Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Diário de um banana dias de cão de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Os Miseráveis de Miécio Táti pela Edições de Ouro (1970)
>>> Memórias Póstumas, A semana e Correspondência de Machado de Assis pela Linográfica (1980)
>>> Diário de um banana a gota d'água de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Engordei ou Minha Roupa Encolheu? de Peter Walsh pela Prumo (2008)
>>> Diário de um banana rodrick é o cara de Jeff Kinney pela V&r (2012)
>>> Helena Wilfuer de Vicki Baum pela José Olympio (1944)
>>> Um Ateu Garante : Deus Existe de Antpny Flew com Roy Abraham Varghese pela Ediouro (2008)
>>> Brincar para aprender de Mara Lúcia Cordeiro pela CBT Brasil (2021)
>>> Fora de controle de Nelson de Mille pela CBT Brasil (2021)
>>> Noite sobre as águas de Ken Follett pela CBT Brasil (2021)
>>> Champagnat Um coração sem Fronteiras de Vários pela CBT Brasil (2021)
>>> Tecnologia mecânica de Vicente Chiaverini pela CBT Brasil (2021)
>>> Ghandi de Ghandi pela CBT Brasil (2021)
>>> O que é isso companheiro de Fernando Gabeira pela CBT Brasil (2021)
>>> O fio da navalha de W. Somerset Maugham pela CBT Brasil (2021)
>>> A estrada do mar de Barbara Delinsky pela CBT Brasil (2021)
>>> Traição em família de David Baldacci pela CBT Brasil (2021)
>>> A herança de John Grisham pela CBT Brasil (2021)
>>> Não brinque com fogo de John Verdon pela CBT Brasil (2021)
>>> Canaã de Graça Aranha pela CBT Brasil (2021)
>>> Arabescos do Viver de Gláucia Galvão pela CBT Brasil (2021)
>>> Malvas, Fáguas e maçanilhas de Walmor Marcelino pela CBT Brasil (2021)
>>> Malagueta, perus e bacanas de João Antônio pela CBT Brasil (2021)
>>> 97 maneiras de fazer o cachorro sorrir de Jenny Langbehn pela CBT Brasil (2021)
COLUNAS

Terça-feira, 16/2/2010
Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9000 Acessos

Um presente divino para os amantes do teatro é a caixa Festival Teat(r)o Oficina, com gravações em DVD de quatro peças dirigidas por José Celso Martinez Corrêa. As obras são Boca de Ouro (Nelson Rogrigues), Cacilda! (Zé Celso), Bacantes (Eurípedes) e Ham-Let (Shakespeare).

Para quem não teve a oportunidade de ver no calor da hora as criações de Zé Celso, esta é uma oportunidade única, que deve ser louvada. Um empreendimento cultural desta força e dimensão não pode ficar longe das escolas de teatro, dos amantes da arte, de quem quer entrar em contato com uma das maiores forças vivas do teatro brasileiro: Zé Celso e sua Companhia.

Nestas peças encontra-se o espírito do teatro de Zé Celso. Criador avesso às macaqueações do teatro burguês, o diretor retoma a ideia do teatro-templo das forças dionisíacas. Reunindo todas as forças místicas, musicais, culturais dotadas de apelo irracional, Zé Celso cria suas obras a partir de uma prática que nos faz pensar em antigos rituais pagãos, no carnaval, nas festas das colheitas regadas a vinho e bacanais.

Mobilizando o espírito herético das músicas afro, do rock, do samba, do brega, seu teatro operístico-anárquico transforma corpos, cenários, textos e público em partícipes de um ritual profundamente imaginativo, emotivo, festivo e, se se quiser, transcendente. E a música é um dos elementos principais desse teatro. A música, como sabemos, mobiliza nossa consciência e inconsciência sem a necessidade do conceito. Pela música somos tomados e arremessados em regiões nas quais o controle da razão não pode operar. Wagner sabia disso. Nietzsche mais ainda. Os românticos, então, se alimentavam basicamente disso, ao ponto de sugerirem uma poesia que fosse, ela também, música.

No teatro de Zé Celso, a música é a ponte entre a fala poética, a liberação dos corpos e o andamento do enredo (ou antienredo, o que seria mais fiel no caso). É na música e em seus compassos que se esquadrinham os altos e baixos da emoção das peças. Todos os atores cantam, pois participam do drama como coautores com a particularidade de suas vozes, de seus timbres, de seus gestos. E os corpos dançam ao sabor das músicas, quase nunca se mantendo estáticos sob a vibração de um blues, rock, reggae ou samba. Tornam-se, na verdade, uma metáfora viva do movimento cósmico engendrado por este teatro-ritual. Colocam a existência em movimento e criam a realidade concreta do fluxo da vida.

Zé Celso não procura respeitar academicamente os textos dos quais se serve. A ebulição criativa de sua mente distorce as falas, acrescenta ideias, refaz percursos, reescreve os autores, anima-os com uma saraivada de contemporaneidades sem prejudicar sua existência histórico-temporal. O Oficina reanima textos como se reanimasse corpos, tornando-os mais brilhantes, instigantes, desejados. Não poderia ser diferente num teatro que pretende refundar a energia da vida a cada nova atuação. Um teatro que não veio para adoçar o perfume da burguesia que consome cultura como mais um produto conformista que seu capital pode pagar.

O ideal anárquico de Zé Celso e sua trupe é o de produzir a combustão, o incêndio, o rito criador-destruidor sonhado por Bakunin. E esse componente básico da alquimia do Oficina é que renova a dramaturgia brasileira e internacional, muitas vezes consumida por protótipos decorativos ou vanguardismos frios pra lá de caquéticos.

Não que o teatro intelectual, o engajado, o existencial-absurdo-pessimista ou outra coisa não possa existir, mas faz-se necessário a existência de um teatro que desestruture as certezas ao mesmo tempo instaurando os ritos do "sim à vida" nitezscheniano e reichiano. Um teatro que seja anticlássico, anticartesiano, antiaristotélico. É preciso que a inssurreição das fontes irracionais da criação tomem corpo e que o corpo dos atores e do público tornem-se fonte de paixão para que "a estrela bailante" possa ressurgir a cada novo rito.

A ideia de um teatro dos oprimidos vai por água abaixo com as explosões viscerais de Zé Celso, que impõe Eros contra Thanatos, que impõe a arte contra a vida petrificada.

Talvez seja em Bacantes que se possa encontrar a metáfora mais perfeita para todo o teatro de Zé Celso. A presença sedutora de Dionisius, que faz vibrar o desejo e o delírio, faz oposição à morte em vida dos corpos congelados, armados e sem emoção dos seguidores/empregados de Penteu. O Oficina encarna esse espírito dionisíaco. E a joyceana ― palavra "tragycomédiorgia" ― pode definir melhor que qualquer outra a postura criativa e existêncial do Oficina e toda a sua história por consolidar um teatro sem a caretice da classe média culpada ou da prepotência antierótica e destruidora da classe alta.

Em entrevista à IstoÉ, em 1996, quando da primeira apresentação de Bacantes, Zé Celso comentou sua peça: "Tentei fazer uma ópera brasileira de Carnaval. Recuperar a enorme riqueza do musical nacional, que vem da época de Arthur de Azevedo e que não é esta coisa mecânica, importada da Broadway. Mas que mistura a música brasileira, que tem uma ligação com o amor, a paixão, a religião, o rito, o Carnaval, com a coisa meio improvisada brasileira, suprida pela cena teatral feita ao vivo, sem dinheiro. Dionísio é o deus que se bebe, que se come. É o deus do vinho, das plantas, o deus da maconha, da ayahuasca. O deus de todos estes prazeres que são proibidos e temidos na sociedade global, aqueles prazeres que despertam a mente e o desejo".

Desde a peça O rei da vela, de Oswald "Canibal" de Andrade, dirigida por Zé Celso, o Oficina tem injetado coragem, rebeldia e atitude contra um mundo sem opinião, formatado em ditaduras inescrupulosas. Agora, o Oficina reinvindica para si e para todos o direito ao delírio, ao erotismo, às paixões criativas da arte em oposição a esse mundo ascético, tomado pela ideologia do bom e medíocre comportamento classe mérdia de shopping center que transforma o ser humano numa dócil e embotada máquina de consumir lixo industrial.

As peças do Oficina reanimam forças latentes, dialetizando-as em pulsões alegres e trágicas, no riso solto, nos corpos livres e numa concepção prá lá de libertária do que seja o teatro. Vida eterna para Zé Celso e o Oficina!

Para ir além
Site do Teatro Oficina


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
02. Silêncio de Ricardo de Mattos
03. Convocação para uma outra luta de Marilia Mota Silva
04. Natureza Humana Morta de Vicente Escudero
05. O mistério em Thomas Pynchon de Luiz Rebinski Junior


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Talkin American: a Dictionary of Informal Words and Expressions
Ronald Harmon
Signal Press
(1995)



Guia Prático para a Vida Gay
Ken Hanes
Topbooks
(1995)



CÉtait un Temps Déraisonnable: les Premiers Résistants Racontent
Georges Marc Benamou
Robert Laffont (paris)
(1999)



O Contrário da Morte
Roberto Saviano
Bertrand Brasil
(2009)



Segredos Spy Girl 1
Christine Harris
Fundamento
(2010)



Histórico dos Logradouros de Carazinho
Lio Guerra Bocorny
Fundescar
(1995)



Barsa Hoobs - a Aventura de Aprender 1 Inglês
Jim Hensons
Barsa Planeta
(2009)



Em Favor do Homem
Paulo Evaristo, Cardeal Arns
Avenir (rj)
(1979)



No Terceiro Dia
Piers Paul Read
Siciliano
(1992)



Os Cavalinhos de Platiplanto
Jose J. Veiga
Civilização Brasileira
(1974)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês