sobre a leitura dos clássicos em sala de aula. Se percebemos uma perda de interesse pela leitura ao longo dos anos, não podemos negar que ela está relacionada à obrigatoriedade: quanto mais avançam na escola, mais os alunos são obrigados a determinadas leituras e, por não estarem de acordo com seus gostos e hábitos pessoais, rejeitam-nas. Mas, como sabemos, eles são obrigados a ler tais títulos, e isso os leva a rejeitar a leitura como um todo, não preservando sequer aquele eventual gosto por gibis ou contos de fadas ou histórias policiais.

Também é verdade que a escola e o professor não podem se omitir diante da indústria cultural. São eles, e talvez só eles, que um dia falarão sobre Homero, Machado de Assis, Luís de Camões, Gustave Flaubert, Edgar Allan Poe, ou mesmo Pablo Picasso, Wolfgang Mozart, Aleijadinho. É a escola a responsável por apresentar ao adolescente toda uma história cultural que forjou nossa civilização, mesmo que depois o aluno renegue esse aprendizado e torne-se um Homer Simpson diante da tevê.

Difícil dilema, que, para mim, só se resolve com equilíbrio e adequação. Mas não vou me furtar de uma idéia de solução, ou de intermediação: um olhar mais atento para a literatura contemporânea.

Porque entre o clássico Flaubert e a popular Meg Cabot temos o contemporâneo, o Milton Hatoum, o Chico Buarque, a Jane Tutikian, a Ana Maria Machado, o Luis Fernando Verissimo, o Renato Russo, o Vinicius de Moraes. Antes de ensinarmos a história da literatura, apresentarmos os clássicos, é preciso mostrar por que a literatura nos ajuda a compreender o mundo e a nós mesmos, tornando-se um prazer solitário e permanente. Isso não será feito com um texto de cem anos atrás que representa outra época, outro mundo, e sim com algo próximo a eles e escolhido pelo professor.

Sim, porque, como mencionei acima, o professor e a escola não podem se omitir. Eles precisam saber indicar à turma ou ao aluno o tipo de livro mais adequado ao seu perfil, ao seu nível de aprendizado e interesse. Há hoje uma enorme oferta de títulos, muitos especialmente feitos para crianças e/ou adolescentes, de qualidades e intenções variadas, de preços e procedências variadas. Tendo o professor como filtro dessa produção, o aluno poderá manter o prazer pela leitura, mas tornar-se-á mais exigente e, consequentemente, um leitor melhor.

Daniel Pennac, em "Os direitos imprescindíveis do leitor", defende, entre outros, o direito de ler qualquer coisa, e conclui dizendo que "uma das grandes alegrias do educador é ― toda leitura sendo autorizada ― a de ver um aluno bater sozinho à porta da fábrica Best-seller para subir e respirar na casa do amigo Balzac".

Aí, sim, aí está criado o ambiente propício para o professor passar aos clássicos, porque este deve ser, sempre, o objetivo final de uma disciplina de literatura (não o inicial, note-se bem). Ítalo Calvino tem um texto formidável sobre o tema, "Por que ler os clássicos?". Para ele, "os clássicos não são lidos por dever ou por respeito mas só por amor. Exceto na escola: a escola deve fazer com que você conheça bem ou mal um certo número de clássicos dentre os quais (ou em relação aos quais) você poderá depois reconhecer os 'seus' clássicos. A escola é obrigada a dar-lhe instrumentos para efetuar uma opção: mas as escolhas que contam são aquelas que ocorrem fora e depois de cada escola."

Não é tarefa fácil, sem dúvidas. Mas depois de refletir sobre tudo isso me parece cada vez mais claro que o desafio é fazer da literatura não só coisa para jovens, mas coisa para pais e professores também. O que só se faz exatamente com bons professores ou quixotescos entusiastas, e você pode ter certeza de que é um deles se chegou ao final deste artigo.

Nota do Editor
Leia também "Adolescente lê, sim, senhor!".


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 11/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
02. Tons por detrás do rei de amarelo de Eugenia Zerbini
03. Ivan Angelo e a experiência da reescrita de Guilherme Tauil
04. O Precioso Livro da Miriam de Marilia Mota Silva
05. Rememórias e túmulos multimídia de Carla Ceres


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/9/2008
08h52min
Seu texto mereceria um comentário extenso e detalhado, mas devido à pressa vou tocar num ponto só: você mencionou Renato Russo. Trabalhei oficinas de leitura (atuo em biblioteca escolar) e uma das mais prazerosas - para mim e para meus leitores entre 11/13 anos - foi aquela em que levei fitas aúdio do Legião Urbana, dando a eles cópias das letras que iam acompanhando enquanto ouvíamos as canções... Depois, discutíamos cada letra justo por terem uma 'realidade', uma 'proximidade' inegável para eles - isso sem cair no óbvio e na ausência de poesia, tão visíveis em boa parte da dita 'literatura para jovens'. A leitura obrigatória nas escolas pode ser defendida e acusada, justo pelas razões que você aponta aqui. É necessária - mas o COMO fazer é importante, é central.
[Leia outros Comentários de Claire Scorzi]
11/9/2008
12h14min
Caros leitores, do meu ponto de vista, há imposições e restrições quanto à leitura por parte dos pais, das instituições escolares e da mídia. No século XXI, em qual vestibular um texto de Franz Kafka é leitura obrigatória? Por outro lado, há clássicos que não foram escritos para crianças e, no entanto, as crianças se apropriaram dos referidos, como, por exemplo, "As viagens de Gulliver", de Jonathan Swift; "Moby Dick", de Hermam Melville; as obras de Charles Dickens e tantos outros. Tais escritos visavam o público adulto, jamais o infantil! Concordo com Daniel Penac, e com ele proclamo por "todos os direitos imprescindíveis do leitor", desde a infância!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
11/9/2008
16h51min
Estou promovendo uma mesa redonda com crianças de dez a quatorze anos para debaterem sobre importância da leitura. Essas crianças participam do Bando da Leitura há mais de um ano. Fiquei impressionada com o nível da conversa. Nesta mesa redonda que se chama "Só para menores", os adultos só se pronunciam por meio de bilhetes que são enviados à mediadora e encaminhados aos debatedores da mesa. Em breve publicarei no blog um vídeo sobre o evento!
[Leia outros Comentários de lucelia]
12/9/2008
08h27min
O bom seria que fôssemos um país de leitores. É claro, que não alcançaríamos a totalidade. Mas, que tal 70% da população? Isso! Certamente nos daria "visões" desse tipo: um ônibus com metade da lotação, lendo; um trem, um navio ou um avião repletos de pessoas com um livros nas mãos; nos bares e restaurantes, as mesas cheias de gente se deliciando com uma boa história; nos escritórios ou em consultórios, bancos e cadeiras com clientes esperando, enquanto lêem; enfim. Mas, enquanto não atingimos "metas" como essas, não percamos a esperança, sem desconsiderar também aqueles, que, por razões diversas, preferem a "hora da química, da física ou da biologia" à "hora do conto", sem, contudo, rejeitarem por completo a literatura. Apenas, dedicam menos tempo (e dinheiro, é claro) a ela.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
12/9/2008
21h38min
Meus parabéns pela edição de seu livro! Copiei o texto para reler com calma: ele suscita muitos comentários pra seus leitores inquietos... rs. Sim, o amor pela leitura dos pais e professores e aliados é contagiante. Sou aprendiz, autodidata e mãe de filha única e leitora... Beijo ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
13/9/2008
10h13min
Acho que leitura é coisa para todas as idades. Desde o começo da minha vida fui incentivado a ler. Lembro de uma coleção que tinha do Monteiro Lobato. Depois, na escola, vivia freqüentando a biblioteca, e fora da escola também. Adorava a matéria literatura, onde tínhamos que ler livros: Clarice Lispector, Drummond, José de Alencar, George Orwell... Depois, uma cirurgia muito delicada de coluna que me deixou acamado por mais de 20 dias e fora o colete de gesso que fui obrigado a usar por 1 ano, me limitando a toda e qualquer atividade física, me aproximou ainda mais dos livros. Na minha casa, de três filhos eu fui o único que ama ler, as outras duas não passam nem perto. Hoje continuo com esse meu hábito de leitura, comecei a escrever uma coluna de crônica política em alguns sites, já tive ela publicada em um jornal da Bahia... Tudo ainda sem remuneração, mas não desisti. Hoje sou um comprador voraz de livros.
[Leia outros Comentários de claudio schamis]
13/9/2008
10h23min
Tenho uma comunidade no Orkut chamada "Viciados em Livros", e tenho visto cada vez mais pessoas envolvidas com a leitura. Vejo jovens lendo, sim. Sempre gosto de encontrar alguém, ou no ônibus, metro, lendo. E os pais deveriam ajudar a incentivar esse hábito, mesmo hoje tendo concorrentes como jogos de computadores, videogames de ultima geração. Vale incentivar.
[Leia outros Comentários de claudio schamis]
15/10/2008
14h40min
Marcelo, parabéns por sua conquista. Neste mundo de ilhas de vendas cheias de traduções e auto-ajuda, é uma vitória conseguir um lugar na estante. Concordo plenamente com sua opinião. De nada adianta apenas encomendar pesquisas sobre percentuais de leitores. Somos os responsáveis por fazer esses jovens perderem o brilho diante de um livro. Critica-se demais, cerceia-se demais, ganha-se leitores de menos. Há tantos autores contemporâneos que envolvem os leitores, nas mais variadas faixas etárias. Autores nacionais ou não. Por que não divulgamos essa literatura? Porque muitas vezes só os clássicos são valorizados. Esses que são imprescindíveis conhecermos, porém que não são de leitura exclusiva nem prioritária.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOCIEDADE PÓS-CAPITALISTA
PETER DRUCKER
PIONEIRA
(1999)
R$ 13,00



HUMOR 100% SEXUAL
NANI
DESIDERATA
(2007)
R$ 12,00



NINTENDO WORLD--6--NOS TEMOS A FORÇA!
CONRAD
CONRAD
R$ 18,00



ENFIM SÓS!...
MÁRCIA LEITE
SCIPIONE
(1991)
R$ 5,00



NEOCONSUMIDOR DIGITAL, MULTICANAL & GLOBAL
MARCOS GOUVEA DE SOUZA
GS & MD
(2009)
R$ 20,00



CHICO XAVIER E NOSSO LAR EM CORDEL F. A. LISBOA
F. A. LISBOA
CLARIM
(1994)
R$ 5,00



A SOLUÇÃO VIAGRA A CURA DA IMPOTÊNCIA
DR. STEVEN LAMM
RECORD
(1998)
R$ 26,91



GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL 18
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 6,90



SENTIDO DINÂMICO DA DEMOCRACIA
ELIAS CHAVES NETO
BRASILIENSE
(1982)
R$ 25,00



O OBSCENO PÁSSARO DA NOITE
JOSÉ DONOSO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 21,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês