Ao leitor, com estima e admiração | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/5/2008
Ao leitor, com estima e admiração
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Cheguei atrasada. No entanto, foi divertido correr pelas esquinas da cidade em direção à livraria. O dia estava especialmente claro. Nem sombra de chuva. Uma brisa aveludada soprava sem escarcéu. Corri do elevador do prédio em direção ao centro da capital. Rua Sergipe, rua Antônio de Albuquerque. Era fácil. Quase em linha reta. Não cheguei a suar. Minha bata estampada nova me dava ares de quem ia para um piquenique. A bolsa pesada, cheia de papéis, incomodava um pouco, mas a cor de um céu inédito me distraiu. Com tanto edifício era difícil encontrar o sol, mas ele nem precisa de frestas grandes para aparecer. Virei a esquina com um susto no peito. Era o lançamento do meu livro, o terceiro, uma nova empreitada, agora com mais história para contar.

Antes que eu alcançasse a escadaria, vi minha mãe, meu marido, meu filho e minha irmã chegando antes de mim. Nem me deu remorso. Cheguei a tempo de ver as pessoas queridas procurando por mim na paisagem da livraria. Logo dali, ao pé da porta, ouvi um burburinho. O medo da véspera não se confirmou. Passei a noite sonhando que não iria ninguém, que os convites extraviaram, que os e-mails foram bloqueados, que éramos eu e meu livro de poemas. Mas ali estavam meus primeiros convidados: os familiares.

Não eram muitos. O feriado da semana passada atrapalhou a festa. Eram aqueles que receberam e-mails e outros que lêem os jornais diariamente. Um tanto assustados, me cobravam por não ter dito nada antes. Não sabiam que livros de poemas estão sempre sendo escritos. Não é como outras coisas. Não é necessário ter tempo para escrever obras poéticas. É diferente. E então me abraçavam, já com seus exemplares nas mãos, às vezes mais de um: vou dar de presente, vou guadar porque, da outra vez, roubaram o meu.

Atarantada. Não sabia direito onde me sentar. O gerente veio logo me dirigindo: sua mesa é esta. Em cima dela, um buquê de rosas vermelhas colocado pelo marido escritor. Era como ter mais um filho, menos doloroso, certamente. Há quanto tempo não ganho flores. Desconcertada. Aturdida. Sem olhar direito as pessoas. Sentei-me em uma mesa de tampo espelhado. Sempre que dava um autógrafo, via meu rosto de frente para mim. É mais ou menos o que faz a escrita quando ela vem.

Os primeiros a chegar estavam em outra sala, comendo pães de queijo. Não poderia ser outra coisa. Os parentes liam poemas aos sorrisos. Diante de mim, os primeiros amigos. Eliane e Luís chegam juntos, coloridos, animados. Luís vem logo perguntando: aquele poema do Suplemento Literário está aqui? Digo que não. E explico: aquele foi realmente uma edição especial, é para ser raridade. Ele lamenta, mas soluciona rápido: Então ponha no próximo livro. Então leio ali nas entrelinhas: ele quer que haja o próximo. E mais: ele sabe que haverá.

As pessoas iam me dizendo que me viram estampada nos jornais. Os amigos dos meus pais, os ex-alunos, os amigos da infância e da adolescência. Então fico agradecida aos jornalistas que colaboraram. Desta vez foi diferente. Eu sabia que estaria naquelas páginas. Desta vez, não me chamaram de "jovem poeta". Acho que conquistei algum respeito. O terceiro livro, os 33 anos de idade, os 11 anos de publicação insistente, a poesia lida em grandes eventos, o diálogo com outros escritores. Desta vez fui "a poeta mineira", não mais a iniciante, não mais a imprecisa menina. Desta vez mudei o jeito do título do livro. De Poesinha para Perversa já havia sido um pulo. Agora a Fresta por onde olhar me dava mais impulso. A certeza de não querer uma editora. A tranqüilidade de que poderia fazer sozinha. A direção do projeto editorial. A supervisão de todos os passos. A visita à gráfica. Os convites. Aí está: o livro se pagou. Porque poesia vende, sim, quando ela é legível. Quando as pessoas vão atrás do livro porque pareciam estar esperando por ele.

Meu amigo apresentador de tevê me xinga porque lhe fiz uma dedicatória chamando-o pelo nome, não pelo apelido. Foi deslize. Foram tantos Eduardos. Nem vi. Aliás, alunos, ex-alunos e colegas de trabalho. Todos sorridentes, desejando sucesso ao livro e à autora. Orgulhosos, ao menos os presentes. Quem não consegue ir, não vai.

Tantos poetas. Tantos contistas. Todos juntos. Enfim, senta-se à minha frente um homem bonito e simpático. Pede um autógrafo e me entrega o livro. Quando abro a capa, está ali a fichinha com o nome do leitor: Ronaldo Cagiano. Mal acredito. Depois de tantos anos (ao menos 6) por correspondência, depois de tanto desencontro, está o escritor e crítico (antes de Brasília, agora de São Paulo) bem ali na minha frente. Além dele, Luis Giffoni, que me elogia pela coragem de encher um café-livraria no sábado de manhã. Bom saber.

Os professores da minha vida de faculdade chegam em horários próximos. Um deles me abraça apertado. Mostro logo que a dedicatória impressa no livro tem o nome dele. É para você, Milton. Uma coisa os olhos dele cheios de emoção. Para quem gosta de palavra e de livro, este é o maior presente que alguém pode dar. Quando me dão poemas em livros, quase morro. Não morro porque, justo ali, fico meio imortal. Luiz Edmundo é um dos poetas que me deixou presa entre as páginas de seu último livro. Logo ali, na mesa espelhada, o poeta Milton Pontes vem me ler, ao pé do ouvido, um poema que me fez. Morri menos ainda.

Chegam mensagems pelo celular. Não posso atender. Diante de mim, uma fila impaciente. Não são aposentados nem pensionistas. São leitores do meu poema meio cru. Estão ali porque querem meu abraço. Não estava fácil me levantar. A caneta às vezes falhava. Fazer quase uma centena de dedicatórias à queima-roupa não é fácil. Nem é pra qualquer publicitário.

Meus ex-alunos são um capítulo à parte. Vêm com sorrisos e dúvidas: será que ela se lembra de mim? O nome nem sempre vem, mas os rostos me são completamente conhecidos. Annie e Amanda não são minhas alunas. São estudantes de uma escola muito boa e fazem, lá, a bela revista Carpe Diem, com a supervisão dos professores. Fizeram de mim, faz pouco tempo, um perfil. Estavam ali para comprar o Fresta... e vinham felizes porque já sabiam o que iriam ler. Traziam um amigo. Traziam iluminações.

Meu filho não entende nada: Mãe, o que você está fazendo aqui? Eu dizia: lançando um livro, meu amor. Ele dizia: posso dormir aqui no seu colo? Eu permiti. Enquanto eu me desfiava nas dedicatórias aos meus amigos, meu filho dormia no meu colo, quase embaixo da mesa. O livro e o filho. A árvore eu plantei quando era bem pequena, na porta da casa dos meus pais.

Várias pessoas não me conheciam direito ali. Eram leitores. Leitores de verdade, desses que conhecem a gente por meio dos livros anteriores, de declamações, e vêm caminhando junto com a gente para todo canto. Um deles virou amigo mesmo. Trazia livros para que eu autografasse e os jornais para me dar. Pediu um copo d'água para que eu não tivesse sede. Depois dele, outros.

O garçom me pede que vá a outra mesa. Dizem que querem me conhecer. Uma mulher, acompanhada do filho e da nora, me pede um autógrafo. Fiquei na dúvida se a conhecia. Será que me esqueci? E ela me explica: li sobre você no jornal, hoje. Gostei tanto que pedi a meu filho para me trazer. Só queria conhecer você.

A festa começou às 11h. São 16h30 e ainda não almocei. Os poetas também têm estômago. O corpo parece leve. A água me sustenta. Às 17h, tenho coragem de pedir um prato. Às 18h pude ir embora, depois dos parabéns do livreiro e do tchauzinho a uns convidados que ficavam bebendo cerveja. Lá na rua, quase depois de virar a esquina, escuto os passos apressados de uma adolescente. Ela vem afobada com meu livro nas mãos: por favor, escreve aqui pra mim. Não me lembrei dela. Saquei a caneta cansada e perguntei: Qual é seu nome? Ela disse. E contou que soube do lançamento, achou que não chegaria a tempo e então correu para a livraria. Teve uma decepção quando entrou no lugar e o garçom disse: ela já foi. Mas ainda me viu andando pela rua, quase virando a esquina e sumindo pela cidade. E ela vinha feliz, aliviada de encontrar a poeta de fim de tarde. A dedicatória foi animada tanto quanto a primeira do dia. Leitor é alguém que deve e merece ser muito bem tratado. Ela me abraça. Vou embora.

Abri a porta de casa com o sono entre as pálpebras. Deitei sem nem tirar o relógio do pulso. Os livros que restaram ficaram atrás da porta da sala. Será que dá azar? Dormi como dormem os poetas cansados. Este tipo de extenuação deixa a gente emocionado como o diabo.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
02. Fui pra Cuba de Marta Barcellos
03. O homem que inventou o Natal de Gian Danton
04. Capitu, a melhor do ano de Marcelo Maroldi
05. Made in China de Pilar Fazito


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/5/2008
14h30min
Ana, eu sou uma dessas suas fãs que te acompanham e catam tudo que você escreve. Como diz a minha filha: "mãe você é baba ovo da Ana Elisa". Mas não tem jeito, pelo menos até hoje, gosto de tudo que você escreve. O dia que não gostar, eu digo. Fui no lançamento do seu livro para te abraçar e ganhar o autógrafo fresquinho. Não demorei e não dei nem uma espiadinha na fresta. Deixei para quando chegasse em casa, sozinha, sossegada, igual comer chocolate escondido, sem dividir com ninguém. Ainda estou desgustando-o. Delicioso! Daqui a pouco, sim, começo a mostrá-lo para os outros e comprar outros exemplares para presente. Não arrisco emprestar o meu. Parabéns!!! Um grande abraço!
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
5/6/2008
09h26min
Ana Elisa. Um conto, um conto de fadas se quem lê, prentende, um dia, ver um livro próprio, nas estantes, uma livraria. O melhor é saber que a protagonista tem apenas 33 anos! Que maravilha! Quanto tempo pela frente, quanta tinta, papel, inspiração para trabalhar sem pressa. Nestas horas lamento morar tão longe, tão distante da cidade pela qual morro de amores, descaradamente, confessados. Vivi mais de 33 anos na "desvairada". Mudei, ganhei a paisagem da Guanabara, perdi as livrarias, deixei para trás os amigos que sobraram, vivos, a vibração e a delícia de viver em São Paulo. Perdi o lançamento deste livro, e de outros de outros autores... O texto nos remete à emoção que só o escritor pode ter e só o poeta pode transmitir com tanta sensibilidade. Agora é comprar o livro, ler, e esperar que, um dia, você venha autografar por aqui. Parabéns, Ra
[Leia outros Comentários de R Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SIRI NA LATA
ADEMIR DEMARCHI
REALEJO
(2015)
R$ 13,80



MALDICAO ETERNA
MANUEL PUIG
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 6,90



GLOBALIZAÇAO CRESCIMENTO E POBREZA
WORLD BANK STAFF
FUTURA
(2003)
R$ 699,00



OITAVO POVO DAS MISSÕES: ALÉM DA RECICLAGEM (NO FEMININO) VOL 1 COM DVD
MATILDE CECCHIN E ANTÔNIO CECCHIN
LIBRETOS
(2015)
R$ 18,00



PALAVRAS PARIDAS
NILO JANSON
PALAVRAS PARIDAS
(2009)
R$ 5,87



SANGUE QUENTE
CLAUDIA TAJES
L&PM
(2013)
R$ 12,00



OS GÊNEROS LITERÁRIOS DA CULTURA ROMANA
G. D. LEONI NEYDE RAMOS DE ASSIS
NOBEL
(1959)
R$ 39,20



O MISTERIO DA TERCEIRA MEIA
ROSANA RIOS
MODERNA
(1995)
R$ 5,00



NÃO CONTE A NINGUÉM
HARLAN COBEN
SEXTANTE
(2009)
R$ 29,90



ERA UMA VEZ... REALIDADE TALVEZ
JANAINA SOARES E SUSANA NOGUEIRA (ORGS)
CBJE
(2014)
R$ 20,00





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês