A literatura em perigo | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
74121 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Eu & Ferrugem
>>> A perfeição de Spike Lee
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Guinga = Gênio
>>> Espectador idiota
>>> Os burocratas e a literatura
Mais Recentes
>>> AnaLytica - a ethica nicomachea de aristóteles vol 8 n 2 de Varios Autores pela Analytica (2004)
>>> AnaLytica - Aristóteles e Kant vol 6 n 1 de Varios Autores pela Analytica (2001)
>>> AnaLytica - De Leibniz a Kant : meditações metafísicas vol 5 n 1 de Varios Autores pela Analytica (2000)
>>> AnaLytica - Tempo e eternidade na filosofia Medieval vol 7 de Varios Autores pela Analytica (2003)
>>> AnaLytica - Kant Metafísica Contemporânea vol 11 n 2 de Varios Autores pela Analytica (2007)
>>> AnaLytica - A questão do sujeito na filosofia - vol 1 n 1 de Varios Autores pela Analytica (1993)
>>> As Múltiplas Faces De Os Servos Da Morte, De Adonias Filho de Thereza da C. A. Domingues pela UFv (2006)
>>> Analytica vol 1 numero 2 de Varios Autores pela Analytica (1994)
>>> Passatempo - Coleção Frenesi de Francisco Alvim pela Fon-fon (1974)
>>> Livro Oficina De Leitura: Teoria & Prática de Angela Kleiman pela Pontes (2012)
>>> Para Entender O Texto de José Luiz Fiorin, Francisco Platão Savioli pela Ática (1995)
>>> A Arte Da Entrevista - Uma Antologia De 1823 Aos Nossos Dias de Fábio Altman pela Scritta (1995)
>>> Francisco Julião - Uma Biografia de Cláudio Aguiar pela Civilização Brasileira (2014)
>>> A Historia - A Bíblia Contada Como Uma Só Historia Do Começo Ao Fim de The Zondervan pela Sextante (2009)
>>> O Segundo Grande Elo de Elizabeth Pereira pela Vivaluz (2013)
>>> Gramática Metódica da Língua Portuguesa de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1961)
>>> Administração De Marketing 373 de Philip Kotler pela Prentice Hall (2002)
>>> Mil Dias Seis Mil Dias Depois 373 de Carlos Eduardo Lins da Silva pela PubliFolha (2005)
>>> Reiventando a Liberdade A Abolição da Esxravatura no Brasil 373 de Antonio Torres Montenegro pela Atual (1989)
>>> O Brasil da Abertura de 1974 à constituinte 373 de Marly Rodrigues pela Atual (1990)
>>> 2010 Uma odisséia no espaço II 373 de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1982)
>>> História da América Latina 373 de Halperin Donghi pela Círculo do Livro
>>> Legend A Verdade Se Tornara Lenda 373 de Marie Lu pela Rocco Jovens Leitores (2014)
>>> Livro Alta Traição: Poemas Selecionados e Traduzidos por Carlos Felipe Moisés de Livro Alta Traição: Poemas Selecionados e Traduzidos por Carlos Felipe Moisés pela Unimarco (2005)
>>> Conversas Com Animais 373 de Marta Sofia Guerreiro pela Lua de Papel
COLUNAS

Quarta-feira, 1/4/2009
A literatura em perigo
Luiz Rebinski Junior
+ de 6200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

No ensaio "Dentro da Baleia", publicado no livro de mesmo nome, George Orwell, ao comentar sobre a produção literária do início do século XX, diz que "nos círculos cultos [da Inglaterra], a arte pela arte se estendeu praticamente a uma adoração do sem sentido. Julgar um livro pelo assunto era um pecado imperdoável, e mesmo estar ciente desse assunto era considerado um deslize de bom gosto".

Além de escritor de ficção, Orwell foi também um sagaz resenhista, que não poupava seus pares na hora de tecer críticas. O que Orwell na verdade reclama em grande parte do texto, que é dedicado à análise de Trópico de Câncer, de Henry Miller, é de como as inovações técnicas que floresciam na literatura de então (com nomes como James Joyce) limitavam o diálogo das obras com o mundo real e com os problemas imediatos da sociedade. Ou, conforme Orwell escreve, de "como as inovações técnicas, ainda que importantes, estão presentes primeiramente para servir a esse propósito".

Entre outros assuntos, é disso que trata A literatura em perigo (Difel, 2009, 96 págs.), mais recente livro do historiador e ensaísta búlgaro Tzvetan Todorov. Em uma linguagem que mistura reminiscências pessoais do autor à sua experiência como professor nas universidades e escolas da França, onde vive desde os anos 1960, o ensaio não agrada apenas por passear por clássicos da literatura. A "arte pela arte", que tanto incomodava Orwell lá nos anos 1940, é o ponto central do ensaio de Todorov, que, diferentemente de Orwell, direciona suas críticas não aos escritores, mas a professores e universidades que preferem ensinar métodos literários ao invés de focar seus esforços em aproximar o estudante das obras literárias.

Em uma crítica ao estruturalismo e às correntes formalistas que se tornaram moda nos anos 1970 e que acabaram se impondo como modelo dominante do ensino da literatura, o ensaio de Todorov se opõe à prática de ensino em que os "estudos literários têm como objetivo primeiro o de nos fazer conhecer os instrumentos dos quais se servem e não o contrário". Ou seja, as formulações críticas e apreciações analíticas dos especialistas, críticos e professores se sobrepõem à própria significação das obras e de como elas dialogam com a vida real.

"Ler poemas e romances não conduz à reflexão sobre a condição humana, sobre o indivíduo e a sociedade, o amor e o ódio, a alegria e o desespero, mas sobre noções críticas, tradicionais ou modernas. Na escola, não aprendemos acerca do que falam as obras, mas sim do que falam os críticos", diz o autor.

Esse cenário descrito por Todorov é o da escola francesa. Mas se encaixa perfeitamente em nossa realidade, em que a literatura para um jovem prestes a entrar na faculdade é apenas um calhamaço de resumos, previamente elaborado por experts, contendo todas as dicas necessárias para que o objetivo maior, a vaga na universidade, seja alcançado. É a prova mais evidente do fracasso da literatura como disciplina escolar. O que relega à literatura um papel secundário na formação intelectual do jovem, muito mais influenciado pela televisão, cinema e música.

E isso é até fácil de entender, afinal de contas, para a maioria dos jovens estudantes, a literatura não significa uma forma de compreensão do mundo, mas sim algo abstrato que ao invés de aproximar o indivíduo de seus pares, afasta-o.

Assim, a literatura ganha facilmente a pecha de "coisa chata" entre jovens secundaristas e pré-universitários. E não é para menos, pois as questões formuladas nas provas de literatura dos vestibulares brasileiros são verdadeiros tratados herméticos que duelam palmo a palmo com os escritos mais obscuros de Walter Benjamin.

É conhecida a história do escritor João Ubaldo Ribeiro, que certa vez afirmou a um entrevistador que não saberia responder algumas das perguntas, de um vestibular federal, formuladas a partir de seu clássico Viva o povo brasileiro. Ou seja, a pergunta era tão complexa que nem mesmo quem escreveu o livro saberia responder. Imagine um estudante de 18 ou 19 anos ainda em formação.

É contra essa forma de "intelectualizar" a literatura que Todorov reclama. O autor combate a ideia de que a arte não tem ligação significativa com o mundo e que, portanto, a literatura deve ser reduzida apenas a seus aspectos literários, falando exclusivamente para si mesma. E é desse perigo que se refere o título do ensaio. Do perigo de ver a literatura não mais como protagonista do processo educacional, mas apenas como alicerce de teorias. Pois, afinal, qual é o propósito da literatura? Para essa pergunta, Todorov tem várias e apaixonadas respostas.

"A literatura pode muito. Ela pode nos estender a mão quando estamos profundamente deprimidos, nos tornar ainda mais próximos dos outros seres humanos que nos cercam, nos faz compreender melhor o mundo e nos ajuda a viver".

A reflexão de Todorov acerca do ensino da literatura nas universidades vai de encontro a um problema comum às nossas escolas: alunos entram na faculdade de letras com o único objetivo de se especializar em determinada língua estrangeira ou de serem professores de português. Decisão, claro, que a grade curricular do curso ajuda a corroborar. Assim, a literatura em seu estado bruto ― leia-se a leitura de romances, peças, contos etc. ― fica relegada a um segundo plano. Isso afetará diretamente a forma ― fria, imagina-se ― com que os alunos desses educadores vão se relacionar com a literatura.

Estudar os métodos utilizados, com grande maestria, por Dostoiévski para conceber obras como Crime e castigo ou O idiota certamente é de grande serventia para compreender os meandros da escrita do gênio russo. Mas a leitura de seus romances provavelmente explicará mais sobre a gênese de sua obra do que qualquer estudo crítico. E é essa a mensagem que Todorov nos deixa: a literatura é simples, e por isso tão bela.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 1/4/2009

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
02. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009
05. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/4/2009
11h50min
Parece que muito do nosso passado, não somente a literatura, está em perigo. Infelizmente, a nossa sociedade não valoriza a literatura como antes.
[Leia outros Comentários de James]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Cristianismo Primitivo
Ismael Armond
Aliança
(2004)



Fazendo a diferença colônia de férias 1 338
Chrisssie Perry
Fundamento
(2010)



Livro Literatura Estrangeira Lola e o Garoto da Casa ao Lado A Fórmula Perfeita Para Paixão e o Humor
Stephanie Perkins
Novo Conceito
(2012)



As aventuras do Sr. Piokwiok
Charles Dickens
Abril Cultural
(1970)



Petição Inicial no Direito de Família
Adhemar Mombrum de Carvalho Filho
Solivros
(2001)



Dan and the Hong Kong Mystery
Richard MacAndrew
Helbling
(2016)



O Espião Cícero
Elyesa Bazna
Flamboyant
(1965)



Curso de Liturgia
Joãozinho
Loyola
(2010)



Os soberanos azuis 392
Perry Rhodan
Ediouro



Livro Literatura Brasileira Marcela Onde For
Paulo Egreja
Do Autor
(2021)





busca | avançada
74121 visitas/dia
2,4 milhões/mês