Reflexões a respeito de uma poça d´água | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/12/2001
Reflexões a respeito de uma poça d´água
Paulo Polzonoff Jr

+ de 8900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Só o acaso estende os braços
a quem procura abrigo e proteção

(Renato Russo)

Sei que devo ter começado este texto à esquerda (no sentido católico) já, decepcionando alguns dos meus leitores por citar Renato Russo, o poeteco do rock brasiliense. Bem, apesar de achar que os compositores que se atrevem a poetas só conseguem ser medíocres nas duas coisas, em geral, tenho de me curvar quando vejo um verso bonito. E este verso aí em cima, que consta na música Há Tempos, vem a calhar neste momento. Que sirva-me de epígrafe, pois.

Vou a pé de casa para o trabalho e do trabalho para casa todos os dias. É uma caminhada de meia hora, ao menos. E, talvez, seja a parte mais interessante do dia. Apesar de andar meio distante do mundo ultimamente, não suportando me sentar numa mesa com mais de duas pessoas para conversar sobre qualquer coisa, gosto de observar as pessoas na rua. Aglomerações, pois, me fazem bem. O indivíduo destituído de si, envolto nesta abstração absurda chamada sociedade. Admiro isso com certo nojo, porque para mim o que importa é o indivíduo e somente o indivíduo, e quando eles resolvem tirar a individualidade de você... Bem, o fato é que, andando, eu também acabo virando um ser-social, privado de minha condição individual. Enojo-me, pois, ao andar pelas ruas, mas é um nojo bom de se sentir — coisa incompreensível, bem sei.

De qualquer modo, vou vendo as meninas indo para o colégio, com aquele sentimento bom dos adolescentes, que acham que as amizades são para sempre. Tudo é para sempre. Riem de tudo, do sinal que muda de verde para amarelo e verde, da roupa de um hippie que tenta lhes vender brincos horríveis, do pipoqueiro e até de mim, que não tenho absolutamente nada de especial. Vou vendo as velhinhas, carolas, e me pergunto há quanto tempo elas não fazem sexo, será que há mais ou menos tempo que eu, e imagino como deve ser a velhice e a sexualidade na velhice, até que um guarda me interpela e ameaça me prender por atentado ao pudor ou à boa conduta do pensamento judaico-cristão nas ruas de Curitiba. Vou vendo os trabalhadores que, enquanto eu vou para o trabalho, já estão na segunda hora de sua jornada: cabeleireiros, carregadores de água mineral (em bicicletas assassinas), pedreiros, motoristas de táxi; e penso que estes distintos anônimos, cujos nomes não estarão em nenhum cânone jamais, ganham menos do que eu, em sua maioria, trabalham mais, têm filhos para sustentar, enfim, responsabilidades que ainda me são estranhas. É claro que, a esta hora, já estou me sentindo culpado por reclamar do meu salário e da minha falta de tempo para o ócio. Tudo isso e outras coisas impublicáveis neste curto espaço penso até chegar ao fim da Mariano Torres, ou seja, por 1 km.

Aí eu chego no ponto-crucial tanto do trajeto quanto deste texto: o Passeio Público. Trata-se de um parque com cerca de cem anos, que é a idade de verdade de Curitiba. Explico: Curitiba tem trezentos e poucos anos, mas só no papel. No início do século 20, Curitiba era uma pequena vila. O Passeio Público foi criado nesta época para regular as cheias que inundavam um grande brejo no centro da cidade. Uma das atrações mais interessantes do Passeio, por isso, é o lago muito verde, que muitos acham morto, mas que está entupido de peixes e de tartarugas. É, tartarugas, que disputam com os peixes e com os patos as pipocas que as crianças jogam no lago. Entra-se no Passeio e dá-se de cara com este lago. No centro deste lago há duas ilhotas. A primeira tem macacos ariscos, marrons. Na outra a macacos pretos, acho que se chamam macacos-prego, mas não tenho certeza. Gosto de parar ali e ficar olhando os macacos. Passo pelas tartarugas e depois entro numa alameda cercada de árvores dos mais diferentes tipos. Eu não entendo nada de botânica, mas vejo ali palmeiras e carvalhos, além de outras espécies, cobertas de bromélias. Do lado esquerdo desta alameda também há uma ilhota, ligada ao “continente” por uma ponte pênsil. Naquela ilhota, há uns bons dez anos, vivia um casal de... pingüins. No meio de uma metrópole como Curitiba, num país tropical, vivia um casal de simpáticos pingüins. Pode?

Foi nesta alameda que atentei pela primeira vez para ela: a poça d´água. Em Curitiba chove o tempo todo. É incrível que não tenhamos vidado sapos ainda. Por isso há sempre poças d´água nas ruas. A maioria das pessoas, acho, nem olha para as poças. Para mim, que estou acostumado a andar olhando para o chão, desde o dia em que, em frente às Lojas Americanas, achei R$ 50, as poças são uma paisagem constante. E o que pode pensar um homem a respeito de uma poça d´água? Elas são espelhos do Universo. Não pensem que enlouqueci. Nem estou querendo bancar algum tipo de poeta. Simplesmente adoro poças d´água porque elas me fazem pensar em abismos. Eu as contorno, olhando o céu refletido no chão, e me imaginando caindo dentro da poça e a poça se abrindo e o céu tornando-se inalcançável. Uma queda eterna. Um inferno. Contorno as poças d´água como um abismo que ao mesmo tempo em que temo, desejo. Não importa o céu, se nublado ou azul: as poças são um atalho para o divino em mim.

Por que estou falando isso? Bem, porque eu descobri, esta semana, que há algo de muito esotérico neste passeio pelo Passeio (passeio pelo passeio pelo passeio pelo passeio...). Calma, não estou dando uma guinada para os lados do Quiroga e, em verdade, estou longe de dar uma guinada mínima até mesmo em direção ao esoterismo sério, cujos debates tenho acompanhado de longe, com admiração e, não posso negar, certo tédio. Há algo de muito especulativo nesta alameda, na lembrança dos pingüins, nos macacos e nas tartarugas. Até mesmo nas prostitutas gordas e velhas que infestam o Passeio como se fossem apenas mais um adendo exótico naquela fauna central há algo de esotérico. Algo de divino. Algo de transcendente.

Ao contornar as poças d´água, contorno também a tendência (provavelmente russa) ao intelectualismo espiritual que em mim habita. Não cair naquele abismo é, no sentido inverso, não deixar que meu raciocínio levite muito. E isso serve para outras coisas, como o amor. Bem, mas de amor eu falarei daqui a umas duas ou três semanas, que o amor exige muito mais reflexão do que uma mera poça d´água.

Ensaiei este texto durante a semana inteira, andando, principalmente — advinha! — no Passeio. E hoje eu tenho de contar a vocês que tenho dois amigos no Passeio. É que o parque tem um mini-zoológico e, indo pela alameda, na ida, passo por um viveiro de pássaros. Meu primeiro amigo, na verdade, é um casal. Um casal de tucanos-tocos. Não sei o que quer dizer este “toco”, mas eu adoro aqueles tucanos-tocos. São bichos simpaticíssimos, que emitem um som estranho. Já ouviram o canto do tucano? Quero dizer, não é um canto, exatamente. É quase um... relincho (?!). Ele bate rapidamente o bico, num som ameaçador, mas lindo. E os bicos, ah, os bicos, com aquele amarelo que é o puro contraste com a cidade que os acolheu. Curitiba é cinza. Eu sou um curitibano nato, por este prisma, já que enxergo a vida em preto-e-branco.

O outro meu amigo é um pelicano, que visito na volta para casa. Que bicho louco. Branco, quase rosa, neste quesito ele se parece com um flamingo. É gordo e pesado e desajeitado. Meu pelicano não tem nome e é um bicho ferocíssimo. Eu chego perto dele para dar oi e ele vem com aquela papada amarela e me grita um “sai daqui seu filho da mãe!”. Já ouviram o som de um pelicano? É horrível. Parece o escarrar de um velho. Desculpem-me por este texto atípico, em que não falo nem de literatura nem de cinema nem de nenhum assunto cultural, como faço desde que comecei a escrever para este site. É que a poça d´água se sobrepôs, esta semana. Espero que vocês, depois de lerem este texto, jamais enfiem o pé numa poça d´água, afinal, podem cair no universo-inverso e, além disso, podem acabar como eu nesta noite: com uma pilha de cigarros, uma tristeza inexplicável, um sorriso menos ininteligível ainda e elucubrações filosóficas as mais superficiais possíveis, de fazer corar qualquer estudante de filosofia.

E eu estava terminando este texto sem explicar ao certo aquela epígrafe, né? Vou ser sucinto: acho extremamente forte a idéia de que o acaso, exatamente aquilo que a gente não controla de modo algum, possa ser nossa única esperança de abrigo e proteção. Escutei esta música (o termo não é exato. Mas eu não tenho mais certeza quanto a termos) esta semana e pensei “dane-se que eu não suporto rock; dane-se que o Renato Russo era um compositor que se pretendia a poeta, o que me irritava muito; dane-se que algumas pessoas podem me achar o maior idiota por usar um versinho de roquinho como epígrafe”. Aí está: porque só o acaso me estendeu os braços quando procurei abrigo e proteção.

Ah, este versinho é acompanhado por uma interjeição curiosa e em desuso ultimamente: meu amor!


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 19/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Virada, de Stephen Greenblatt de Ricardo de Mattos
02. Quem acredita em Sobrenatural? de Carla Ceres
03. Américas Antigas, de Nicholas Saunders de Ricardo de Mattos
04. Religião prêt-à-porter de Verônica Mambrini
05. Europeus salvaram o cinema em 2006 de Lucas Rodrigues Pires


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/12/2001
03h48min
Esse cara ou é um gênio da crônica ou um vazio em busca de qualquer coisa. Não é que conseguiu escrever tanta coisa em torno de "nada" ? Mas sua escrita é agradável e merece atenção dos leitores. Flavio
[Leia outros Comentários de Flavio F. de Souza]
19/12/2001
19h08min
Moro em frente ao Passeio Público, e é dali que começo, diariamente, minha caminhada para o trabalho. O miserável do pelicano, com o qual já tentei fazer amizade, é intratável. Aliás, pior. Tem um senhor que vai lá toda tarde, e o bicho fica louco quando o vê. Acompanha o cara pra lá e pra cá, se desespera quando ele finge ir embora, fica alvoroçado e agita as asas quando ele volta, abaixa a cabeça pra ganhar festinha. E ai de quem chegar perto do homem durante esses idílios: o bicho fica bufando pra lá e pra cá, e se você chegar perto da cerca ele tenta te bicar. Pelicano miserável. PS. Detesto os macacos.
[Leia outros Comentários de Alexandre R. Silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANDANDO EM CÍRCULOS
RICARDO MENDES
AXCEL BOOKS
(2004)
R$ 10,00



EL LIBRO DE URANTIA
URANTIA FOUNDATION
URANTIA FOUNDATION
(1996)
R$ 170,00



APRENDIZAGEM TOTALIZANTE
ELCIE F. SALZANO MASINI
MEMMON
(1999)
R$ 10,00



A DIVINA COMÉDIA - PURGATÓRIO
DANTE ALIGHIERI
34
(2008)
R$ 25,00



PÚBLICOS DA CIÊNCIA EM PORTUGAL
ANTÓNIO FIRMINO DA COSTA E PATRÍCIA ÁVILA S
GRADIVA
(2002)
R$ 22,33



PONTO DE PSICOLOGIA GERAL
CÉLIA SILVA GUIMARÃES BARROS
ED. ÁTICA
(1993)
R$ 15,00



CRÉDITO NO VAREJO PARA PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS
SÉRGIO KAZUO TSURU E SÉRGIO ALEXANDRE CENTA
IBPEX
(2007)
R$ 5,00



MANUAL DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS - HP - C - 7674
JOSE DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1995)
R$ 18,00



O PROCESSO DA COMUNICAÇÃO
DAVID K. BERLO
FUNDO DE CULTURA
(1972)
R$ 12,00



DIARIO DE UM BANANA: MARE DE AZAR - VOL. 8 
JEFF KINNEY
V&R
(2014)
R$ 18,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês