Sobre o Islã, de Ali Kamel | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2009
Sobre o Islã, de Ali Kamel
Ricardo de Mattos
+ de 8800 Acessos

"Ele (será) contra todos, e todos contra ele,
E ele habitará apartado de seus irmãos
." (Gênesis, 16, 12)

Pedimos desculpas ao leitor se comentamos um livro que ele já possa ter lido, visto que Sobre o Islã (Nova Fronteira, 2007, 320 págs.), do jornalista e sociólogo Ali Kamel, foi publicado em 2007. Como passamos aquele ano inteiro ocupados na busca de corno em crânio equino, deixamos de acompanhar certos lançamentos cuja leitura teria sido mais útil. Os conflitos no Oriente Médio renovando-se constantemente fazem com que o interesse pela História dos povos envolvidos não se arrefeça e sempre se busque um "porquê" e uma saída para tanta violência. O valor deste livro revela-se em três pontos. Primeiro, pela diferença da abordagem, centrada na afinidade, e não na diferença, entre judeus, muçulmanos e cristãos. Segundo, pela objetividade do texto. Terceiro, por preparar o fôlego para a leitura de obras mais densas e volumosas, como Uma história dos povos árabes, de Albert Hourani e Os sete pilares da sabedoria, de T. E. Lawrence, na qual foi baseado o filme Lawrence da Arábia.

Divide-se o livro em cinco partes. Na primeira, o autor detém-se no período das escrituras que vai de Adão a Maomé. Falamos em "escrituras" e não em "Escrituras", pois ele alterna-se entre os textos sagrados do Judaísmo, do Cristianismo e do Islamismo, respectivamente, a Torá ― ou o Pentateuco do Antigo Testamento ―, o Novo Testamento e o Alcorão. As narrativas são aproximadas, e desta aproximação saltam os pontos de contato e de contrariedade. Um ponto foi fundamental para alertar o leitor que busca informar-se acerca da cultura islâmica. Ao tratar da queda de Adão e Eva no comer o fruto proibido, segundo o Alcorão, é-nos informado que eles deixam de ver o mundo como uma realidade dependente de Deus e passam a enxergar este mesmo mundo como uma realidade diferenciada. Se considerarmos que Plotino também deteve-se em explicar, em um dos tratados das Enéadas, que a problemática humana da dor e do sofrimento se explica pelo encanto do Homem com as coisas deste mundo, ao mesmo tempo que volta as costas para sua origem divina, deparamo-nos com o motivo de certa dificuldade em compreender a Cultura e a Religião Islâmica. É que se insiste em recorrer às fontes greco-romanas, cristãs, européias e norte-americanas para conhecer uma Civilização que, embora co-originária em relação a judeus e cristãos, desenvolveu seu pensamento, suas artes e sua ciência a partir de outras premissas e visando outros fins. Não se lê o Alcorão com a cabeça "formatada" pela Bíblia, sendo necessária certa expansão cultural para que se possa realizar a leitura harmônica entre eles, tal como sugere o primeiro: "e que crêem no que foi descido do céu, para ti, e no que fora descido antes de ti, e se convencem da Derradeira Vida" (Sura II, versículo 4). Segundo Helmi Nasr, autor da melhor tradução do Alcorão para o português, o "no" que grifamos é a referência à Torá e ao Evangelho. Daí porque os muçulmanos se referem a eles como "povos dos livros".

Em seguida, Kamel discorre sobre as diferenças existentes entre os próprios muçulmanos, diferenças estas originadas com versões sobre a Morte de Maomé. Conforme se adote uma ou outra versão, o fiel é sunita ou xiita. Conforme se é partidário de um ou outro partido, a legitimidade dos primeiros califas é aceita ou contestada. Califas seriam os continuadores do Profeta, seguindo de onde ele parou, mas sem inovar as revelações deixadas por ele. Portanto, o que está em jogo é a sucessão de Maomé, algo ainda tão presente que sentimos certo pasmo quando nos damos conta do quanto isso ainda permeia as relações e os costumes. Numa reportagem da National Geographic sobre Jerusalém, um morador foi entrevistado e declarou que "há dois mil anos" um ramo de sua família resolveu seguir Jesus Cristo, e com a cisão, este ramo passou a morar em outro bairro da cidade. No século passado, nossa família teve três gerações. Se mantido o padrão por vinte séculos, seriam sessenta gerações. Considerando que a cada geração retroativa o número de familiares dobra ― um filho, dois pais, quatro avós ―, para nós torna-se impraticável estabelecer um vínculo sincero de afinidade a partir da quarta geração, que dizer de comprar suas brigas e manter seus pensamentos. No entanto, mesmo que em outros pontos do globo judeus, muçulmanos e cristãos tenham chegado a um nível satisfatório de convivência ― nem falamos em aceitação ―, se ainda há pessoas preocupadas com que seus familiares fizeram "há dois mil anos", elas não parecem dispostas a adotar maior realismo na resolução de questões religiosas, territoriais e políticas.

Depois de analisar a violência atribuída ao Islã, o uso de véu pelas mulheres e a pena de apedrejamento, Kamel investiga as origens do terror, partindo do princípio de que não se trata de fundamentalismo, mas de totalitarismo. "Fundamentalista" é o seguidor de qualquer texto sagrado que queira viver de acordo com sua literalidade e nada além. São pessoas que vivem como entendem, coexistem com os discordantes, mesmo que sem maior proximidade, e geralmente são até pacifistas. O totalitário, além de radicalizar a leitura do texto, exige que outras pessoas sigam exatamente o que ele acredita. O totalitário quer impor sua leitura mesmo que seja necessário recorrer à força. Daí a contaminação de toda a religião, toda a cultura, por um foco histérico e ignorante. Neste foco destaca-se Osama Bin Laden, ortodoxo sunita que não hesita em aliar-se a xiitas, desde que sejam eles quem se ofereçam para as missões suicidas. Consulte-se a lista dos terroristas do 11/9 e descobrir-se-á a proporção. Além disso, ele mesmo talvez nunca tenha lido o Alcorão inteiro, limitando-se a escolher os versículos que comprovem suas "teses" e contentem seus seguidores, mesmo que seja necessário editar o texto para montar um novo.

Um exemplo das distorções promovidas pelos radicais foi o que se deu com a "jihad", palavra árabe cuja tradução é "esforço". A jihad maior de um fiel é seu esforço em vencer suas tendências nefastas, seu desequilíbrio. Aproxima-se da luta contra o Ego, dos budistas. A jihad menor é a guerra defensiva, e só defensiva, visto que se veda a imposição da fé islâmica pela força. A fonte da distinção encontra-se num relato sobre a vida de Maomé. Al-Banna, fundador da Irmandade Muçulmana, não só revogou este relato por ser contrário às suas ideias, como também pregou que a única jihad agradável aos olhos de Allah é a guerra ofensiva contra os infiéis. E foi a versão que prevaleceu, ainda que contrária ao Livro que ele diz seguir.

Sobre o Islã demonstra haver uma continuidade entre as correntes radicais surgidas no tempo, desde Wahhab no século XVIII ― segundo o calendário cristão ― até Bin Laden, passando por Al-Banna e Sayyid Qutb. Estes nomes pouco ou nada dizem para os ocidentais, mas foram os responsáveis por manter a pólvora seca, isto é, sempre cultivaram e pregaram a intolerância, o isolamento, o radicalismo das posições, a rejeição à evolução dos tempos. Foram ideólogos do terror que de alguma forma encontraram ouvidos interessados e olhos atentos. A Irmandade Muçulmana citada, criada no Egito, foi mais um movimento reducionista e agressivo que variou entre a legalidade e a clandestinidade, também sofreu dissidências, e desaguou ou serviu de inspiração para outros como o Jihad Islâmico, o Hamas e a Al Qaeda. Ramificou-se também na Irmandade Muçulmana da Palestina, cujo fundador Abdullah Azzam foi, nas palavras do autor, o primeiro grande parceiro de Bin Laden.

Ali Kamel encerra seu trabalho lançando e respondendo oito perguntas sobre a guerra do Iraque. Esta talvez seja a parte mais polêmica do livro, mas as pesquisas e fontes são analisadas de acordo com todo arcabouço de dados históricos do Oriente e do Ocidente ― oposição que cada vez é-nos mais desagradável ― e suas conclusões expostas nos limites do ensaísmo.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/2/2009

Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pedro Almodovar E A Feminilidade
Ana Lucilia Rodrigues
Escuta
(2008)



Livro Religião Cumes e Planícies Os Amigos de Jesus Volume III
Josefa Rosalia Luque Alvarez
Pensamento
(2000)



Livro Ensino de Idiomas Great Expectations
Charles Dickens
Macmillan Readers
(2005)



Livro Infanto Juvenis Eu, Super
Eric Peleias
Edição do Autor
(2014)



O Segredo de Chimneys
Agatha Christie
Círculo do Livro



La Crisis de La Educacion Occidental
Christopher Dawson
Emecé
(1963)



Eu Alberto Cacciola Confesso: o Escândalo do Banco Marka
Alberto Caciola
Record
(2001)



The Darkness Collected Editions
Garth Ennis / Marc Silvestri / Outros
Top Cow
(1997)



Os Anjos e a Sincronia Cósmica - Rituais dos Signos
Lucy Costa
Berkana
(1997)



O Que é Uma Mulher?
A.L. Thomas Diderot
Nova Fronteira
(1991)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês