Paixão e sucata | Daniela Kahn | Digestivo Cultural

busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
>>> A EDITORA estreia online dia 29 de outubro, de graça
>>> 'O Engenheiro', ópera de Tim Rescala, estreia em Porto Alegre
>>> Projeto Latitude apoia galerias brasileiras na Frieze London, FIAC Paris 2021 e SP-Arte 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Web-based Finance Application
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> 20 de Novembro #digestivo10anos
>>> O boom e a bolha reloaded
>>> WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel
>>> A proposta libertária
>>> Noel — Poeta da Vila
>>> Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares
>>> Hermann Broch
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Mais Recentes
>>> O Egito dos faraós de Federico A. Arborio Mella pela Hemus (1981)
>>> Origens do totalitarismo - Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo (Pocket) de Hannah Arendt pela Companhia de bolso (2013)
>>> O Matuto de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Leviatã (Pocket Série Ouro) de Thomas Hobbes pela Martin Claret (2003)
>>> Tratado do Amor de Deus de São Francisco de Sales pela Santa Cruz (2016)
>>> Padre Léo Biografia de Marlon Arraes pela Canção Nova
>>> O Coronel de Osmarco Valladão Manoel Magalhães pela Nemo (2012)
>>> Copos de Cristal de Gabriel Rodrigues Cervantes pela Nova Consciência (2013)
>>> Essencial Um Guia Prático de Alimentação e Saúde Menopausa de Baby Abrão (redação) pela Nova Cultural
>>> Gotas de Esperança de Lynne Gerard pela Paulinas (1996)
>>> Calvário de libertação de Victor Hugo psicografado por Divaldo Franco pela Alvorada (1981)
>>> O faraó Mernephtah de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Lake (1983)
>>> Naêma, a bruxa de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Lake
>>> A lenda do castelo de montinhoso de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Lake (1976)
>>> A feira dos casamentos de J. W. Rochester psicografado por Vera Kryzhanovskaia pela Correio Fraterno (1987)
>>> Gestão do Conhecimento de Fábio Câmara Araújo de Carvalho pela Pearson (2012)
>>> Dinâmica de Grupo e Textos Criativos de Canísio Mayer pela Vozes (2012)
>>> Raccolta Mega 2000 Nº15 de Walt Disney pela Fieg (1992)
>>> A Travessia do Canal da Mancha de Percival Milani pela Alfabeto (2009)
>>> Cooperativismo Primeiras Lições de Não Consta pela Sescoop (2007)
>>> A Obsessão de Allan Kardec pela O Clarim (1986)
>>> A guinada de Chip e Dan Heath pela Best Business (2010)
>>> A Vingança do Judeu de J. W. Rochester pela Feb (1993)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2008)
>>> Certificação Linux LPI. Rápido E Prático de Vários Autores pela Alta Books (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/12/2010
Paixão e sucata
Daniela Kahn

+ de 4500 Acessos

Os bons títulos de livros costumam ser uma síntese das obras que encabeçam. O mesmo vale para as boas aberturas de novelas. Entre os exemplos mais recentes está a de Duas Caras, com a pista sobre a assassina da trama, e a de Cama de Gato mostrando pessoas equilibrando-se numa gigantesca versão da trama de barbante conhecida como cama de gato ao som da sugestiva trilha "Pelo avesso", dos Titãs.

Destas, a mais original é, sem dúvida, a que o artista Vik Muniz criou para a novela Passione. Nela vê-se um casal que se beija apaixonadamente, enquanto um músico toca o banjo. Essas imagens (inspirados na arte italiana?) se desmancham e se refazem continuamente, graças ao movimento deslizante de uma câmara que focaliza ora as figuras completas, ora os elementos de sucata que fazem parte da sua composição.

Convém lembrar que reaproveitamento e reciclagem são bandeiras atuais e ecologicamente corretas que fazem parte do projeto mais amplo de sustentabilidade do planeta.

Não é, pois, de estranhar a sua ampla divulgação na televisão. Enquanto os telejornais se dedicam à publicidade educativa, programas de auditório buscam aumentar a sua audiência investindo na recuperação de moradias, carros e outros bens usados.

Na teledramaturgia, o tema é recorrente desde A Rainha da Sucata (1990), assinada pelo mesmo Sílvio de Abreu de Passione. Num girar estonteante da roda da fortuna, próprio da eterna reversibilidade reinante no universo do folhetim, personagens transitam com desenvoltura entre a mansão e o lixão. Tanto em Caminho para as Índias como na já citada Cama de Gato, empresários decaídos se transformam instantaneamente em catadores de lixo. Em Passione, ao contrário, o empresário emergente Olavo enriquece graças à sua empresa de reciclagem de lixo.

A presença reiterada da sucata e do lixo nas obras de ficção televisiva aponta, no entanto, para questões que vão muito além do marketing ecológico.

Em primeiro lugar, o folhetim televisivo é, como se sabe, o mais descartável dos gêneros ficcionais, graças ao seu estreito compromisso com o ibope. É também aquele que mais recicla conteúdos recorrendo a outros gêneros, como a literatura, o teatro, o cinema, a reportagem e, sobretudo, ao seu próprio repertório. Nesse último caso, quando não se reproduz como remake explícito, recorre à repetição de fórmulas, enredos, cenas, ações ou personagens.

Todavia, a conjunção de paixão e sucata que a abertura de Vik Muniz propõe sugere ainda outro nível de leitura. Sem poder ignorar novos tempos, novos comportamentos e novas formas de relacionamento social, a novela é também o mais conservador dos gêneros ficcionais. Ela não nega a sua origem, o romance em formato de folhetim do século XIX, que esmiúça o quotidiano burguês, narrando a sua tragédia, sua comédia, suas mazelas e suas aspirações. O maior desafio da novela é (e sempre foi) articular valores consagrados como a união familiar, o amor eterno, a amizade fiel e, sobretudo, a ascensão social como coroamento do "bom mocismo", com uma realidade social cada vez mais marcada pelo sucateamento das instituições, dos valores e das relações pessoais mais próximas. E não é só isso: atendendo a outra convenção do gênero é imperativo que a trama seja conduzida, ainda que pelos caminhos mais tortuosos e inverossímeis, para o tão sonhado (e cada vez mais improvável) final feliz. Tudo isto numa embalagem sedutora que encante a audiência e alavanque o ibope.

Passione faz jus ao seu nome. É o cenário de paixões avassaladoras. Porém, na maior parte dos casos, elas estão muito distantes do amor. Ganância, ódio, sede de poder, desejo de vingança, uma competitividade quase mortal entre membros próximos da própria família tanto no plano amoroso como no plano profissional são algumas dessas paixões. A própria relação amorosa nem sempre é retratada de forma romântica: num momento de raro realismo, o ludibriado Totó (Tony Ramos) confessa à sua Clara (Mariana Ximenes) que, apesar de saber de todas (ou quase todas) suas falcatruas, ele não consegue mais viver sem ela.

A inovação desta novela está na corrosão intensa que contamina as relações das personagens, em todos os ambientes, tanto na mansão senhorial de Bete Gouveia (Fernanda Montenegro), quanto no sórdido prostíbulo que funciona sob a fachada de uma pensão ilegal. Ela é fruto dos segredos explosivos que quase todas as personagens da novela, independentemente de sua condição familiar ou social, carregam consigo e escondem das suas relações mais próximas. A começar pela revelação do segredo familiar da distinta Bete Gouveia, guardado por 55 anos, que dá início à ação. A revelação de cada um desses segredos cai como uma bomba nesse terreno social minado, onde a relação mais próxima pode se transformar, a qualquer momento, no pior dos inimigos.

Esse potencial destrutivo, que desloca com facilidade o acento da vilania, está presente em todos os níveis de relacionamento pessoal aflorando com violência nos confrontos desabridos. Espanta a facilidade com que as personagens em conflito chegam às vias de fato: hierarquia, posição social, idade, amizade, parentesco, amor... nada é capaz de deter seja lá quem for. A falta de limites reina absoluta. Pergunta-se: onde foi parar a cordialidade brasileira sempre tão ciosa em preservar (pelo menos) as aparências? Numa trama recheada pelas usuais situações forçadas e inverossímeis, a instabilidade e a degradação social que se revelam nesses enfrentamentos constituem a nota realista.

Voltando à abertura de Vik Muniz: o belo arranjo de sucata, compondo e decompondo o quadro da paixão romântica, remete de forma admirável não apenas ao enredo específico de Passione, mas ao próprio mecanismo do folhetim televisivo, com o seu compromisso básico de conciliar o ideário romântico com a realidade do seu referente. Assim como uma hábil câmara "ilumina" a obra do conhecido artista plástico, desvestindo a sucata de seus elementos repugnantes e desagradáveis, também o folhetim se especializou em atenuar e relativizar a crua realidade que teima em se insinuar nas frestas do enredo romanesco. Proporcionando momentos de sublime "passione", lacrimejantes encontros e reconciliações familiares, além do suspense, das cenas de humor e o sempre apaziguador final feliz o melodrama televisivo garantiu até agora a sua sobrevivência.

A pergunta é: até quando um gênero tão intimamente ligado às formas da sociabilidade burguesa conseguirá driblar uma realidade que aponta implacavelmente para o sucateamento das mesmas?

Nota do Editor
Daniela Kahn é autora do livro A via crucis do outro ― Identidade e alteridade em Clarice Lispector. Leia também "A discreta crise criativa das novelas brasileiras".


Daniela Kahn
São Paulo, 3/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você é rico? de Luís Fernando Amâncio
02. Elis vive de Fabio Gomes
03. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
05. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniela Kahn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Dama de Fé
Ester Bezerra
Planeta
(2016)



Nos Bastidores da Censura
Deonísio da Silva
Estação Liberdade
(1989)



Zico e Zeca Detetives
Eliana Valadares
Nacional
(1984)



A Laranja Mecânica
Anthony Burgess
ArteNova
(1972)



Novo Paradigma Holístico - Ciência, Filosofia Arte e Mística
Dênis M S Brandão ( Org)
Sammus
(1991)



Presença dos Cordelistas e Cantadores Repentistas em São Paulo
Assis Ângelo
Ibrasa
(1996)



Rita et Machin à Paris
Jean-philippe Arrou-vignod / Oivier Tallec
Gallimard Jeunesse
(2009)



A Doutrina Secreta - Vol. 06 - 14ª Reimpressão da 1ª Edição
Helena P. Blavatsky
Pensamento
(2015)



Coleção L&pm Pocket 5 Livros
Machado de Assis
Lpm Pocket
(1998)



Alltruísmo
Guilherme Ramos
Talentos
(2015)





busca | avançada
59665 visitas/dia
1,8 milhão/mês