Poeirópolis (como no início do século XX) | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 31/7/2009
Poeirópolis (como no início do século XX)
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Esta cidade sempre me pareceu avermelhada. Desde criança, estou às voltas com a Antônio Carlos. Desde a adolescência que a avenida vive em obras, e eu também, em torno dela, que parece ter essa característica das coisas que jamais estão completamente prontas. De todo modo, é bom vê-la mais bonita agora.

De um lado
Nos últimos tempos, tenho passado por lá de propósito. Foi-se o tempo em que desviava por outros caminhos, mais estreitos, mas curiosamente menos densos de gente e carros. E não é que esteja mais fácil atravessar da zona nordeste para o centro. É que a paisagem mudou. Algo me acomete ali que não sei bem explicar. Algo relacionado a esta falta de referência. Há mais de trinta anos que passo por ali e vejo uns prédios, uma favela, uns postes antigos, um ponto de ônibus extenso e um viaduto sujo. Do lado esquerdo de quem sai do bairro, o prédio dos Correios, a ex-concessionária Mercedes, com arquitetura peculiar, os inúmeros sacolões pichados, pensões suspeitas, igrejas anômalas, milagrosas, caça-níqueis, até uma boate sombria (apesar do neon alegre na fachada) e a subida íngreme para a faculdade tradicional (que agora entrou no breu da concentração das instituições privadas de terceiro ou quarto escalão e passou para as mãos dos financistas profissionais).

Os prédios foram todos arrancados dali. Todos, menos aqueles de estruturas mais robustas, que serão, em breve, implodidos. Implosão é uma cena linda, não? A poeira soluça. Sumiram-se os prédios da Mercedes e dos Correios, sumiu-se o posto de gasolina da esquina, referência para quem virava na rua Formiga. E agora? No lugar onde os motoristas erram colocaram uma placa laranja para identificar a curva. As referências sumiram-se todas. A cidade, aqui, é outra. Indo para o centro, no lugar dos prédios mal-conservados, veem-se as ruas mais altas (a Diamantina apareceu no mapa visual) e a Serra do Curral. Talvez seja isto o que me emociona: ver a Serra do Curral era coisa para poucos, na zona sul. Agora os horizontes da cidade também são meus. E a outra emoção mais trêmula, a de ver a paisagem mudar bem na nossa frente, de um dia para o outro. Neste caso, literalmente, do dia para a noite. Os tratores com bocarras pegam e comem pedaços dos prédios como se fosse tudo algodão, isopor, papelão. Dá gosto.

Mas isso porque a casa não é minha. Para que a poeira planasse e as edificações fossem engolidas, para ceder lugar ao complexo viário, as pessoas e suas casas foram desapropriadas. Conheço gente que teve meia casa desapropriada. Nem nada, nem inteira, era só metade. Imagina o que é?

De outro lado
Desde criança sei das histórias de atropelamento nas pistas centrais da Cristiano Machado. Ali pelos bairros avizinhados, isso é lenda urbana. Olhe para os dois lados. Mesmo assim, os ônibus vermelhos vinham do nada. E não faziam distinção entre pais de família e vagabundos armados.

Ainda sem shopping, sem restaurante, sem torres coloridas, sem viaduto, a Bernardo Vasconcelos era larga, sempre larga, malcheirosa, córrego a céu aberto que foi sumindo junto com o crescimento da cidade. Bicicletas, cooper. Antes mesmo de a caminhada entrar na moda, as pessoas andavam de uma ponta a outra porque o trajeto é razoável, embora não seja bonito e fosse, naquela época, ainda menos.

Almoçando na pizzaria com nome de zona sul, fiquei observando o movimento intenso, em pleno sábado. Nada disso era assim. Não sinto saudades. Junto com essa lembrança da avenida pacata me vêm outras ruinzinhas. Interessante mesmo é ver que a cidade mudou e o tempo passou, mesmo em bairros que não parecem vinculados a nada de muito importante.

Mesmo ganhando prédios, graças a Deus poucos e baixos; recebendo sinalização, inclusive turística; pinturas de chão, placas, guardinhas de trânsito; mesmo ganhando lojas, restaurantes, sorveterias, retornos; sendo caminho para o aeroporto novo e para a Linha Verde; hotel cinco estrelas; centro de convenções; shopping da casa; empreendimentos promissores; asfalto e bueiro de zona sul, minha sensação não é de conforto. Junto com o aspecto civilizado vieram as radiopatrulhas em tempo integral, parando os moradores de um jeito pouco amistoso; os arames e as cercas eletrificadas de campos de concentração também se achegaram. Quando nos assustamos, estávamos assim, como nos filmes do Holocausto. Como muitos de nós moramos em casas, não temos guaritas e vigias trancados em dois metros quadrados de Blindex marrom. O jeito é saber rezar desde cedo e ter sempre alguém preso em casa para a eventualidade de precisar receber os bandidos.

(Agora me dei conta de que queria escrever um texto bonito e comemorativo. Tenho certeza de que isso há de acontecer.)

Lá perto do aeroporto velho temos um anel rodoviário famoso. Meu pai passou por lá, diariamente, por mais de trinta anos, e continua vivo. As coisas que vão derrubar o velho são outras. Agora quem passa por lá todos os dias sou eu. Vou jogando este game de segunda a sexta para ver no que vai dar.

No meu trabalho, estamos todos fazendo uma simpática campanha para deixarmos os carros na garagem e irmos trabalhar de outro jeito qualquer. Queremos, tentamos. Seria muito bom poder fazer isso sem chegar atrasado, sem pegar quatro ônibus. Meu bairro continua lá, eternamente lá, sem ônibus que o ligue à zona sul, onde não interessa mesmo que possamos chegar.

Metrô? Onde? Ah, aquele trem ali. Bonito, mas não me serve. Antes de chegar à estação, fui assaltada na passarela. Voltei para casa e bebi uma água com açúcar. Amanhã tento de novo. No meu bairro, ainda não nos convenceram de que bacana é morar em apartamento. Vão convencer, eu sei. O lote lá custa caro. Vai morrendo o último velhinho da família e o filho caçula logo troca o terreno por um apê de cobertura com manta asfáltica. Chique mesmo. A polícia veio avisar que é pra dar várias voltas no quarteirão antes de embicar o carro na garagem. A gente tem de ser mais esperto do que o ladrão. Se não der, é só discar 190. Vai chegando em casa, tem ladrão esperando no portão. Romântico como só ele sabe ser. Abre a porta, mermão. Lá dentro está o resto da família, inclusive o bebê, que haverá de herdar nossa síndrome do pânico.

De qualquer lado
(Que baixo astral! Isso é coisa que se escreva sobre a cidade?) A Antônio Carlos está bem mais bonita. A Cristiano Machado ainda anda enrolada, mas a obra é grande demais. É preciso ter paciência. Tudo isso vai compensar, claro que vai. Assim vai ficar mais fácil levar meu filho para a escola privada que vou ter de pagar para ele conseguir preencher o gabarito no vestibular. Lá no meu bairro tem duas escolas estaduais e duas municipais. O Colégio Municipal da Lagoinha, que foi referência absoluta de formação e ensino nos anos 60-70-80, virou observatório do tráfico, está fechado para balanço. O jeito é pagar dobrado. Importante é acreditar. A gente se esforça tanto, cumpre os compromissos, paga tudo em dia, não pode desistir. Filho pequeno dá uma esperança danada nos adultos. Aquele olharzinho doce encara a gente e faz cada pergunta: "Mãe, por que é que as pessoas estão virando bichos?". Vou responder o quê? Mandei logo ele ler Kafka, para ver se a gente tem uma luz.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 31/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
02. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
03. O Público Contra Yayoi Kusama de Duanne Ribeiro
04. 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida de Carina Destempero
05. Meu Primeiro Livro de Julio Daio Borges


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/7/2009
01h09min
Querida Ana Elisa, não se trata de baixo astral, não! Campinas passa pelo mesmo processo de destruição dos lugares de memórias da cidade. Pior: a ausência de consciência ecológica! Movida pela lógica estúpida de que brasileiro ama automóvel - ideologia veiculada pela mídia -, grande parte da população promove uma criminosa devastação ambiental, arrancando sem qualquer piedade árvores belíssimas, floridas, haja vista não suportar que qualquer tipo de folha e/ou flor pouse sobre o sinistro deus automóvel. Desafortunadamente, o automóvel é o autêntico cidadão brasileiro! À distância, consoante o avanço desta nefasta mentalidade, o meu bairro mais parece uma plataforma de concreto: eis a herança que será deixada aos que virão depois de nós: DEVASTAÇÃO! abs do Sílvio
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
31/7/2009
08h58min
É, Ana, BH sempre mudando, sempre com altos e baixos, não só no relevo... mas mesmo com isso tudo junto, como disseram e cantaram, "é aqui que eu amooooo, é aqui que eu quero ficar, pois não hááááá lugar melhor que Beagá"
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
2/8/2009
18h22min
Ana Elisa, como sempre, você escreve sobre o cotidiano de um jeito que atinge a gente em cheio. Não sei como você poderia explicar para o Dudu, mas além de virar bicho algumas pessoas hoje querem morar na jaula e virar prisioneiras de outras. No bairro onde moro há 30 anos, em Nova Lima, estamos sendo prcessados na justiça por alguns vizinhos porque não concordamos em virar condomínio, desprezar o poder público e colocar uma milícia para tomar conta das nossas casas. Querem nos obrigar a voltar ao feudalismo! Apesar da "violência" sei que poderíamos viver melhor e com mais segurança se as mentalidades fossem mais amigas e voltadas para a comunidade em vez do individualismo. Abraços com muita saudade.
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



VALE A PENA RIR DE NOVO
CLÉSIO R. TARDELLI
SULMINAS
(1999)
R$ 10,00



MANET - UM NOVO REALISMO - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 7,00



CHINA
FERNANDO PORTELA ARMEN MAMIGONIAM
ATICA
(1988)
R$ 5,00



MEDEIAS LATINAS
MÁRCIO MEIRELLES GOUVÊA, OSÉIAS SILAS FERRAZ
AUTÊNTICA
(2014)
R$ 40,00



A CASA VERDE
MARIO VARGAS LLOSA
NOVA FRONTEIRA
(1971)
R$ 5,00



BRASIL HOLANDÊS: 1624-1654
REVISTA TEMAS BRASILEIROS - EDIÇÃO ESPECIAL
DUETTO
R$ 22,82



PROJETO PENSE RÁPIDO
ROS JAY
MANOLE
(2003)
R$ 12,00



O HERÓI, O MITO E A EPOPÉIA - 3172
LUÍS TOLEDO MACHADO
ALBA
(1962)
R$ 10,00



SER CRIANÇA A ESPERANÇA DE UM NOVO MILÊNIO
ELIANE CARONE
OBRA PRIMA
(2004)
R$ 12,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês