Jotacê | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Festas 2001

Quarta-feira, 26/12/2001
Jotacê
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2600 Acessos

Trinta e seis graus em Curitiba. Coisa rara, este calor. Quando vocês lerem este texto, o Natal já terá passado. O Natal sempre é passado. Nenhuma data é tão cercada de lembranças quando o Natal. Nostalgia, teu nome é Natal. Escrevo sobre esta data maldita desde que descobriram que eu sabia juntar um tanto quanto melhor que os demais o a com o b. Nunca, no entanto, pude escrever tão livremente sobre o real significado do Natal como agora. Claro que pouparei vocês de filosofias vãs; contentar-me-ei com mesóclise e tudo a vislumbrar meu pequeno passado em busca de Jotacê, um cara que anda meio esquecido. Tudo bem, eu sei que muitos de vocês estarão de ressaca quando lerem este texto, e por isso mesmo acrescento que ele será breve. Cá entre nós, vale a pena trilhar o caminho de descobrir quando é que Jotacê entrou na vida de cada um, mesmo que você seja mulçumano ou judeu. Sim, porque, num país cristão, Jotacê é uma presença constante.

Até os cinco anos, que eu lembre, Jotacê não existia para mim. Às vezes fico me perguntando — porque não convém perguntar a um padre a esta altura do campeonato — o que teria me acontecido se eu morresse nesta época. Sim, porque, já que para mim Jotacê era uma abstração por demais ininteligível, eu era, por lógica, um ateuzinho loiro dos olhos azuis perdidos num futuro remoto. Será que o Inferno é um lugar cheio de crianças precocemente mortas?

Lembro de uma das primeiras vezes que entoei o Padre-Nosso. Eu estudava num colégio de freiras que, no entanto, dava mais ênfase à santa que o nomeava, Madalena Sofia, do que a Jotacê. Em fila num pequeno pátio, lembro-me de Irmã Clementina, austríaca, ultra-direita, fazendo um grave discurso sobre o Fantástico da noite passada. Depois, mandava que todos rezássemos o Padre-Nosso. Isso a partir da primeira série. Antes disso, ateuzinhos que éramos.

Aprontei algumas em natais d´antanho. E aqui o Natal já vai adquirindo novamente aquele ar nostálgico que empobrece o texto ao mesmo tempo em que encarece a vida. A família reunida para o Natal em Maringá, no norte do Paraná. Calor, que do calor eu lembro com exatidão. Hipocrisia espalhada por toda parte, juntamente com os presentes de Natal. Menos o meu e da minha irmã, que mui convenientemente haviam ficado em Curitiba. Eu ganhara uma bicicleta naquele ano. Uma BMX Monark, o supra-sumo das bicicletas. Desta noite, contudo, três lembranças gritam mais que a bicicleta, doada a alguma instituição de caridade, há muitos anos.

A primeira dá conta de Seu Roque, meu vodrasto. Um velhinho corcunda que vendia pipocas no centro de Maringá. Todos na família o odiavam e dele eu devo ter apreendido o dom da impopularidade. Não que ele fosse mau, claro; odiavam-no por aquela coisa católica do marido eterno, no caso meu avô-de-fato, que não cheguei a conhecer. Ele tinha um relógio de bolso que consultava incessantemente. Criança, gostava de escutá-lo contar histórias sobre qualquer coisa. Pronto. Fim da primeira lembrança.

Na mesma noite, um tio bêbado fazendo discurso próximo da meia-noite. Jotacê deveria estar ali entre a gente — pelo menos era o que se dizia. Bêbado, o tio falava de Jotacê com a espontaneidade de um amigo de longa data. Quem dera àquele homem simples o dom de tamanha oratória? Não estivesse ele confinado nas barbas de Freud (é um caso extremo de edipianismo, mote para outro texto), poder-se-ia dizer que daria um ótimo advogado ou homem-de-letras. Capaz de disputar uma cadeira na Academia, em paridade com Zélia Gattai, eu exagero e rio da colocação infeliz. De qualquer modo, o tio bêbado fazia todo mundo chorar. Eu, que nem entendia muito de Jotacê, chorava também.

Depois do fim do almoço do fatídico dia 25, mostrei um pouco da porção macaco que havia em mim. Queria andar de bicicleta, como todos os outros primos que haviam ganho uma na noite anterior. Não era uma questão de ganância, afinal, eu tinha uma bicicleta, só que ela estava a 400 km de distância. Pode-se dizer, contudo, que se tratava de vaidade, de exibicionismo e até de uma certa masculinidade precoce, porque eu queria mesmo era impressionar as meninas das ruas arborizadas de Maringá. Um primo não quis me emprestar a sua bicicleta e eu não tive dúvidas quanto a bater com a cabeça dele no muro de uma casa qualquer. Três pontos, muito sangue. O tio bêbado a me socorrer de meus pais. E esta terceira lembrança, para meus pobres anais.

Anos mais tarde, Jotacê seria apenas uma piada para mim. Digo, não o Jotacê em si, mas a simbologia que ele carrega. Como a hóstia, por exemplo, que eu, sem fazer Primeira Comunhão nem nada, comi com gosto numa igreja qualquer. Eram anos estranhos, aqueles: em mim, despontava o homem; no mundo, dúvidas. O velho clichê da puberdade. Jotacê não tinha sentido, por isso era mais fácil negá-lo. Ajudou muito o fato de eu ter ido a alguns cultos de uma igreja evangélica e não ficar nada satisfeito com o discurso de um pastor e um rabino — é, um rabino! — no púlpito. Um pouco mais além e eu seria um completo ateu, o que, por lógica, se deduz que um adolescente imberbe tem a mesma cabecinha oca de uma criança de cinco anos. Só que sem os cabelos loiros e os olhos azuis, transformados, á época, em cabelos e olhos castanhos — nada mais vulgar, portanto (hoje a fronte é mais vasta, a calva mais generosa, os olhos mais perturbadores).

Jotacê reapareceu há pouco tempo. Garanto que não foi numa noite de Natal. Reapareceu como homem, e não como Deus. Ressurgiu como força organizadora de uma sociedade, e não como filho dEle. Reavivou-se como esperança de crença, e não como dogma inconteste. Talvez seja até porque novamente dei de cara com Jotacê é que odeio tanto o Natal e sua bondade de supermercado, sua fé de uma só noite, seus discursos cheios de uma pieguice viscosa, suas bolas de vidro que refletem corpos balofos, entupidos de gases, seus papais-noéis à vista ou em três vezes no cartão. Não, pouparei os meus parcos leitores do discurso. Afinal, este texto era só mesmo para reencontrar Jotacê e algumas lembranças que o tempo tratou de açoitar.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 26/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
02. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
04. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
05. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


Mais Especial Festas 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LUA AZUL - SÉRIE OS IMORTAIS - VOLUME 2
ALYSON NOËL
INTRINSECA
(2010)
R$ 12,80



NOVOS RUMOS DO TEATRO
ALBERTO MIRALLES
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



COLETÂNEA DE MENSAGENS DE JOSÉ - VOL. 3
HÉLCIO EUGÊNIO DE LIMA E SILVA (MÉDIUM)
ARTHUR FERREIRA DA COSTA (RJ)
(1980)
R$ 8,00



INCLUSÃO DIGITAL: COM A PALAVRA, A SOCIEDADE
LIA RIBEIRO DIAS
PLANO DE NEGÓCIOS
(2007)
R$ 14,00



PSICOLOGIA EDUCACIONAL
LANNOY DORIN
DO BRASIL
R$ 4,00



O DILEMA DE EINSTEIN
JEREMY STANGROOM
MARCO ZERO
(2012)
R$ 33,00



CADERNOS NEGROS: VOLUME 40 - CONTOS AFRO-BRASILEIROS
VÁRIOS
QUILOMBHOJE
(2017)
R$ 45,00



EVOLUCIONÁRIOS - 1ª EDIÇÃO
CARTER PHIPPS
CULTRIX
(2014)
R$ 49,95



HISTÓRIA DO BOI . AUTOGRAFADA
AFRANIO CORREA
PONGETTI
(1952)
R$ 26,28



MADAME BOVARY
GUSTAVE FLAUBERT
CÍRCULO DO LIVRO
(1976)
R$ 22,00





busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês