Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Terça-feira, 16/2/2010
Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 8200 Acessos

Um presente divino para os amantes do teatro é a caixa Festival Teat(r)o Oficina, com gravações em DVD de quatro peças dirigidas por José Celso Martinez Corrêa. As obras são Boca de Ouro (Nelson Rogrigues), Cacilda! (Zé Celso), Bacantes (Eurípedes) e Ham-Let (Shakespeare).

Para quem não teve a oportunidade de ver no calor da hora as criações de Zé Celso, esta é uma oportunidade única, que deve ser louvada. Um empreendimento cultural desta força e dimensão não pode ficar longe das escolas de teatro, dos amantes da arte, de quem quer entrar em contato com uma das maiores forças vivas do teatro brasileiro: Zé Celso e sua Companhia.

Nestas peças encontra-se o espírito do teatro de Zé Celso. Criador avesso às macaqueações do teatro burguês, o diretor retoma a ideia do teatro-templo das forças dionisíacas. Reunindo todas as forças místicas, musicais, culturais dotadas de apelo irracional, Zé Celso cria suas obras a partir de uma prática que nos faz pensar em antigos rituais pagãos, no carnaval, nas festas das colheitas regadas a vinho e bacanais.

Mobilizando o espírito herético das músicas afro, do rock, do samba, do brega, seu teatro operístico-anárquico transforma corpos, cenários, textos e público em partícipes de um ritual profundamente imaginativo, emotivo, festivo e, se se quiser, transcendente. E a música é um dos elementos principais desse teatro. A música, como sabemos, mobiliza nossa consciência e inconsciência sem a necessidade do conceito. Pela música somos tomados e arremessados em regiões nas quais o controle da razão não pode operar. Wagner sabia disso. Nietzsche mais ainda. Os românticos, então, se alimentavam basicamente disso, ao ponto de sugerirem uma poesia que fosse, ela também, música.

No teatro de Zé Celso, a música é a ponte entre a fala poética, a liberação dos corpos e o andamento do enredo (ou antienredo, o que seria mais fiel no caso). É na música e em seus compassos que se esquadrinham os altos e baixos da emoção das peças. Todos os atores cantam, pois participam do drama como coautores com a particularidade de suas vozes, de seus timbres, de seus gestos. E os corpos dançam ao sabor das músicas, quase nunca se mantendo estáticos sob a vibração de um blues, rock, reggae ou samba. Tornam-se, na verdade, uma metáfora viva do movimento cósmico engendrado por este teatro-ritual. Colocam a existência em movimento e criam a realidade concreta do fluxo da vida.

Zé Celso não procura respeitar academicamente os textos dos quais se serve. A ebulição criativa de sua mente distorce as falas, acrescenta ideias, refaz percursos, reescreve os autores, anima-os com uma saraivada de contemporaneidades sem prejudicar sua existência histórico-temporal. O Oficina reanima textos como se reanimasse corpos, tornando-os mais brilhantes, instigantes, desejados. Não poderia ser diferente num teatro que pretende refundar a energia da vida a cada nova atuação. Um teatro que não veio para adoçar o perfume da burguesia que consome cultura como mais um produto conformista que seu capital pode pagar.

O ideal anárquico de Zé Celso e sua trupe é o de produzir a combustão, o incêndio, o rito criador-destruidor sonhado por Bakunin. E esse componente básico da alquimia do Oficina é que renova a dramaturgia brasileira e internacional, muitas vezes consumida por protótipos decorativos ou vanguardismos frios pra lá de caquéticos.

Não que o teatro intelectual, o engajado, o existencial-absurdo-pessimista ou outra coisa não possa existir, mas faz-se necessário a existência de um teatro que desestruture as certezas ao mesmo tempo instaurando os ritos do "sim à vida" nitezscheniano e reichiano. Um teatro que seja anticlássico, anticartesiano, antiaristotélico. É preciso que a inssurreição das fontes irracionais da criação tomem corpo e que o corpo dos atores e do público tornem-se fonte de paixão para que "a estrela bailante" possa ressurgir a cada novo rito.

A ideia de um teatro dos oprimidos vai por água abaixo com as explosões viscerais de Zé Celso, que impõe Eros contra Thanatos, que impõe a arte contra a vida petrificada.

Talvez seja em Bacantes que se possa encontrar a metáfora mais perfeita para todo o teatro de Zé Celso. A presença sedutora de Dionisius, que faz vibrar o desejo e o delírio, faz oposição à morte em vida dos corpos congelados, armados e sem emoção dos seguidores/empregados de Penteu. O Oficina encarna esse espírito dionisíaco. E a joyceana ― palavra "tragycomédiorgia" ― pode definir melhor que qualquer outra a postura criativa e existêncial do Oficina e toda a sua história por consolidar um teatro sem a caretice da classe média culpada ou da prepotência antierótica e destruidora da classe alta.

Em entrevista à IstoÉ, em 1996, quando da primeira apresentação de Bacantes, Zé Celso comentou sua peça: "Tentei fazer uma ópera brasileira de Carnaval. Recuperar a enorme riqueza do musical nacional, que vem da época de Arthur de Azevedo e que não é esta coisa mecânica, importada da Broadway. Mas que mistura a música brasileira, que tem uma ligação com o amor, a paixão, a religião, o rito, o Carnaval, com a coisa meio improvisada brasileira, suprida pela cena teatral feita ao vivo, sem dinheiro. Dionísio é o deus que se bebe, que se come. É o deus do vinho, das plantas, o deus da maconha, da ayahuasca. O deus de todos estes prazeres que são proibidos e temidos na sociedade global, aqueles prazeres que despertam a mente e o desejo".

Desde a peça O rei da vela, de Oswald "Canibal" de Andrade, dirigida por Zé Celso, o Oficina tem injetado coragem, rebeldia e atitude contra um mundo sem opinião, formatado em ditaduras inescrupulosas. Agora, o Oficina reinvindica para si e para todos o direito ao delírio, ao erotismo, às paixões criativas da arte em oposição a esse mundo ascético, tomado pela ideologia do bom e medíocre comportamento classe mérdia de shopping center que transforma o ser humano numa dócil e embotada máquina de consumir lixo industrial.

As peças do Oficina reanimam forças latentes, dialetizando-as em pulsões alegres e trágicas, no riso solto, nos corpos livres e numa concepção prá lá de libertária do que seja o teatro. Vida eterna para Zé Celso e o Oficina!

Para ir além
Site do Teatro Oficina


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
04. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês