Poeirópolis (como no início do século XX) | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Sexta-feira, 31/7/2009
Poeirópolis (como no início do século XX)
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Esta cidade sempre me pareceu avermelhada. Desde criança, estou às voltas com a Antônio Carlos. Desde a adolescência que a avenida vive em obras, e eu também, em torno dela, que parece ter essa característica das coisas que jamais estão completamente prontas. De todo modo, é bom vê-la mais bonita agora.

De um lado
Nos últimos tempos, tenho passado por lá de propósito. Foi-se o tempo em que desviava por outros caminhos, mais estreitos, mas curiosamente menos densos de gente e carros. E não é que esteja mais fácil atravessar da zona nordeste para o centro. É que a paisagem mudou. Algo me acomete ali que não sei bem explicar. Algo relacionado a esta falta de referência. Há mais de trinta anos que passo por ali e vejo uns prédios, uma favela, uns postes antigos, um ponto de ônibus extenso e um viaduto sujo. Do lado esquerdo de quem sai do bairro, o prédio dos Correios, a ex-concessionária Mercedes, com arquitetura peculiar, os inúmeros sacolões pichados, pensões suspeitas, igrejas anômalas, milagrosas, caça-níqueis, até uma boate sombria (apesar do neon alegre na fachada) e a subida íngreme para a faculdade tradicional (que agora entrou no breu da concentração das instituições privadas de terceiro ou quarto escalão e passou para as mãos dos financistas profissionais).

Os prédios foram todos arrancados dali. Todos, menos aqueles de estruturas mais robustas, que serão, em breve, implodidos. Implosão é uma cena linda, não? A poeira soluça. Sumiram-se os prédios da Mercedes e dos Correios, sumiu-se o posto de gasolina da esquina, referência para quem virava na rua Formiga. E agora? No lugar onde os motoristas erram colocaram uma placa laranja para identificar a curva. As referências sumiram-se todas. A cidade, aqui, é outra. Indo para o centro, no lugar dos prédios mal-conservados, veem-se as ruas mais altas (a Diamantina apareceu no mapa visual) e a Serra do Curral. Talvez seja isto o que me emociona: ver a Serra do Curral era coisa para poucos, na zona sul. Agora os horizontes da cidade também são meus. E a outra emoção mais trêmula, a de ver a paisagem mudar bem na nossa frente, de um dia para o outro. Neste caso, literalmente, do dia para a noite. Os tratores com bocarras pegam e comem pedaços dos prédios como se fosse tudo algodão, isopor, papelão. Dá gosto.

Mas isso porque a casa não é minha. Para que a poeira planasse e as edificações fossem engolidas, para ceder lugar ao complexo viário, as pessoas e suas casas foram desapropriadas. Conheço gente que teve meia casa desapropriada. Nem nada, nem inteira, era só metade. Imagina o que é?

De outro lado
Desde criança sei das histórias de atropelamento nas pistas centrais da Cristiano Machado. Ali pelos bairros avizinhados, isso é lenda urbana. Olhe para os dois lados. Mesmo assim, os ônibus vermelhos vinham do nada. E não faziam distinção entre pais de família e vagabundos armados.

Ainda sem shopping, sem restaurante, sem torres coloridas, sem viaduto, a Bernardo Vasconcelos era larga, sempre larga, malcheirosa, córrego a céu aberto que foi sumindo junto com o crescimento da cidade. Bicicletas, cooper. Antes mesmo de a caminhada entrar na moda, as pessoas andavam de uma ponta a outra porque o trajeto é razoável, embora não seja bonito e fosse, naquela época, ainda menos.

Almoçando na pizzaria com nome de zona sul, fiquei observando o movimento intenso, em pleno sábado. Nada disso era assim. Não sinto saudades. Junto com essa lembrança da avenida pacata me vêm outras ruinzinhas. Interessante mesmo é ver que a cidade mudou e o tempo passou, mesmo em bairros que não parecem vinculados a nada de muito importante.

Mesmo ganhando prédios, graças a Deus poucos e baixos; recebendo sinalização, inclusive turística; pinturas de chão, placas, guardinhas de trânsito; mesmo ganhando lojas, restaurantes, sorveterias, retornos; sendo caminho para o aeroporto novo e para a Linha Verde; hotel cinco estrelas; centro de convenções; shopping da casa; empreendimentos promissores; asfalto e bueiro de zona sul, minha sensação não é de conforto. Junto com o aspecto civilizado vieram as radiopatrulhas em tempo integral, parando os moradores de um jeito pouco amistoso; os arames e as cercas eletrificadas de campos de concentração também se achegaram. Quando nos assustamos, estávamos assim, como nos filmes do Holocausto. Como muitos de nós moramos em casas, não temos guaritas e vigias trancados em dois metros quadrados de Blindex marrom. O jeito é saber rezar desde cedo e ter sempre alguém preso em casa para a eventualidade de precisar receber os bandidos.

(Agora me dei conta de que queria escrever um texto bonito e comemorativo. Tenho certeza de que isso há de acontecer.)

Lá perto do aeroporto velho temos um anel rodoviário famoso. Meu pai passou por lá, diariamente, por mais de trinta anos, e continua vivo. As coisas que vão derrubar o velho são outras. Agora quem passa por lá todos os dias sou eu. Vou jogando este game de segunda a sexta para ver no que vai dar.

No meu trabalho, estamos todos fazendo uma simpática campanha para deixarmos os carros na garagem e irmos trabalhar de outro jeito qualquer. Queremos, tentamos. Seria muito bom poder fazer isso sem chegar atrasado, sem pegar quatro ônibus. Meu bairro continua lá, eternamente lá, sem ônibus que o ligue à zona sul, onde não interessa mesmo que possamos chegar.

Metrô? Onde? Ah, aquele trem ali. Bonito, mas não me serve. Antes de chegar à estação, fui assaltada na passarela. Voltei para casa e bebi uma água com açúcar. Amanhã tento de novo. No meu bairro, ainda não nos convenceram de que bacana é morar em apartamento. Vão convencer, eu sei. O lote lá custa caro. Vai morrendo o último velhinho da família e o filho caçula logo troca o terreno por um apê de cobertura com manta asfáltica. Chique mesmo. A polícia veio avisar que é pra dar várias voltas no quarteirão antes de embicar o carro na garagem. A gente tem de ser mais esperto do que o ladrão. Se não der, é só discar 190. Vai chegando em casa, tem ladrão esperando no portão. Romântico como só ele sabe ser. Abre a porta, mermão. Lá dentro está o resto da família, inclusive o bebê, que haverá de herdar nossa síndrome do pânico.

De qualquer lado
(Que baixo astral! Isso é coisa que se escreva sobre a cidade?) A Antônio Carlos está bem mais bonita. A Cristiano Machado ainda anda enrolada, mas a obra é grande demais. É preciso ter paciência. Tudo isso vai compensar, claro que vai. Assim vai ficar mais fácil levar meu filho para a escola privada que vou ter de pagar para ele conseguir preencher o gabarito no vestibular. Lá no meu bairro tem duas escolas estaduais e duas municipais. O Colégio Municipal da Lagoinha, que foi referência absoluta de formação e ensino nos anos 60-70-80, virou observatório do tráfico, está fechado para balanço. O jeito é pagar dobrado. Importante é acreditar. A gente se esforça tanto, cumpre os compromissos, paga tudo em dia, não pode desistir. Filho pequeno dá uma esperança danada nos adultos. Aquele olharzinho doce encara a gente e faz cada pergunta: "Mãe, por que é que as pessoas estão virando bichos?". Vou responder o quê? Mandei logo ele ler Kafka, para ver se a gente tem uma luz.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 31/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
02. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 de Rafael Fernandes


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/7/2009
01h09min
Querida Ana Elisa, não se trata de baixo astral, não! Campinas passa pelo mesmo processo de destruição dos lugares de memórias da cidade. Pior: a ausência de consciência ecológica! Movida pela lógica estúpida de que brasileiro ama automóvel - ideologia veiculada pela mídia -, grande parte da população promove uma criminosa devastação ambiental, arrancando sem qualquer piedade árvores belíssimas, floridas, haja vista não suportar que qualquer tipo de folha e/ou flor pouse sobre o sinistro deus automóvel. Desafortunadamente, o automóvel é o autêntico cidadão brasileiro! À distância, consoante o avanço desta nefasta mentalidade, o meu bairro mais parece uma plataforma de concreto: eis a herança que será deixada aos que virão depois de nós: DEVASTAÇÃO! abs do Sílvio
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
31/7/2009
08h58min
É, Ana, BH sempre mudando, sempre com altos e baixos, não só no relevo... mas mesmo com isso tudo junto, como disseram e cantaram, "é aqui que eu amooooo, é aqui que eu quero ficar, pois não hááááá lugar melhor que Beagá"
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
2/8/2009
18h22min
Ana Elisa, como sempre, você escreve sobre o cotidiano de um jeito que atinge a gente em cheio. Não sei como você poderia explicar para o Dudu, mas além de virar bicho algumas pessoas hoje querem morar na jaula e virar prisioneiras de outras. No bairro onde moro há 30 anos, em Nova Lima, estamos sendo prcessados na justiça por alguns vizinhos porque não concordamos em virar condomínio, desprezar o poder público e colocar uma milícia para tomar conta das nossas casas. Querem nos obrigar a voltar ao feudalismo! Apesar da "violência" sei que poderíamos viver melhor e com mais segurança se as mentalidades fossem mais amigas e voltadas para a comunidade em vez do individualismo. Abraços com muita saudade.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês