O Natal somos nozes | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
50856 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> Cameron Frye: o rapaz que se cansou de sentir medo
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> The best is yet to come
Mais Recentes
>>> História Geral das Civilizações Tomo Vll : A Época Contemporânea 2º Volume de Maurice Crouzet pela Difusão Européia (1963)
>>> Livro Literatura Estrangeira Homem No Escuro de Paul Auster pela Companhia Das Letras (2008)
>>> O Dinossauro Que Fazia Au-au de Pedro Bandeira pela Moderna (2013)
>>> Livro Psicologia Os Segredos da Mente Milionária Aprenda a Enriquecer Mudando Seus Conceitos Sobre o Dinheiro e Adotando os Hábitos das Pessoas Bem- Sucedidas de T. Harv Eker pela Sextante (2006)
>>> Livro Crítica Literária Simbolismo de Antônio Soares Amora pela Difel
>>> Livro Administração Meta-Capitalism - The E-business Revolution And The Design Of 21st-century Companies And Markets de Grady, Schneider, David Means pela John Wiley & Sons (2000)
>>> História Geral das Civilizações Tomo V : O Século XVlll ,2º Volume de Roland Mousnier pela Difusão Européia (1961)
>>> Livro Administração Matemática Financeira de Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo pela Saraiva (2007)
>>> HQ Tarzan nº1 - O Berço dos Deuses - Centenário de nascimento de Edgar Rice Burroughs de Edgar Rice Burroughs; Russ Manning pela Ebal (1975)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Jardim dos Finzi Contini Mestres da Literatura Contemporânea de Giogio Bassani pela Record Altaya (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Menino Do Pijama Listrado de John Boyne pela Cia das Letras (2010)
>>> Livro Literatura Brasileira Os Doze Trabalhos de Hercules 1 Tomo Coleção Obras Completas de Monteiro Lobato 2 Série Literatura Infantil Volume 16 de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1956)
>>> Livro Literatura Estrangeira Babbit Volume 44 de Sinclair Lewis pela Abril (1972)
>>> História Geral das Civilizações Tomo IV : Os Séculos XVI e XVII, 1º Volume de Roland Mousnier pela Difusão Européia (1960)
>>> Livro Literatura Brasileira Os Sertões - Grandes Nomes do Pensamento Brasileiro de Euclydes da Cunha pela Publifolha (2000)
>>> Livro Sociologia Belle Époque Tropical de Jeffrey D Needell pela Companhia Das Letras (1993)
>>> Manual de Preço de Transferência Beps, Brasil e Ocde - Volume 1 de Leonardo Freitas de Moraes e Castro - Francisco Lisboa Moreira pela Quartier Latin (2018)
>>> Livro Literatura Estrangeira Maze Runner - Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> História Geral das Civilizações Tomo 1 : O oriente e a Grécia Antiga de André Aymard pela Difusão Européia (1965)
>>> HQ O Terror Negro nº 74 - Angustia do Além! de Não Identificado pela La Selva (1956)
>>> Livro Ciências Exatas Os Números a História de Uma Grande Invenção de Georges Ifrah pela Globo (1996)
>>> Livro Literatura Estrangeira Os Maias Episódios Da Vida Romântica Volume II de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão (1951)
>>> Sacopenapã : Lagoa Espelho do Rio (Autografado) de Edmunto Souto pela Timbre (2005)
>>> HQ Mundo de sombras nº31 - Mistérios do Além de Não Identificado pela Não identificado
>>> Manual de Preço de Transferência Beps, Brasil e Ocde Volume Ii de Leonardo Freitas de Moraes e Castro pela Quartier Latin (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/12/2008
O Natal somos nozes
Pilar Fazito
+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Como diria um velho sábio chinês, "invém o Natal", aquela época do ano que se repete ad infinitum. Lá pro fim de outubro, quando o comércio começa a expor a parafernália natalina nas vitrines, a gente começa a se dar conta de que mais um ano se encerra, outro começa e o ritual continua o mesmo: em nome da felicidade e da fraternidade, as pessoas começam a correr de um lado para o outro, histéricas e carrancudas, em busca de presentes, panetones, champanhe, peru e nozes ― as infalíveis nozes. A cidade vira um letreiro luminoso único, com suas luzinhas epilépticas; shoppings ficam lotados de crianças que querem sentar no colo do Papai Noel; a gente tem que suportar as músicas da Simone; e cronistas se sentem impelidos a escrever sobre o Natal, por mais que lutem contra essa falta de originalidade.

Nesse período, eu tento remontar na memória os natais da minha infância e o primeiro que sempre me vem à mente é aquele de 1980. Meses antes, meu pai havia sido chamado para trabalhar em Brasília e aquele era o primeiro Natal que passávamos distante dos tios, primos e avós ― uma família numerosíssima, tanto do lado materno quanto do paterno.

Lembro-me de ter sido um Natal muito triste, já que, dias antes, John Lennon havia sido assassinado e, em casa, os Beatles tinham mais ibope do que os disquinhos infantis dos Saltimbancos, da Arca de Noé e da Turma do Balão Mágico. Embora eu fosse apaixonada é pelo Paul McCartney e vivesse às turras com a minha irmã, não podia deixar de ser solidária em seu luto pelo Lennon. Aos dez anos, seu sofrimento era tão real e pungente que contaminou a todos.

Eu me perguntava se teria a mesma reação que a minha irmã, caso a tragédia tivesse acontecido com o Paul. Certamente, não. Mesmo porque eu tinha apenas quatro anos e estava mais interessada em ganhar um carrinho de bonecas. Pedi ajuda a quem soubesse escrever e estivesse por perto, pus cartas no correio, não parava de comentar como seria o carrinho que o Papai Noel iria me dar e, para garantir, espalhei bilhetes pela casa, inspirada pela propaganda da Caloi.

Meus pais já haviam avisado que não faríamos festa de Natal. O argumento materno era, como de hábito, a falta de dinheiro. Já o paterno, como sempre, a falta de motivo. Ateu até hoje e comunista convicto naquela época, meu pai não via razão alguma para comemorar o aniversário de Cristo e se exaltava ao discursar sobre a exploração do proletariado que tinha na alienação campesina a sua força motriz. Mas aos quatro anos eu só entendia que ele não gostava do Papai Noel, nem de Jesus, mas era louco por uma Coca-Cola.

A despeito do luto da minha irmã, das preocupações financeiras e ideológicas, respectivamente, da minha mãe e do meu pai, e da conformidade do meu irmão, eu só queria saber do carrinho de bonecas que eu haveria de ganhar do bom velhinho. Ops, minto: eu também queria pendurar bolas coloridas em um pinheiro. Minha determinação era tão estridente que minha mãe acabou providenciando uma microárvore desmontável, de uns 30cm, mais ou menos. Para quem imaginava um cipreste de dois metros entrando pela porta da frente, a decepção só não foi maior do que o estranhamento, já que a tal árvore era feita de fiapos brilhantes e azuis, parecendo mais uma dessas perucas metalizadas usadas no carnaval. Que seja! Bem ou mal, já tínhamos a árvore. Faltavam apenas os presentes e a empolgação alheia.

Lembro-me de embrulhar sabonetes e outros objetos da casa para dar de presente a meus pais e irmãos. E apesar de detestar frutas secas, sabia que aí residia o ponto fraco dos meus pais, para quem dezembro e janeiro ainda são sinônimo de nozes, avelãs, castanhas e figo desidratado, além de despesas e impostos. Então, mesmo não gostando, eu acabava participando do ritual anual de quebra das nozes, quando passávamos a noite abrindo as ditas-cujas a marteladas, espremendo-as na dobradiça da porta ou ainda com um jacaré de bronze, que meu avô havia fundido para esse fim ― a gente levantava a cauda do bicho e ele abria a boca para mastigar a noz.

Depois da comida e da cerimônia sazonal das nozes, julguei que deveríamos abrir os presentes, antes de dar o Natal por encerrado. Fui buscar os presentes que eu ia dar e, quando voltei, havia um embrulho mal disfarçado no chão, perto do móvel sobre o qual a árvore-punk reluzia. Eu vi de cara que se tratava do famigerado carrinho de bonecas. Então, larguei os sabonetes embrulhados em algum canto antes de correr vitoriosa até o presente, gritando extasiada "viva! Papai Noel trouxe meu carrinho de bonecas".

Mal terminei a frase e meu pai se levantou da cadeira, com o dedo em riste e o tufo de pêlos entre as sobrancelhas balançando enquanto bradava "o escambau! Papai Noel, uma ova! Quem te deu esse carrinho fui eu!" Ele batia a mão febrilmente no bolso da calça e continuava "com o suor do meu trabalho! Tá entendendo?". Minha mãe ainda disse para ele ficar quieto, talvez preocupada com as conseqüências de uma revelação dramática sobre a inexistência de Papai Noel na vida de uma criança. Mas ele não estava nem aí e arrastou a indignação por um bom tempo, dizendo que a gente precisava saber dar valor ao dinheiro, ao trabalho e ao suor dos pais etc. etc. etc.

Quando se acalmou, todos esperaram a minha reação. Eu sacudi os ombros e falei que o importante era que eu havia ganhado o meu carrinho de bonecas. Acho que minha família ficou decepcionada com o meu espírito interesseiro e consumista, mas no momento aquilo não me incomodava nem um pouco. Eu estava tão empolgada para brincar com o presente que Papai Noel ou meu pai ― tanto faz ― havia me dado, que tratei de distribuir logo os sabonetes embrulhados e dei o Natal por encerrado.

Minha irmã deu seqüência ao luto pelo John Lennon, meu irmão continuou vendo TV e meus pais ainda quebravam nozes, enquanto eu me perdia em devaneios com o meu carrinho de bonecas.

P.S.: Esta manhã, comentei o tema desta crônica com a minha mãe e ela me disse que eu troquei as bolas e misturei as datas, já que em 1980 minha avó estava muito doente e acabou falecendo no dia 28 de dezembro. Por isso, em 1980, não estávamos em Brasília, mas em Belo Horizonte, vivendo um Natal ainda mais triste do que minha percepção infantil foi capaz de registrar. Já o caso do carrinho ocorreu no ano seguinte. Particularmente, eu não me lembrava disso. Pensei em reescrever a crônica para ajustá-la à realidade, mas depois achei melhor ser fiel à minha realidade imaginária e refletir sobre a confusão das lembranças e as versões dos fatos em uma próxima coluna. Ou seja: to be continued...


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 8/12/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
04. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
05. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/12/2008
17h34min
Pilar, adoro ler seus textos. Vc me leva para passear com suas lembranças e lá vou eu dando risadas com seus termos "luzinhas epiléticas", "árvore-punk" etc. Qundo chega no final, lamento. Mas já acabou. São as delicias das crônicas. Grandes o suficiente para dizer tudo e mais um pouco. Sabe, tenho mais para dizer. Amanhã. Ainda vou fazer o texto e dedicá-lo a você.
[Leia outros Comentários de Anna (Anny)]
17/12/2008
00h12min
Pilar, é a primeira vez que leio um texto seu. Gostei demais! Ainda bem que você ganhou o carrinho de bonecas, caso contrário, eu ficaria muito frustrada. Também questiono o capitalismo e o consumismo, embora não tanto quanto seu pai. Mas acho muito importante dar lugar para a imaginação, a fantasia, a poesia e a alegria das crianças. Em geral, com muito pouco elas ficam felizes. O que faz o Natal bonito são as crianças. Parabéns e obrigada pelo presente. Vou procurar outros na "árvore" do Digestivo. E Feliz Natal pra você! Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
28/12/2008
08h12min
Achei fantástico o seu texto, questionador do consumismo que permeia o tempo que precede o Natal. Quando dá ênfase a essa loucura que é o corre-corre desta data, embalada pela voz pouco convidativa de uma pseudocantora chamada Simone, aí desanda o ponto e tudo torna hilário. Parabéns pela lembrança! Antonio
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mini Shopaholic
Sophie Kinsella
Random House
(2011)



A Segunda Mais Antiga Profissão do Mundo
Paulo Francis
Três Estrelas;
(2016)



Livro Infanto Juvenis A Pequena Sereia Clássicos Disney Para Ler e Ouvir Volume 10
Disney
Abril Coleções
(2008)



Alquimia Exotérica da Criação
Ambra Je
Scortecci



Civilizações Megalíticas
Hans Biedremann
Editorial Verbo
(1971)



Exchanging visions of a responsible, plural, solidarity economy-RPSE
Vários Autores
Desconhecido



Livro Infanto Juvenis O Grande Lobo Mau Confissões de um Vilão de Contos de Fada
Claire Pyatt
Livro
(2014)



Casa de Bonecas
Herik Ibsen
Veredas
(1990)



Lenga Lenga do Folclore
Simão de Miranda
Elementar
(2019)



Cabra-Cega
Carlos Nascimento Silva
Relume Dumará
(1998)





busca | avançada
50856 visitas/dia
2,3 milhões/mês