Do abraço genital ao abraço virtual | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS >>> Especial Amor na Internet

Terça-feira, 12/5/2009
Do abraço genital ao abraço virtual
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 10100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"A moral moderna desativa a ordem familiar que deveria garantir as pessoas contra os devaneios e as devastações do seu próprio desejo." (Pascal Bruckner)

Wilhelm Reich, psicanalista dissidente freudiano, acreditava que no abraço genital (o ato sexual) todas as nossas neuroses poderiam ser dissipadas. Mas isso só seria possível se o ato sexual estivesse livre de qualquer fantasia, sendo uma experiência puramente emocional-corporal, de toques na pele e nos músculos, que dissolveria o que ele chamou de couraça muscular do caráter. Essa couraça seria a cristalização de nossas neuroses pelo corpo afora, provocando o endurecimento da matéria viva e flexível que é o corpo/organismo, gerando, por isso, inumeráveis doenças no animal humano, inclusive o câncer. Reich sabia que uma barriga dura, que guarda e congela anseios reprimidos ou a barriga bem trabalhada pela musculação, impede o orgasmo livre, espontâneo e profundo que dissolve o eu no cosmos. Uma carícia bem feita nessa região e em outras era a psicanálise que ele sugeria para dissolver nossos traumas. O que seria elevar a ideia freudiana de sexualidade à milésima potência.

Na internet, o amor (no sentido total do termo, como fusão sexo-emocional dos indivíduos) parece encontrar outros termos para sua existência. Ao contrário do desejo de Reich, que valorizava a experiência corporal em si mesma, o amor virtual alimenta-se da imaginação para chegar aos seus fins. Aqui não é o corpo que está livre ou tornou-se livre para existir plenamente, mas a imaginação que é libertada de qualquer amarra para existir enquanto puro desejo no reino do ficcional.

Através da internet milhares de pessoas têm encontrado parceiros pelas madrugadas afora que jamais conhecerão pessoalmente, mas que conhecem seus desejos mais secretos, desejos que jamais poderiam ser revelados para uma parceira "real". E se são revelados para os parceiros virtuais, isso se deve ao fato de que existe a proteção do anonimato garantido pela telinha do computador.

E é desse fato, o anonimato, que vai derivar toda a experiência ousada que as pessoas têm tido, mergulhando o desejo em águas prá lá de barrentas, como me tem sido confidenciado/narrado por amigos e amigas.

E o que esse amor virtual representa no contexto da afetividade pessoal, da subjetividade atual do indivíduo? Estamos longe de saber. Mas podemos tentar mapear alguns dados sobre esta questão e as consequências dessas experiências amorosas virtuais sobre os relacionamentos ditos "reais".

Vamos aos fatos: como essas relações se dão? De várias maneiras. Em geral, entra-se num site de bate-papo, onde pode-se escolher parceiros por ordem de suas fantasias e desejos como, por exemplo, fetiches, sexo brutal, sexo com amor, casados, gays, lésbicas, maduros, swing e por aí vai. Deste primeiro encontro, em geral coletivo e apimentado quando se quer experiências mais fogosas, passa-se, em seguida, para o MSN, onde através de uma câmera (ou não) pode-se começar uma relação a dois, mais íntima e mais ousada ainda.

Dentro da sala de bate-papo você pode experimentar um diálogo com várias pessoas para ver quem se adéqua ao seu interesse, antes de escolher quem vai ser escolhido para ir para o MSN. Note-se que em certos casos os encontros no MSN não são necessariamente a dois, podendo-se criar uma rede de parceiros ali também. Tudo depende do gosto de cada um.

O que nos interessa é o que acontece nesses momentos onde os parceiros se encontram, guiados pela total liberdade de experimentar tudo o que quiserem, sem o menor risco de doenças venéreas, de compromisso de gênero, de moral, de ética ou seja lá do que for. É nesse terreno imaginativo que se vai instalar o reino da liberdade absoluta de se poder ser o que se quiser, de experimentar o que se quiser, da forma que se quiser, sem os freios da civilidade catalogada por Freud como repressiva.

Ali pode-se ser mulher sendo homem, ser homem sendo mulher, ser magro sendo gordo, ser ativo sendo passivo, ser solteiro sendo casado, ser rico sendo pobre, ser brutal sendo-se doce, ser atirado e ousado sendo tímido, ser bonito sendo feio. Você pode ser tudo o que quiser e fazer o que quiser. Tem uma fantasia que jamais praticaria na vida real? Aqui você está liberado de qualquer limitação. Quer fazer amor violentamente? Fará. Quer ser tratada como uma virgenzinha assustada seduzida pelo garanhão? Será. Quer ser levada ao delírio numa espécie de kama sutra virtual que jamais faria com seu marido? Delirará. Sendo homem quer se tornar virtualmente uma mulher nas mãos de um tarado que quer te possuir freneticamente? Será. Quer trair seu namorado, seu marido, sua esposa? Trairá. Tudo isso sem consequência direta alguma.

Poderá se deleitar num universo livre da culpa e das limitações biológicas comuns ao ser humano. Navegará em terras desconhecidas, ao seu bel prazer, sem que ninguém saiba, sem que ninguém te julgue, livre como uma borboleta ao vento. Trancado dentro do seu quarto escuro, com portas fechadas, você abrirá as portas do desejo ao mais inusitado descontrole que puder suportar.

E as consequências? Elas vêm indiretamente. Afinal, não se pode gozar de uma liberdade virtual total sem querer que ela não se estenda para o mundo "real". Ao menos uma parcela dessa liberdade terá que existir, senão você se tornará um viciado incurável na arte de amar apenas virtualmente.

O que pode acontecer de bom? Primeiro você pode começar a experimentar uma certa liberdade na vida "real" ao perceber que muitas pessoas são como você, querem as mesmas coisas e vivem em universos tão estranhos quanto o seu. Afinal, você não é o único. Poderá, inclusive, começar a participar sua esposa, namorada ou amante das novas possibilidades abertas e aprendidas no mundo virtual. Deixará certos tabus para trás, abrindo as comportas do seu desejo reprimido para fora de si mesmo, indo ao alcance do outro, talvez liberado pela mesma experiência que você teve na internet.

O que pode acontecer de mal? Você pode se acomodar a uma experiência fácil, fria, destituída da vivência corporal real, prejudicando mais ainda suas relações "reais". Criando um afastamento mais e mais perigoso, transformará sua sexualidade numa rua de mão única, acabando por limitá-la mais e mais. Como o adolescente tímido que prefere se masturbar a se esforçar por conquistar a menina de seus sonhos.

Outra questão cheia de contradições é que várias pessoas têm encontrado através da internet parceiros para ter relações afetivo-sexuais "reais". O vínculo se dá inicialmente de forma virtual e, depois de um tempo, quando ambos sentem-se confiantes, partem para se conhecerem e se amarem no mundo "real". Esse número tem crescido ao longo dos anos.

Há casos de casamentos que acontecem por causa de relações iniciadas no mundo virtual. Embora em alguns casos essas relações naufraguem, em outros pode ser a possibilidade de uma relação duradoura e rica. A internet seria uma espécie de facilitadora do primeiro contato. E esses contatos não se restringem à mesma cidade ou país, podem ser internacionais, ampliando o leque de relações assustadoramente.

Causa-nos estranheza, por exemplo, ver em determinada lan house grupos de pessoas se comunicando com estranhos do outro lado da tela e simplesmente frios e indiferentes em relação às pessoas a sua volta com quem poderiam tentar uma comunicação. Mas o que se dá é aquilo que falamos acima, ou seja, a questão do anonimato facilita o contato com estranho, enquanto o contrário dificulta.

Um novo universo vem sendo aberto para as relações humanas. Da sociologia à psicanálise, alguns teóricos têm tentado entender o que se passa nesse universo. Indiferentes às teorias e carentes de contato com outras pessoas, o ser humano tem se dirigido à tela do seu computador para experimentar algo novo, ainda desconhecido, embrionário e ao mesmo tempo algo que tem se transformando rapidamente: o desejo e o afeto virtuais. O contato com o outro na esfera da virtualidade se expande para além dos códigos interpretativos do passado recente. O amor e o desejo estão ganhando uma nova cara. Estamos vendo. Mas, na verdade, ainda não vimos nada.

Uma hipótese: dado que a sociedade é e sempre será repressiva diante da insaciável necessidade que temos de amor e sexo, nos refugiamos no reino da imaginação, único lugar onde o EU pode ser o ID. Preenchemos com um corpo-imagem-imaginação a desproporção entre nossos desejos e a realidade. É porque o Outro está me faltando que recorro à imaginação/imagem. Se eu tivesse uma vida sexual realmente satisfatória, meu desejo se realizaria em corpos reais ao invés de desencadear sua abstinência sobre fantasmas impassíveis.

Consequências: na internet buscamos não só contato com pessoas, mas com imagens eróticas que nos satisfazem de alguma forma. As imagens substituem os seres ausentes. Nada me atrai mais no corpo do Outro do que sua forma ligada ao modelo da minha fantasmagoria, devendo este corpo ser transformado em imagem para ser por mim consumido. E se alguém se apresentar no mundo real para mim ele deve ausentar-se numa imagem que corresponda a esta fantasmagoria na qual estou viciado para provocar meu desejo.

O corpo real, em sua materialidade estranha, com seu odor imprevisível, a textura de sua pele, seus risos que não previ, seus movimentos cuja espontaneidade perturba meus fantasmas; não era isso que eu queria. Toda essa presença carnal acaba por me indispor, não me deixa seguro para eu me excitar. Meu desejo aparecerá se esta mulher/homem assumir o molde da imagem na qual estou viciado. Em outras palavras, ela terá que assumir o molde da imagem, pertencer ao código que eu amo, e dessa forma fará surgir meu desejo.

Há uma caricatura publicada certa vez na Playboy que explica isso:um homem trepando com uma mulher, sobre a qual colocou a foto de uma mulher nua.

O que mostra o reino em que estamos entrando: da imagem/imaginação sobre todos os outros sentidos, e a do fantasma sobre a realidade.

Bem-vindos à realidade do amor virtual!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/5/2009

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


Mais Especial Amor na Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2009
12h10min
Parabéns, Jardel! Excelente texto, não só por abordar um tema de grande importância da atualidade, bem como pela ausência de Apocalípticos e Integrados no decorrer de toda teia argumentativa do referido artigo.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
20/2/2010
17h10min
Muito bom! Parabéns pelo texto. Como sociólogo, me vejo volta e meia com tal temática, cada vez mais ordinariamente.
[Leia outros Comentários de bruno dias bento]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Minas
Carlos de Laet
Globo
(1993)



Povos do Passado - Aventuras do Conhecimento
Nicola Baxter
Stampley
(1997)



Poderosa - Volume 2
Sergio Klein
Fundamento
(2006)



Tomie: Cerejeiras na Noite
Ana Miranda
Companhia das Letrinhas
(2011)



A última Musica
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)



Glossolalia - Voz e Poesia
Vários Autores
Vide)
(1993)



Anais do I Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos Volume Iii
Associação Brasileira de Mecânica dos Solos
Associação Brasileira de Mecân
(1954)



O Voo da Gaivota
Vera Lucia Marinzeck de Carvalho
Petit
(1996)



Give Me Five! 2: Activaty Book
Joanne Ramsden e Donna Sha
Macmillan Education
(2018)



Crianças Índigo: uma Geração de Ponte Com Outras Dimensões... No
Tereza Guerra
Madras
(2007)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês