Jotacê | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS >>> Especial Festas 2001

Quarta-feira, 26/12/2001
Jotacê
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3000 Acessos

Trinta e seis graus em Curitiba. Coisa rara, este calor. Quando vocês lerem este texto, o Natal já terá passado. O Natal sempre é passado. Nenhuma data é tão cercada de lembranças quando o Natal. Nostalgia, teu nome é Natal. Escrevo sobre esta data maldita desde que descobriram que eu sabia juntar um tanto quanto melhor que os demais o a com o b. Nunca, no entanto, pude escrever tão livremente sobre o real significado do Natal como agora. Claro que pouparei vocês de filosofias vãs; contentar-me-ei com mesóclise e tudo a vislumbrar meu pequeno passado em busca de Jotacê, um cara que anda meio esquecido. Tudo bem, eu sei que muitos de vocês estarão de ressaca quando lerem este texto, e por isso mesmo acrescento que ele será breve. Cá entre nós, vale a pena trilhar o caminho de descobrir quando é que Jotacê entrou na vida de cada um, mesmo que você seja mulçumano ou judeu. Sim, porque, num país cristão, Jotacê é uma presença constante.

Até os cinco anos, que eu lembre, Jotacê não existia para mim. Às vezes fico me perguntando — porque não convém perguntar a um padre a esta altura do campeonato — o que teria me acontecido se eu morresse nesta época. Sim, porque, já que para mim Jotacê era uma abstração por demais ininteligível, eu era, por lógica, um ateuzinho loiro dos olhos azuis perdidos num futuro remoto. Será que o Inferno é um lugar cheio de crianças precocemente mortas?

Lembro de uma das primeiras vezes que entoei o Padre-Nosso. Eu estudava num colégio de freiras que, no entanto, dava mais ênfase à santa que o nomeava, Madalena Sofia, do que a Jotacê. Em fila num pequeno pátio, lembro-me de Irmã Clementina, austríaca, ultra-direita, fazendo um grave discurso sobre o Fantástico da noite passada. Depois, mandava que todos rezássemos o Padre-Nosso. Isso a partir da primeira série. Antes disso, ateuzinhos que éramos.

Aprontei algumas em natais d´antanho. E aqui o Natal já vai adquirindo novamente aquele ar nostálgico que empobrece o texto ao mesmo tempo em que encarece a vida. A família reunida para o Natal em Maringá, no norte do Paraná. Calor, que do calor eu lembro com exatidão. Hipocrisia espalhada por toda parte, juntamente com os presentes de Natal. Menos o meu e da minha irmã, que mui convenientemente haviam ficado em Curitiba. Eu ganhara uma bicicleta naquele ano. Uma BMX Monark, o supra-sumo das bicicletas. Desta noite, contudo, três lembranças gritam mais que a bicicleta, doada a alguma instituição de caridade, há muitos anos.

A primeira dá conta de Seu Roque, meu vodrasto. Um velhinho corcunda que vendia pipocas no centro de Maringá. Todos na família o odiavam e dele eu devo ter apreendido o dom da impopularidade. Não que ele fosse mau, claro; odiavam-no por aquela coisa católica do marido eterno, no caso meu avô-de-fato, que não cheguei a conhecer. Ele tinha um relógio de bolso que consultava incessantemente. Criança, gostava de escutá-lo contar histórias sobre qualquer coisa. Pronto. Fim da primeira lembrança.

Na mesma noite, um tio bêbado fazendo discurso próximo da meia-noite. Jotacê deveria estar ali entre a gente — pelo menos era o que se dizia. Bêbado, o tio falava de Jotacê com a espontaneidade de um amigo de longa data. Quem dera àquele homem simples o dom de tamanha oratória? Não estivesse ele confinado nas barbas de Freud (é um caso extremo de edipianismo, mote para outro texto), poder-se-ia dizer que daria um ótimo advogado ou homem-de-letras. Capaz de disputar uma cadeira na Academia, em paridade com Zélia Gattai, eu exagero e rio da colocação infeliz. De qualquer modo, o tio bêbado fazia todo mundo chorar. Eu, que nem entendia muito de Jotacê, chorava também.

Depois do fim do almoço do fatídico dia 25, mostrei um pouco da porção macaco que havia em mim. Queria andar de bicicleta, como todos os outros primos que haviam ganho uma na noite anterior. Não era uma questão de ganância, afinal, eu tinha uma bicicleta, só que ela estava a 400 km de distância. Pode-se dizer, contudo, que se tratava de vaidade, de exibicionismo e até de uma certa masculinidade precoce, porque eu queria mesmo era impressionar as meninas das ruas arborizadas de Maringá. Um primo não quis me emprestar a sua bicicleta e eu não tive dúvidas quanto a bater com a cabeça dele no muro de uma casa qualquer. Três pontos, muito sangue. O tio bêbado a me socorrer de meus pais. E esta terceira lembrança, para meus pobres anais.

Anos mais tarde, Jotacê seria apenas uma piada para mim. Digo, não o Jotacê em si, mas a simbologia que ele carrega. Como a hóstia, por exemplo, que eu, sem fazer Primeira Comunhão nem nada, comi com gosto numa igreja qualquer. Eram anos estranhos, aqueles: em mim, despontava o homem; no mundo, dúvidas. O velho clichê da puberdade. Jotacê não tinha sentido, por isso era mais fácil negá-lo. Ajudou muito o fato de eu ter ido a alguns cultos de uma igreja evangélica e não ficar nada satisfeito com o discurso de um pastor e um rabino — é, um rabino! — no púlpito. Um pouco mais além e eu seria um completo ateu, o que, por lógica, se deduz que um adolescente imberbe tem a mesma cabecinha oca de uma criança de cinco anos. Só que sem os cabelos loiros e os olhos azuis, transformados, á época, em cabelos e olhos castanhos — nada mais vulgar, portanto (hoje a fronte é mais vasta, a calva mais generosa, os olhos mais perturbadores).

Jotacê reapareceu há pouco tempo. Garanto que não foi numa noite de Natal. Reapareceu como homem, e não como Deus. Ressurgiu como força organizadora de uma sociedade, e não como filho dEle. Reavivou-se como esperança de crença, e não como dogma inconteste. Talvez seja até porque novamente dei de cara com Jotacê é que odeio tanto o Natal e sua bondade de supermercado, sua fé de uma só noite, seus discursos cheios de uma pieguice viscosa, suas bolas de vidro que refletem corpos balofos, entupidos de gases, seus papais-noéis à vista ou em três vezes no cartão. Não, pouparei os meus parcos leitores do discurso. Afinal, este texto era só mesmo para reencontrar Jotacê e algumas lembranças que o tempo tratou de açoitar.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 26/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Considerações sobre Michael Jackson de Julio Daio Borges


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Festas 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Responsabilidade Civil por Erro Médico
Fábio Motta da Cunha
Cbj
(2007)



Educação Linguistica Em Perspectivas e Horizontes
Khalil Salem
Fiuza
(2011)



Vencendo a Própria Crise
Carlos Wizard Martins
Record
(1993)



Filha da Magia
Justine Larbalestier
Galera



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)



A princesa que tudo sabia,,,,menos uma coisa
Rosane paplona, Nino B junior
Brinque-Book
(2001)



Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Para Sempre uma Aprendiz
Maria Glória Francener Deschamps
Gaia
(2004)



Moda & Sustentabilidade: Design para Mudança - 1ª Edição
Kate Fletcher & Lynda Grose
Senac Sp
(2012)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês