Jornalista e empreendedor? | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/1/2009
Jornalista e empreendedor?
Marta Barcellos

+ de 3400 Acessos

Em setembro de 2008 completei cinco anos fora de uma redação de jornal. Antes disso, foram 18 anos ininterruptos, quase todos com carteira assinada e alguma estabilidade. Quando resolvi sair do meu último Emprego, desses com caixa alta, muita gente se espantou.

Aos poucos, porém, comecei a observar o interesse dos amigos e conhecidos pelos meus novos caminhos. Eu não ia mesmo para assessoria de imprensa? Não tinha mesmo virado mãe e dondoca? Então ― perguntavam discretamente, olhos brilhando ―, me explica: como é essa "coisa", de ser jornalista e empreendedora???

Apesar de ter estudado cuidadosamente o meu plano B, antes do tal primeiro passo, ficava receosa de me celebrar como exemplo. Mas isso fugia um pouco do meu controle, quando começava a falar sobre o assunto, de tão empolgada e convicta que estava.

Além disso, acredito que, se houvesse mais jornalistas produzindo conteúdo fora das redações, esse mercado se consolidaria, se tornaria mais profissional. Claramente existe uma demanda crescente, tanto dos veículos como das empresas.

Mas em geral os jornalistas "freelam" dois, três meses, reclamam da instabilidade e logo sucumbem aos apelos do agitado mercado da "comunicação corporativa".

Hoje, apesar de feliz e adaptada, tento segurar a minha vontade de convencer os amigos a sair de redação e não ir para assessoria de imprensa. Lembro que cada caso é um caso, e que os jornalistas não costumam se notabilizar pelas características consideradas fundamentais para um empreendedor ou profissional autônomo ― tipo disciplina, automotivação e algum espírito sonhador.

Ao contrário, o estereótipo do jornalista, pelo menos o da minha geração, era o de um sujeito tão crítico que se tornou cético (o oposto do sonhador/crédulo), um tanto desorganizado, e que precisa de uma boa pauta, ou um bom chefe, para sair da depressão e revelar todo o seu talento.

Mas o fato é que muitos desses jornalistas da antiga, quando vão para assessorias, se revelam grandes empreendedores ou executivos. Ou seja, o estereótipo é apenas isso mesmo, um estereótipo.

Além disso, o mundo do trabalho está mudando (não, coleguinhas, a crise de Empregos não atinge só as redações). Os especialistas no assunto garantem que, no futuro, a maior parte das pessoas trabalhará como prestadora de serviços, outros se revelarão empreendedores e montarão pequenos negócios, e só uma minoria continuará nas grandes empresas.

No caso dos jornalistas, acredito que o futuro já começou. É fácil se adaptar? Nem sempre. Não seria melhor, ou mais seguro, continuar batalhando espaço no conhecido ambiente dos Empregados, que podem reclamar dos chefes ou patrões? Depende.

Da última vez que uma amiga, de redação, me sondou sobre o sucesso da minha empreitada, acabei fazendo uma lista de prós e contras, seguindo os tópicos que ela mandou por e-mail. Reproduzo abaixo o tal roteiro ― minha modesta contribuição para ajudar os interessados no assunto. E, claro, continuo disponível para os bate-papos, inclusive os sigilosos.

"Vamos lá, amiga

Sobre solidão: Ela realmente existe. A internet ajuda a aliviar, e, sempre que não estou com um prazo no pescoço, faço o máximo de social possível, combino almoços com os amigos. Tenho também uma estagiária, que é uma gracinha, então a gente leva aqueles papos mulherzinha, fundamentais no dia a dia. Agora que tenho um computador extra, convido os eventuais prestadores de serviços para ficarem comigo no escritório, mas nem sempre eles topam.

Quantidade de trabalho: Não falta. Para quem tem talento, e alguns relacionamentos, os clientes ou freelas estão sempre aparecendo. Comecei fazendo muitos freelas, alguns meio mal pagos, e agora tenho pego projetos grandes, tipo livro e relatório anual. Mas às vezes sinto falta de fazer matérias, e aceito freelas novamente, mesmo que a grana não seja lá essas coisas.

Na verdade, o problema é selecionar, saber dizer não com jeitinho, ir montando uma carteira de clientes que seja interessante, descobrir o que pode ser terceirizado ou não. A minha estratégia é diversificar, para não trocar patrão por um clientão, ou seja, ficar na mão de alguém. Cliente às vezes torra o saco, que nem chefe. Então tem que pesar a grana e a realização, antes de dizer sim.

Qualidade de vida: É relativa. Tem época de muuuita ralação. Nos dois últimos meses do livro, eu simplesmente não vivi. A melhor parte é a liberdade de planejamento. Eu ralei à beça com o livro, mas pensava: com essa grana fico um tempo sem pegar projetos grandes, vou ao cabeleireiro no meio da tarde. É como se eu escolhesse o meu plantão, como e quando quero fazer. Mas o que realmente faz a qualidade de vida é o seguinte: a gente não tem que engolir coisas com as quais não concorda ― se aceita o trabalho, se compromete e pronto.

Empreendedorismo: Não dá para ter aquela postura de jornalista, meio arrogante, querer que os outros se adaptem ao 'nosso jeito de ser'. A postura é mais próxima de um assessor, eu acho. Tem que fazer média com o cliente, controlar custos (juro que isso passa a ser prazeroso), respeitar prazos, anotar tudo, fazer proposta, cobrar custos extras do cliente, planejar, planejar, planejar. Isso tudo além das tarefas de antes: sair, entrevistar, escrever, fazer tudo que um jornalista faz normalmente, só que para o freela ou para o projeto do cliente.

Burocracia: É um saco, mas vale a pena ter tudo certinho, abrir empresa, conta jurídica, pagar impostos, vigiar o contador, entender o que muda com o Supersimples. E tem que trabalhar o suficiente para isso se pagar.

Realização: Tenho aprendido muito mais agora do que na minha fase final em redação, quando tudo parecia se repetir, e de forma superficial. De repente, você se percebe muito mais versátil do que imaginava, vê um mundo de possibilidades e aprendizados. Mas talvez isso tenha a ver com perfil, com a possibilidade de descobrir novos interesses. No meu caso, apesar de gostar de jornalismo diário, eu me ressentia de não ir mais fundo nos assuntos. Em um livro, isso chega ao cúmulo. Acho que a maioria dos jornalistas não teria saco de ir tão fundo em alguns assuntos. Com o texto é a mesma coisa. Tem que gostar de burilar, reescrever, não se importar com aquelas fases de edição/revisão intermináveis, mais comuns em revista.

Agora, tem muito jornalista, principalmente aí em São Paulo, que consegue viver só de freela mesmo, pingadinho, porque cada vez mais os jornais e revistas investem em projetos especiais e precisam de colaboradores, sem vínculo. Este tipo de relação, entre o freelancer e os editores desses cadernos, é bem bacana, moderna, boa para os dois lados. Mas só funciona se você tiver consciência de que ele é um 'cliente'. Ou seja, tem que caprichar, respeitar o prazo, o que foi combinado. Lembre-se: você não tem mais carteira assinada e não deve ficar esperando que essa seja uma relação paternalista, ficar falando dos seus problemas pessoais para justificar um atraso, por exemplo.

Grana: Quem tem um bom salário e carteira assinada certamente terá uma redução salarial, pelo menos nos primeiros anos. Mas se houver o tal espírito empreendedor, acredito que dá para ganhar dinheiro, sim, montando um bom plano de negócios e fazendo jornalismo. Eu, até hoje, não tenho certeza se tenho o tal espírito empreendedor que faz ganhar muito dinheiro (outro dia um amigo me garantiu que não existe empresa que não quer crescer muito, como eu defini a minha). Mas até o prestador de serviços, o autônomo, é um empreendedor e precisa pensar como um, para se viabilizar.

Automotivação: Não é fácil. Quando voltei das minhas últimas férias prolongadas (agora não consigo mais, só posso tirar alguns dias e emendar feriados), deu uma preguiça. Eu precisava retomar contatos e projetos, e não conseguia pegar no telefone. Claro que se eu tivesse uma pauta para cumprir ou um chefe me motivando/pentelhando, teria voltado ao pique rapidinho. Reclamando, é claro."

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado em seu blog, Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 12/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
02. Bosnian Rainbows - Bosnian Rainbows (2013) de Guilherme Carvalhal
03. O balé dos coletivos de Elisa Andrade Buzzo
04. Precisamos falar sobre o Kevin de Guilherme Pontes Coelho
05. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira de Wellington Machado


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREDDIE S WAR LEVEL 6 - ANO
JANE ROLLASON
CAMBRIDGE
(2010)
R$ 19,90



MONSTRO DO PÂNTANO - RAÍZES DO MAL - VOLUME 1
GRANT MORRISON; MARK MILLAR; PHIL HESTER
PANINI
(2017)
R$ 24,90



O ESPECTADOR NOTURNO
JERÔME PRIEUR
NOVA FRONTEIRA
(1995)
R$ 13,39



EXPOSIÇÃO COMEMORATIVA DOS 70 ANOS DO UNIBANCO
INSTITUTO MOREIRA SALLES
IMS
(1994)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 10,00



SUJEITO DAGOBERTO
ALBERTO ALECRIM
ROCCO
(2006)
R$ 4,90



BIOLOGIA REVISADA - 1ª EDIÇÃO
WILLIS HARMAN
CULTRIX
(2013)
R$ 37,95



ANATOMIA DA CRÍTICA
NORTHROP FRYE
CULTRIX
(1973)
R$ 60,00



CONDUTA ESPIRITA
WALDO VIEIRA ANDRE LUIZ
FEB
(1995)
R$ 9,00



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO VEJA LAROUSSE 22
ABRIL
ABRIL
(2006)
R$ 5,50





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês