Por que a Geração Y vai mal no ENEM? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (2015)
>>> A Vinda da Família Real para o Brasil de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> O Quarto Pato de Índigo pela Positivo (2008)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-Chul Han pela Vozes (2015)
>>> O Tempo Escapou do Relógio de Marcos Bagno pela Positivo (2011)
>>> A Sujeição das Mulheres de Stuart Mill pela Escala (2006)
>>> Admirável Ovo Novo de Paulo Venturelli pela Positivo (2011)
>>> Pequenas Confissões de Georgina Martins pela Positivo (2008)
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/7/2010
Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 10100 Acessos
+ 10 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Para todo lugar que se olha, há um inveterado leitor adulto condenando nossa juventude perdida por conta do resultado do ENEM, o Exame Nacional do Ensino Médio, que serve, digamos assim, para medir as habilidades de nossos não-leitores em relação à língua portuguesa.

A "mídia", esteja ela onde estiver (digo, no papel, na internet, no rádio), parece reagir à mesma pauta. Todos urubuzando o sucesso do desastre, como diria Renato Russo, em uma de suas músicas menos comentadas. Ordens são ordens, afinal. Diga aí, para a sociedade, que nossos jovens não leem nada e foram supermal na prova de português que o governo brasileiro aplicou.

Raramente se vê algum jornal ou coisa assim explicar, direitinho, como o ENEM é feito, para que ele serve, quem o patrocina, essas coisas que, afinal, interessam menos do que os gráficos dos resultados brutos. É chato ficar lendo explicações. Muito mais legal ler só a caixinha de texto da matéria. Já inspira bastante conversa de boteco, né não?

Sim, é verdade, o jovem brasileiro tem dificuldades para ler. Ah, só para lembrar de associar estes últimos dados a outros, os pais dos mesmos garotos têm as mesmas dificuldades. Dorme com essa.

O escopo do ENEM são os jovens concluintes do Ensino Médio. Na média, uma turma aí pelos 17 anos (se estiverem regulares na escola brasileira), com uns 11 anos de escolaridade (o tal Ensino Básico, que é Fundamental + Médio) e, atualmente, habituês desta tal Sociedade da Informação e do Conhecimento. Uma parte dessa turma teve acesso ao computador e à Web já na barriga de mamãe. Mas parece não ter tido acesso a outras coisinhas. Vamos lá: informação não garante conhecimento; acesso não garante habilidade.

O mesmo governo que mede as habilidades de leitura da turma é este (seja ele qual for, não me refiro ao governo Lula ou a qualquer outro especificamente, ok?) que desmontou a escola básica. E não apenas a pública, que levou a fama toda (você não se lembra, mas a escola pública já foi de dar orgulho à família inteira ― e elas ainda existem, em algumas ilhas). Desmontou também a escola privada, que não passa, na maioria das vezes, de uma empresa vendendo serviços, como qualquer outra. Educação, na boca de certos empresários, é palavrão. Para quê isso?

O ENEM é uma prova feita com base em matrizes de habilidades. O modelo de avaliação desse exame é importado. O Brasil é um dos países que mais recentemente aderiu a esse tipo de avaliação ou controle massivo dos níveis de desenvolvimento da população. O Banco Mundial está sempre envolvido nessas histórias, claro, mas o ENEM, assim como muitas outras avaliações, tem um lado muito positivo. Ao menos, hoje, a gente pode saber em que ponto da escala estamos, não é mesmo?

Habilidades são relacionadas a desenvolvimento cognitivo. Os exames do ENEM avaliam como os estudantes (em massa) se desenvolveram em português e em matemática. No português, aborda-se a leitura, em níveis de habilidades que vão ficando cada vez mais complexos. Ou... deveriam ficar. O que se nota, nos resultados da avaliação, é que os estudantes brasileiros desenvolvem apenas habilidades mais básicas para a leitura e não alcançam aquelas que dependem de um jogo mais complexo. Localizar uma informação explícita em um texto, por exemplo, é uma habilidade basicona. Nossos estudantes vão muito bem nela. Parabéns para nós, que ensinamos todo mundo a achar direitinho e rapidinho uma data, um nome de personagem, a cor do cavalo branco de Napoleão, mas quando a coisa fica mais difícil, fazer inferências, por exemplo, os nossos dados ficam no vermelho.

Lembra quando você estava no segundo grau? Era assim que se chamava, não era? Lembra daquelas questões dadas pelo professor que dependiam apenas de uma olhadela diagonal no texto para que se encontrasse a resposta? Pois é. Lembra daquelas questões tipo: "João foi com Maria ao cinema". "Quem foi ao cinema?" "João e Maria". Lembra disso? Pois é. Essas são as questões que complicam a turma que presta o ENEM. Ou melhor, pensando bem, é graças a essas questões da vida toda que nossos alunos não afundam mais.

Não há qualquer problema em saber localizar informações. Isso precisa ficar claro, claríssimo. É absolutamente necessário saber fazer isso. O problema é só saber operar assim, a vida toda, mesmo quando se está partindo para a vida adulta, universitária, profissional ou não. Lembra quando você perguntava ao professor se teria de ler "aquilo tudo" para encontrar a resposta? E lembra desta? "Professor, mas essa resposta não está no texto!". Pois é.

Mas não adianta pôr a culpa na garotada. Afinal, eles são a "Geração Y" ou os "Homo zappiens", como dizem os gringos por aí. Essa turma são os sensacionais multitarefa, que foram salvos pelo computador e pelo iPad. O ENEM é que precisa mudar, não é mesmo? Precisamos achar um jeito de capturar a coisa certa. O exame não cabe nesta geração. Meu jovem, o ENEM não te merece.

Bom, a questão é séria. Não me leve a mal, leitor (aliás, perceber ironia é uma habilidade complexa). O ENEM talvez não seja o melhor exame do mundo, e o leitor também não. Mas vamos atrás desse hipertexto: o livro didático em que o garoto estudou também não é, o professor que ele teve não foi dos mais bem-formados do país, a escola estava preocupada em colocar outdoors nas calçadas, os pais acham que comprar livros e ter acesso a bons produtos culturais é bobagem. Enfim... correlações importantes, elementos que colaborariam bastante para que o jovem fosse um leitor melhor. Refiro-me não apenas a ler Machado de Assis, mas a ler jornais, revistas, bilhetes.

Os resultados do Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional apontam para o mesmo lado. O bacana de tudo é que o INAF vale para a população, e não apenas para os jovens estudantes. Garoto e garota, se precisar de contra-argumentos, mostre isso aos seus pais.

É claro que há bons leitores no país. Nem tudo está perdido. Há, sim, uma parcela (que se aproxima dos 30% da população) que consegue inferir coisas em um texto, por exemplo. Há quem consiga entender um texto de mais de uma página. O problema é que essas pessoas são a minoria. E isso não é coisa de brasileiro, como gostam de dizer nossos amigos curiosamente travestidos de europeus ou de "o outro". Estamos todos neste barco. Uns pra lá, outros pra cá, mas é por isso que formar professores, avaliar bons livros, formar bons autores, ter boas editoras e boas escolas não é conversa fiada. É fundamental. (Ei, isto não é com o vizinho, é com você.)

Não é o ENEM que vai mudar as coisas. O que muda tudo é provocar alterações nesse sistema inteiro. Vejam que fácil! Ensinar a ler bem não depende de escola e nem de cibercultura, mas se o caminho for por aí, que seja. O desenvolvimento das pessoas sempre pôde acontecer, mesmo quando os norte-americanos não haviam inventado o computador.

Pesquisas bacanas mostram que, por exemplo, nossos livros didáticos mais bem-formulados, aqueles que são top na avaliação desse tipo de material (que vem sendo feita há bastante tempo pelo governo), evoluem pouco nas questões de leitura, ou seja, os usuários desses livros não são demandados a desenvolver habilidades de leitura mais altas. Quando o livro é muito bom, cheio de provocações interessantes, o professor não o adota na escola, exatamente sob a alegação de que o livro é difícil de usar. O editor, então, passa a solicitar aos bons autores que "peguem leve", para que o livro não fuja muito da média. Vejam que encrenca! Para melhorar a nota no ENEM há uma solução: fazer perguntas mais fáceis. Isso mudaria todas as estatísticas. Não é assim que certas pessoas gostam de resolver as coisas? (E certas políticas...)

Alto lá, mas não vamos sacrificar o professor (mais ainda). Ainda bem que nem todo mundo se seduz pelas promessas das profissões imperiais. Há, sem dúvida, excelentes professores por aí, formados em escolas de ponta. É certo que nem sempre eles trabalham em escolas que os mereçam, mas há quem consiga trabalhar muito bem. Mas professor bem formado é aquele cara que estuda, estuda, estuda. Não se pode ser professor para passar o tempo. E professor bacana investiu, quer ganhar bem (e merece, como qualquer outro profissional). Professor legal quer ser respeitado, ter vida digna e tirar férias com a família. Professor bem-formado quer ser respeitado pela escola, pelo aluno e pelo livro didático. Professor inteligente sabe como formular questões interessantes, pensa em projetos de ensino, formula aulas, tem horizonte. Eles existem, sim. E poderiam existir mais, se pudessem seguir suas carreiras com dignidade.

Enfim, caro leitor, o ciclo se fecha, mas se fecha mal. Vale a pena, no final das contas, oferecer ao seu filho(a) (ou ao seu pai/sua mãe) um ambiente cultural mais motivador, mais exigente, digamos assim. Não apenas pelo ENEM, que vai colocar você na universidade, mas pelo desenvolvimento do país, que não pode ser grande sem pessoas legais e capazes de uma boa comunicação, na língua nacional.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
03. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
04. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
05. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2010
07h51min
Parabéns pelo texto! Difícil é saber que há escolas privadas de porte nacional que já nos anos 80 faziam o discurso do "basicão e nada mais". Continue sempre nessa luta, Ana. Ela é muito importante.
[Leia outros Comentários de Fabiula]
9/8/2010
11h56min
Belo texto. E lúcido.
[Leia outros Comentários de maria thereza do ama]
16/8/2010
07h44min
Mas que texto bacana! Parabéns! Sou professora de Língua Inglesa e inúmeras vezes me pediram para NÃO ensinar Inglês na escola pública. Motivo: Se o Português já e difícil imagine o Inglês! Horrorizada, cheguei a chorar. Pobres vítimas são nossas crianças!
[Leia outros Comentários de Jeni]
16/8/2010
09h51min
Moro na periferia de uma cidade do ABC paulista e observo uma coisa muito grave por aqui: o número enorme de pessoas que ascenderam para a classe média, têm bons carros etc., mas são extremamente mal-educadas, sem o mínimo de consciência de cidadania. Mesmo tendo mais acesso à escola, essas pessoas são preparadas para ser meros cumpridores de ordens. Por isso o resultado sofrível do ENEM e outras avaliações similares. Um de nossos maiores problemas está aí: uma política de educação mais preocupada em formar mão de obra técnica do que gente apta a pensar, interpretar a realidade em que vive. Para onde será que vamos nesse caminho?
[Leia outros Comentários de Paulo Cezar de Mello]
16/8/2010
18h34min
É triste constatar que a verdade está clara nesse texto; estamos numa transição para uma nova era - a da robotização... Quem não consegue tirar conclusões escondidas sob a fala ou a escrita é meio cego, surdo e, consequentemente, mudo para a vida! Cabe uma revisão de propósitos no imediatismo dessa corrida sem rumo a que nos propusemos, implicitamente, quando nos recolhemos a nossas convicções e deixamos o mundo correr solto. A revalorização do professor e uma escola que se envolva na formação completa dos seus alunos são imprescindí­veis para a formação de uma sociedade melhor e mais culta. Parabéns, Ana Elisa. Seus textos estão cada vez melhores!
[Leia outros Comentários de Beth Castro]
16/8/2010
23h08min
Excelente texto! Eu sempre me pergunto se existe um caminho na educação de massa, focada nos indicadores globais, que consiga suscitar o potencial desta nova geração. Definitivamente, o meio digital apresenta diversas possibilidades de esquivar do aprendizado, principalmente com o CTRL+C e CTRL+V, mas como professores temos que nos adequar à realidade deles. Ganhou mais um follower no Twitter! Muito legal seu texto.
[Leia outros Comentários de Kenneth Corrêa]
17/8/2010
09h26min
Ana, muito oportuno o teu texto. Considero que a mudança de voltagem na avaliação do ENEM visando a uma "estatística favorável" é, de longe, mais vergonhosa que a tônica de que abrir o ensino superior deteriora o desempenho das universidades quando destinados àqueles que não tiveram oportunidade por vias tradicionais. Como muitos estudantes, já nos submetemos por diversas vezes às provas facilitadas as quais não trazem nenhum louvor, o que às vezes dá até vergonha.
[Leia outros Comentários de Mauro Marcionilo]
17/8/2010
14h32min
Olá, Ana. O seu texto é bem abrangente, desses que ou derruba alguns dos nossos conceitos ou reforça-os com embasamento. Não sou da Geração "Y", mas me inscrevi no ENEM para obter o diploma de Ensino Médio - que, diga-se de passagem, é bem Médio mesmo, para a grande maioria da Geração tão carente que mal sabe que é "Y". Eu cursei o ensino fundamental e metade do médio numa escola que era particular, mas tinha um vínculo com o estado e isso permitia que pobres bolsistas como eu pudessem ter acesso a um ensino de qualidade não apenas Média. Aprendi muito nesta escola, e, mesmo assim, queimei todas as aulas cansativas e improdutivas para mim por horas dentro de bibliotecas, senão da escola, as da rua, sebos... Do pouco que consegui aprender nesta escola, muito me rende até hoje, e depois de ter estudado lá, nunca mais consegui estudar em escola alguma, então desisti, porque sempre ansiava por reencontrar nos novos mestres algo do que eu tive com os meus.
[Leia outros Comentários de Dora Nascimentoi]
24/8/2010
14h59min
Ana, vejo o pouco interesse do governo (não só o daqui) em mudar esta realidade bisonha. Quanto mais néscio e alienado for o cidadão, melhor. Mesmo nas escolas particulares existe essa deficiência, acham que por dar aulas em inglês já são diferenciados o bastante. O conteúdo do que se ensina é mínimo e por vezes desnecessário, um monte de coisas supérfluas que não conferem conhecimento e muito menos cultura. A internet com seu linguajar bisonho que foi formado a partir do pouco conhecimento da língua escrita e falada tem contribuído demais para esse acesso à desinformação e à incompetência de interpretação textual. Professores mal formados e que não procuram melhor capacitação existem aos milhares; já aquele que corre contra a preguiça e se capacita, não consegue apoio aos seus projetos que tornariam a aula e o apredizado mais eficazes, pois tem que mostrar números e não qualidade (repetência zero 10 x 0 instrução adequada).
[Leia outros Comentários de Carlos Patez]
6/9/2010
12h13min
Ana Elisa, pois é, você disse tudo. O ENEM quer o que não se dá à juventude dentro da escola. E não o culpo; não se deve nivelar por baixo. Infelizmente sempre que penso nisso conhecendo a rotina diária dos professores e das escolas, me lembro como estamos longe de chegar a uma educação realmente interdisciplinar e que faça sentido para quem é jovem. Excelente contribuição a sua.
[Leia outros Comentários de Aline Braga]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINCANDO COM FOGO
GORDON RANSAY
BEST SELLER
(2010)
R$ 30,00



METODOLOGIA PARTICIPATIVA: UMA INTRODUÇÃO A 29 INSTRUMENTOS
MARKUS BROSE
TOMO EDITORIAL
(2010)
R$ 47,00



DICIONÁRIO BÁSICO ESCOLAR DE FILOSOFIA - 1ª ED. - MAIS DE 360 VERBETES
MARLY N. PERES
GLOBAL
(2013)
R$ 49,95



DOUBLE TAKE: AN FBI THRILLER FIRST TIME IN PAPERBACK
CATHERINE COULTER
BERKLEY
(2008)
R$ 31,28



CONSTRUÇÃO DA INTELIGÊNCIA PELA CRIANÇA
MARIA DA GLÓRIA SEBER
SCIPIONE
(1995)
R$ 10,00



PROCESSO PENAL - PERGUNTAS E RESPOSTAS
CAPEZ FERNANDO
SARAIVA
(2008)
R$ 26,28



FESTA NO CEU
MATEUS RIOS; MARIA VIANA
POSITIVO LIVROS
(2013)
R$ 25,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO . MARCELO ALEXANDRINO
METODO
(2009)
R$ 50,00



CASA DE BONECAS
HENRIK IBSEN
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 26,91
+ frete grátis



A ESCOLA EM CUBA - IMPRESSÕES DE UMA EDUCADORA BRASILEIRA
TANIA ZAGURY
BRASILIENSE
(1988)
R$ 11,49





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês