Ao leitor, com estima e admiração | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/5/2008
Ao leitor, com estima e admiração
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Cheguei atrasada. No entanto, foi divertido correr pelas esquinas da cidade em direção à livraria. O dia estava especialmente claro. Nem sombra de chuva. Uma brisa aveludada soprava sem escarcéu. Corri do elevador do prédio em direção ao centro da capital. Rua Sergipe, rua Antônio de Albuquerque. Era fácil. Quase em linha reta. Não cheguei a suar. Minha bata estampada nova me dava ares de quem ia para um piquenique. A bolsa pesada, cheia de papéis, incomodava um pouco, mas a cor de um céu inédito me distraiu. Com tanto edifício era difícil encontrar o sol, mas ele nem precisa de frestas grandes para aparecer. Virei a esquina com um susto no peito. Era o lançamento do meu livro, o terceiro, uma nova empreitada, agora com mais história para contar.

Antes que eu alcançasse a escadaria, vi minha mãe, meu marido, meu filho e minha irmã chegando antes de mim. Nem me deu remorso. Cheguei a tempo de ver as pessoas queridas procurando por mim na paisagem da livraria. Logo dali, ao pé da porta, ouvi um burburinho. O medo da véspera não se confirmou. Passei a noite sonhando que não iria ninguém, que os convites extraviaram, que os e-mails foram bloqueados, que éramos eu e meu livro de poemas. Mas ali estavam meus primeiros convidados: os familiares.

Não eram muitos. O feriado da semana passada atrapalhou a festa. Eram aqueles que receberam e-mails e outros que lêem os jornais diariamente. Um tanto assustados, me cobravam por não ter dito nada antes. Não sabiam que livros de poemas estão sempre sendo escritos. Não é como outras coisas. Não é necessário ter tempo para escrever obras poéticas. É diferente. E então me abraçavam, já com seus exemplares nas mãos, às vezes mais de um: vou dar de presente, vou guadar porque, da outra vez, roubaram o meu.

Atarantada. Não sabia direito onde me sentar. O gerente veio logo me dirigindo: sua mesa é esta. Em cima dela, um buquê de rosas vermelhas colocado pelo marido escritor. Era como ter mais um filho, menos doloroso, certamente. Há quanto tempo não ganho flores. Desconcertada. Aturdida. Sem olhar direito as pessoas. Sentei-me em uma mesa de tampo espelhado. Sempre que dava um autógrafo, via meu rosto de frente para mim. É mais ou menos o que faz a escrita quando ela vem.

Os primeiros a chegar estavam em outra sala, comendo pães de queijo. Não poderia ser outra coisa. Os parentes liam poemas aos sorrisos. Diante de mim, os primeiros amigos. Eliane e Luís chegam juntos, coloridos, animados. Luís vem logo perguntando: aquele poema do Suplemento Literário está aqui? Digo que não. E explico: aquele foi realmente uma edição especial, é para ser raridade. Ele lamenta, mas soluciona rápido: Então ponha no próximo livro. Então leio ali nas entrelinhas: ele quer que haja o próximo. E mais: ele sabe que haverá.

As pessoas iam me dizendo que me viram estampada nos jornais. Os amigos dos meus pais, os ex-alunos, os amigos da infância e da adolescência. Então fico agradecida aos jornalistas que colaboraram. Desta vez foi diferente. Eu sabia que estaria naquelas páginas. Desta vez, não me chamaram de "jovem poeta". Acho que conquistei algum respeito. O terceiro livro, os 33 anos de idade, os 11 anos de publicação insistente, a poesia lida em grandes eventos, o diálogo com outros escritores. Desta vez fui "a poeta mineira", não mais a iniciante, não mais a imprecisa menina. Desta vez mudei o jeito do título do livro. De Poesinha para Perversa já havia sido um pulo. Agora a Fresta por onde olhar me dava mais impulso. A certeza de não querer uma editora. A tranqüilidade de que poderia fazer sozinha. A direção do projeto editorial. A supervisão de todos os passos. A visita à gráfica. Os convites. Aí está: o livro se pagou. Porque poesia vende, sim, quando ela é legível. Quando as pessoas vão atrás do livro porque pareciam estar esperando por ele.

Meu amigo apresentador de tevê me xinga porque lhe fiz uma dedicatória chamando-o pelo nome, não pelo apelido. Foi deslize. Foram tantos Eduardos. Nem vi. Aliás, alunos, ex-alunos e colegas de trabalho. Todos sorridentes, desejando sucesso ao livro e à autora. Orgulhosos, ao menos os presentes. Quem não consegue ir, não vai.

Tantos poetas. Tantos contistas. Todos juntos. Enfim, senta-se à minha frente um homem bonito e simpático. Pede um autógrafo e me entrega o livro. Quando abro a capa, está ali a fichinha com o nome do leitor: Ronaldo Cagiano. Mal acredito. Depois de tantos anos (ao menos 6) por correspondência, depois de tanto desencontro, está o escritor e crítico (antes de Brasília, agora de São Paulo) bem ali na minha frente. Além dele, Luis Giffoni, que me elogia pela coragem de encher um café-livraria no sábado de manhã. Bom saber.

Os professores da minha vida de faculdade chegam em horários próximos. Um deles me abraça apertado. Mostro logo que a dedicatória impressa no livro tem o nome dele. É para você, Milton. Uma coisa os olhos dele cheios de emoção. Para quem gosta de palavra e de livro, este é o maior presente que alguém pode dar. Quando me dão poemas em livros, quase morro. Não morro porque, justo ali, fico meio imortal. Luiz Edmundo é um dos poetas que me deixou presa entre as páginas de seu último livro. Logo ali, na mesa espelhada, o poeta Milton Pontes vem me ler, ao pé do ouvido, um poema que me fez. Morri menos ainda.

Chegam mensagems pelo celular. Não posso atender. Diante de mim, uma fila impaciente. Não são aposentados nem pensionistas. São leitores do meu poema meio cru. Estão ali porque querem meu abraço. Não estava fácil me levantar. A caneta às vezes falhava. Fazer quase uma centena de dedicatórias à queima-roupa não é fácil. Nem é pra qualquer publicitário.

Meus ex-alunos são um capítulo à parte. Vêm com sorrisos e dúvidas: será que ela se lembra de mim? O nome nem sempre vem, mas os rostos me são completamente conhecidos. Annie e Amanda não são minhas alunas. São estudantes de uma escola muito boa e fazem, lá, a bela revista Carpe Diem, com a supervisão dos professores. Fizeram de mim, faz pouco tempo, um perfil. Estavam ali para comprar o Fresta... e vinham felizes porque já sabiam o que iriam ler. Traziam um amigo. Traziam iluminações.

Meu filho não entende nada: Mãe, o que você está fazendo aqui? Eu dizia: lançando um livro, meu amor. Ele dizia: posso dormir aqui no seu colo? Eu permiti. Enquanto eu me desfiava nas dedicatórias aos meus amigos, meu filho dormia no meu colo, quase embaixo da mesa. O livro e o filho. A árvore eu plantei quando era bem pequena, na porta da casa dos meus pais.

Várias pessoas não me conheciam direito ali. Eram leitores. Leitores de verdade, desses que conhecem a gente por meio dos livros anteriores, de declamações, e vêm caminhando junto com a gente para todo canto. Um deles virou amigo mesmo. Trazia livros para que eu autografasse e os jornais para me dar. Pediu um copo d'água para que eu não tivesse sede. Depois dele, outros.

O garçom me pede que vá a outra mesa. Dizem que querem me conhecer. Uma mulher, acompanhada do filho e da nora, me pede um autógrafo. Fiquei na dúvida se a conhecia. Será que me esqueci? E ela me explica: li sobre você no jornal, hoje. Gostei tanto que pedi a meu filho para me trazer. Só queria conhecer você.

A festa começou às 11h. São 16h30 e ainda não almocei. Os poetas também têm estômago. O corpo parece leve. A água me sustenta. Às 17h, tenho coragem de pedir um prato. Às 18h pude ir embora, depois dos parabéns do livreiro e do tchauzinho a uns convidados que ficavam bebendo cerveja. Lá na rua, quase depois de virar a esquina, escuto os passos apressados de uma adolescente. Ela vem afobada com meu livro nas mãos: por favor, escreve aqui pra mim. Não me lembrei dela. Saquei a caneta cansada e perguntei: Qual é seu nome? Ela disse. E contou que soube do lançamento, achou que não chegaria a tempo e então correu para a livraria. Teve uma decepção quando entrou no lugar e o garçom disse: ela já foi. Mas ainda me viu andando pela rua, quase virando a esquina e sumindo pela cidade. E ela vinha feliz, aliviada de encontrar a poeta de fim de tarde. A dedicatória foi animada tanto quanto a primeira do dia. Leitor é alguém que deve e merece ser muito bem tratado. Ela me abraça. Vou embora.

Abri a porta de casa com o sono entre as pálpebras. Deitei sem nem tirar o relógio do pulso. Os livros que restaram ficaram atrás da porta da sala. Será que dá azar? Dormi como dormem os poetas cansados. Este tipo de extenuação deixa a gente emocionado como o diabo.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
02. Anzol de pescar infernos, de Ana Elisa Ribeiro de Wellington Machado
03. Meu carcereiro predileto de Ana Elisa Ribeiro
04. O espiritismo e a novela da Globo de Marcelo Spalding
05. A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa de Humberto Pereira da Silva


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Eu e o cursinho pré-vestibular - 22/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/5/2008
14h30min
Ana, eu sou uma dessas suas fãs que te acompanham e catam tudo que você escreve. Como diz a minha filha: "mãe você é baba ovo da Ana Elisa". Mas não tem jeito, pelo menos até hoje, gosto de tudo que você escreve. O dia que não gostar, eu digo. Fui no lançamento do seu livro para te abraçar e ganhar o autógrafo fresquinho. Não demorei e não dei nem uma espiadinha na fresta. Deixei para quando chegasse em casa, sozinha, sossegada, igual comer chocolate escondido, sem dividir com ninguém. Ainda estou desgustando-o. Delicioso! Daqui a pouco, sim, começo a mostrá-lo para os outros e comprar outros exemplares para presente. Não arrisco emprestar o meu. Parabéns!!! Um grande abraço!
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
5/6/2008
09h26min
Ana Elisa. Um conto, um conto de fadas se quem lê, prentende, um dia, ver um livro próprio, nas estantes, uma livraria. O melhor é saber que a protagonista tem apenas 33 anos! Que maravilha! Quanto tempo pela frente, quanta tinta, papel, inspiração para trabalhar sem pressa. Nestas horas lamento morar tão longe, tão distante da cidade pela qual morro de amores, descaradamente, confessados. Vivi mais de 33 anos na "desvairada". Mudei, ganhei a paisagem da Guanabara, perdi as livrarias, deixei para trás os amigos que sobraram, vivos, a vibração e a delícia de viver em São Paulo. Perdi o lançamento deste livro, e de outros de outros autores... O texto nos remete à emoção que só o escritor pode ter e só o poeta pode transmitir com tanta sensibilidade. Agora é comprar o livro, ler, e esperar que, um dia, você venha autografar por aqui. Parabéns, Ra
[Leia outros Comentários de R Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LOS AZTECAS (LAS GRANDES CIVILIZACIONES)
SANDRA E GARIBAY LAURENT (PROYECTO)
VIMAN (MÉXICO)
(2006)
R$ 25,28



MUNDOS EM CONEXÃO
GEOFFREY D. FALK
CULTRIX
(2012)
R$ 14,00



ROBERT PARKER - O IMPERADOR DO VINHO
ELIN MCCOY
ELSEVIER
(2006)
R$ 55,00



FEDRO FÁBULAS (FABULARUM AESOPIARUM)
JOSÉ PÉREZ DIREÇÃO
EDIÇÕES CULTURA
(1946)
R$ 20,00



PERTURBAÇÕES DO COMPORTAMENTO DA CRIANÇA - DESCRIÇÃO, CAUSAS, TRAT...
PIERRE DEBRAY RITZEN BADRIG MÉLÉKIAN

R$ 9,80



O OPORTUNISTA
PIERS PAUL READ
CIRCULO DO LIVRO
(1973)
R$ 4,00



ARMS OF THE WORLD - 1911 - ALFA CATALOGUE OF ARMS
VÁRIOS
JOSEPH J SCHRODER JR
(1962)
R$ 200,00



FILHOS BRILHANTES ALUNOS FASCINANTES
AUGUSTO CURY
ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA
(2006)
R$ 12,04



O LIVRO DOS AMULETOS
GABRIELA ERBETTA E MICHELLE SEDDIG JORGE
PUBLIFOLHA
(2004)
R$ 8,80



TIMOR, O NOSSO DEVER FALAR
VÁRIOS AUTORES
APEL
(1999)
R$ 22,11





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês