O Oscar e a reencarnação | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/3/2007
O Oscar e a reencarnação
Marcelo Miranda

+ de 3500 Acessos

Nunca é tarde para falar do Oscar. Se os cinemas insistem em exibir Os Infiltrados e Pequena Miss Sunshine por terem sido "estrelas" na entrega da estatueta mais famosa do cinema, por que este humilde colunista se privaria de tecer comentários a respeito do prêmio entregue no último 25 de fevereiro em Los Angeles? Na verdade vou evitar comentar da cerimônia e da distribuição dos troféus, que disso os leitores devem estar ultra-informados. Também não vou dar uma de Arnaldo Jabor e sair disparando contra o Oscar — tanto porque, apesar das inúmeras ressalvas, ainda é um símbolo que movimenta os cinéfilos e a indústria e, convenhamos, mantém certo glamour.

O que me motiva a falar do Oscar no momento é algo que muito vem me incomodando — e, acredito, não apenas a mim (mas posso estar enganado). Se olharmos para a relação de atores e atrizes vencedores do prêmio na categoria de protagonistas, veremos que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood parece estar se rendendo cada vez mais às interpretações baseadas em personalidades reais. Está ficando barbada: apareceu alguém encarnando pessoa viva ou morta, mas que tenha existido em alguma época, e pronto: sai premiado. Mais ainda: quanto mais recente tenha vivido tal personalidade, ou mais parecido esteja o ator fisicamente, maiores as chances. Exagero? Vejamos a relação dos premiados e premiadas desde o começo desta década dos anos 2000:

2007
Forest Whitaker — O Último Rei da Escócia
Helen Mirren — A Rainha

2006
Philip Seymour Hoffman — Capote
Reese Whiterspoon — Johnny & June

2005
Jamie Foxx — Ray
Hilary Swank — Menina de ouro

2004
Sean Penn — Sobre Meninos e Lobos
Charlize Theron — Monstro

2003
Adrien Brody — O Pianista
Nicole Kidman — As Horas

2002
Denzel Washington — Dia de Treinamento
Halle Berry — A Última Ceia

2001
Russel Crowe — Gladiador
Julia Roberts — Erin Brockovich

2000
Kevin Spacey — Beleza Americana
Hilary Swank — Meninos não choram

Se o leitor olhar atentamente a relação, verá que a recorrência dos "mediúnicos" (como iremos chamar daqui adiante os profissionais que se inspiram nas personalidades reais) é razoável. Dos 14 nomes listados acima, nove deles se enquadram na categoria — Forest Whitaker como o ditador Idi Amin; Helen Mirren como a rainha Elizabeth II; Philip Hoffman como o jornalista Truman Capote; Whiterspoon como a cantora June Carter; Jamie Foxx sendo o músico Ray Charles; Charlize Theron fazendo a assassina Aileen Wuornos; Adrien Brody como o pianista judeu Wladyslaw Szpilman; Nicole Kidman revivendo a escritora Virgina Woolf; e Julia Roberts como a dona-de-casa Erin Brockovich.

Não é uma tendência, nem muito menos uma novidade. O Oscar historicamente dá o seu reconhecimento aos "mediúnicos". Basta lembrarmos, de memória, de Robert De Niro como o boxeador Jake LaMotta em Touro Indomável (1980) ou George C. Scott como o militar Patton no filme homônimo de 1971. O que tem chamado atenção é a recorrência cada vez mais constante e uma preocupação aparentemente desmesurada dos votantes da Academia para a forma como vem se dando a mediunidade nos atores concorrentes. Parece estar contando pouco a criação e valorizando-se por demais a imitação — imitação talvez seja uma palavra forte, então pensemos algo como "maior captação de trejeitos previamente conhecidos".

Philip Seymour Hoffman como o jornalista Truman Capote em Capote

Não se está aqui a questionar o talento de nomes como Jamie Foxx e Philip Hoffman, dois pesos-pesados entre os vencedores listados acima. Porém, será que eles eram de fato as melhores escolhas ou ganharam a estatueta por tamanha entrega ao papel que os deixou a um passo do maneirismo? Isso fica particularmente claro no caso de Foxx. Vê-lo como Ray Charles fascina, comove e inquieta. Mas o quanto há do ator ali? O quanto existe de verdadeira sutileza, toque pessoal, construção? É público que Foxx conviveu com o músico antes deste morrer. O trabalho em conjunto certamente ajudou o ator a se preparar para o papel. Além do mais, Charles tinha um jeito muito característico e peculiar de falar, se movimentar, tocar e cantar que fariam a festa de qualquer intérprete minimamente talentoso.

E aí, neste jogo todo, como fica o Leonardo DiCaprio de O Aviador, concorrente ao prêmio no mesmo ano? Goste-se ou não do filme de Martin Scorsese (eu gosto muito...), há de se reconhecer que DiCaprio está num de seus momentos mais maduros como ator, senão o maior de sua carreira até o momento. A forma como recria a personalidade e a estranheza do produtor e milionário Howard Hughes, desde os transtornos obsessivo-compulsivos até a impulsividade ao lidar com a rica sociedade americana da época em que viveu, é algo de encher os olhos. O ator não copia trejeitos, porque há poucos registros de Hughes em movimento. Nem muito menos se baseia em algo especificamente da personalidade do retratado. Há ali uma troca ator-diretor que faz do Hughes de Scorsese uma criação absolutamente original, de densidade e pincelamento ímpares.

Leonardo DiCaprio como Howard Hughes em O Aviador, de Martin Scorsese

O ano de 2005, aliás, foi forte em "mediúnicos". Entre os atores, apenas Clint Eastwood era fictício, por Menina de ouro. Completavam a lista, além de DiCaprio e Foxx, Don Cheadle, como o gerente hoteleiro Paul Rusesabagina em Hotel Ruanda, e Johnny Depp sendo o escritor J. M. Barrie de Em busca da Terra do Nunca, todos verdadeiros.

O mesmo se poderia dizer da Nicole Kidman de As Horas, vencedora de 2003. Na disputa, estava ao menos mais uma "mediúnica": Salma Hayek, pela pintora Frida Kahlo de Frida. Era bem menos intensa que Kidman, é verdade. Porém, esta, num mundo justo, não seria páreo para a força de Julianne Moore em Longe do paraíso. Moore, um dos grandes nomes da atuação contemporânea e ainda não agraciada com o Oscar (concorreu também por Fim de caso, Boogie nights e o mesmo As Horas), interpretava uma mãe de família dos anos 50 cuja vida é abalada pela descoberta da homossexualidade do marido. Não há muito como definir a presença de Moore na tela. É daquelas coisas que se precisa olhar e sentir. Porém, a moça ficou para trás por conta da mediunidade de Kidman como a escritora suicida Virginia Woolf. A atriz não está mal, de forma alguma. Porém, além do pouco de tela (o que não lhe permitia desenvolver tanto a personagem), Kidman parecia se forçar a parecer uma outra pessoa — não apenas pela tão comentada maquiagem, mas também pela postura, gestos e jeitos de olhar.

Era claramente um trabalho de afetação razoavelmente bem feito. Nicole se saíra muito melhor com a original Satine, no musical Moulin Rouge, um ano antes. Mas a Academia preferiu deixar pra lá e dar o prêmio à gritaria de Halle Berry em A última ceia — que não era "mediúnica", mas ganhou num ano atípico, quando o Oscar decidiu quebrar o tabu e dar os dois prêmios principais de elenco a negros (o outro ganhador foi Denzel Washington, em Dia de Treinamento, criação original). Aliás, no mesmo dia em que Nicole Kidman ganhava por As Horas, Adrien Brody também levava com personagem real, por O Pianista, já adiantando o que viria a acontecer nos últimos dois anos.

Nicole Kidman como a escritora Virginia Woolf em As Horas

Pois 2006 e 2007 foram anos em que o Oscar começou a abusar. Todos os quatro ganhadores de ator e atriz eram "mediúnicos". Faziam bons trabalhos? Relativo. Era meio impossível não premiar Philip Hoffman pela incrível recriação de Truman Capote — afinal, ele era a alma do filme, o que lhe dava firmeza de seguir na agonia de um escritor que se vê refletido no maior dos monstros e, em vez de recuar, avança rumo ao sucesso e ao estrelato. Apesar de buscar no jeito afeminado de Capote a matéria-prima à sua interpretação, Hoffman trazia de dentro de si algo muito particular e único, que lhe tirava a carapaça de "realidade" e o fazia entrar na seara da arte da interpretação, como só os grandes conseguem.

Quase idêntico ao caso de Helen Mirren em A Rainha e Forest Whitaker em O último Rei da Escócia, mas não é para tanto. A inglesa Mirren empresta enorme dignidade à personalidade que o filme retrata, conseguindo dar a ela nuances muito além do que poderia ser chamado de verídico. A cena da caminhonete atolada, em que Elizabeth II se vê sozinha no campo e parece colocar em xeque todas as suas convicções e angústias ao olhar para um cervo é de uma grandiosidade que o filme nunca consegue atingir novamente. Muito disso se deve a Mirren. Algo semelhante ocorre a Whitaker: apesar da interpretação acima do tom, na busca por algum "descontrole controlado" da personalidade de um ditador africano, o ator consegue momentos só dele, ainda que o filme não pareça valorizá-los, preferindo captar os instantes mais exasperados. Só mesmo Reese Whiterspoon como June Carter em Johnny & June sobra no quarteto de 2006 e 2007. Bonitinha, mas ordinária, ela faz uma June Carter próxima da correção absoluta, deixando de lado a busca por algo que fuja da burocracia de uma interpretação oscarizável. A atriz se beneficiou de um ano pouco forte às mulheres no Oscar — sua principal concorrente, se havia, era Felicity Huffman como o transsexual de Transamérica, de fato um papel bastante mais complexo que o de Reese.

Em vista de tudo aí dito (e muito mais, que o espaço não permite), apenas penso que talvez esteja na hora da Academia de Hollywood criar uma nova categoria de interpretação: a de "melhor ator/atriz mediúnico". Quem sabe assim não se assume logo a preferência pela recriação pura e simples do real e deixa espaço e melhores chances às criações da ficção — ou, mais corretamente dizendo, a busca pela originalidade, que é uma das molas propulsoras do cinema, afinal.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 12/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
03. Ficção hiper-real de Gian Danton
04. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
05. O Bigode de Carina Destempero


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
03. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECOLOGIA - GRITO DA TERRA, GRITO DOS POBRES
LEONARDO BOFF
ÁTICA
(1995)
R$ 20,00



O PRIMEIRO MINISTRO
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
R$ 6,90



LINGUAGEM E COMPORTAMENTO SOCIAL
W. P. ROBINSON
CULTRIX
(1977)
R$ 21,82



PARCEIROS DO RIO BONITO
ANTONIO CANDIDO
DUAS CIDADES
(1977)
R$ 20,00



A EXPEDIÇÃO KON-TIKI 8000 KM NUMA JANGADA ATRAVÉS DO PACIFICO
THOR HEYERDHAL
MELHORAMENTOS
(1951)
R$ 25,00



WILD CARDS - ASES NAS ALTURAS - LIVRO 2
GEORGE R. R. MARTIM
LEYA
(2013)
R$ 24,00



O LÍDER DO FUTURO
JOHN NAISBITT
SEXTANTE
(2007)
R$ 10,00



A GESTÃO DE FICHEIROS EM INFORMÁTICA
VICENT CORDONNIER
RÉS
(1982)
R$ 45,00



VOU EMAGRECER... AINDA QUE ISSO ME MATE
DOROTHY JOANA HARRIS
MELHORAMENTOS
(2007)
R$ 9,89



SOMOS FILHOS DA PÓLIS 8ª SÉRIE - 9° ANO 2008
SILVIO WONSOVICZ
SOPHOS
(2008)
R$ 39,00





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês