Sobre o Islã, de Ali Kamel | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
Mais Recentes
>>> Mahatma Gandhi - Politik und Gewaltlosigkeit de Otto Wolff pela Musterschimidt-Verlag (1963)
>>> Marionetes Populares de Yvonne Jean pela Din (1955)
>>> As Bacanas = Plauto de Newton Belleza pela Emebê (1977)
>>> Trinta Toques de Rogério Viana pela Engenho da Letra (1999)
>>> O Teatro de Cervantes de José Carlos Lisboa pela Os Cadernos de Cultura (1952)
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2009
Sobre o Islã, de Ali Kamel
Ricardo de Mattos

+ de 7000 Acessos

"Ele (será) contra todos, e todos contra ele,
E ele habitará apartado de seus irmãos
." (Gênesis, 16, 12)

Pedimos desculpas ao leitor se comentamos um livro que ele já possa ter lido, visto que Sobre o Islã (Nova Fronteira, 2007, 320 págs.), do jornalista e sociólogo Ali Kamel, foi publicado em 2007. Como passamos aquele ano inteiro ocupados na busca de corno em crânio equino, deixamos de acompanhar certos lançamentos cuja leitura teria sido mais útil. Os conflitos no Oriente Médio renovando-se constantemente fazem com que o interesse pela História dos povos envolvidos não se arrefeça e sempre se busque um "porquê" e uma saída para tanta violência. O valor deste livro revela-se em três pontos. Primeiro, pela diferença da abordagem, centrada na afinidade, e não na diferença, entre judeus, muçulmanos e cristãos. Segundo, pela objetividade do texto. Terceiro, por preparar o fôlego para a leitura de obras mais densas e volumosas, como Uma história dos povos árabes, de Albert Hourani e Os sete pilares da sabedoria, de T. E. Lawrence, na qual foi baseado o filme Lawrence da Arábia.

Divide-se o livro em cinco partes. Na primeira, o autor detém-se no período das escrituras que vai de Adão a Maomé. Falamos em "escrituras" e não em "Escrituras", pois ele alterna-se entre os textos sagrados do Judaísmo, do Cristianismo e do Islamismo, respectivamente, a Torá ― ou o Pentateuco do Antigo Testamento ―, o Novo Testamento e o Alcorão. As narrativas são aproximadas, e desta aproximação saltam os pontos de contato e de contrariedade. Um ponto foi fundamental para alertar o leitor que busca informar-se acerca da cultura islâmica. Ao tratar da queda de Adão e Eva no comer o fruto proibido, segundo o Alcorão, é-nos informado que eles deixam de ver o mundo como uma realidade dependente de Deus e passam a enxergar este mesmo mundo como uma realidade diferenciada. Se considerarmos que Plotino também deteve-se em explicar, em um dos tratados das Enéadas, que a problemática humana da dor e do sofrimento se explica pelo encanto do Homem com as coisas deste mundo, ao mesmo tempo que volta as costas para sua origem divina, deparamo-nos com o motivo de certa dificuldade em compreender a Cultura e a Religião Islâmica. É que se insiste em recorrer às fontes greco-romanas, cristãs, européias e norte-americanas para conhecer uma Civilização que, embora co-originária em relação a judeus e cristãos, desenvolveu seu pensamento, suas artes e sua ciência a partir de outras premissas e visando outros fins. Não se lê o Alcorão com a cabeça "formatada" pela Bíblia, sendo necessária certa expansão cultural para que se possa realizar a leitura harmônica entre eles, tal como sugere o primeiro: "e que crêem no que foi descido do céu, para ti, e no que fora descido antes de ti, e se convencem da Derradeira Vida" (Sura II, versículo 4). Segundo Helmi Nasr, autor da melhor tradução do Alcorão para o português, o "no" que grifamos é a referência à Torá e ao Evangelho. Daí porque os muçulmanos se referem a eles como "povos dos livros".

Em seguida, Kamel discorre sobre as diferenças existentes entre os próprios muçulmanos, diferenças estas originadas com versões sobre a Morte de Maomé. Conforme se adote uma ou outra versão, o fiel é sunita ou xiita. Conforme se é partidário de um ou outro partido, a legitimidade dos primeiros califas é aceita ou contestada. Califas seriam os continuadores do Profeta, seguindo de onde ele parou, mas sem inovar as revelações deixadas por ele. Portanto, o que está em jogo é a sucessão de Maomé, algo ainda tão presente que sentimos certo pasmo quando nos damos conta do quanto isso ainda permeia as relações e os costumes. Numa reportagem da National Geographic sobre Jerusalém, um morador foi entrevistado e declarou que "há dois mil anos" um ramo de sua família resolveu seguir Jesus Cristo, e com a cisão, este ramo passou a morar em outro bairro da cidade. No século passado, nossa família teve três gerações. Se mantido o padrão por vinte séculos, seriam sessenta gerações. Considerando que a cada geração retroativa o número de familiares dobra ― um filho, dois pais, quatro avós ―, para nós torna-se impraticável estabelecer um vínculo sincero de afinidade a partir da quarta geração, que dizer de comprar suas brigas e manter seus pensamentos. No entanto, mesmo que em outros pontos do globo judeus, muçulmanos e cristãos tenham chegado a um nível satisfatório de convivência ― nem falamos em aceitação ―, se ainda há pessoas preocupadas com que seus familiares fizeram "há dois mil anos", elas não parecem dispostas a adotar maior realismo na resolução de questões religiosas, territoriais e políticas.

Depois de analisar a violência atribuída ao Islã, o uso de véu pelas mulheres e a pena de apedrejamento, Kamel investiga as origens do terror, partindo do princípio de que não se trata de fundamentalismo, mas de totalitarismo. "Fundamentalista" é o seguidor de qualquer texto sagrado que queira viver de acordo com sua literalidade e nada além. São pessoas que vivem como entendem, coexistem com os discordantes, mesmo que sem maior proximidade, e geralmente são até pacifistas. O totalitário, além de radicalizar a leitura do texto, exige que outras pessoas sigam exatamente o que ele acredita. O totalitário quer impor sua leitura mesmo que seja necessário recorrer à força. Daí a contaminação de toda a religião, toda a cultura, por um foco histérico e ignorante. Neste foco destaca-se Osama Bin Laden, ortodoxo sunita que não hesita em aliar-se a xiitas, desde que sejam eles quem se ofereçam para as missões suicidas. Consulte-se a lista dos terroristas do 11/9 e descobrir-se-á a proporção. Além disso, ele mesmo talvez nunca tenha lido o Alcorão inteiro, limitando-se a escolher os versículos que comprovem suas "teses" e contentem seus seguidores, mesmo que seja necessário editar o texto para montar um novo.

Um exemplo das distorções promovidas pelos radicais foi o que se deu com a "jihad", palavra árabe cuja tradução é "esforço". A jihad maior de um fiel é seu esforço em vencer suas tendências nefastas, seu desequilíbrio. Aproxima-se da luta contra o Ego, dos budistas. A jihad menor é a guerra defensiva, e só defensiva, visto que se veda a imposição da fé islâmica pela força. A fonte da distinção encontra-se num relato sobre a vida de Maomé. Al-Banna, fundador da Irmandade Muçulmana, não só revogou este relato por ser contrário às suas ideias, como também pregou que a única jihad agradável aos olhos de Allah é a guerra ofensiva contra os infiéis. E foi a versão que prevaleceu, ainda que contrária ao Livro que ele diz seguir.

Sobre o Islã demonstra haver uma continuidade entre as correntes radicais surgidas no tempo, desde Wahhab no século XVIII ― segundo o calendário cristão ― até Bin Laden, passando por Al-Banna e Sayyid Qutb. Estes nomes pouco ou nada dizem para os ocidentais, mas foram os responsáveis por manter a pólvora seca, isto é, sempre cultivaram e pregaram a intolerância, o isolamento, o radicalismo das posições, a rejeição à evolução dos tempos. Foram ideólogos do terror que de alguma forma encontraram ouvidos interessados e olhos atentos. A Irmandade Muçulmana citada, criada no Egito, foi mais um movimento reducionista e agressivo que variou entre a legalidade e a clandestinidade, também sofreu dissidências, e desaguou ou serviu de inspiração para outros como o Jihad Islâmico, o Hamas e a Al Qaeda. Ramificou-se também na Irmandade Muçulmana da Palestina, cujo fundador Abdullah Azzam foi, nas palavras do autor, o primeiro grande parceiro de Bin Laden.

Ali Kamel encerra seu trabalho lançando e respondendo oito perguntas sobre a guerra do Iraque. Esta talvez seja a parte mais polêmica do livro, mas as pesquisas e fontes são analisadas de acordo com todo arcabouço de dados históricos do Oriente e do Ocidente ― oposição que cada vez é-nos mais desagradável ― e suas conclusões expostas nos limites do ensaísmo.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bnegão, Rodrigo Campos; e mais de Duanne Ribeiro
02. A estréia de Glauber Rocha em DVD de Lucas Rodrigues Pires


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIAS DE OBJETOS
NAOMAR DE ALMEIDA FILHO
FUND CULT DO ESTADO DA BAHIA
(1976)
R$ 33,00



A ERA DOS SERVIÇOS
JAMES TEBOUL
QUALITYMARK
(2002)
R$ 5,00



ARQUITETO RUY OHTAKE: 15 ANOS DE ATIVIDADE
CADERNOS BRASILEIROS DE ARQUITETURA, Nº 2
SCHEMA
R$ 30,28



O MUNDO DO FIM DO MUNDO
LUÍS SEPÚLVEDA
EDIOURO
(1997)
R$ 7,49



VENDETTA
STEVE SHAGAN
RECORD
(1988)
R$ 6,90



LIVRO LIRA DOS VINTE ANOS
ÁLVARES DE AZEVEDO (2)
NÚCLEO
(1994)
R$ 5,00



GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA FILOSOFIA
LUIZ FELIPE PONDÉ
LEYA
(2012)
R$ 23,75



AS CIENCIAS PROIBIDAS - GRANDES MISTÉRIOS DO NOSSO TEMPO VOL. 19
DIVERSOS
SECULO FUTURO
(1987)
R$ 8,00



EXECUÇÃO PENAL E SUA APLICAÇÃO: O PRESO E SEUS DIREITOS
LÚCIO ADOLFO
LÍDER (BH)
(2003)
R$ 19,28



O PODER DA AÇÃO - FAÇA SUA VIDA IDEAL SAIR DO PAPEL
PAULO VIEIRA
GEN6TE
(2015)
R$ 34,90





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês