Paixão e sucata | Daniela Kahn | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/12/2010
Paixão e sucata
Daniela Kahn

+ de 4100 Acessos

Os bons títulos de livros costumam ser uma síntese das obras que encabeçam. O mesmo vale para as boas aberturas de novelas. Entre os exemplos mais recentes está a de Duas Caras, com a pista sobre a assassina da trama, e a de Cama de Gato mostrando pessoas equilibrando-se numa gigantesca versão da trama de barbante conhecida como cama de gato ao som da sugestiva trilha "Pelo avesso", dos Titãs.

Destas, a mais original é, sem dúvida, a que o artista Vik Muniz criou para a novela Passione. Nela vê-se um casal que se beija apaixonadamente, enquanto um músico toca o banjo. Essas imagens (inspirados na arte italiana?) se desmancham e se refazem continuamente, graças ao movimento deslizante de uma câmara que focaliza ora as figuras completas, ora os elementos de sucata que fazem parte da sua composição.

Convém lembrar que reaproveitamento e reciclagem são bandeiras atuais e ecologicamente corretas que fazem parte do projeto mais amplo de sustentabilidade do planeta.

Não é, pois, de estranhar a sua ampla divulgação na televisão. Enquanto os telejornais se dedicam à publicidade educativa, programas de auditório buscam aumentar a sua audiência investindo na recuperação de moradias, carros e outros bens usados.

Na teledramaturgia, o tema é recorrente desde A Rainha da Sucata (1990), assinada pelo mesmo Sílvio de Abreu de Passione. Num girar estonteante da roda da fortuna, próprio da eterna reversibilidade reinante no universo do folhetim, personagens transitam com desenvoltura entre a mansão e o lixão. Tanto em Caminho para as Índias como na já citada Cama de Gato, empresários decaídos se transformam instantaneamente em catadores de lixo. Em Passione, ao contrário, o empresário emergente Olavo enriquece graças à sua empresa de reciclagem de lixo.

A presença reiterada da sucata e do lixo nas obras de ficção televisiva aponta, no entanto, para questões que vão muito além do marketing ecológico.

Em primeiro lugar, o folhetim televisivo é, como se sabe, o mais descartável dos gêneros ficcionais, graças ao seu estreito compromisso com o ibope. É também aquele que mais recicla conteúdos recorrendo a outros gêneros, como a literatura, o teatro, o cinema, a reportagem e, sobretudo, ao seu próprio repertório. Nesse último caso, quando não se reproduz como remake explícito, recorre à repetição de fórmulas, enredos, cenas, ações ou personagens.

Todavia, a conjunção de paixão e sucata que a abertura de Vik Muniz propõe sugere ainda outro nível de leitura. Sem poder ignorar novos tempos, novos comportamentos e novas formas de relacionamento social, a novela é também o mais conservador dos gêneros ficcionais. Ela não nega a sua origem, o romance em formato de folhetim do século XIX, que esmiúça o quotidiano burguês, narrando a sua tragédia, sua comédia, suas mazelas e suas aspirações. O maior desafio da novela é (e sempre foi) articular valores consagrados como a união familiar, o amor eterno, a amizade fiel e, sobretudo, a ascensão social como coroamento do "bom mocismo", com uma realidade social cada vez mais marcada pelo sucateamento das instituições, dos valores e das relações pessoais mais próximas. E não é só isso: atendendo a outra convenção do gênero é imperativo que a trama seja conduzida, ainda que pelos caminhos mais tortuosos e inverossímeis, para o tão sonhado (e cada vez mais improvável) final feliz. Tudo isto numa embalagem sedutora que encante a audiência e alavanque o ibope.

Passione faz jus ao seu nome. É o cenário de paixões avassaladoras. Porém, na maior parte dos casos, elas estão muito distantes do amor. Ganância, ódio, sede de poder, desejo de vingança, uma competitividade quase mortal entre membros próximos da própria família tanto no plano amoroso como no plano profissional são algumas dessas paixões. A própria relação amorosa nem sempre é retratada de forma romântica: num momento de raro realismo, o ludibriado Totó (Tony Ramos) confessa à sua Clara (Mariana Ximenes) que, apesar de saber de todas (ou quase todas) suas falcatruas, ele não consegue mais viver sem ela.

A inovação desta novela está na corrosão intensa que contamina as relações das personagens, em todos os ambientes, tanto na mansão senhorial de Bete Gouveia (Fernanda Montenegro), quanto no sórdido prostíbulo que funciona sob a fachada de uma pensão ilegal. Ela é fruto dos segredos explosivos que quase todas as personagens da novela, independentemente de sua condição familiar ou social, carregam consigo e escondem das suas relações mais próximas. A começar pela revelação do segredo familiar da distinta Bete Gouveia, guardado por 55 anos, que dá início à ação. A revelação de cada um desses segredos cai como uma bomba nesse terreno social minado, onde a relação mais próxima pode se transformar, a qualquer momento, no pior dos inimigos.

Esse potencial destrutivo, que desloca com facilidade o acento da vilania, está presente em todos os níveis de relacionamento pessoal aflorando com violência nos confrontos desabridos. Espanta a facilidade com que as personagens em conflito chegam às vias de fato: hierarquia, posição social, idade, amizade, parentesco, amor... nada é capaz de deter seja lá quem for. A falta de limites reina absoluta. Pergunta-se: onde foi parar a cordialidade brasileira sempre tão ciosa em preservar (pelo menos) as aparências? Numa trama recheada pelas usuais situações forçadas e inverossímeis, a instabilidade e a degradação social que se revelam nesses enfrentamentos constituem a nota realista.

Voltando à abertura de Vik Muniz: o belo arranjo de sucata, compondo e decompondo o quadro da paixão romântica, remete de forma admirável não apenas ao enredo específico de Passione, mas ao próprio mecanismo do folhetim televisivo, com o seu compromisso básico de conciliar o ideário romântico com a realidade do seu referente. Assim como uma hábil câmara "ilumina" a obra do conhecido artista plástico, desvestindo a sucata de seus elementos repugnantes e desagradáveis, também o folhetim se especializou em atenuar e relativizar a crua realidade que teima em se insinuar nas frestas do enredo romanesco. Proporcionando momentos de sublime "passione", lacrimejantes encontros e reconciliações familiares, além do suspense, das cenas de humor e o sempre apaziguador final feliz o melodrama televisivo garantiu até agora a sua sobrevivência.

A pergunta é: até quando um gênero tão intimamente ligado às formas da sociabilidade burguesa conseguirá driblar uma realidade que aponta implacavelmente para o sucateamento das mesmas?

Nota do Editor
Daniela Kahn é autora do livro A via crucis do outro ― Identidade e alteridade em Clarice Lispector. Leia também "A discreta crise criativa das novelas brasileiras".


Daniela Kahn
São Paulo, 3/12/2010


Mais Daniela Kahn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPANHIA DAS CIÊNCIAS. 8º ANO
VÁRIOS AUTORES
SARAIVA DIDÁTICOS
(2012)
R$ 101,00



PERCY JACKSON E OS OLIMPIANOS A MALDIÇÃO DO TITÃ
RICK RIORDAN
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 9,00



DIREITO PENAL VOL. 3 - 3º EDIÇÃO
ROGÉRIO SANCHES CUNHA
RT - REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2010)
R$ 90,00



O FILHO DE MIL HOMENS
VALTER HUGO MÃE
BIBLIOTECA AZUL
(2016)
R$ 45,00



A ILUSÃO NEOLIBERAL.
RENÉ PASSET
RECORD
(2002)
R$ 35,00
+ frete grátis



FRONTEIRAS DE EVOLUÇÃO E DA MORTE
PIERRE WEIL
VOZES
(1979)
R$ 20,00



DESTA VEZ EU EMAGREÇO!
CLAUDIR FRANCIATTO E ALFREDO HALPERN
RECORD
(2001)
R$ 10,00



ESTUDAR HISTÓRIA. DAS ORIGENS DO HOMEM À ERA DIGITAL. 8º ANO
PATRÍCIA RAMOS BRAICK
MODERNA
(2011)
R$ 12,00



SÃO PAULO EM GUERRA - 1924
GUAZZELLI
IMPRESÃO OFICIAL
(2012)
R$ 14,00



O QUE É VIDA? 50 ANOS DEPOIS - ESPECULAÇÕES SOBRE O FUTURO DA BIOLOGIA
MICHAEL P. MURPHY - LUKE A. J. ONEILL
UNESP
(1997)
R$ 16,00





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês