Séries? Que papo é esse? | Fernando Lago | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Características de Deus que chamam a nossa atenção. de Silas Malafaia pela Central Gospel (2012)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Quinta-feira, 13/10/2011
Séries? Que papo é esse?
Fernando Lago

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dentre todas as coisas que me fazem ser um sujeito muito estranho, talvez a mais estranha seja ser estranho e não gostar de algumas coisas que a maioria dos estranhos como eu gosta. Leio livros que pouca gente lê, assisto programas que pouca gente assiste, durmo de dia pra acordar de noite, essas coisas tão estranhas que aos estranhos é perfeitamente normal.

Mas observo que escapo da compulsão que estes sujeitos têm por séries, especialmente as americanas, especialmente as difíceis de entender. Digamos que meu gosto para séries seja um pouco clássico ou até mesmo, diria, "empreguiçado". Tenho uma preferência estranha (e olha nossa palavra aí) por séries antigas.

Calma, amigos apreciadores das novidades que têm surgido em matéria de séries. Não estou aqui para espinafrar nem mesmo invalidar a qualidade das séries novas. Quem disse que para falar de coisas velhas devem-se anular as coisas novas? Fiquem tranquilos, pequenos gafanhotos, também as assisto e morro de rir com algumas delas; com outras me emociono; com outras me envolvo no mistério e vou tentando desvendar a trama toda. Mas acabo não acompanhando muito.

Primeiro por este negócio de ter que acompanhar a história, de ter que voltar no dia seguinte pra continuar, arre! Ainda sou fã de episódios livres, que não dependam tanto um do outro. Segundo, e acho que eis aí a principal questão, eu não tenho TV paga em casa (isso mesmo, sou pobre; se alguém tiver um "bolsa família" aí eu aceito) e fico a cargo das séries transmitidas pela TV aberta. Touché!

E é na TV aberta que eu encontro duas das minhas séries antigas favoritas, especialmente no SBT. Sei o que lhes veio às mentes, salafrários, devem estar pensando que sou mais um fã de Chaves. E, olha, acertou. Mas apesar do mexicano fazer parte da minha vida, como da de muita gente, não é dele que eu estou falando. Até porque, El Chavo dispensa comentários, basta lembrar que é um produto mexicano que está no ar há décadas e continua a ser exibido sem apelação alguma.

Outro fato legal das séries antigas é que elas me fazem, quase sempre, lembrar da minha infância tão linda no "interior do interior do interior". E eu sou um sujeito muito apegado às memórias. É por isso que assisto, sempre que posso, a Um maluco no pedaço (The Fresh Prince of Bel-Air) que além de ser muito engraçado, com piadas sutis e inteligentes, me fazem lembrar da época em que eu chegava da escola e fazia maratona na frente da TV para assistir ao Will Smith, cujas piadas na época eu nem entendia, e estava interessado mesmo no Chapolim e no Chaves, que passava logo em seguida.

Mas uma das séries que mais me chamaram a atenção foi Arnold (ou Minha Família é uma Bagunça, na Nickelodeon), quando exibida em 2009 pelo SBT. Não conhecia a série, nunca sequer tinha ouvido falar; passaria facilmente por mim como uma série nova, não fossem as imagens. O nome original é Diff'rent Strokes, exibida nos EUA de 1978 a 1986. Conta a História de Arnold e Willis Jackson (respectivamente, Gary Colleman e Todd Bridges), dois irmãos que viviam no Harlem (isso lhes lembra alguma coisa? Jackson, Harlem...) até sua mãe morrer e eles serem adotados pelo patrão dela, Phillip Drummond (Conrad Bain), um rico empresário que vive numa mansão em Manhattan. Juntamente com eles vivem ainda a empregada Sr.ª Garret (Charlotte Rae) e a filha de Drummond, Kimberly (Dana Plato).

Além de ser muito engraçada, a série traz uma discussão muito interessante. Negros, Arnold e Willis constantemente se envolvem em situações de racismo protagonizadas pelos amigos do senhor Drummond, que não imaginam como dois negros podem ser filhos de um ricaço empresário e viverem numa cobertura em Manhattan. A trama é repleta de discussões sobre a diferença entre o Harlem e Manhattan, quase sempre puxada por Willis, quando o senhor Drummond tenta lhe convencer que nem todos são preconceituosos ou racistas.

Lembro-me de um episódio em que Drummond defendia arduamente a justiça americana e tentava convencer Willis de que o cidadão era julgado como merecia, garantido o seu direito de defesa. Para Willis, isso podia até acontecer, mas só se aplicava aos cidadãos que se encaixavam em alguns padrões sociais (isto é, brancos), porque um negro, pobre e do Harlem não teria direito algum, seria considerado culpado só por ser negro, pobre e do Harlem. Quando o peixinho dourado de Arnold aparece nadando na banheira da casa e o senhor Drummond acusa o menino de tê-lo posto lá, Willis vê na situação a chance de mostrar que muitas pessoas (da justiça, inclusive) tem o hábito de não julgar devidamente àqueles que já são considerados culpados por suas características sociais.

Este tipo de discussão é o que há de comum entre The Fresh Prince of Bel-Air e Different Strokes, o que é feito com muito bom humor. Há algo do gênero também em Everbory hates Chris, nas narrativas exageradas e deliciosas de Chris Rock sobre a sua infância e adolescência no Brooklin.

Não são as únicas séries que eu assisto, ressalto. Gosto de várias séries novas também, dentro das minhas limitações de pobre lascado e de sujeito impaciente para acompanhar temporadas longas de episódios dependentes um do outro. Já sei! Dirão que gostar de Albert e de Will Smith reflete um pouco essa minha personalidade gaiata e presepeira, cheia de piadinhas sem graça das quais só eu rio... E eu simplesmente direi: "Que papo é esse, leitor?"


Fernando Lago
Teixeira de Freitas, 13/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
04. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini
05. Cachorros e Lágrimas de André Simões


Mais Fernando Lago
Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2011
11h14min
Não é questão de ser pobre e não ter tv a cabo, grande parte das pessoas que assistem a séries baixam pela internet, através de sites de download ou torrents. Procure por essas séries pela rede, são pirateadas, mas é melhor do que estar sempre acompanhando as mesmas antigas...
[Leia outros Comentários de Nilton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACT MATH FOR DUMMIES
MARK ZEGARELLI
FOR DUMMIES
(2011)
R$ 17,50



PERSPEKTIVLEHRE
ERHARD GULL
ND
R$ 58,36



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 5,00



A REPÚBLICA BRASILEIRA 1964- 1984
EVALDO VIEIRA
MODERNA
R$ 5,00



SERESTA MINEIRA
LAR DE PAULA
LAR DE PAULA
R$ 40,00



É PROIBIDO CHORAR
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
R$ 5,00



REUNIAO DE PAIS: SOFRIMENTO OU PRAZER? - 2ª ED.
BEATE G. ALTHUON / CORINNA H. ESSLE / ISA S. STOEB
CASA DO PSICÓLOGO
R$ 11,00



VALA CLANDESTINA DE PERUS
VARIOS AUTORES
INSTITUTO MACUCO
(2012)
R$ 5,12



AÇÕES INSTITUCIONAIS DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCAC
RICARDO AZAMBUJA SILVEIRA
DO AUTOR
R$ 5,00



O CARNÊ DOURADO
DORIS LESSING (A MAIOR ESCRITORA VIVA DE LÍNGUA INGLESA)
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês