A Serbian Film: Indefensável? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Mais Recentes
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
>>> E se? de Super Interessante pela Abril
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller
>>> Linha D'agua de Amyr Klink pela Companhia das Letras
>>> Sal, Açúcar, Gordura de Michael Moss pela Intrínseca (2019)
>>> O mundo contemporâneo de Demétrio Magnoli pela Moderna
>>> 1001 Provérbios de Oswaldo Herrera pela A Gazeta Maçônica (1981)
>>> Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras
>>> E foram felizes para sempre de Dr. Gary e Barbara Rosberg pela Não sei
>>> Radicalize de Alex e Brett Harris pela Graça editorial
>>> A guerras da memória de Frederick Crews pela Mãe Terra
>>> Uma morte muito suave de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1984)
>>> Guia de Leitura Rápida de William Douglas pela Campus
>>> A dieta do tipo sanguíneo de Peter J. D'adamo pela Campus
>>> Para Ler e Guardar de Hermann Hesse pela Record (1975)
>>> Nutrição no esporte de Patrícia Postilione Appolinário pela Martinari (2019)
>>> Coleção Para Ler Freud de Diversos pela Não sei (2019)
>>> Einstein O Enigma do Universo de Huberto Rodhen pela Martin Claret (2019)
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 30/8/2011
A Serbian Film: Indefensável?
Duanne Ribeiro

+ de 4600 Acessos

A Serbian Film teve sua exibição proibida em território nacional em 9 de agosto. A Justiça Federal decidiu-se pela censura porque o filme "simula a participação de recém-nascido em cena de sexo", assim como contém cenas de "sexo explícito, crueldade, elogio/banalização da violência, necrofilia, tortura, suicídio, mutilação, agressão". Espanha, Suécia e Finlândia seguiram o mesmo caminho. A decisão ao mesmo tempo diz o que podemos assistir e o que pode ser abordado pela expressão artística. Risca um limite duplo. É correto que haja esse limite?

Dirigido pelo sérvio Srđan Spasojević, o filme exibe tudo o que a descrição expõe. Trata-se da história de Milos, ator pornô aposentado que recebe de um excêntrico diretor a oferta de uma enorme quantia pela participação em uma nova obra, que se pretende revolucionária. Milos aceita, e se vê atuando em cenas incomuns, que incluem violência e a presença (sem sexo) de crianças. Quando ele tenta se desligar da produção, é sequestrado e drogado. Injeções de estimulante sexual o deixam em um frenesi destrutivo e autodestrutivo. A filmagem doentia acaba por engolir os seus parentes próximos: irmão, mulher e filho pequeno. Tudo é violado, tudo é perdido.

O filme foi supervalorizado pela polêmica. Fora seu realismo e sua proposta política (para Luiz Zanin Oricchio, só um "verniz", "rarefeito, pífio, indigente mesmo"), não tem atuações elogiáveis (a expressão imutável do protagonista), sua seriedade pesada é às vezes ridícula, há algumas sequências que podem ser vistas como problemas de roteiro. Ele é significativo, no entanto, se o entendemos dentro da linhagem a qual pertence e pelos temas que pretende abordar, tanto em conteúdo quanto principalmente pela forma.

O Homem como Matéria Prima
Pelo caráter trágico do enredo, não se pode afirmar que A Serbian Film incita ou banaliza a violência que exibe. O único personagem que admite todos os crimes praticados é Vukmir, o diretor - e o que ele representa é toda uma estrutura que produz e compra a crueldade. O choque e o mal estar quase contínuo podem impedir que essa ideia seja notada, mas o filme se concentra em o que, por motivos comerciais, um homem pode fazer com outro.

Na medida em que todo indivíduo é matéria prima, tudo é permitido. É interessante pensar na obra de Spasojević em paralelo com A Noite dos Desesperados, filme de 1969. Durante a Grande Depressão, em um ambiente de desemprego e fome, os protagonistas do longa são levados a participar de concursos de dança, em troca de comida, roupa e dinheiro. Eles são obrigados a manter um nível de esforço extremo. Sem resistir mais, um deles pede para que o outro o mate. O título original possui uma crítica mais profunda: They shoot horses, don't they? - isto é, os participantes estavam reduzidos a meros animais, e não havia nada mais natural do que eliminá-los assim que inúteis.

Outro paralelo possível é com os snuff movies - vídeos reais de assassinato. A história dos snuffs mistura lenda urbana, inspiração para ficção e casos verídicos. O tema foi explorado por pelo menos dois documentários: The Dark Side of Porn - Does Snuff Exist? e Snuff: A Documentary About Killing on Camera (disponíveis online). No que se refere à ficção, esse gênero indica a tradição em que A Serbian Film se inclui. São exemplos de violência física e horror tão ou mais intensos que o realizado por Spasojević. O objetivo é gerar mal estar, é apresentar o de mais doentio e desagradável - neste ponto de vista, não se pode dizer que o filme em pauta é ruim, já que funciona bem.

Quanto a casos verídicos, o artigo "British link to 'snuff' videos", do Guardian, trata de um deles. Em 2000, três mil vídeos de pedofilia e assassinato foram apreendidos. Criminosos, por mais de dois anos, contrataram cerca de 100 garotos (9 a 15 anos) para serem filmados. Eram meninos órfãos, pobres ou parte de famílias-problema. A sedução era barata. O preço de cada vídeo variava entre 50 e 100 libras. A matéria é encerrada por uma suposta troca de emails entre cliente e vendedor: "Da última vez eu paguei e não tive o que queria"; "O que você quer?"; "Vê-los morrer". Como se diz no primeiro documentário citado, se há alguém disposto a pagar por algo, o produto vai existir (um desses filmes está disponível aqui).

A Violência Sórdida
Spasojević afirmou que o horror na tela é um retrato político; ele diz tratar de seu país e de conflitos bélicos da Europa. Segundo ele, "é como dar um testemunho do que aconteceu comigo. Não fisicamente, mas do quão profundamente os sentimentos humanos podem ser violados - e colocar o público nesses lugares". Suas palavras encontram eco na descrição que Wes Craven, diretor dos filmes de Freddy Krueger, faz do gênero horror: "Na vida real, os seres humanos estão ameaçados por perigos concretos e às vezes horríveis, fatos como Columbine. Mas a forma narrativa coloca esses medos em uma série manejável de eventos. Isso nos dá um meio de pensar racionalmente sobre os nossos medos".

O diretor sérvio também diz: "A Sérvia é um pequeno país europeu muito conservador. É difícil as pessoas enxergarem seus próprios problemas. A religiosidade é forte e, quando alguém comete algo ruim, acham que basta ir à igreja para estar purificado". Novamente, as frases podem ser comparadas com Craven: "Acho que tem alguma coisa a ver com o sonho americano, o tipo de sonho disneístico, o gramado bonito, a cerca branca, mamãe e papai e suas crianças felizes, tementes a Deus e fazendo o bem quando podem, e a outra face disto, a raiva e o senso de ultraje quando se descobre que nada disso é verdade, isso dá aos filmes de horror uma fúria adicional".

Vemos, portanto, os vários elementos de significado em A Serbian Film: a sua ideia política central, a tradição a que se filia, o choque e a crítica social que são alegadamente causas de sua forma de expressão. A questão que se isola neste percurso, então, é: encenar tal grau de violência é aceitável? Spasojević não rompeu todos os limites do bom senso? Se seguirmos os termos da decisão judicial citada, é difícil concordar. "Sexo explicíto" é contraditória de cara: o Brasil possui, naturalmente, uma indústria pornográfica consistente (leia "Nas Redes do Sexo", de Guilherme Montana, para exemplos). Quanto à tortura e agressão, ou elogio e banalização da violência, são atrativos de filmes muito populares.

O primeiro Tropa de Elite nos exibe um homem de rosto ensaguentado, sendo asfixiado por um policial, a cabeça enfiada num saco plástico. A cena inspirou uma série de vídeos, feitos por jovens. Em 2007, alguns foram retirados do Youtube por incitar a tortura. Não obstante, não é difícil encontrar algum hoje. Em Cidade de Deus, um grupo de crianças faz o Ataque Soviético - execução sob tiroteio intenso - e comemora a conquista do poder. Tendo em vista essas sequências, qual o critério para condenar a violência de A Serbian Film? Mesmo o gosto mórbido não é incomum: um popular site brasileiro, o Assustador, se especializou em conteúdo do tipo, com atualização semanal. Em 25 de agosto, foram adicionadas novas fotos na seção "Pessoas Mortas".

Luiz Zanin Oricchio disse: "Há que se defender de maneira intransigente o princípio de que o cidadão adulto tem o direito de ver o que bem quiser, sem ser tutelado pelo Estado. Já a obra, em si, é indefensável". Mas o que é indefensável? O que há de particular na violência da obra de Spasojević? A conclusão a que chego é que a diferença é positiva: a forma com que retrata seu tema é eminentemente demoníaca. A violência não aparece divertida, justa, emocionante, gloriosa. É apenas sórdida, ácida, insuportável.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 30/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
03. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
04. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
05. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Dexter Versus House - 4/10/2011
05. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESQUERDA ARMADA: A LUTA CONTINUA
LUZIMAR NOGUEIRA DINIZ
EDIÇÕES DO LEITOR
(1979)
R$ 60,00



A SAGA DE PENEDO: A HISTÓRIA DA COLÔNIA FINLANDESA NO BRASIL
EVA HILDÉN
FOTOGRAFIA BRASILEIRA
(1989)
R$ 29,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE FEVEREIRO DE 1969
TITO LEITE (REDATOR RESPONSÁVEL)
YPIRANGA
(1969)
R$ 7,00



STUPID WHITE MEN - UMA NAÇÃO DE IDIOTAS
MICHAEL MOORE
FRANCIS
(2001)
R$ 29,90



ANUÁRIO DO MUSEU IMPERIAL PETRÓPOLIS RJ VOLUME 33
MUSEU IMPERIAL
MUSEU IMPERIAL
(1974)
R$ 46,18



LIVRO ATLAS DO CORPO HUMANO BARSA
VIGUÉ-MARTÍN
BARSA PLANETA
(2010)
R$ 205,00



O MUNDO DE SOFIA
JOISTEIN GAARDER
CIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 18,00



INCLUSÃO ESCOLAR: NÃO ACONTECE COMO VOCÊ IMAGINA
LEONARDO CONCEIÇÃO GUIMARÃES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FÉ & COMPROMISSO
FREI BATTISTINI
DO AUTOR
(1984)
R$ 5,46



NAPOLÉON
HENRI CALVET
PUF (PARIS)
(1956)
R$ 22,82





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês