Meu cinema em 2010 ― 1/2 | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
>>> Nas férias, Festival Allegria reúne atrações gratuitas de teatro, circo e música em São Paulo
>>> Projeto ‘Mulheres Rurais da Montanha’ oferece oficinas gratuitas de tecelagem em Itamonte (MG)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Deleter
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Trio 3-63, de Andrea Ernest, Marcos Suzano e Paulo Braga
>>> Os contistas puros-sangues estão em extinção
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> O que está por baixo do medo de usar saia?
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Meu Amor é Puro Sangue
Mais Recentes
>>> O que é Revolução 2 edição - coleção primeiros passos 25 de Florestan Fernandes pela Brasiliense (1981)
>>> Resistencia de Materiales de Ferdinand L. Singer pela Harla (1971)
>>> Construindo um Blog de Sucesso com o Wordpress 3 de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Elementos de Resistência dos Materiais de Prof. Gerson Cunha pela Universidade Católica de Mina (1973)
>>> Ternura e Desejo de Rita Foelker pela Lachâtre (2011)
>>> Correr é Fácil de Lisa Jackson, Susie Whalley pela Marco Zero (2011)
>>> O Uso dos Jogos Teatrais na Educação de Libéria Rodrigues Nevese Ana Lydia B pela Papirus (2009)
>>> Por dentro da lei de Rabino Itzchak Zilberstein pela Makom (2000)
>>> Desenho Tecnico E Tecnologia Grafica ( 2 ed) de Thomas E. French pela Globo (1989)
>>> Os Lusíadas - Comentada pelo Prof. Othoniel Motta de Luis de Camoes pela Melhoramentos
>>> El Juicio de Nuremberg desde el Punto de Vista Aleman de Wilbourn E. Benton pela Georg Grimm (1959)
>>> Ideias Em Perspectiva de Paul Brunton pela Pensamento
>>> Ingrid Bergman de Curtis F. Brown pela Artenova (1974)
>>> The Posthumous Papers of The Pickwick Club de Charles DIckens pela Oxford University Press (1956)
>>> Escalada de Luz de Jerônimo Mendonça pela Eme (2007)
>>> O Teatro Dos Vicios: Transgressao E Transigencia Na Sociedade Urbana Colonial de Emanuel O Araujo pela J. Olympio (1993)
>>> Les Protégés D'Isabelle de M. Fresneau pela Hachette (1890)
>>> A função manutenção: formação para a gerência da manutenção industrial0 de François Monchy pela Durban (1989)
>>> Lectures Allemandes - Second Partie de Paul Verrier, Marius Nicolas pela Jules Groos (1903)
>>> O Processo Civilizador vol 1 de Norbert Elias pela Jorge Zahar (1994)
>>> A Heresia Dos Indios: Catolicismo E Rebeldia No Brasil Colonial de Ronaldo Vainfas pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Contos Escolhidos de Luigi Pirandello pela Verbo (1972)
>>> Novíssimo Testamento: com Deus e o Diabo de Iotti pela L&Pm (2008)
>>> Le Temps D'un Soupir de Anne Philipe pela Julliard (1963)
>>> Torto Arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2021)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2010

Terça-feira, 28/12/2010
Meu cinema em 2010 ― 1/2
Wellington Machado
+ de 12000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Assim como se especula o fim dos livros, com os lançamentos de inúmeras plataformas eletrônicas de leitura, há vários profetas prevendo o fim das salas de cinema. Sair de casa para assistir a um filme é um programa cada vez mais raro. Vários fatores conspiram a favor da desistência: trânsito carregado (mesmo em fins de semana), (falta de) segurança, estacionamento, filas etc. Muito mais atrativo é o conforto de casa, escornados em poltronas que mais estimulam o sono, com um equipamento high tech que nos faz abaixar quando um helicóptero atravessa a tela de TV de "led-slim-sei-lá-o-quê". Não é por não ter toda essa parafernália cinematográfica em casa que não abro mão ir ao cinema. É que sair de casa para ver um filme na telona, sala escura, sem campainha, telefone, internet, e logo depois comer uma massa, é para mim um programa em si.

* * *

Considero-me, com o perdão da expressão tosca, um "bígamo cultural". Literatura e cinema travam uma acirrada disputa em busca do meu tempo livre. Administrar internamente, de forma democrática, as duas paixões é complicado. Já tentei dedicar menos tempo aos filmes, abrindo mais espaço para os livros. Mas o cinema chegou antes para mim, quando era criança: é uma paixão antiga. Procuro, dentro da minha ansiedade em ler e ver tudo, intercalar livros e filmes. Com o consentimento da literatura, vou me ater aqui ao cinema.

* * *

Paciência e dedicação. A cada filme visto, uma fichinha de cartolina pautada (contendo o ano, país, diretor e sinopse) se junta às mais de quinhentas que coleciono sistematicamente desde 2005. Este pequeno arquivo, ordenado alfabeticamente por título, me auxilia nas pesquisas rápidas e na hora de saber se já assisti ou não a determinado filme. Paralelamente ao arquivo de fichas, adotei a prática de anotar os filmes vistos em um caderno médio de capa azul ― que já anda meio surrado. Um filme por linha, com a tradicional classificação cinco estrelas (ruim, razoável, bom, muito bom e ótimo). Na soma do presente ano, computando os filmes vistos no cinema e alugados em locadoras, lá se vão mais de 130 títulos ― dentro da minha média (em 2005, 120; em 2006, 135; 2007, 116; 2008, 105; 2009, 127). Já tentei informatizar isso tudo, mas notei que a absorção é maior quando anoto no papel.

* * *

Belo Horizonte já foi considerada a capital dos cinéfilos nos anos 80 e 90. Mas a cidade está decadente em decorrência do fechamento de várias salas alternativas, que exibiam filmes off-Hollywood. Em proporção inversa, as salas de cinema em shoppings se multiplicaram. E temos de admitir que são estilos de filmes bem distintos, se analisarmos a programação dos dois espaços. Sendo assim, vários filmes lançados no Brasil não passaram pela capital mineira. Ao percorrer a lista de filmes que aqui chegaram em 2010, separei alguns que mais me chamaram a atenção. Muitos deles chegaram às locadoras sem serem exibidos no cinema. São eles:

Aconteceu em Woodstock (Ang Lee, EUA, 2009) ― Um retrato de como se deu a arquitetura da realização do histórico festival em 1969. Um filme competente do diretor Ang Lee (O tigre e o dragão; O segredo de Brokeback Mountain; Razão e sensibilidade), que faz uma ótima reconstituição de época, fazendo o espectador entrar no clima do festival, sem mostrar uma banda sequer (apenas o som ao fundo). Destaque para uma cena "lisérgica" dentro de uma Kombi, só comparável a uma outra do mesmo estilo, feita em Sem Destino (1969), de Dennis Hopper.

O homem que engarrafava nuvens (Lírio Ferreira, Brasil, 2009) ― Um dos melhores documentários do ano. Para quem pensa que baião é coisa "só" de Luiz Gonzaga, não pode perder este filme. Tão importante quanto o "Gonzagão", o compositor Humberto Teixeira, figura um tanto ofuscada pelo sanfoneiro, tem seu merecido reconhecimento neste documentário. O filme é também uma verdadeira história do baião e uma genealogia da música brasileira, quase toda derivada do ritmo. Lírio Ferreira, diretor de Baile perfumado (1997), Árido movie (2006) e Cartola (2006), fez uma intensa pesquisa em jornais e levantou um raro acervo de imagens de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Com uma montagem ágil, mesclando recortes de jornais, depoimentos de cantores contemporâneos e imagens de arquivo, o filme não é nem um pouco cansativo, apesar de didático. O homem que engarrafava nuvens mostra como o baião incrivelmente, nos anos 50, ganhou o mundo (há um depoimento de David Byrne sobre o ritmo) e influenciou a Bossa Nova. Certamente este documentário integrará a minha lista de melhores documentários brasileiros, juntando-se a Edifício Master, O fim e o princípio e Jogo de Cena (de Eduardo Coutinho), Garapa (José Padilha), Santiago (João Moreira Salles), A alma do osso (Cao Guimarães) e Estamira (Marcos prado).

Onde vivem os monstros (Spike Jonze, EUA, 2009) ― Adaptação do livro de Maurice Sendak lançado em 1963 (que já vendeu mais de 19 milhões de exemplares até hoje). O filme é interessante tanto para crianças como para adultos. A sensacional história de um garoto que foge da cidade para entrar em um mundo fantástico, onde se torna rei diante de animais selvagens, é uma obra-prima do diretor Spike Jonze (Quero ser John Malkovich e Adaptação). O grande mérito do filme é, ao contrário dos 99% dos filmes infanto-juvenis lançados, mostrar que a tristeza é uma realidade, até nos filmes de fantasia. O tom sombrio e lúgubre prende o espectador e o desfecho da história deixa as crianças um tanto decepcionadas ― o que é bom.

Guerra ao terror (Kathryn Bigelow, EUA, 2008) ― O filme chegou com atraso, mas faturou o Oscar em 2010. Assim como o Tropa de elite, mostra a guerra (do Iraque) sob o enfoque da tensão de um grupo de soldados especializado em desativar bombas deixadas pelos nativos resistentes à ocupação americana. Entende-se, diante da complexidade das situações postas ao exército nessa guerra insana, os motivos pelos quais os Estados Unidos têm dificuldades em deixar o país. Sem heroísmos e cenas sensacionalistas, Guerra ao terror é um filme enxuto que nos faz refletir o drama das famílias de americanos que têm seus filhos lutando no Iraque.

O segredo dos seus olhos (Juan José Campanella, Argentina, 2009) ― Sem sombra de dúvidas, o melhor filme de ficção do ano. É um policial (muita gente ignora isto) equilibrado, que mescla drama pessoal, investigação e paixão, com pitadas de humor. O filme aborda a história de um agente do judiciário que se propõe a escrever um livro ao se aposentar. Ele acaba rememorando um crime ocorrido em 1974, do qual participou da investigação. O segredo dos seus olhos representa o ápice do cinema argentino atual. Prova que os nossos vizinhos estão bem superiores ao Brasil no quesito cinema. Campanella e Daniel Burman (sobre quem falarei no próximo texto) são os melhores diretores argentinos em atividade. E o país tem também um dos melhores atores do mundo: Ricardo Darín. Os argentinos têm produzido filmes densos, abordando conflitos familiares, dramas pessoais e psicológicos, sem abrir mão de entreter. Enquanto o cinema argentino emplaca sucessos a cada ano, nós, brasileiros, continuamos achando graça do Tony Ramos depilando as costas...

No meu próximo texto, abordarei os outros cinco títulos. Também falarei sobre os filmes que não consegui ver, mas que certamente teriam boas chances de entrar na lista dos melhores de 2010. E, como estamos "fechando uma década" do novo século, elencarei os meus melhores filmes brasileiros nos anos 2000.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 28/12/2010

Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. A sombra de Saramago - 3/8/2010
05. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010


Mais Especial Melhores de 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/1/2011
19h21min
Gostei do texto! Legal, também faço minhas listas de filmes vistos, mas as minhas são escritas no computador. Fiquei impressionada com seus números de filmes que viu, pois esse ano anotei 101 filmes (apesar de não ter anotado todos) assistidos até o dia 31 de dezembro - e olha que pensava que estava assistindo filmes demais! Especialmente agora nas férias! Muito bom!
[Leia outros Comentários de Angélica]
3/1/2011
17h36min
Gostei muito da sua lista: quatro dos cinco filmes estariam na minha lista anual, se eu fosse fazê-la. Recomendo a todos assistirem "O homem que engarrafava nuvens", não só como filme propriamente dito, mas também para conhecer uma importante fase da música popular brasileira. "O segredo dos seus olhos" é imperdível, Darín está ótimo. Por outro lado, Tony Ramos é subaproveitado, basta ver sua atuação em "Tempos de Paz", no teatro e no cinema. "Guerra ao terror" foi um Oscar merecido. Aguardo, com espectativa, o restante da lista.
[Leia outros Comentários de José Frid]
3/1/2011
18h34min
Achei a terceira via. Quando pequena, lia exaustivamente as histórias de fadas, depois o Flash Gordon, o Fantasma, o Submarino, os gibis, o X-9 etc. Li "Os Miseráveis", "A dama das camélias", "Amor de perdição", "Amor de salvação", toda a coleção J. Cronin. Aí chegaram os filmes, "Perigos de Nioka" (seriado), "Tarzan", "Flash Gordon", "O Zorro", "Os três patetas", "Chaplin", "E o vento levou...". Conheci Miguel Ângelo, Rubens, Leonardo... e entao achei minha vocação. Sua lista fez tudo isso vir à tona. Obrigada.
[Leia outros Comentários de maria anna machado]
26/1/2011
22h26min
Me identifiquei com esse seu conflito interno entre cinema e literatura, tenho exatamente o mesmo problema. E só quem gosta muito dos dois sabe como é torturante ter de escolher entre um e outro. Por diversas vezes me peguei preocupado por ter assistido de mais e lido de menos. Ao mesmo tempo, me torturo ao pensar quantos títulos estou perdendo por não ter tempo de acompanhar tudo, sejam livros ou filmes. É um conflito sem fim...
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um trunfo a mais
James Hadley Chase
Record
(1971)



The Future of Fantasy Art
Aly Fell e Duddlebug
Collins Design
(2010)



Processo Decisório
Elsevier
Elsevier
(2006)



Angústia
Graciliano Ramos
Record
(2009)



A Gente Se Acostuma a Tudo
João Ubaldo Ribeiro
Nova Fronteira
(2006)



Livro História Geral Arigatô Edição Bilíngue
Jhony Arai, Cesar Hirasaki
Jbo
(2008)



Em busca de Aparecida
Mariana Godoy
Petra



Livro Didáticos Cambridge Certificate in Advanced English 1
Cambridge
Geral
(2008)



Livro Faith In The City A Call For Action By Church And Nation
Commission On Urban Priority Areas
Church House Publishing
(1985)



Nossa Doutrina
Vanderli Lima Carreiro
Derp
(2018)





busca | avançada
77047 visitas/dia
2,1 milhões/mês