Sobre o Islã, de Ali Kamel | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2009
Sobre o Islã, de Ali Kamel
Ricardo de Mattos

+ de 6500 Acessos

"Ele (será) contra todos, e todos contra ele,
E ele habitará apartado de seus irmãos
." (Gênesis, 16, 12)

Pedimos desculpas ao leitor se comentamos um livro que ele já possa ter lido, visto que Sobre o Islã (Nova Fronteira, 2007, 320 págs.), do jornalista e sociólogo Ali Kamel, foi publicado em 2007. Como passamos aquele ano inteiro ocupados na busca de corno em crânio equino, deixamos de acompanhar certos lançamentos cuja leitura teria sido mais útil. Os conflitos no Oriente Médio renovando-se constantemente fazem com que o interesse pela História dos povos envolvidos não se arrefeça e sempre se busque um "porquê" e uma saída para tanta violência. O valor deste livro revela-se em três pontos. Primeiro, pela diferença da abordagem, centrada na afinidade, e não na diferença, entre judeus, muçulmanos e cristãos. Segundo, pela objetividade do texto. Terceiro, por preparar o fôlego para a leitura de obras mais densas e volumosas, como Uma história dos povos árabes, de Albert Hourani e Os sete pilares da sabedoria, de T. E. Lawrence, na qual foi baseado o filme Lawrence da Arábia.

Divide-se o livro em cinco partes. Na primeira, o autor detém-se no período das escrituras que vai de Adão a Maomé. Falamos em "escrituras" e não em "Escrituras", pois ele alterna-se entre os textos sagrados do Judaísmo, do Cristianismo e do Islamismo, respectivamente, a Torá ― ou o Pentateuco do Antigo Testamento ―, o Novo Testamento e o Alcorão. As narrativas são aproximadas, e desta aproximação saltam os pontos de contato e de contrariedade. Um ponto foi fundamental para alertar o leitor que busca informar-se acerca da cultura islâmica. Ao tratar da queda de Adão e Eva no comer o fruto proibido, segundo o Alcorão, é-nos informado que eles deixam de ver o mundo como uma realidade dependente de Deus e passam a enxergar este mesmo mundo como uma realidade diferenciada. Se considerarmos que Plotino também deteve-se em explicar, em um dos tratados das Enéadas, que a problemática humana da dor e do sofrimento se explica pelo encanto do Homem com as coisas deste mundo, ao mesmo tempo que volta as costas para sua origem divina, deparamo-nos com o motivo de certa dificuldade em compreender a Cultura e a Religião Islâmica. É que se insiste em recorrer às fontes greco-romanas, cristãs, européias e norte-americanas para conhecer uma Civilização que, embora co-originária em relação a judeus e cristãos, desenvolveu seu pensamento, suas artes e sua ciência a partir de outras premissas e visando outros fins. Não se lê o Alcorão com a cabeça "formatada" pela Bíblia, sendo necessária certa expansão cultural para que se possa realizar a leitura harmônica entre eles, tal como sugere o primeiro: "e que crêem no que foi descido do céu, para ti, e no que fora descido antes de ti, e se convencem da Derradeira Vida" (Sura II, versículo 4). Segundo Helmi Nasr, autor da melhor tradução do Alcorão para o português, o "no" que grifamos é a referência à Torá e ao Evangelho. Daí porque os muçulmanos se referem a eles como "povos dos livros".

Em seguida, Kamel discorre sobre as diferenças existentes entre os próprios muçulmanos, diferenças estas originadas com versões sobre a Morte de Maomé. Conforme se adote uma ou outra versão, o fiel é sunita ou xiita. Conforme se é partidário de um ou outro partido, a legitimidade dos primeiros califas é aceita ou contestada. Califas seriam os continuadores do Profeta, seguindo de onde ele parou, mas sem inovar as revelações deixadas por ele. Portanto, o que está em jogo é a sucessão de Maomé, algo ainda tão presente que sentimos certo pasmo quando nos damos conta do quanto isso ainda permeia as relações e os costumes. Numa reportagem da National Geographic sobre Jerusalém, um morador foi entrevistado e declarou que "há dois mil anos" um ramo de sua família resolveu seguir Jesus Cristo, e com a cisão, este ramo passou a morar em outro bairro da cidade. No século passado, nossa família teve três gerações. Se mantido o padrão por vinte séculos, seriam sessenta gerações. Considerando que a cada geração retroativa o número de familiares dobra ― um filho, dois pais, quatro avós ―, para nós torna-se impraticável estabelecer um vínculo sincero de afinidade a partir da quarta geração, que dizer de comprar suas brigas e manter seus pensamentos. No entanto, mesmo que em outros pontos do globo judeus, muçulmanos e cristãos tenham chegado a um nível satisfatório de convivência ― nem falamos em aceitação ―, se ainda há pessoas preocupadas com que seus familiares fizeram "há dois mil anos", elas não parecem dispostas a adotar maior realismo na resolução de questões religiosas, territoriais e políticas.

Depois de analisar a violência atribuída ao Islã, o uso de véu pelas mulheres e a pena de apedrejamento, Kamel investiga as origens do terror, partindo do princípio de que não se trata de fundamentalismo, mas de totalitarismo. "Fundamentalista" é o seguidor de qualquer texto sagrado que queira viver de acordo com sua literalidade e nada além. São pessoas que vivem como entendem, coexistem com os discordantes, mesmo que sem maior proximidade, e geralmente são até pacifistas. O totalitário, além de radicalizar a leitura do texto, exige que outras pessoas sigam exatamente o que ele acredita. O totalitário quer impor sua leitura mesmo que seja necessário recorrer à força. Daí a contaminação de toda a religião, toda a cultura, por um foco histérico e ignorante. Neste foco destaca-se Osama Bin Laden, ortodoxo sunita que não hesita em aliar-se a xiitas, desde que sejam eles quem se ofereçam para as missões suicidas. Consulte-se a lista dos terroristas do 11/9 e descobrir-se-á a proporção. Além disso, ele mesmo talvez nunca tenha lido o Alcorão inteiro, limitando-se a escolher os versículos que comprovem suas "teses" e contentem seus seguidores, mesmo que seja necessário editar o texto para montar um novo.

Um exemplo das distorções promovidas pelos radicais foi o que se deu com a "jihad", palavra árabe cuja tradução é "esforço". A jihad maior de um fiel é seu esforço em vencer suas tendências nefastas, seu desequilíbrio. Aproxima-se da luta contra o Ego, dos budistas. A jihad menor é a guerra defensiva, e só defensiva, visto que se veda a imposição da fé islâmica pela força. A fonte da distinção encontra-se num relato sobre a vida de Maomé. Al-Banna, fundador da Irmandade Muçulmana, não só revogou este relato por ser contrário às suas ideias, como também pregou que a única jihad agradável aos olhos de Allah é a guerra ofensiva contra os infiéis. E foi a versão que prevaleceu, ainda que contrária ao Livro que ele diz seguir.

Sobre o Islã demonstra haver uma continuidade entre as correntes radicais surgidas no tempo, desde Wahhab no século XVIII ― segundo o calendário cristão ― até Bin Laden, passando por Al-Banna e Sayyid Qutb. Estes nomes pouco ou nada dizem para os ocidentais, mas foram os responsáveis por manter a pólvora seca, isto é, sempre cultivaram e pregaram a intolerância, o isolamento, o radicalismo das posições, a rejeição à evolução dos tempos. Foram ideólogos do terror que de alguma forma encontraram ouvidos interessados e olhos atentos. A Irmandade Muçulmana citada, criada no Egito, foi mais um movimento reducionista e agressivo que variou entre a legalidade e a clandestinidade, também sofreu dissidências, e desaguou ou serviu de inspiração para outros como o Jihad Islâmico, o Hamas e a Al Qaeda. Ramificou-se também na Irmandade Muçulmana da Palestina, cujo fundador Abdullah Azzam foi, nas palavras do autor, o primeiro grande parceiro de Bin Laden.

Ali Kamel encerra seu trabalho lançando e respondendo oito perguntas sobre a guerra do Iraque. Esta talvez seja a parte mais polêmica do livro, mas as pesquisas e fontes são analisadas de acordo com todo arcabouço de dados históricos do Oriente e do Ocidente ― oposição que cada vez é-nos mais desagradável ― e suas conclusões expostas nos limites do ensaísmo.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
03. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SERTANEJO - 2 VOLUMES - CAPA DURA
JOSÉ DE ALENCAR
INSTITUTO DE DIV. CULTURAL
R$ 11,00



O PRISMA DAS MIL FACES
EURÍPEDES KÜHL/ P/ ESPÍRITO: CLAUDINEI
FONTE VIVA/ BELO HORIZONTE
(2002)
R$ 42,90



LITERATURA COMENTADA CAETANO VELOSO
CAETANO VELOSO
ABRIL
(1981)
R$ 4,00



ENCICLOPÉDIA AGRÍCOLA BRASILEIRA - VOLUME 3
ARISTEU MENDES PEIXOTO JULIO S. INGLEZ DE SOUZA
EDUSP
(2000)
R$ 85,00
+ frete grátis



UMA HISTÓRIA NO SEU TEMPO ANTOLOGIA SCORTECCI
SCORTECCI
SCORTECCI
(2007)
R$ 14,93



PREDICTABLY IRRATIONAL: THE HIDDEN FORCES THAT SHAPE OUR DECISIONS
DAN ARIELY
HARPER COLLINS PUBLISHERS
(2008)
R$ 40,00



REORGANIZAR A SOCIEDADE
COMTE
ESCALA
(2000)
R$ 44,91



A AVENTURA HUMANA ENTRE O REAL E O IMAGINÁRIO
MILTON GRECO
PERSPECTIVA
(1984)
R$ 15,00



A VIDA PRIVADA E OUTRAS HISTÓRIAS
HENRY JAMES
NOVA ALEXANDRIA
(2001)
R$ 15,00



A CHAVE MESTRA DAS RIQUEZAS
NAPOLEON HILL
RECORD
(1995)
R$ 30,00





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês