Discos que me mudaram | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Discoteca Básica

Quarta-feira, 29/6/2011
Discos que me mudaram
Rafael Fernandes

+ de 4400 Acessos

Há discos que são clássicos (quase) incontestáveis. Outros são "clássicos" de uma maneira particular. É sobre esses últimos que escrevo nesta lista. Selecionei apenas alguns dos muitos álbuns que fizeram a minha cabeça por diferentes motivos em diferentes fases. Daqueles que nos "desviam" para outros mundos ― muitas vezes de forma inesperada.

Apesar de poder parecer uma lista variada, não se engane: não sou eclético. Isso porque essa palavra acabou tomando uma conotação de "gosto de qualquer coisa". Saiba mais nesse texto de Diogo Salles.


Use Your Illusion I e II ― Guns N' Roses

Uma dupla (e uma banda) que vou levar com carinho pelo resto da vida. Ela mudou tudo na minha vida musical. De só ouvir pop FM na infância para prestar mais atenção de fato nas músicas, em seus detalhes e saber mais sobre as bandas. E aqui se apresentam as primeiras ironias musicais que enfrentamos durante nossa jornada de sons: justamente uma banda FM friendly, com babas como "Don't cry" e "November Rain" estouradas é que acabou me afastando de músicas comerciais. De fato, pode parecer estranho que isso tenha acontecido com um disco tão mainstream, mas, ei, não podemos controlar essas coisas. Até porque comecei ouvir mais as "lado B" como "Breakdown" e "Locomotive". Hoje, já acho os discos bastante irregulares. Muitas músicas que parecem sobra de estúdio, há covers desnecessárias, falta de direcionamento musical claro, etc. Uma enxugada no repertório com os melhores rocks e épicos e ficaria ótimo. Mas, se fosse assim, será que eu teria gostado tanto?

Para ter uma ideia dos discos, ouça: "Dead Horse", "Coma", "Pretty Died Up" e "Breakdown".


Severino ― Paralamas do Sucesso

Severino foi avacalhado pelos críticos na época, mas continua como o meu favorito da banda. Pop, experimental, adulto e inteligente. Muitos disseram que faltou maior presença de Bi Ribeiro e João Barone. Mas ouçam o tema elegante de baixo na intro de "Cagaço" e sua discrição em "O Amor dorme". Ou o fraseado pulsante em "Vamo batê lata" e "Músico". E o trabalho excepcional e de ritmos variados de Barone nas mesmas músicas. A questão é que é o disco menos óbvio d'Os Paralamas. Ouvimos o inesperado ― e também por isso é tão bom. Mas os principais elementos da banda estão presentes: canções pop, flerte com ritmos brasileiros e instrumental redondo. Foi um fracasso de vendas, talvez uma união de má repercussão, ressaca pós Collor e maior atenção do grupo ao mercado latino ― onde eram reis na época. A "vingança" veio em seguida: "Vamo bate lata" e "Dos margaritas" se tornaram hits através do disco seguinte, um ao vivo, que levou os Paralamas de volta ao sucesso estrondoso. Além das duas citadas, se perderam algumas outras músicas maravilhosas, como "Varal", "Cagaço" e a bela balada "O amor dorme". E também "El Vampiro bajo el sol", com participação de ninguém menos que Brian May (Queen) num solo magistral.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Músico", "Cagaço" e "Não me estrague o dia".


III Sides To Every Story ― Extreme

O Extreme teve sua pele musical marcada com o ferro quente da balada melosa "More than words". É uma música babaca, para dizer o mínimo. Fez a banda ficar conhecida e ganhar dinheiro. Ótimo para eles, claro. Mas o resultado é que a parte realmente boa de seu trabalho ficou esquecida, como o ótimo Pornograffitti, Waiting For the punchline e Saudades de Rock. E também o meu preferido, que ouvi muito e citei num Tungcast: III Sides To Every Story. Passou quase despercebido por público e crítica. Apesar de ter a horrenda "Seven sundays" é um disco ótimo, que vale à pena para os fãs de um hard rock com arranjos acima da média.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Rest in peace", "Warheads" e "Cupid's dead".


Brutal ― Dr Sin

Embora o Dr. Sin tenha uma bela discografia, Brutal ainda é seu grande disco. Uma precisa união de metal e hard rock. O começo é impressionante, de tão bom, com seis faixas arrebatadoras. Mas o álbum não para por aí. Ainda tem outras pérolas até o fim do disco, como "Hey You", que eu ouvia dezenas de vezes seguidas, a suingada "War" (que lembra mais o primeiro disco da banda) e a balada "Years gone". Uma edição remasterizada lançada alguns anos depois ainda conta com a inclusão de uma ótima cover de "Holy Man", do Deep Purple. Edu Ardanuy e os irmãos Andria e Ivan Busic são um power trio dos mais competentes. Quem já os viu ao vivo sabe do que eu estou falando.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Isolated", "Down in the trenches part I" e "Fire".


Alien Love Secrets ― Steve Vai

O disco básico de Steve Vai que um possível interessado deve ouvir é, claro, o clássico Passion and Warfare. Mas Alien Love Secrets foi o primeiro que comprei e ouvi inteiro. Um disco curto e certeiro. São apenas sete músicas e, apesar da brincadeira boba de "Ya-yo gakk", é impecável, fazendo a repetição da audição quase obrigatória. E o melhor de tudo: é basicamente um trio de rock (guitarra, baixo e bateria), no máximo um "cama" de teclado aqui e ali. É Steve Vai em sua versão mais crua e, por isso mesmo, matadora. O encerramento, com "Tender surrender", é um dos melhores momentos da carreira de Vai.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Kill the guy with the ball", "Die to live" e "Tender surrender".


Images and Words ― Dream Theater

A entrada no mundo do progressivo é um caminho sem volta. A partir daí, você se torna, para sempre, um geek musical. As pessoas começam a te olhar feio, ter nojo dos seus gostos musicais e a odiar que você realmente ouça e analise um artista antes de dar seu veredicto. E com critérios próprios e não o "todo mundo gosta", "está fazendo o maior sucesso" e "como assim você não gosta do artista xyz ?!?". Você se torna, afinal, um uncool. O forasteiro perdido no alegre mundo dos "ecléticos". Images and Words, do Dream Theater, foi o disco que abriu essa porta para um "outro mundo". Eu entrei, mas não a fechei com cadeado ― afinal, pior que o eclético é o bitolado. Mas foi a partir desse disco que eu fiquei cada vez mais vidrado em música, tentando descobrir como se faz um disco, ler fichas técnicas, ir atrás de músicos e bandas desconhecidos do público em geral. Não pela obsessão de descobrir coisas obscuras ― mania boba em moda hoje dia. Simplesmente para conhecer e aprender mais. Há muita, muita coisa interessante além do mainstream.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Metropolis pt. 01", "Take the time" e "Learning to live".


Just for fun...And maybe some money ― Tritone

Para quem tem interesse por guitarras roqueiras e gravações em home studio esse disco é um marco. A união dos fantásticos Edu Ardanuy, Frank Solari e Sergio Buss gravados no home studio desse último (e com participação do ótimo baixista Sergio Carvalho). Em seu estilo é um disco impecável, sem músicas ruins, com muito virtuosismo, mas sem esquecer do principal: musicalidade. Mais sobre o Tritone nesse texto.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Psycho Cocks", "Z3", e "Cruz".


California ― Mr Bungle

Aqui, outra "incoerência estilística". Na época do lançamento deste disco eu estava ouvindo basicamente progressivo, metal e guitarristas. Ou seja, virtuosismo ao extremo. Não ligava para o pop nem tanto para o formato de "canção" pura e simples. Foi California, do Mr Bungle, que me fez voltar a ouvir as melodias mais simples com fortes cores pop através de músicas como "Sweet Charity", "Retrovertigo" e "Vanity Fair". Sim, justo o Mr Bungle, conhecido por suas músicas malucas e cheias de passagens, bem representadas nesse lançamento por "None of them know they were robots" e de uma de minhas preferidas, "Air conditioned nightmare". Uma banda doida me fazendo voltar a gostar de pop. Coisas da nossa vida musical.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Air conditioned nightmare", "Retrovertigo" e "Vanity Fair".


Meia Noite Meio Dia ― Chico Pinheiro
Esses foi um daqueles discos de "quebrar a cabeça". Comprei para ouvir Maria Rita (que participa de 3 faixas) e me surpreendi com um disco maduro, arrojado, elegante e belíssimo. Na época eu ouvia e ficava abismado com a qualidade técnica, a construção das harmonias, a beleza das melodias, tudo isso arrumado numa formal musical fluída. Foi um dos discos que me abriram a cabeça para música brasileira, em especial a mais sofisticada. Saiba mais nessa entrevista que fiz com ele.

Para ter uma ideia do disco, ouça: "Popó", "Ao vento" e "Desde o primeiro dia".


Rafael Fernandes
Araçoiaba da Serra, 29/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
04. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
05. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
03. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
04. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
05. Os piores músicos da década - 22/9/2010


Mais Especial Discoteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MULHER, VAMOS FALAR DE VOCÊ
ELIANA ZUCKERMANN
MULTILETRA (RJ)
(1997)
R$ 25,28



O BOXE
JOYCE CAROL OATES
EDIÇÕES 70
(1990)
R$ 41,80



VÍRUS DA MENTE
RICHARD BRODIE
CULTRIX
(2010)
R$ 31,00



CÁCULO E INTRODUÇÃO À ANÁLISE
UBIRATAN DAMBROSIO
COMPANHIA NACIONAL
(1975)
R$ 50,00



A DAMA DAS CAMÉLIAS
ALEXANDRE DUMAS FILHO
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 26,91
+ frete grátis



ATRÁS DE TODAS AS PORTAS
STELA MARIS REZENDE
ATUAL
(1988)
R$ 4,00



O FILHO DO GRÚFALO
JULIA DONALDSON
BRINQUE-BOOK
R$ 39,95



O ANEL QUE TU ME DESTE
LEONA BLAIR
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 7,00



CRÔNICAS DE UM ETERNO LIBERAL
JOHN KENNETH GALBRAITH
NOVA FRONTEIRA
(1980)
R$ 15,00



SEXY SCHEILA CARVALHO Nº 310 ERÓTICO
VÁRIOS AUTORES
RICKDAN
(2005)
R$ 25,00





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês