O Oscar e a reencarnação | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2007
O Oscar e a reencarnação
Marcelo Miranda

+ de 4000 Acessos

Nunca é tarde para falar do Oscar. Se os cinemas insistem em exibir Os Infiltrados e Pequena Miss Sunshine por terem sido "estrelas" na entrega da estatueta mais famosa do cinema, por que este humilde colunista se privaria de tecer comentários a respeito do prêmio entregue no último 25 de fevereiro em Los Angeles? Na verdade vou evitar comentar da cerimônia e da distribuição dos troféus, que disso os leitores devem estar ultra-informados. Também não vou dar uma de Arnaldo Jabor e sair disparando contra o Oscar — tanto porque, apesar das inúmeras ressalvas, ainda é um símbolo que movimenta os cinéfilos e a indústria e, convenhamos, mantém certo glamour.

O que me motiva a falar do Oscar no momento é algo que muito vem me incomodando — e, acredito, não apenas a mim (mas posso estar enganado). Se olharmos para a relação de atores e atrizes vencedores do prêmio na categoria de protagonistas, veremos que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood parece estar se rendendo cada vez mais às interpretações baseadas em personalidades reais. Está ficando barbada: apareceu alguém encarnando pessoa viva ou morta, mas que tenha existido em alguma época, e pronto: sai premiado. Mais ainda: quanto mais recente tenha vivido tal personalidade, ou mais parecido esteja o ator fisicamente, maiores as chances. Exagero? Vejamos a relação dos premiados e premiadas desde o começo desta década dos anos 2000:

2007
Forest Whitaker — O Último Rei da Escócia
Helen Mirren — A Rainha

2006
Philip Seymour Hoffman — Capote
Reese Whiterspoon — Johnny & June

2005
Jamie Foxx — Ray
Hilary Swank — Menina de ouro

2004
Sean Penn — Sobre Meninos e Lobos
Charlize Theron — Monstro

2003
Adrien Brody — O Pianista
Nicole Kidman — As Horas

2002
Denzel Washington — Dia de Treinamento
Halle Berry — A Última Ceia

2001
Russel Crowe — Gladiador
Julia Roberts — Erin Brockovich

2000
Kevin Spacey — Beleza Americana
Hilary Swank — Meninos não choram

Se o leitor olhar atentamente a relação, verá que a recorrência dos "mediúnicos" (como iremos chamar daqui adiante os profissionais que se inspiram nas personalidades reais) é razoável. Dos 14 nomes listados acima, nove deles se enquadram na categoria — Forest Whitaker como o ditador Idi Amin; Helen Mirren como a rainha Elizabeth II; Philip Hoffman como o jornalista Truman Capote; Whiterspoon como a cantora June Carter; Jamie Foxx sendo o músico Ray Charles; Charlize Theron fazendo a assassina Aileen Wuornos; Adrien Brody como o pianista judeu Wladyslaw Szpilman; Nicole Kidman revivendo a escritora Virgina Woolf; e Julia Roberts como a dona-de-casa Erin Brockovich.

Não é uma tendência, nem muito menos uma novidade. O Oscar historicamente dá o seu reconhecimento aos "mediúnicos". Basta lembrarmos, de memória, de Robert De Niro como o boxeador Jake LaMotta em Touro Indomável (1980) ou George C. Scott como o militar Patton no filme homônimo de 1971. O que tem chamado atenção é a recorrência cada vez mais constante e uma preocupação aparentemente desmesurada dos votantes da Academia para a forma como vem se dando a mediunidade nos atores concorrentes. Parece estar contando pouco a criação e valorizando-se por demais a imitação — imitação talvez seja uma palavra forte, então pensemos algo como "maior captação de trejeitos previamente conhecidos".

Philip Seymour Hoffman como o jornalista Truman Capote em Capote

Não se está aqui a questionar o talento de nomes como Jamie Foxx e Philip Hoffman, dois pesos-pesados entre os vencedores listados acima. Porém, será que eles eram de fato as melhores escolhas ou ganharam a estatueta por tamanha entrega ao papel que os deixou a um passo do maneirismo? Isso fica particularmente claro no caso de Foxx. Vê-lo como Ray Charles fascina, comove e inquieta. Mas o quanto há do ator ali? O quanto existe de verdadeira sutileza, toque pessoal, construção? É público que Foxx conviveu com o músico antes deste morrer. O trabalho em conjunto certamente ajudou o ator a se preparar para o papel. Além do mais, Charles tinha um jeito muito característico e peculiar de falar, se movimentar, tocar e cantar que fariam a festa de qualquer intérprete minimamente talentoso.

E aí, neste jogo todo, como fica o Leonardo DiCaprio de O Aviador, concorrente ao prêmio no mesmo ano? Goste-se ou não do filme de Martin Scorsese (eu gosto muito...), há de se reconhecer que DiCaprio está num de seus momentos mais maduros como ator, senão o maior de sua carreira até o momento. A forma como recria a personalidade e a estranheza do produtor e milionário Howard Hughes, desde os transtornos obsessivo-compulsivos até a impulsividade ao lidar com a rica sociedade americana da época em que viveu, é algo de encher os olhos. O ator não copia trejeitos, porque há poucos registros de Hughes em movimento. Nem muito menos se baseia em algo especificamente da personalidade do retratado. Há ali uma troca ator-diretor que faz do Hughes de Scorsese uma criação absolutamente original, de densidade e pincelamento ímpares.

Leonardo DiCaprio como Howard Hughes em O Aviador, de Martin Scorsese

O ano de 2005, aliás, foi forte em "mediúnicos". Entre os atores, apenas Clint Eastwood era fictício, por Menina de ouro. Completavam a lista, além de DiCaprio e Foxx, Don Cheadle, como o gerente hoteleiro Paul Rusesabagina em Hotel Ruanda, e Johnny Depp sendo o escritor J. M. Barrie de Em busca da Terra do Nunca, todos verdadeiros.

O mesmo se poderia dizer da Nicole Kidman de As Horas, vencedora de 2003. Na disputa, estava ao menos mais uma "mediúnica": Salma Hayek, pela pintora Frida Kahlo de Frida. Era bem menos intensa que Kidman, é verdade. Porém, esta, num mundo justo, não seria páreo para a força de Julianne Moore em Longe do paraíso. Moore, um dos grandes nomes da atuação contemporânea e ainda não agraciada com o Oscar (concorreu também por Fim de caso, Boogie nights e o mesmo As Horas), interpretava uma mãe de família dos anos 50 cuja vida é abalada pela descoberta da homossexualidade do marido. Não há muito como definir a presença de Moore na tela. É daquelas coisas que se precisa olhar e sentir. Porém, a moça ficou para trás por conta da mediunidade de Kidman como a escritora suicida Virginia Woolf. A atriz não está mal, de forma alguma. Porém, além do pouco de tela (o que não lhe permitia desenvolver tanto a personagem), Kidman parecia se forçar a parecer uma outra pessoa — não apenas pela tão comentada maquiagem, mas também pela postura, gestos e jeitos de olhar.

Era claramente um trabalho de afetação razoavelmente bem feito. Nicole se saíra muito melhor com a original Satine, no musical Moulin Rouge, um ano antes. Mas a Academia preferiu deixar pra lá e dar o prêmio à gritaria de Halle Berry em A última ceia — que não era "mediúnica", mas ganhou num ano atípico, quando o Oscar decidiu quebrar o tabu e dar os dois prêmios principais de elenco a negros (o outro ganhador foi Denzel Washington, em Dia de Treinamento, criação original). Aliás, no mesmo dia em que Nicole Kidman ganhava por As Horas, Adrien Brody também levava com personagem real, por O Pianista, já adiantando o que viria a acontecer nos últimos dois anos.

Nicole Kidman como a escritora Virginia Woolf em As Horas

Pois 2006 e 2007 foram anos em que o Oscar começou a abusar. Todos os quatro ganhadores de ator e atriz eram "mediúnicos". Faziam bons trabalhos? Relativo. Era meio impossível não premiar Philip Hoffman pela incrível recriação de Truman Capote — afinal, ele era a alma do filme, o que lhe dava firmeza de seguir na agonia de um escritor que se vê refletido no maior dos monstros e, em vez de recuar, avança rumo ao sucesso e ao estrelato. Apesar de buscar no jeito afeminado de Capote a matéria-prima à sua interpretação, Hoffman trazia de dentro de si algo muito particular e único, que lhe tirava a carapaça de "realidade" e o fazia entrar na seara da arte da interpretação, como só os grandes conseguem.

Quase idêntico ao caso de Helen Mirren em A Rainha e Forest Whitaker em O último Rei da Escócia, mas não é para tanto. A inglesa Mirren empresta enorme dignidade à personalidade que o filme retrata, conseguindo dar a ela nuances muito além do que poderia ser chamado de verídico. A cena da caminhonete atolada, em que Elizabeth II se vê sozinha no campo e parece colocar em xeque todas as suas convicções e angústias ao olhar para um cervo é de uma grandiosidade que o filme nunca consegue atingir novamente. Muito disso se deve a Mirren. Algo semelhante ocorre a Whitaker: apesar da interpretação acima do tom, na busca por algum "descontrole controlado" da personalidade de um ditador africano, o ator consegue momentos só dele, ainda que o filme não pareça valorizá-los, preferindo captar os instantes mais exasperados. Só mesmo Reese Whiterspoon como June Carter em Johnny & June sobra no quarteto de 2006 e 2007. Bonitinha, mas ordinária, ela faz uma June Carter próxima da correção absoluta, deixando de lado a busca por algo que fuja da burocracia de uma interpretação oscarizável. A atriz se beneficiou de um ano pouco forte às mulheres no Oscar — sua principal concorrente, se havia, era Felicity Huffman como o transsexual de Transamérica, de fato um papel bastante mais complexo que o de Reese.

Em vista de tudo aí dito (e muito mais, que o espaço não permite), apenas penso que talvez esteja na hora da Academia de Hollywood criar uma nova categoria de interpretação: a de "melhor ator/atriz mediúnico". Quem sabe assim não se assume logo a preferência pela recriação pura e simples do real e deixa espaço e melhores chances às criações da ficção — ou, mais corretamente dizendo, a busca pela originalidade, que é uma das molas propulsoras do cinema, afinal.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 12/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Essa Copa de caneladas... de Vicente Escudero
02. Um brasileiro no Uzbequistão (VII) de Arcano9


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
03. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês