Marketing de cabras | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Vida e morte do Correio da Manhã
>>> O site de Dorival Caymmi
>>> Entrevista à revista Capitu
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Arte e Poupança
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> A Marcha da Família: hoje e em 1964
>>> A escola está acabando
Mais Recentes
>>> Civilização e Doença de Henry Sigetist pela Hucitec (2011)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Atica
>>> Grandes Histórias de Halloween de Walt Disney pela Abril (2014)
>>> Transmissão do Calor de Renato Salmoni pela Mestre Jou (1966)
>>> A Estetica da Morte de Salomão Jorgf pela Saraiva (1964)
>>> O Pato Donald Xxiv Nº 1. 150 de Abril pela Abril (1973)
>>> Glossário de Dificuldades de Zelio Jota pela Fundo de Cultura (1962)
>>> Valsa Negra de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> Principios de Gerencia por objetivos de Paul Mali pela Pallas (1976)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2009)
>>> O papel do trabalho na transformação do macaco em homem de F. Engels pela Global (1986)
>>> O Socialismo Pré-marxista de Babeuf Blanqui Fourier Saint-Simon pela Global (1980)
>>> 6º Alvo de James Patterson e Maxine Paetro pela Arqueiro (2012)
>>> Uncharted o Quarto Labirinto de Christopher Golden pela Benvirá (2012)
>>> Alice no País dos Enigmas Vol 1- 60 Jogos e Desafios de R. W. Galland pela Coquetel
>>> 551 atividades: Diversão que não acaba de Waldomiro Neto pela Culturama (2016)
>>> Os Anjos Também Choram de Elzira Ribeiro de Almeida pela São Cristóvão (2005)
>>> Quarup de Antônio Callado pela Circulo do Livro
>>> As Vantagens de Ser Otimista de Allan Percy pela Sextante (2014)
>>> A Turma do Arrepio Nº 22 de Globo pela Globo (1991)
>>> Mundo do Terror Nº 12- Monstro Humano de Press Editorial pela Press Editorial (1987)
>>> Elogio da Mentria de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Chefão - a Verdade Sobre a Máfia de Mário Puzo pela Expressão e Cultura (1970)
>>> Vigiar e Punir de Michel Foucault pela Vozes (1999)
>>> Uma Constelação de Fenômenos Vitais de Anthony Marra pela Intrinseca (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 22/3/2011
Marketing de cabras
Wellington Machado

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já ouvi seguidas vezes uma máxima antiga sobre o sistema de produção capitalista: "o francês pensa, o alemão fabrica, o japonês reduz (o tamanho dos objetos) e o americano vende". É claro que o ditado caiu por terra após a globalização e a internet. Mas vigorou durante um bom tempo, principalmente a partir dos anos 20 com o Fordismo, com o auge da indústria automobilística alemã, a miniaturização japonesa e, paralelo a isso tudo, a influente intelectualidade existencialista francesa da época (Sarte, Camus e cia). Não há dúvida que fazer (e inovar em) marketing é tarefa para os americanos. E a influência dessa habilidade não se limita ao meio empresarial. Ela parece se entranhar no modo de ser e pensar das pessoas, levando-as a um otimismo exagerado, uma empolgação inflada que soa artificial a quem não é americano. Fazer as pessoas acreditarem de forma acrítica e inocente em seja lá o que for, muitas vezes de forma coletiva, parece ser, à primeira vista, mais fácil do que se imagina. E é. Basta olhar a quantidade de comerciais na TV vendendo quinquilharias como cintas emagrecedoras, chapas para churrasco e pizza, óculos especiais para dia e noite, esteiras que prometem acabar com a gordura provocando vibrações que não deixam nada a desejar aos mais fortes terremotos japoneses.

Lembro bem, na minha infância, de ficar alguns minutos concentrado "mentalmente" em uma colher sobre meu dedo indicador, tentando entortá-la com o poder da mente. Tal façanha era prometida por um tal Uri Geller, um ilusionista picareta israelense, astro de um programa transmitido nas noites de sábado, lá nos anos 70. Além de entortar colheres como um Salvador Dalí, o ilusionista prometia também consertar relógios quebrados com a "força mental". Lembro da mobilização que o programa causou na população brasileira. O sucesso se assemelhava aos reality-shows atuais. Diante da minha frustração em ver minha colher intacta, a experiência mal sucedida me vacinou e me tornou eternamente cético em relação às propagandas, discursos e promessas em geral.

Difícil mensurar o poder de influência - gestual ou discursiva - de alguns líderes, missionários e marqueteiros sobre a coletividade. Ainda nos anos 70, Jim Jones, líder de uma seita americana e fundador da igreja "Templo dos Povos", conseguiu arrecadar de seus fiéis uma fortuna de 7 milhões de dólares com um discurso contra a segregação racial. Com a grana no bolso e umas baboseiras apocalípticas, comprou um naco de terra na Guiana e fundou lá uma espécie de cidade para os seus seguidores, denominada "Jonestown". Em um dos seus cultos, Jones promoveu um suicídio em massa tirando a vida de quase mil fiéis que caíram em sua lábia.

É bem provável que a capacidade de convencimento dos líderes - religiosos ou políticos - deva ter a mesma "matriz discursiva" utilizada pela publicidade/marketing, para motivar seus vendedores e estimular consumidores a adquirirem produtos. Frases de efeito psicológico - como "Nós podemos!", "Se você sonha, você tem!", "Se você tem uma meta, você sabe onde chegar: o horizonte é o seu sucesso!" etc. -, injetam poções de otimismo nas pessoas, levando-as a acreditar nessas palavras como um dogma. É uma espécie de força vinda do além que, segundo muitos, fazem o mundo girar. Sem esse "motor" o capitalismo, a riqueza das nações, a opulência estaria fadada ao fracasso, segundo alguns gurus. Sinto-me um peixe fora d'água ao não conseguir, com meu ceticismo, participar desse "impulso". Estaria na matriz desse discurso positivista que leva à "vitória" o livro precursor da autoajuda Como fazer amigos e influenciar pessoas(1937), do escritor e orador americano Dale Carnegie? Ou toda essa propulsão coletiva estaria no DNA do ser humano, transmitida de geração a geração, segundo a teoria de "inconsciente coletivo" do psiquiatra Jung?

Essa habilidade em mover "montanhas coletivas" pode gerar ideias, planos ou ações inusitadas. No livro Os homens que encaravam cabras, o escritor e documentarista Jon Ronson faz uma reportagem sobre guerra psicológica, parapsicologia e ciências ocultas, desvendando as ideias mirabolantes surgidas (e praticadas) pela alta cúpula das forças armadas americanas. O que Ronson descobriu em sua pesquisa é tão surreal que ele inicia o livro com a frase "tudo isso é verdade". Após o fracasso dos Estados Unidos no Vietnã, houve um consenso entre o governo e as forças armadas de que o país teria de formar um exército imbatível, cujos homens teriam, além da supremacia física e intelectual, poderes paranormais jamais imaginados pelos outros países. Essa seria a diferença ("sim, nós podemos"!).

Tentando entender as pesquisas das forças armadas nesse sentido, Jon Ronson saiu à procura de um tal "Laboratório de Cabras", onde haveria alguns homens com poderes de matar cabras apenas com um olhar. Mas essa busca é apenas um mote para o escritor. O cerne do livro mesmo foi a descoberta, durante seu périplo, do Manual de operações do Primeiro Batalhão da Terra, de autoria do tenente-coronel Jim Channon - um verdadeiro compêndio, contendo todas as orientações para a formação de um "exército supremo", delineando as várias linhas de pesquisa, fabricação de máquinas, roupas, alimentos especiais etc. Dentre as mirabolantes idéias, havia um esboço de uma máquina emissora de "energia positiva", que seria usada para acalmar multidões hostis. Em nutrição, o manual preconizava aos soldados um jejum de uma semana com nozes e suco de uva. Havia muitas outras ideias, como o desenvolvimento de uma técnica para sentir a "aura das plantas", atravessar paredes, tornar-se invisível, fazer cálculos mais rápido que os computadores, viver à custa da natureza por 20 dias, ouvir e ver o pensamento alheio. E como não falar da "espuma aderente", capaz de formar em segundos um verdadeiro muro sólido, contendo multidões?

Mas o que livro-reportagem de Ronson revela são os tentáculos, as várias correntes de pensamento que surgiram, a favor ou contra os preceitos do manual, inventadas por outros generais enciumados com o sucesso de Jim Channon. Um respeitado general esboçou um cuidadoso projeto que prometia ser uma descoberta magnífica: uma máquina que emitia "ondas alfa" capazes de aumentar o QI (Quociente de Inteligência) humano em 12 vezes. A invenção não ficava atrás da "bomba de fedor", uma cápsula composta de matéria fecal, mamíferos mortos, enxofre e alho, infalível contra multidões revoltosas. E como não mencionar o major-general Albert Stubblevine, mestre(!) em engenharia química, que desenvolveu a habilidade de dissipar nuvens com os olhos - feito veementemente comprovado por sua esposa.

Algumas técnicas elencadas no Manual de operações foram utilizadas com prisioneiros no Iraque e em Guantánamo, com o objetivo de arrancar-lhes informações preciosas sobre terroristas, esconderijos secretos e rebeldes. Prisioneiros amontoados em contêineres eram submetidos a audições ininterruptas de músicas infantis do seriado Vila Sésamo ou da música I love you, do programa Barney e seus amigos. O que impressiona é que todos esses arroubos de criatividade descritos no manual eram praticados por gente de alta patente. Todas as tentativas estapafúrdias de se fazer um exército imbatível aconteceram com impassível ciência e aquiescência do secretário de estado americano, Colin Powell, e do presidente George W. Bush.

Voltando às cabras, pouco foi comprovado sobre o "olhar assassino" dos homens no laboratório. Também as experiências propostas no Manual de operações do Primeiro Batalhão da Terra se arrefeceram com o tempo e com a saída do presidente Bush. Seja em marketing, nas forças armadas americanas, na política ou na religião, as idéias ou "realidades inventadas" se assemelham a um "teatro do absurdo", onde poucos diretores conduzem para onde querem seus grupos de atores. Pouco sabemos se vivemos a inocência dos cegos miseráveis de O ensaio sobre a cegueira, de Saramago, ou a manipulação mental de 1984, de George Orwell. Sinto-me aliviado por não ter conseguido "entortar com a mente" aquela colher do Uri Geller.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 22/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era Meu Esse Rosto de Eugenia Zerbini
02. Paganini Diabólico de Nemo Nox


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/3/2011
15h47min
Pô, eu caí nessa do Uri Geller também, mas, ao contrário de você, consegui consertar um velho ferro elétrico danificado esfregando a mão nele 3 vezes e dizendo "funciona"... sugestão ou não, funcionou.
[Leia outros Comentários de magogh]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eragon
Christopher Paolini
Rocco
(2003)
R$ 12,00



A Pintura Flamenga e Holandesa da Fundação Medeiros Almeida
Realidade e Capricho Novembro 2008
Fundação Medeiros e Almeida
(2008)
R$ 19,28



A Pré História
Teófilo Torronteguy
Ftd
(1995)
R$ 5,00



Wish Vol I
Clamp
Jbc
(2009)
R$ 5,00



Nas Fronteiras Celestiais
Stanley Stewart
Publicações Europa América
(2000)
R$ 84,78



Eles eram muitos cavalos
Luiz Ruffato
Record
(2007)
R$ 21,90



Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
Martin Claret
(2001)
R$ 24,30



O Campeão de Audiência
Walter Clark Com Gabriel Priolli
Best Seller
(1991)
R$ 19,90



Canadian Country Furniture 1675-1950
Michael S. Bird
Stoddart
(1994)
R$ 40,00



A história de Carmen Rodrigues
Ana Luiza Libânio
Literare Books International
(2012)
R$ 29,90





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês