Sobre o Islã, de Ali Kamel | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2009
Sobre o Islã, de Ali Kamel
Ricardo de Mattos

+ de 8100 Acessos

"Ele (será) contra todos, e todos contra ele,
E ele habitará apartado de seus irmãos
." (Gênesis, 16, 12)

Pedimos desculpas ao leitor se comentamos um livro que ele já possa ter lido, visto que Sobre o Islã (Nova Fronteira, 2007, 320 págs.), do jornalista e sociólogo Ali Kamel, foi publicado em 2007. Como passamos aquele ano inteiro ocupados na busca de corno em crânio equino, deixamos de acompanhar certos lançamentos cuja leitura teria sido mais útil. Os conflitos no Oriente Médio renovando-se constantemente fazem com que o interesse pela História dos povos envolvidos não se arrefeça e sempre se busque um "porquê" e uma saída para tanta violência. O valor deste livro revela-se em três pontos. Primeiro, pela diferença da abordagem, centrada na afinidade, e não na diferença, entre judeus, muçulmanos e cristãos. Segundo, pela objetividade do texto. Terceiro, por preparar o fôlego para a leitura de obras mais densas e volumosas, como Uma história dos povos árabes, de Albert Hourani e Os sete pilares da sabedoria, de T. E. Lawrence, na qual foi baseado o filme Lawrence da Arábia.

Divide-se o livro em cinco partes. Na primeira, o autor detém-se no período das escrituras que vai de Adão a Maomé. Falamos em "escrituras" e não em "Escrituras", pois ele alterna-se entre os textos sagrados do Judaísmo, do Cristianismo e do Islamismo, respectivamente, a Torá ― ou o Pentateuco do Antigo Testamento ―, o Novo Testamento e o Alcorão. As narrativas são aproximadas, e desta aproximação saltam os pontos de contato e de contrariedade. Um ponto foi fundamental para alertar o leitor que busca informar-se acerca da cultura islâmica. Ao tratar da queda de Adão e Eva no comer o fruto proibido, segundo o Alcorão, é-nos informado que eles deixam de ver o mundo como uma realidade dependente de Deus e passam a enxergar este mesmo mundo como uma realidade diferenciada. Se considerarmos que Plotino também deteve-se em explicar, em um dos tratados das Enéadas, que a problemática humana da dor e do sofrimento se explica pelo encanto do Homem com as coisas deste mundo, ao mesmo tempo que volta as costas para sua origem divina, deparamo-nos com o motivo de certa dificuldade em compreender a Cultura e a Religião Islâmica. É que se insiste em recorrer às fontes greco-romanas, cristãs, européias e norte-americanas para conhecer uma Civilização que, embora co-originária em relação a judeus e cristãos, desenvolveu seu pensamento, suas artes e sua ciência a partir de outras premissas e visando outros fins. Não se lê o Alcorão com a cabeça "formatada" pela Bíblia, sendo necessária certa expansão cultural para que se possa realizar a leitura harmônica entre eles, tal como sugere o primeiro: "e que crêem no que foi descido do céu, para ti, e no que fora descido antes de ti, e se convencem da Derradeira Vida" (Sura II, versículo 4). Segundo Helmi Nasr, autor da melhor tradução do Alcorão para o português, o "no" que grifamos é a referência à Torá e ao Evangelho. Daí porque os muçulmanos se referem a eles como "povos dos livros".

Em seguida, Kamel discorre sobre as diferenças existentes entre os próprios muçulmanos, diferenças estas originadas com versões sobre a Morte de Maomé. Conforme se adote uma ou outra versão, o fiel é sunita ou xiita. Conforme se é partidário de um ou outro partido, a legitimidade dos primeiros califas é aceita ou contestada. Califas seriam os continuadores do Profeta, seguindo de onde ele parou, mas sem inovar as revelações deixadas por ele. Portanto, o que está em jogo é a sucessão de Maomé, algo ainda tão presente que sentimos certo pasmo quando nos damos conta do quanto isso ainda permeia as relações e os costumes. Numa reportagem da National Geographic sobre Jerusalém, um morador foi entrevistado e declarou que "há dois mil anos" um ramo de sua família resolveu seguir Jesus Cristo, e com a cisão, este ramo passou a morar em outro bairro da cidade. No século passado, nossa família teve três gerações. Se mantido o padrão por vinte séculos, seriam sessenta gerações. Considerando que a cada geração retroativa o número de familiares dobra ― um filho, dois pais, quatro avós ―, para nós torna-se impraticável estabelecer um vínculo sincero de afinidade a partir da quarta geração, que dizer de comprar suas brigas e manter seus pensamentos. No entanto, mesmo que em outros pontos do globo judeus, muçulmanos e cristãos tenham chegado a um nível satisfatório de convivência ― nem falamos em aceitação ―, se ainda há pessoas preocupadas com que seus familiares fizeram "há dois mil anos", elas não parecem dispostas a adotar maior realismo na resolução de questões religiosas, territoriais e políticas.

Depois de analisar a violência atribuída ao Islã, o uso de véu pelas mulheres e a pena de apedrejamento, Kamel investiga as origens do terror, partindo do princípio de que não se trata de fundamentalismo, mas de totalitarismo. "Fundamentalista" é o seguidor de qualquer texto sagrado que queira viver de acordo com sua literalidade e nada além. São pessoas que vivem como entendem, coexistem com os discordantes, mesmo que sem maior proximidade, e geralmente são até pacifistas. O totalitário, além de radicalizar a leitura do texto, exige que outras pessoas sigam exatamente o que ele acredita. O totalitário quer impor sua leitura mesmo que seja necessário recorrer à força. Daí a contaminação de toda a religião, toda a cultura, por um foco histérico e ignorante. Neste foco destaca-se Osama Bin Laden, ortodoxo sunita que não hesita em aliar-se a xiitas, desde que sejam eles quem se ofereçam para as missões suicidas. Consulte-se a lista dos terroristas do 11/9 e descobrir-se-á a proporção. Além disso, ele mesmo talvez nunca tenha lido o Alcorão inteiro, limitando-se a escolher os versículos que comprovem suas "teses" e contentem seus seguidores, mesmo que seja necessário editar o texto para montar um novo.

Um exemplo das distorções promovidas pelos radicais foi o que se deu com a "jihad", palavra árabe cuja tradução é "esforço". A jihad maior de um fiel é seu esforço em vencer suas tendências nefastas, seu desequilíbrio. Aproxima-se da luta contra o Ego, dos budistas. A jihad menor é a guerra defensiva, e só defensiva, visto que se veda a imposição da fé islâmica pela força. A fonte da distinção encontra-se num relato sobre a vida de Maomé. Al-Banna, fundador da Irmandade Muçulmana, não só revogou este relato por ser contrário às suas ideias, como também pregou que a única jihad agradável aos olhos de Allah é a guerra ofensiva contra os infiéis. E foi a versão que prevaleceu, ainda que contrária ao Livro que ele diz seguir.

Sobre o Islã demonstra haver uma continuidade entre as correntes radicais surgidas no tempo, desde Wahhab no século XVIII ― segundo o calendário cristão ― até Bin Laden, passando por Al-Banna e Sayyid Qutb. Estes nomes pouco ou nada dizem para os ocidentais, mas foram os responsáveis por manter a pólvora seca, isto é, sempre cultivaram e pregaram a intolerância, o isolamento, o radicalismo das posições, a rejeição à evolução dos tempos. Foram ideólogos do terror que de alguma forma encontraram ouvidos interessados e olhos atentos. A Irmandade Muçulmana citada, criada no Egito, foi mais um movimento reducionista e agressivo que variou entre a legalidade e a clandestinidade, também sofreu dissidências, e desaguou ou serviu de inspiração para outros como o Jihad Islâmico, o Hamas e a Al Qaeda. Ramificou-se também na Irmandade Muçulmana da Palestina, cujo fundador Abdullah Azzam foi, nas palavras do autor, o primeiro grande parceiro de Bin Laden.

Ali Kamel encerra seu trabalho lançando e respondendo oito perguntas sobre a guerra do Iraque. Esta talvez seja a parte mais polêmica do livro, mas as pesquisas e fontes são analisadas de acordo com todo arcabouço de dados históricos do Oriente e do Ocidente ― oposição que cada vez é-nos mais desagradável ― e suas conclusões expostas nos limites do ensaísmo.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blue Man Group: uma crítica bem-humorada ao rock de Diogo Salles
02. Um Twitter só para escritores de Marcelo Spalding


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês