Projeto Itália ― Parte I | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 1/6/2010
Projeto Itália ― Parte I
Eduardo Mineo

+ de 10900 Acessos

― O brasileiro é o povo mais aborrecido do mundo. Vocês é que não entenderam a piada.

Minha primeira noite na Itália começou com este pequeno esclarecimento sobre a gente. Foi muito necessário. As pessoas caíram naquele papo todo do Getúlio Vargas e ele morreu sem contar que era só uma brincadeirinha. Agora, o maior problema para se resolver este mal entendido é que um punhado de gente no Brasil realmente assumiu essa identidade de povo bobo-alegre, tonto, que ri pra tudo. Tem quem goste desta imagem de capiau mongolóide, mas ― como digo sempre ― me inclua fora dessa.

Então, sair do país sempre significou ter de me comportar como o Paulo Francis, ou seja, fazer de tudo para que não percebessem que era brasileiro até a hora em que a farsa já não se sustentasse e alguém acabasse fazendo perguntas sobre o Pelé. "Who?", respondia chocado. Mas ninguém me perguntou sobre o Pelé. Na verdade, fui muito bem tratado pelos italianos. Me tratavam ainda melhor quando eles notavam que eu não havia chegado ali a nado e que até era possível estabelecer um diálogo interessante e civilizado comigo ― e é, não sou de latir o tempo todo. Muito embora eu não ficasse surpreso se me destratassem por ser de fora. Todo barraco que presenciei na Itália tinha algum estrangeiro envolvido. Nas estações de trem, nove em dez vezes você vai testemunhar um africano ou indiano gritando em inglês com os seguranças. Gritar é o esporte nacional na Itália, mas a etiqueta nos diz para gritar em italiano. Sempre.

De qualquer forma, sair do país é um exercício impressionante de identidade. Já no aeroporto você se sente desaparecendo. Se eu notava que era brasileiro, não queria nem saber. Estava de saco cheio de ouvir gente falando em português, embora eu goste muito da minha língua, mas entenda, eu não queria mais saber do Brasil, queria ver gente diferente, estranha, fazendo coisas bizarras. Também era hora de saber se as aulinhas de terça e quinta fizeram algum milagre com o meu italiano, né? E fizeram. Me compreendiam perfeitamente e muitas vezes até me elogiavam. "Ma parla bene l'italiano!" Parlo nada.

O fato de terem me perguntado se o Rio de Janeiro era a nossa capital me aborreceu um pouco, mas eu me recompus a tempo de explicar que até os americanos sabiam que nossa capital é Buenos Aires, que conquistamos dos argentinos numa noitada de pôker em 1875. "Que burros! Cairam nesse blefe?", me perguntavam incrédulos. Si, si, amici.

A viagem começou na hora em que comprei as passagens. Gastei uma fortuna porque fiz questão de voar pela Alitalia, que usa aviões Boeing. "Air France? No way, sir." Fiz uma rota direta entre São Paulo e Roma, que embora seja mais rápida, ainda assim é uma surra pra quem viaja de econômica. Escolhi corredor para poder esticar as pernas, como me aconselharam amigos mais experientes (e tão pobres quanto). Pode ser um detalhe besta se você se acha jovem e destemido, mas vai fazer muita diferença se você pretende caminhar treze quilômetros por dia.

As sirenes das ambulâncias romanas povoam as minhas memórias mais remotas de estar na Itália. No começo parece o som de um papagaio parindo uma caminhonete, mas depois vai ficando bonitinho e você nunca mais consegue viver sem ele. Entretanto, cheguei em Fiumicino, o aeroporto internacional de Roma, onde ouvi as ambulâncias pela primeira vez, e parti direto para Milão. Assim comecei o meu roteiro de cima para baixo.

Milão é o melhor lugar que já estive na vida, se é que dá para pensar num elogio maior. É uma São Paulo que deu certo, entende? Mesmo não tendo lugar para se estacionar os carros. Você vê carros empilhados nas calçadas de maneira que realmente ofendem o meu bom senso. O trânsito italiano também é particularmente chocante. Pelo que entendi, você só não pode bater. Buzinar, talvez seja obrigatório, algum tipo de dever cívico. Mas existe lei, não me compreendam mal. Em Siracusa, estacionei embaixo de uma placa de rimozione, que seria o equivalente à placa de sujeito a guincho. A questão é que, para guincharem meu carro, teriam de guinchar juntamente uns vinte e três carros, pelo que contei. Aplicar a lei de trânsito na Itália é algo próximo do inviável.

Mas no continente, andei a pé. E às vezes de bonde. Num bonde em Milão, conhecido como tram, achei graça quando li que os assentos não são reservados para idosos ou gestantes, mas para mutilados da guerra, o que dá um tom honrado pra coisa toda. E achei estranho não ter cobradores. Cheguei a me informar se seria ético deixar de pagar a viagem e a resposta foi "até dois pontos", mas não vi ninguém pagando e toda vez que eu colocava meu passe, as pessoas me olhavam com cara de horror. Na dúvida, paguei todas.


Bonde em Milão

Já disse que Milão é maravilhosa? Pois é, principalmente quando está gelada. Era dezembro e peguei um frio razoável, não congelante, mas o suficiente para doer. E gostei. Não tem nada melhor que você se agasalhar adequadamente e sair no frio rigoroso. E para me agasalhar bem, me preparei bastante antes de viajar. Comprei uma bota forrada com pele de carneiro por algo em torno de R$ 200,00 no centro de São Paulo. Ainda no centro, comprei malhas, uma calça 501 da Levis ― aquela que os carvoeiros usavam ―, e mijões, que são como cuecas, mas o tecido desce até o tornozelo. Já na Itália, comprei um tênis para as caminhadas mais longas e aprendi que é possível usar cachecol de maneira macha ― ou quase ― embora seja obrigatório tirá-lo quando se entra em ambientes fechados para não se ganhar uma gripe. E dá para usar chapéu sem parecer um bestalhão da Vila Madalena, desde que, óbvio, retire-o juntamente com o cachecol quando entrar em algum lugar, principalmente em igrejas e restaurantes.


Cemeterio Monomentale de Milão

Passei dois dias em Milão, o suficiente para andar pelo centro, conhecer a Catedral e assistir Carmen, no Teatro alla Scala, com regência de Daniel Barenboim. Depois, fui para Veneza. Fui, mas voltei no mesmo dia, pois dormir em Veneza é caro demais e daria, com algum esforço, para fazê-la em apenas um dia. Ainda mais contando com os trens de alta velocidade, que me ajudaram a aproveitar o dia lá. Os trens são da Trenitalia e comprei todas as passagens ainda no Brasil, pela internet. Quem me acompanhou nos trens foi Jeffrey Bernard. Ele tomando uísque em seus Low Life e More Low Life e eu, minhas àguas com gás. Rimos muito com sua coluna "Train in Spain", que ele descreve uma viagem muito parecida com a minha, que fez pela Espanha. "Vá de trem, diziam meus amigos, pois o cenário é lindo. Só não me avisaram que o cenário contaria com coadjuvantes cagando no chão." Nessa, ele deu muito azar.


Veneza

Veneza me rendeu trezentas fotos e pés em frangalhos. Cheguei à estação Santa Lucia e fui recebido (muito bem) pela neve que caía fraquinha. A ideia era sair da estação, tomar café no Brek, seguir em direção à Ponte di Rialto e à Piazza San Marco pelos bairros de Santa Croce e San Polo e finalmente retornar à estação pelo bairro de Dorsoduro. Deu tudo mais ou menos certo. Muita sinalização para se chegar à Piazza San Marco, mas pouca para se retornar. No fim, retornei mais cedo do que esperava e gastei o tempo que sobrava perambulando pelo bairro de Cannaregio, onde à noite tem uma feirinha bacana.


Cannaregio, Veneza

Certa vez comparei Florença à Marginal Pinheiros e causei burburinhos, mas tenho de pedir perdão. Florença é uma extensão das obras de arte que ocupam suas praças e museus. Muito do que vi caberia em bons quadros. Não aconselho andar pela marginal do rio Arno durante o inverno porque venta muito e o frio machuca. Prefira ir pelas ruas paralelas e adjacentes, que são estreitas, mas confortáveis. Tudo é muito bonito e senti nostalgia de coisas que não lembro. De um lado do Arno estão os museus, as lojas, o centro etc. Atravessando a Ponte Vecchio, está o Palazzo Pitti. Gastei um dia em cada lado, mas gastaria um século, se pudesse.


Margem do Rio Arno, Florença

Fui a Assis exclusivamente a pedido de um grande amigo, que queria uma foto da basílica de São Francisco. Como não existe trem de alta velocidade de Roma para lá, gastei três horas para ir e três para voltar no mesmo dia, me sobrando o tempo exato para ir até a igreja, tirar a foto e voltar. Que judiação. Se eu soubesse como seria a sensação de estar lá, de sentar no parapeito da cidade e observar o vale coberto por luzes e nuvem, eu teria reservado minha vida toda para nunca mais deixar a cidade. Ouvi dizer que Assis tem dessas, ou seja, gente que vai para lá e nunca mais volta. Talvez eu tenha feito bem em ficar apenas duas horas. Mais uns minutos e eu talvez não estivesse escrevendo este artigo.


Basílica de São Francisco de Assis

Preciso dizer que Roma é uma tragédia. Já nos estranhamos no metrô(politano), com imigrantes e seus filhos correndo de um lado para o outro. Muita gente e tudo muito escuro. Fiquei no bairro próximo ao Vaticano, que é nobre, mas ainda assim não era exatamente o que eu esperava. Passei meu primeiro dia no Museu do Vaticano, onde estão diversas obras de arte, como O Pensador, de Rodin, ornamentado alegremente com turistas pendurados em seu pescoço para tirar fotos do tipo Orkut. Os turistas me irritaram às lágrimas no Vaticano. Estavam por todo lado fazendo turistices. Só consegui despejá-los da minha mente quando cheguei à Capela Sistina. Sentei por uma hora no cantinho e descobri que Deus tem bunda ― uma coisa curiosa de se saber. À noite, fui comprar um presente para minha namorada e descobri que havia esquecido meu cartão de crédito numa lojinha dentro do Vaticano, que já havia fechado àquela hora ― desespero. Voltei no dia seguinte e me informaram, depois dos devidos esporros, que meu cartão fora enviado à polícia. No final das contas, ganhei um passeio pela cidade do Vaticano, cuja entrada de turistas é proibida. Pena que não pude tirar fotos.


Saída do Museu do Vaticano, Roma

Meu segundo dia em Roma foi no centro, mas fugi de tudo que pudesse comportar turistas. Negligenciei bastante o meu plano e nem na Basílica de São Pedro eu entrei, por causa da fila. Fiz um passeio melhor, suponho. Durante o caminho à Fontana di Trevi, fui surpreendido pelo Pantheon, que tem uma imagem muito impressionante. O centro de Roma é agradável durante o dia e vale o passeio. Andei pela Piazza del Popolo, que tem as igrejas gêmeas, pela Piazza di Spagna e encontrei, segundo os romanos, a melhor sorveteria do mundo, a Giolitti.


Pantheon, Roma


Piazza del Popolo, Roma

Nota do Autor
Leia também "Projeto Itália ― Parte II".


Eduardo Mineo
São Paulo, 1/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que te move? de Fabio Gomes
02. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
03. Noturno para os notívagos de Ana Elisa Ribeiro
04. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
05. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. Projeto Itália ― Parte I - 1/6/2010
03. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
04. Projeto Itália ― Parte II - 14/6/2010
05. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUPIDO E PSIQUE E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS (ORG)
OBJETIVO
R$ 6,00



TRABALHO VOCÊ E SUAS RELAÇÕES PROFISSIONAIS
BRUNO PORTO E OUTROS
SENAC
(2014)
R$ 10,00



FIND FENÔMENO INTERVENIENTE DE NATUREZA DESCONHECIDA
J. KAUFFMANN
NOVA ERA
(2003)
R$ 58,00



OS NÚMEROS NA HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - VIVENDO A MATEMÁTICA
LUIZ MÁRCIO IMENES MARCELO LELLIS
SCIPIONE
(2006)
R$ 12,00



INFÂNCIA DOS MORTOS
JOSÉ LOUZEIRO
CÍRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 20,97



DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA LOPA-BAYESIANA EM DOIS ESTÁGIOS
EDLAINE CORREIA SINÉZIO MARTINS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



100 DÚVIDAS DE CARREIRA PARA EXECUTIVOS DE FINANÇAS
JOSÉ CLÁUDIO SECURATO / LUIZ ROBERTO CALADO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 5,00



LA CRISIS DE LA INVESTIGACION EN EL CAMPO DE LA DIALÉCTICA MATERI
MAURO OLMEDA
VILLALAR
(1977)
R$ 28,28



OS 55 MAIORES JOGOS DAS COPAS DO MUNDO
PAULO VINICIUS COELHO
PANDA BOOKS
(2010)
R$ 19,90



STALINE: LE DERNIER DES TSARS
PIERRE NOUAILLE, CLAUDE GUILLAUMIN, A MANEVY
FAMOT (GENEVE)
(1974)
R$ 19,82





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês