Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/2/2010
Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 8300 Acessos

Um presente divino para os amantes do teatro é a caixa Festival Teat(r)o Oficina, com gravações em DVD de quatro peças dirigidas por José Celso Martinez Corrêa. As obras são Boca de Ouro (Nelson Rogrigues), Cacilda! (Zé Celso), Bacantes (Eurípedes) e Ham-Let (Shakespeare).

Para quem não teve a oportunidade de ver no calor da hora as criações de Zé Celso, esta é uma oportunidade única, que deve ser louvada. Um empreendimento cultural desta força e dimensão não pode ficar longe das escolas de teatro, dos amantes da arte, de quem quer entrar em contato com uma das maiores forças vivas do teatro brasileiro: Zé Celso e sua Companhia.

Nestas peças encontra-se o espírito do teatro de Zé Celso. Criador avesso às macaqueações do teatro burguês, o diretor retoma a ideia do teatro-templo das forças dionisíacas. Reunindo todas as forças místicas, musicais, culturais dotadas de apelo irracional, Zé Celso cria suas obras a partir de uma prática que nos faz pensar em antigos rituais pagãos, no carnaval, nas festas das colheitas regadas a vinho e bacanais.

Mobilizando o espírito herético das músicas afro, do rock, do samba, do brega, seu teatro operístico-anárquico transforma corpos, cenários, textos e público em partícipes de um ritual profundamente imaginativo, emotivo, festivo e, se se quiser, transcendente. E a música é um dos elementos principais desse teatro. A música, como sabemos, mobiliza nossa consciência e inconsciência sem a necessidade do conceito. Pela música somos tomados e arremessados em regiões nas quais o controle da razão não pode operar. Wagner sabia disso. Nietzsche mais ainda. Os românticos, então, se alimentavam basicamente disso, ao ponto de sugerirem uma poesia que fosse, ela também, música.

No teatro de Zé Celso, a música é a ponte entre a fala poética, a liberação dos corpos e o andamento do enredo (ou antienredo, o que seria mais fiel no caso). É na música e em seus compassos que se esquadrinham os altos e baixos da emoção das peças. Todos os atores cantam, pois participam do drama como coautores com a particularidade de suas vozes, de seus timbres, de seus gestos. E os corpos dançam ao sabor das músicas, quase nunca se mantendo estáticos sob a vibração de um blues, rock, reggae ou samba. Tornam-se, na verdade, uma metáfora viva do movimento cósmico engendrado por este teatro-ritual. Colocam a existência em movimento e criam a realidade concreta do fluxo da vida.

Zé Celso não procura respeitar academicamente os textos dos quais se serve. A ebulição criativa de sua mente distorce as falas, acrescenta ideias, refaz percursos, reescreve os autores, anima-os com uma saraivada de contemporaneidades sem prejudicar sua existência histórico-temporal. O Oficina reanima textos como se reanimasse corpos, tornando-os mais brilhantes, instigantes, desejados. Não poderia ser diferente num teatro que pretende refundar a energia da vida a cada nova atuação. Um teatro que não veio para adoçar o perfume da burguesia que consome cultura como mais um produto conformista que seu capital pode pagar.

O ideal anárquico de Zé Celso e sua trupe é o de produzir a combustão, o incêndio, o rito criador-destruidor sonhado por Bakunin. E esse componente básico da alquimia do Oficina é que renova a dramaturgia brasileira e internacional, muitas vezes consumida por protótipos decorativos ou vanguardismos frios pra lá de caquéticos.

Não que o teatro intelectual, o engajado, o existencial-absurdo-pessimista ou outra coisa não possa existir, mas faz-se necessário a existência de um teatro que desestruture as certezas ao mesmo tempo instaurando os ritos do "sim à vida" nitezscheniano e reichiano. Um teatro que seja anticlássico, anticartesiano, antiaristotélico. É preciso que a inssurreição das fontes irracionais da criação tomem corpo e que o corpo dos atores e do público tornem-se fonte de paixão para que "a estrela bailante" possa ressurgir a cada novo rito.

A ideia de um teatro dos oprimidos vai por água abaixo com as explosões viscerais de Zé Celso, que impõe Eros contra Thanatos, que impõe a arte contra a vida petrificada.

Talvez seja em Bacantes que se possa encontrar a metáfora mais perfeita para todo o teatro de Zé Celso. A presença sedutora de Dionisius, que faz vibrar o desejo e o delírio, faz oposição à morte em vida dos corpos congelados, armados e sem emoção dos seguidores/empregados de Penteu. O Oficina encarna esse espírito dionisíaco. E a joyceana ― palavra "tragycomédiorgia" ― pode definir melhor que qualquer outra a postura criativa e existêncial do Oficina e toda a sua história por consolidar um teatro sem a caretice da classe média culpada ou da prepotência antierótica e destruidora da classe alta.

Em entrevista à IstoÉ, em 1996, quando da primeira apresentação de Bacantes, Zé Celso comentou sua peça: "Tentei fazer uma ópera brasileira de Carnaval. Recuperar a enorme riqueza do musical nacional, que vem da época de Arthur de Azevedo e que não é esta coisa mecânica, importada da Broadway. Mas que mistura a música brasileira, que tem uma ligação com o amor, a paixão, a religião, o rito, o Carnaval, com a coisa meio improvisada brasileira, suprida pela cena teatral feita ao vivo, sem dinheiro. Dionísio é o deus que se bebe, que se come. É o deus do vinho, das plantas, o deus da maconha, da ayahuasca. O deus de todos estes prazeres que são proibidos e temidos na sociedade global, aqueles prazeres que despertam a mente e o desejo".

Desde a peça O rei da vela, de Oswald "Canibal" de Andrade, dirigida por Zé Celso, o Oficina tem injetado coragem, rebeldia e atitude contra um mundo sem opinião, formatado em ditaduras inescrupulosas. Agora, o Oficina reinvindica para si e para todos o direito ao delírio, ao erotismo, às paixões criativas da arte em oposição a esse mundo ascético, tomado pela ideologia do bom e medíocre comportamento classe mérdia de shopping center que transforma o ser humano numa dócil e embotada máquina de consumir lixo industrial.

As peças do Oficina reanimam forças latentes, dialetizando-as em pulsões alegres e trágicas, no riso solto, nos corpos livres e numa concepção prá lá de libertária do que seja o teatro. Vida eterna para Zé Celso e o Oficina!

Para ir além
Site do Teatro Oficina


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
03. O irmão alemão, de Chico Buarque de Jardel Dias Cavalcanti
04. Noites azuis de Elisa Andrade Buzzo
05. Anzol de pescar infernos, de Ana Elisa Ribeiro de Wellington Machado


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFORMA AGRÁRIA - VIAGEM PELA GEOGRAFIA
FERNANDO PORTELA, BERNARDO MANCANO FERNANDES
ÁTICA
(2004)
R$ 9,00



EM ALGUM LUGAR DO PASSADO
RICHARD MATHESON
ABRIL
(1983)
R$ 9,90



O MUNDO PITORESCO - TOMO 3
W. M. JACKSON
W. M. JACKSON
(1954)
R$ 25,00



PSICOLOGIA DIFERENCIAL
DANTE MOREIRA LEITE
BURITI
(1966)
R$ 5,00



DIZEM POR AI..
JILL MANSELL
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 18,00



CONTOS
MACHADO DE ASSIS
OBJETIVO
R$ 8,00



O PEQUENO FILÓSOFO
GABRIEL CHALITA
GLOBO
(2011)
R$ 9,90



ÉTICA, SUSTENTABILIDADE E SOCIEDADE - DESAFIOS DA NOSSA ERA
MARIE AGNES CHAUVEL
MAUAD
(2009)
R$ 47,00



JEAN SANTEUIL
MARCEL PROUST
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 18,00



REVISTA SERVIÇO SOCIAL & SOCIEDADE 70 - VIOLÊNCIA - 1ª EDIÇÃO
VÁRIOS AUTORES
CORTEZ
(2017)
R$ 36,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês