Ventania quinta-feira à noite em Chicago | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/12/2001
Ventania quinta-feira à noite em Chicago
Arcano9

+ de 2400 Acessos

Fábrica de Chocolates



(Efeitos sonoros de vento/pessoas caminhando apressadas/buzinas gravados em Chicago)
A Windy City não me chamou a atenção apenas pela grandiosa arquitetura, pela dinâmica relação de seus habitantes com os carros e semáforos, pelas lindas esculturas de Picasso e Miró em pleno centro da cidade. Tampouco foi pelo lago Michigan e seu azul congelante em tardes de sol de novembro. Chicago uiva - o uivo do vento é tão insistente que me fez desistir de usar cabelo comprido (hábito que mantinha desde 1997) porque não havia elástico que o prendesse longe do meu rosto, e para ser honesto eu queria ver as coisas direito. Mas a cidade uiva de um modo mais complexo do que você imagina. Aconselha-se a todos que visitem Chicago a fechar os olhos e se concentrar. Em uma chicotada forte de ar gélido, você pode ouvir saxofones. Saxofones? Sim, ouça bem, ouça, em meio às buzinas. Mas não são saxofones de musak, são saxofones à antiga. Saxofones que jovens com cabelo comprido, supostamente, detestariam.

Al Capone, dizem, era um sujeito que, além de gostar de dinheiro, poder e de viver perigosamente, sabia como gastar sua grana com diversão. E na Chicago das primeiras décadas do século passado, a parte imediatamente ao norte do "loop" (o centro da cidade) é onde estava o mais quente em matéria de agito. Algo como a Lenox Avenue (hoje Malcolm X Boulevard) do Harlem, Nova York, lá pelos anos 30. Também essa parte ao norte do Loop, que doravante chamarei de Uptown, tinha essa reputação de atrair os branquelos da cidade. O Harlem novaiorquino ficou meio separatista, Uptown, não. (Trilha sonora para este trecho: Basin St. Blues, Hot Seven) Na parte ao sul do centro, especialmente no bairro de Bronzeville, é que se instalariam as lendas negras do jazz que haviam subido todo o Mississipi com suas buzinas maravilhosas e passaram a trabalhar nos Speakeasys de Chicago, nostálgicos das raparigas atrevidas e da vida morna do finado Storyville de New Orleans.

Mas voltemos a Uptown. Pegue o metrô linha vermelha. Desça na estação Lawrence e, logo de cara, você dá de cara com dois grandes clubes, visíveis da plataforma. O Aragon ainda tem suas luzes piscantes toda noite, é freqüentado por milhões por ano, mas decidiu se reinventar. Hoje, é uma venue para shows de rock e blues, que atraem sujeitos barulhentos e cheios de hormônios. Lá do outro lado, fica a casa chamada Uptown.

(Sem trilha sonora)
As letras com o nome do clube estão lá, a vontade de festejar está lá, mas o lugar está fechado. O Uptown é um dos inúmeros clubes de jazz de Chicago que marcaram época nas primeiras décadas do século XX que ou desapareceu, ou foi desativado sem a mínima cerimônia. Uma pena. Construído em 1925 com um custo de US$ 4 milhões (uma fortuna para a época), o local foi o escolhido por Duke Ellington para um histórico show em 1931. Casa lotada.

(Trilha sonora: Sing Sing Sing, Harry James Orchestra)
A seguir, à esquerda, você descobr os neons verdes. Uma casa pequena, uma fila grande. Janela enegrecida. São US$ 7 de entrada. Sempre me falaram para procurar por este clube em Chicago.

No interior do Green Mill, descortina-se um salão longo, com um grande e espaçoso balcão. Tudo meio escuro. Nas paredes, grandes pinturas a óleo, meio enegrecidas, como se estivessem lá há muito tempo. Tudo está lá a muito tempo. O balcão é o balcão ascestral, o balcão arquetípico, de madeira, bordeado de um lado por sujeitos com cigarro no canto da boca e por outro por barmen com bigodinhos e aventais brancos, enxagüando copos. Atrás dos barmen, aquela coleção vasta de etílicos, tão colorida. Duas garçonetes lindamente maquiadas desfilam com suas bandejas com drinks erguidas muito acima de suas cabeças. Retiro meu sobretudo, penduro-o nuns cabides ao lado. O cheiro não é de nostalgia. Nem de ar condicionado. O cheiro é de noite. Noite que promete, que não vai te deixar na mão. Assim pensam os sujeitos sentados nas mesas, à esquerda do corredor por onde adentro o recinto. O balcão à direita, às mesas à esquerda. Em cada mesa, velas. Velas e talheres brilhantes refletindo a luz difusa vinda dos quatro ou cinco lustres em forma de concha colados ao teto. Conchas que escondem as lampadas, e só permitem que a luz saia e ilumine o necessário.

Num canto, uma velha jukebox para tocar singles, exclusivamente de jazz swing. Quando eu chego, é Harry James que está tocando.

O dono do local passa por mim. Careca, robusto. Parece o Kojak. "The gig starts 9 o'clock, sharp", diz ele. Pergunto o que teremos. "A big band. People like it. It's really good, indeed. They play here every thursday. We have jazz every night".

(Sons de pessoas dentro de um bar, garrafas, risadas, gritaria e música de jukebox bem fraca ao fundo)
De fato, sento-me ao lado da jukebox e percebo os abalos sísmicos dos músicos chegando de mansinho. Um trombonista com barbicha. Um cara com chapéu e seu trompete. Outro, mais velho, bem arrumado. O palco está armado, no fundo do salão, em frente ao palco, uma pequena pista de dança. Muitas, muitas pessoas estão chegando. Um grupo de balzaquianas rizonhas com profundos pés-de-galinha e sorrisos maravilhosos. Um gordo sozinho, que senta-se no balcão e parece desesperado para conversar. Um grupo de jovens de 18 a 24 anos, dois garotos e duas garotas, rindo alto, tomando martinis com aquela azeitona no palitinho e se beijando entre um gole e outro. Um casal, que já não encontra um lugar vago, ele um loiro de fala muito mansa e ela com olhos meio puxados e um sotaque britânico. Acho que ela canta num grupo pop de algum sucesso em Londres. Penso nisso por pouco tempo. Estou de pé ao lado do casal, ao lado do balcão. Uma voz possante e alegre invade os ouvidos e silencia o bar.

"Ladies and gentleman. Welcome to the Green Mill. This is the Alan Gresik's Swing Shift Orchestra, bringing to you all the good times that never go by. So, brace yourselves. We would be delighted to see some of you dancing here in front of us. Let's start with a big hit that most of you should know. If you're blue/ and you don't know/where to go to/ why don't you go DANCE with us?"

(Trilha sonora: Puttin' on the Ritz, Alan Gresik's Swing Shift Orchestra, gravada ao vivo no Green Mill Club, Chicago, 8 de novembro, 2001)
Três trompetistas, três trombonistas, três saxofonistas/clarinetistas, baterista, baixista, pianista/maestro, um mestre de cerimônias. Já havia ouvido big bands ao vivo antes. Mas não em um local tão típico. E quando você vê coisas como essas acontecendo, quando você encara uma exibição tão espontânea daquilo que você só vê em filmes ou só imagina após ler um livro, sua tendência é ficar eufórico. Os riffs dos intrumentos de sopro intoxicam, envenenam, e os efeitos dessa intoxicação são uma tremedeira involuntária da perna, o cantar convulsivo da letra da música, o sorrir ingênuo e sincero. Reza a lenda que o Green Mill, de fato, foi freqüentado pelo Capone, e que todo o ambiente foi carinhosamente mantido como era naquela época. Outra lenda: atrás do balcão, embaixo dos pés dos barmen, existiriam portas ocultas, levando a labirínticos túneis e a salas onde funcionavam cassinos e speakeasies na época da lei seca. Procuro com sutileza por evidências que comprovem tais boatos. Está tudo muito escuro por lá. A luz se concentra nos metais sonoros. Um casal apressado, apenas um, dança.

(Fim da música - som de risadas, copos)
No intervalo entre uma música e outro, um casal de radioatores vai ao microfone e encena uma pequena propaganda radiofônica nos moldes daquelas ouvidas nos anos 30. Muito engraçado. Dura um minuto apenas, o tempo suficiente para a Doris Day da noite ajeitar o seu decote. Uma mocinha gorda e simpática. E que vozeirão.

(Trilha sonora: Ain't Misbehavin', Alan Gresik's Swing Shift Orchestra, gravada ao vivo no Green Mill Club, Chicago, 8 de novembro, 2001)
A mocinha dá um tom mais lento e melódico para a imortar composição de Fats Waller, que eu só conhecia de uma gravação efusiva de Louis Armstrong e seus All-stars. Música que dá o contraponto romântico da tocada antes, Puttin' on the Ritz, mais sincopada. Três, quatro, cinco casais se aproximam da pista. As mulheres encostam a cabeça no peito dos homens. Penso rapidamente no Brasil: quando isso acontece? Festas de formatura - quando mamães dançam com os filhinhos? Festas de casamento - que ocorrem uma vez a cada 86 meses? Bailes de terceira idade - que tem essa aura de coisa mofada? A atmosfera é romântica. Que falta isso faz. De repente, acho que o ambiente, a música, as cores, tudo me faz ter uma saudade de um tempo que eu nunca vivi. Mas nada tem cheiro de nostalgia, e a noite continua. Continua para os românticos e despreocupados; para os estressados se redescobrindo; para o gordo solitário que continua no balcão desesperado para conversar. Para a menina de olhos puxados, que continua conversando, apenas conversando com o sujeito de fala mansa. Para os garotos e garotas daquela mesa que, apesar da tenra idade, decidem arriscar uns passos na pista.

A trilha sonora prossegue. Uma versão estilizada de Sweet Georgia Brown. Outra de Down By the Riverside.

Take the A Train.

Lady Be Good.


Duas cervejas depois, três sets depois, lá pelas duas da manhã, após requebrar seqüências de melodias otimistas e melancólicas, deixo o clube. A sensação que tenho é de que, se eu descobri esse clube e tanta gente vem aqui, é sinal de que eu não sou o único no universo que gosta desse tipo de ambiente. Vou procurar mais. Em Londres, deve ter alguma coisa. Até mesmo em São Paulo. Nem que, lá, as big bands tenham que fazer arranjos da dança do Tigrão. Deixa pra lá. Ouço ainda os saxofones. Os saxofones da Windy City. O vento forte, frio, cortante me estimula. Onde há música, há alegria. Onde há alegria, há vida. E esse vento forte, frio e sonoro ainda dança comigo. Se você vier a Chicago, amigo leitor, não deixe de dançar com ele.

Fábrica de Chocolates



Para ir além

Green Mill Jazz Club
4802 N Broadway, at Lawrence EL station
Chicago
Tel. 773 878 5552


Arcano9
Londres, 3/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
02. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
03. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
04. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol
05. Os dilemas de uma sociedade em Escudo de Palha de Guilherme Carvalhal


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2001
01. Duas formas de perder a virgindade no West End - 5/3/2001
02. O que realmente importa - 17/12/2001
03. Quando road movie encontra inocência adolescente - 19/3/2001
04. Ler ao acaso - 19/11/2001
05. Concurso de popstars mostra novo caminho na TV - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90



O FUTURO DO CAPITALISMO
LESTER C. THUROW
ROCCO
(1997)
R$ 10,00



O LIVRO ONTEM HOJE E AMANHÃ
GUILHERMO DÍAZ PLAJA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



DELTORA QUEST 3 - A ILHA DOS MORTOS
EMILY RODDA
FUNDAMENTO
(2007)
R$ 10,00



AS VIAGENS DE MARCOS POLO
CARLOS HEITOR CONY E LENRIA ALCURE
EDIOURO PUBLISHING
(2005)
R$ 20,00
+ frete grátis



INTERPRETAÇÃO SINTÉTICA DO APOCALIPSE
CAIRBAR SCHUTEL
AMANTES DA POBREZA
(1977)
R$ 9,00



A QUINTA DISCIPLINA
PETER M. SENGE
BEST SELLER
(2013)
R$ 50,00



EXPRESSO DO ORIENTE
GRAHAM GREENE
ESTADÃO
(1997)
R$ 4,00



MAD MARIA
MARCIO SOUZA
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



COZINHA SABOROSA COM MENOS GORDURA E COLESTEROL
CHRISTINE FRANCE
MELHORAMENTOS
(1997)
R$ 10,00





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês