A Crise da musica ― Parte 2/3 | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais jornais morrendo
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Maná, de Rodrigo Amarante
>>> Lecturis Salutem
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
Mais Recentes
>>> Coleção Grandes Impérios e Civilizações - 17 Volumes de Del Prado pela Del Prado
>>> Coleção História em Revista - 25 Volumes (COMPLETA) de Time Life e Abril Livros pela Time Life
>>> Álgebra Linear de Alfredo Steinbruch - Paulo Winterle pela Makron (1987)
>>> Um Curso de Cálculo 1 de Hamilton Luiz Guidorizzi pela Ltc (1995)
>>> Marketing Ambiental de Reinaldo Dias pela Atlas (2007)
>>> Projeto Presente - História 3º Ano de Ricardo Dreguer & Cássia Marconi pela Moderna (2012)
>>> Projeto Presente - Geografia 3º Ano de Neuza Sanchez Guelli & Allyson Lino pela Moderna (2012)
>>> A Troca de Paulo Novaes pela Agir (1984)
>>> O Linguado de Günter Grass pela Nova Fronteira (1983)
>>> A dieta do tipo sanguíneo: A, B, O e AB de Peter Dadamo pela Elsevier / Alta Books (2005)
>>> Projeto Presente - Matemática 3º Ano de Luiz Márcio Imenes, Marcelo Lellis & Estela Milani pela Moderna (2012)
>>> Dicionário Ilustrado Verbo da Língua Portuguesa 4 vols. de Francisco Fernandes pela Verbo-Globo (1972)
>>> Matemática 2ª Série - Coleção Conhecer e Crescer de Jacqueline Garcia & Márcio Dantas pela Escala Educacional (2005)
>>> Rio de Assis - Imagens Machadianas do Rio de Janeiro de Aline Carrer - John Gledson - Pedro da Cunha e Menezes pela Casa da Palavra (1999)
>>> Missão Investigar Entre o Ideal e a Realidade de Ser Policial de Maria Cecília de S. Minayo-Edinilsa R. de Souza pela Garamond (2003)
>>> A Estranha Nação de Rafael Mendes de Moacyr Scliar pela L&pm (1983)
>>> Deixa Tuas Lágrimas Em Moscou de Barbara Armonas pela Ipanema (1963)
>>> Declarando-se Culpado de Scott Turow pela Best Bolso (2012)
>>> O Medo à Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1977)
>>> Cadastro-geral dos Suspeitos de Ódio ao Presidente de Luiz Gutemberg pela Alhambra (1991)
>>> Então foi Assim? Os Bastidores da Criação Musical Brasileira 4 vols. de Ruy Godinho pela Abravideo (2017)
>>> Conformismo - Tópico de Psicologia Social de Kiesler e Kiesler - Tradução Dante Moreira Leite pela Edgard Blucher Usp (1973)
>>> O Direito a Ter Direitos de Jose Vaidergorn pela Autores Assossiados (2000)
>>> Amor é Só uma Palavra de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro
>>> Vida sem Morte? de Dr. Nils Jacobson pela Círculo do Livro (1976)
>>> A Lenda do Violeiro Invejoso de Fábio Sombra pela Rocco (2005)
>>> Ombusdsman - O relógio de Pascal de Caio Túlio Costa pela Geração Editorial (2006)
>>> Águas do Brasil de Araquém Alcântara pela ´Terrabrasil (2007)
>>> O tigre de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2013)
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules 1/2/4 volumes de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1944)
>>> Morte dos reis de Bernard cornwell pela Record (2016)
>>> Bom Apetite vol II de Diversos pela Abril Cultural (1972)
>>> A menina que semeava de Lou Aronica; Maria ângela Amorim De Paschoal pela Novo Conceito (2021)
>>> Curso de Desenho e Pintura 9 volumes de Equipe Globo pela Globo (1985)
>>> 1889 Juvenil ilustrada de Laurentino Gomes; Rita Brugger pela Globo Livros (2014)
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/4/2009
A Crise da música ― Parte 2/3
Rafael Fernandes

+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A seguir a segunda parte do texto sobre a crise da música. (Leia a parte 1).

Troca de padrões
Nos anos 90 tivemos que trocar nossos vinis por CDs, sem apelação. Dez anos depois surge o MP3 como padrão. O streaming apareceu mais recentemente. O que temos que fazer, agora? Comprar de novo as músicas em MP3 porque a indústria diz que é crime copiar CD? Eu ainda tenho discos de vinil. Gostaria de me desfazer de alguns deles pela falta de praticidade. Devo jogar fora e também re-comprar em MP3, que pode se tornar obsoleto? E o que mais vem em seguida? Jogar fora os plásticos antigos e comprar outros?

Cortando as amarras do mercado
Marcia Tosta Dias, em seu fundamental Os donos da voz (que em breve deve ganhar texto meu), faz uma observação bastante interessante: "Não podemos esquecer que o negócio do disco começa com o desenvolvimento e a propriedade das máquinas de gravação e reprodução e é em torno desta propriedade que tem sempre se mantido". Podemos também incluir aí a distribuição. É algo parecido com os jornais. Sendo assim, com o avanço de estúdios caseiros, a disseminação do MP3 e as facilidades da internet, essa indústria perde seu status de controladora dos meios de produção e disseminação. A consequência óbvia é entrar em colapso. Há quem diga que as gravadoras sabem o que está acontecendo e vão resistir até 2011 antes de uma mudança radical.

Spotify
Para um amante da música, como eu, é inviável comprar tudo o que se quer para estudar e conhecer a obra de muitos artistas. É impossível em termos financeiros e de espaço. Mas como uma TV infinita, uma audioteca "infinita" é viável na internet. Por isso estou testando com entusiasmo o Spotify, que é um misto de browser e Last.fm. Por assinaturas diversas (de graça com anúncios e pago para ouvir sem propaganda) é possível acessar um enorme acervo ― apenas em streaming ― por um valor básico, como TV a cabo. Não sei se vai dar certo como produto financeitamente, mas, apesar de alguns problemas como preço (ainda é muito caro para o Brasil), interface (é boa, mas a organização e acesso às playlists poderia ser melhor) e artistas (muitos ainda não estão lá, como Beatles) é o que eu, como consumidor de música, gostaria de ter. Por uma taxa mensal eu tenho acesso a um acervo fabuloso quando eu quero, e montado da forma como desejo: por discos, artistas, tema, "mix tape" etc. E está tudo organizado num só lugar. Perco as músicas apenas se o site falir ou sair do ar. Internet envolve rapidez, comodidade, praticidade, customização e facilidade de busca ― até agora, o Spotify é meu serviço favorito para ouvir música.

Quem paga quem?
Entendo que o consumidor de música não tenha mais tanta propensão a pagar para ouvir música, como não paga para ver TV aberta ou ouvir rádio. Ou quem sabe um dia pague como outros serviços, tais quais pagamentos mensais de TV a cabo, internet, celular, como citei no caso do Spotify. Mas os prestadores de serviço devem, sim, pagar por usar a música. Afinal, sites como YouTube, Last.Fm, MySpace e outros capitalizam (ou ao menos tentam capitalizar) em cima de trabalhos alheios. Mas contra isso há o argumento de que só usa esses tais serviços o músico que quer, e que eles trazem benefícios ao usuário. Ou seja, os sites não precisariam pagar os músicos, já que eles também usariam seus serviços de graça. Mas não creio que seja um argumento válido ― se fosse assim, nem TV nem rádio deveriam recolher direitos pela veiculação das músicas na programação.

Música de graça?
Se você é um artista iniciante e atua num nicho muito específico, ou está lançando algo novo, dar música de graça pode ser interessante. Seja para divulgar o trabalho em si ou um produto correlato. Porque, como disse no texto anterior, a internet é um substituto de rádio e TV (principalmente MTV) para descobrir novos artistas. Mas tenha muito cuidado. Não só porque você pode "mimar" demais seus fãs, que não vão querer nunca mais pagar por suas músicas, como você corre sério risco de desvalorizar sua obra. Não ter sua música conhecida é péssimo, mas ela não ter valor é perigoso. Então, por mais que o futuro possa indicar a música com livre circulação, os artistas devem tomar muito cuidado ao dar de graça as músicas. Ou então devem encontrar uma outra forma de valorizar seu trabalho e esforço.

A importância do hit
Uma coisa não muda: se você é um artista, precisa de um hit para aparecer ― aquela música que pega de jeito o ouvinte. Eram os hits que tocavam nas jukeboxes. Que tocavam nas rádios ― antes do jabá. Que estavam no lado A dos LPs e que eram capazes de fazer um consumidor comprar o disco só para tê-la. E que fazem o consumidor baixar a música (ou o disco), colocá-la como toque de celular, pôr um trecho da letra no MSN etc. E, claro, são basicamente os hits que levam as pessoas ao seu show. Radiohead, São Paulo, 2009. Trinta mil pessoas. Momentos de delírio do público? "Creep" e "Fake Plastic Trees". Músicas do início da carreira, hits. Os hits não precisam ter três minutos e serem "comerciais". Devem apenas ser bons o suficiente para chamar a atenção do ouvinte. Mesmo que seja apenas num nicho, mas que a maioria dessas pessoas saiba de cor e espere por eles nos shows. E, mais do que apelar ou procurar clichês, os grandes artistas deveriam criar grandes canções, as melhores possíveis ― não apenas mais uma. Voltar ao básico, ao inicial: não se trata de negócio, mas sim de ser memorável.

Ter ou não um "álbum"
A questão aqui é se é válido ter um punhado de canções lançadas simultaneamente dentro de um contexto ― não importa em qual formato. Para pessoas acima de 25/30 anos existe uma quase dependência em esperar que seus artistas favoritos lancem álbuns ― é uma questão de padrão e hábito. Mas, realisticamente, são poucos os que realmente se sustentam do começo ao fim com a mesma qualidade. Bob Lefsetz escreveu um texto já famoso defendendo o fim desse formato. Seus argumentos fazem sentindo: o conceito de álbum apareceu por causa da tecnologia ― simplesmente a capacidade de armazenamento dos discos aumentou e ficou lucrativo lançar álbuns de um só artista em vez de junções de singles. Uma outra tecnologia, a internet, permite romper com isso. Mais: com a acirrada competição por atenção na rede, os músicos deveriam se preocupar em desenvolver duas ou três músicas marcantes (os hits) em vez de tentar juntar dez ou doze só para preencher um disco e promover um lançamento. Dave Allen também escreveu algo nesse sentido. Já Scott Perry fez o contraponto, defendendo o formato álbum: os fãs querem um pacote de músicas de uma vez e, afinal de contas, é importante que o artista apresente suas ideias dentro de um contexto e que esteja cercado de certa "mitologia" ― algo que o conjunto de canções pode trazer.

Nota do Autor
Em breve a parte 3 ― e final ― desta série de textos.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 29/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Escrevendo no Digestivo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Riobaldo de Paulo Polzonoff Jr


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/5/2009
09h12min
Penso que isso tudo foi planejado pela própria indústria que precisa cada vez mais de lançar coisas novas. Com o CD virgem e um gravador para reproduzir as músicas, começa a era da pirataria. Depois, com a facilidade da internet, tornou-se ainda mais fácil de se conseguir músicas sem pagar um tostão. O CD, para o músico, hoje, é apenas um cartão de visitas para os seus shows. Quem sabe voltaremos aos vinis...
[Leia outros Comentários de Marcos Arrébola]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO ENFRENTAR OS PROBLEMAS DA VIDA
HARIDAS CHAUDHURI
PENSAMENTO
(1978)
R$ 10,00



AS PIADAS DE PLAYBOY
RICARDO SETTI (ORG.)
ABRIL
(1999)
R$ 10,00



JAPÃO SUPERPOTÊNCIA(O ADVENTO DO SUPERESTADO JAPONÊS)5162
HERMAN KAHN
MELHORAMENTOS
(1970)
R$ 10,00



O SALÃO DE WURTEMBERG
PASCAL QUIGNARD
ROCCO
(1989)
R$ 10,00



TERRA ESPETACULAR - 4481
DIVERSOS
READERS DIGEST
(1997)
R$ 10,00



PENSE SUCESSO, SEJA SUCESSO
STEVE HARVEY
AGIR
(2015)
R$ 10,00



A LEITURA E SEUS LUGARES
JULIO PIMENTEL PINTO
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2004)
R$ 10,00



PARA GOSTAR DE LER - VOLUME 1 -CRÔNICAS
FERNANDO SABINO + PAULO MENDES CAMPOS+ RUBEM BRAGA
ATICA
(1981)
R$ 10,00
+ frete grátis



PIRÂMIDES EDIÇÃO ILUSTRADA (REVISTA) - 4741
DIVERSOS
ESCALA
R$ 10,00



TRINTA ANOS DE NOITE
PAULO FRANCIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
81512 visitas/dia
2,4 milhões/mês