O Natal somos nozes | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/12/2008
O Natal somos nozes
Pilar Fazito

+ de 2800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Como diria um velho sábio chinês, "invém o Natal", aquela época do ano que se repete ad infinitum. Lá pro fim de outubro, quando o comércio começa a expor a parafernália natalina nas vitrines, a gente começa a se dar conta de que mais um ano se encerra, outro começa e o ritual continua o mesmo: em nome da felicidade e da fraternidade, as pessoas começam a correr de um lado para o outro, histéricas e carrancudas, em busca de presentes, panetones, champanhe, peru e nozes ― as infalíveis nozes. A cidade vira um letreiro luminoso único, com suas luzinhas epilépticas; shoppings ficam lotados de crianças que querem sentar no colo do Papai Noel; a gente tem que suportar as músicas da Simone; e cronistas se sentem impelidos a escrever sobre o Natal, por mais que lutem contra essa falta de originalidade.

Nesse período, eu tento remontar na memória os natais da minha infância e o primeiro que sempre me vem à mente é aquele de 1980. Meses antes, meu pai havia sido chamado para trabalhar em Brasília e aquele era o primeiro Natal que passávamos distante dos tios, primos e avós ― uma família numerosíssima, tanto do lado materno quanto do paterno.

Lembro-me de ter sido um Natal muito triste, já que, dias antes, John Lennon havia sido assassinado e, em casa, os Beatles tinham mais ibope do que os disquinhos infantis dos Saltimbancos, da Arca de Noé e da Turma do Balão Mágico. Embora eu fosse apaixonada é pelo Paul McCartney e vivesse às turras com a minha irmã, não podia deixar de ser solidária em seu luto pelo Lennon. Aos dez anos, seu sofrimento era tão real e pungente que contaminou a todos.

Eu me perguntava se teria a mesma reação que a minha irmã, caso a tragédia tivesse acontecido com o Paul. Certamente, não. Mesmo porque eu tinha apenas quatro anos e estava mais interessada em ganhar um carrinho de bonecas. Pedi ajuda a quem soubesse escrever e estivesse por perto, pus cartas no correio, não parava de comentar como seria o carrinho que o Papai Noel iria me dar e, para garantir, espalhei bilhetes pela casa, inspirada pela propaganda da Caloi.

Meus pais já haviam avisado que não faríamos festa de Natal. O argumento materno era, como de hábito, a falta de dinheiro. Já o paterno, como sempre, a falta de motivo. Ateu até hoje e comunista convicto naquela época, meu pai não via razão alguma para comemorar o aniversário de Cristo e se exaltava ao discursar sobre a exploração do proletariado que tinha na alienação campesina a sua força motriz. Mas aos quatro anos eu só entendia que ele não gostava do Papai Noel, nem de Jesus, mas era louco por uma Coca-Cola.

A despeito do luto da minha irmã, das preocupações financeiras e ideológicas, respectivamente, da minha mãe e do meu pai, e da conformidade do meu irmão, eu só queria saber do carrinho de bonecas que eu haveria de ganhar do bom velhinho. Ops, minto: eu também queria pendurar bolas coloridas em um pinheiro. Minha determinação era tão estridente que minha mãe acabou providenciando uma microárvore desmontável, de uns 30cm, mais ou menos. Para quem imaginava um cipreste de dois metros entrando pela porta da frente, a decepção só não foi maior do que o estranhamento, já que a tal árvore era feita de fiapos brilhantes e azuis, parecendo mais uma dessas perucas metalizadas usadas no carnaval. Que seja! Bem ou mal, já tínhamos a árvore. Faltavam apenas os presentes e a empolgação alheia.

Lembro-me de embrulhar sabonetes e outros objetos da casa para dar de presente a meus pais e irmãos. E apesar de detestar frutas secas, sabia que aí residia o ponto fraco dos meus pais, para quem dezembro e janeiro ainda são sinônimo de nozes, avelãs, castanhas e figo desidratado, além de despesas e impostos. Então, mesmo não gostando, eu acabava participando do ritual anual de quebra das nozes, quando passávamos a noite abrindo as ditas-cujas a marteladas, espremendo-as na dobradiça da porta ou ainda com um jacaré de bronze, que meu avô havia fundido para esse fim ― a gente levantava a cauda do bicho e ele abria a boca para mastigar a noz.

Depois da comida e da cerimônia sazonal das nozes, julguei que deveríamos abrir os presentes, antes de dar o Natal por encerrado. Fui buscar os presentes que eu ia dar e, quando voltei, havia um embrulho mal disfarçado no chão, perto do móvel sobre o qual a árvore-punk reluzia. Eu vi de cara que se tratava do famigerado carrinho de bonecas. Então, larguei os sabonetes embrulhados em algum canto antes de correr vitoriosa até o presente, gritando extasiada "viva! Papai Noel trouxe meu carrinho de bonecas".

Mal terminei a frase e meu pai se levantou da cadeira, com o dedo em riste e o tufo de pêlos entre as sobrancelhas balançando enquanto bradava "o escambau! Papai Noel, uma ova! Quem te deu esse carrinho fui eu!" Ele batia a mão febrilmente no bolso da calça e continuava "com o suor do meu trabalho! Tá entendendo?". Minha mãe ainda disse para ele ficar quieto, talvez preocupada com as conseqüências de uma revelação dramática sobre a inexistência de Papai Noel na vida de uma criança. Mas ele não estava nem aí e arrastou a indignação por um bom tempo, dizendo que a gente precisava saber dar valor ao dinheiro, ao trabalho e ao suor dos pais etc. etc. etc.

Quando se acalmou, todos esperaram a minha reação. Eu sacudi os ombros e falei que o importante era que eu havia ganhado o meu carrinho de bonecas. Acho que minha família ficou decepcionada com o meu espírito interesseiro e consumista, mas no momento aquilo não me incomodava nem um pouco. Eu estava tão empolgada para brincar com o presente que Papai Noel ou meu pai ― tanto faz ― havia me dado, que tratei de distribuir logo os sabonetes embrulhados e dei o Natal por encerrado.

Minha irmã deu seqüência ao luto pelo John Lennon, meu irmão continuou vendo TV e meus pais ainda quebravam nozes, enquanto eu me perdia em devaneios com o meu carrinho de bonecas.

P.S.: Esta manhã, comentei o tema desta crônica com a minha mãe e ela me disse que eu troquei as bolas e misturei as datas, já que em 1980 minha avó estava muito doente e acabou falecendo no dia 28 de dezembro. Por isso, em 1980, não estávamos em Brasília, mas em Belo Horizonte, vivendo um Natal ainda mais triste do que minha percepção infantil foi capaz de registrar. Já o caso do carrinho ocorreu no ano seguinte. Particularmente, eu não me lembrava disso. Pensei em reescrever a crônica para ajustá-la à realidade, mas depois achei melhor ser fiel à minha realidade imaginária e refletir sobre a confusão das lembranças e as versões dos fatos em uma próxima coluna. Ou seja: to be continued...


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 8/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
02. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
03. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
04. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
05. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/12/2008
17h34min
Pilar, adoro ler seus textos. Vc me leva para passear com suas lembranças e lá vou eu dando risadas com seus termos "luzinhas epiléticas", "árvore-punk" etc. Qundo chega no final, lamento. Mas já acabou. São as delicias das crônicas. Grandes o suficiente para dizer tudo e mais um pouco. Sabe, tenho mais para dizer. Amanhã. Ainda vou fazer o texto e dedicá-lo a você.
[Leia outros Comentários de Anna (Anny)]
17/12/2008
00h12min
Pilar, é a primeira vez que leio um texto seu. Gostei demais! Ainda bem que você ganhou o carrinho de bonecas, caso contrário, eu ficaria muito frustrada. Também questiono o capitalismo e o consumismo, embora não tanto quanto seu pai. Mas acho muito importante dar lugar para a imaginação, a fantasia, a poesia e a alegria das crianças. Em geral, com muito pouco elas ficam felizes. O que faz o Natal bonito são as crianças. Parabéns e obrigada pelo presente. Vou procurar outros na "árvore" do Digestivo. E Feliz Natal pra você! Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
28/12/2008
08h12min
Achei fantástico o seu texto, questionador do consumismo que permeia o tempo que precede o Natal. Quando dá ênfase a essa loucura que é o corre-corre desta data, embalada pela voz pouco convidativa de uma pseudocantora chamada Simone, aí desanda o ponto e tudo torna hilário. Parabéns pela lembrança! Antonio
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês