Séries? Que papo é esse? | Fernando Lago | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Vida e morte do Correio da Manhã
>>> O site de Dorival Caymmi
>>> Entrevista à revista Capitu
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Arte e Poupança
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> A Marcha da Família: hoje e em 1964
>>> A escola está acabando
Mais Recentes
>>> Civilização e Doença de Henry Sigetist pela Hucitec (2011)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Atica
>>> Grandes Histórias de Halloween de Walt Disney pela Abril (2014)
>>> Transmissão do Calor de Renato Salmoni pela Mestre Jou (1966)
>>> A Estetica da Morte de Salomão Jorgf pela Saraiva (1964)
>>> O Pato Donald Xxiv Nº 1. 150 de Abril pela Abril (1973)
>>> Glossário de Dificuldades de Zelio Jota pela Fundo de Cultura (1962)
>>> Valsa Negra de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> Principios de Gerencia por objetivos de Paul Mali pela Pallas (1976)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2009)
>>> O papel do trabalho na transformação do macaco em homem de F. Engels pela Global (1986)
>>> O Socialismo Pré-marxista de Babeuf Blanqui Fourier Saint-Simon pela Global (1980)
>>> 6º Alvo de James Patterson e Maxine Paetro pela Arqueiro (2012)
>>> Uncharted o Quarto Labirinto de Christopher Golden pela Benvirá (2012)
>>> Alice no País dos Enigmas Vol 1- 60 Jogos e Desafios de R. W. Galland pela Coquetel
>>> 551 atividades: Diversão que não acaba de Waldomiro Neto pela Culturama (2016)
>>> Os Anjos Também Choram de Elzira Ribeiro de Almeida pela São Cristóvão (2005)
>>> Quarup de Antônio Callado pela Circulo do Livro
>>> As Vantagens de Ser Otimista de Allan Percy pela Sextante (2014)
>>> A Turma do Arrepio Nº 22 de Globo pela Globo (1991)
>>> Mundo do Terror Nº 12- Monstro Humano de Press Editorial pela Press Editorial (1987)
>>> Elogio da Mentria de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Chefão - a Verdade Sobre a Máfia de Mário Puzo pela Expressão e Cultura (1970)
>>> Vigiar e Punir de Michel Foucault pela Vozes (1999)
>>> Uma Constelação de Fenômenos Vitais de Anthony Marra pela Intrinseca (2014)
COLUNAS >>> Especial Séries de TV

Quinta-feira, 13/10/2011
Séries? Que papo é esse?
Fernando Lago

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dentre todas as coisas que me fazem ser um sujeito muito estranho, talvez a mais estranha seja ser estranho e não gostar de algumas coisas que a maioria dos estranhos como eu gosta. Leio livros que pouca gente lê, assisto programas que pouca gente assiste, durmo de dia pra acordar de noite, essas coisas tão estranhas que aos estranhos é perfeitamente normal.

Mas observo que escapo da compulsão que estes sujeitos têm por séries, especialmente as americanas, especialmente as difíceis de entender. Digamos que meu gosto para séries seja um pouco clássico ou até mesmo, diria, "empreguiçado". Tenho uma preferência estranha (e olha nossa palavra aí) por séries antigas.

Calma, amigos apreciadores das novidades que têm surgido em matéria de séries. Não estou aqui para espinafrar nem mesmo invalidar a qualidade das séries novas. Quem disse que para falar de coisas velhas devem-se anular as coisas novas? Fiquem tranquilos, pequenos gafanhotos, também as assisto e morro de rir com algumas delas; com outras me emociono; com outras me envolvo no mistério e vou tentando desvendar a trama toda. Mas acabo não acompanhando muito.

Primeiro por este negócio de ter que acompanhar a história, de ter que voltar no dia seguinte pra continuar, arre! Ainda sou fã de episódios livres, que não dependam tanto um do outro. Segundo, e acho que eis aí a principal questão, eu não tenho TV paga em casa (isso mesmo, sou pobre; se alguém tiver um "bolsa família" aí eu aceito) e fico a cargo das séries transmitidas pela TV aberta. Touché!

E é na TV aberta que eu encontro duas das minhas séries antigas favoritas, especialmente no SBT. Sei o que lhes veio às mentes, salafrários, devem estar pensando que sou mais um fã de Chaves. E, olha, acertou. Mas apesar do mexicano fazer parte da minha vida, como da de muita gente, não é dele que eu estou falando. Até porque, El Chavo dispensa comentários, basta lembrar que é um produto mexicano que está no ar há décadas e continua a ser exibido sem apelação alguma.

Outro fato legal das séries antigas é que elas me fazem, quase sempre, lembrar da minha infância tão linda no "interior do interior do interior". E eu sou um sujeito muito apegado às memórias. É por isso que assisto, sempre que posso, a Um maluco no pedaço (The Fresh Prince of Bel-Air) que além de ser muito engraçado, com piadas sutis e inteligentes, me fazem lembrar da época em que eu chegava da escola e fazia maratona na frente da TV para assistir ao Will Smith, cujas piadas na época eu nem entendia, e estava interessado mesmo no Chapolim e no Chaves, que passava logo em seguida.

Mas uma das séries que mais me chamaram a atenção foi Arnold (ou Minha Família é uma Bagunça, na Nickelodeon), quando exibida em 2009 pelo SBT. Não conhecia a série, nunca sequer tinha ouvido falar; passaria facilmente por mim como uma série nova, não fossem as imagens. O nome original é Diff'rent Strokes, exibida nos EUA de 1978 a 1986. Conta a História de Arnold e Willis Jackson (respectivamente, Gary Colleman e Todd Bridges), dois irmãos que viviam no Harlem (isso lhes lembra alguma coisa? Jackson, Harlem...) até sua mãe morrer e eles serem adotados pelo patrão dela, Phillip Drummond (Conrad Bain), um rico empresário que vive numa mansão em Manhattan. Juntamente com eles vivem ainda a empregada Sr.ª Garret (Charlotte Rae) e a filha de Drummond, Kimberly (Dana Plato).

Além de ser muito engraçada, a série traz uma discussão muito interessante. Negros, Arnold e Willis constantemente se envolvem em situações de racismo protagonizadas pelos amigos do senhor Drummond, que não imaginam como dois negros podem ser filhos de um ricaço empresário e viverem numa cobertura em Manhattan. A trama é repleta de discussões sobre a diferença entre o Harlem e Manhattan, quase sempre puxada por Willis, quando o senhor Drummond tenta lhe convencer que nem todos são preconceituosos ou racistas.

Lembro-me de um episódio em que Drummond defendia arduamente a justiça americana e tentava convencer Willis de que o cidadão era julgado como merecia, garantido o seu direito de defesa. Para Willis, isso podia até acontecer, mas só se aplicava aos cidadãos que se encaixavam em alguns padrões sociais (isto é, brancos), porque um negro, pobre e do Harlem não teria direito algum, seria considerado culpado só por ser negro, pobre e do Harlem. Quando o peixinho dourado de Arnold aparece nadando na banheira da casa e o senhor Drummond acusa o menino de tê-lo posto lá, Willis vê na situação a chance de mostrar que muitas pessoas (da justiça, inclusive) tem o hábito de não julgar devidamente àqueles que já são considerados culpados por suas características sociais.

Este tipo de discussão é o que há de comum entre The Fresh Prince of Bel-Air e Different Strokes, o que é feito com muito bom humor. Há algo do gênero também em Everbory hates Chris, nas narrativas exageradas e deliciosas de Chris Rock sobre a sua infância e adolescência no Brooklin.

Não são as únicas séries que eu assisto, ressalto. Gosto de várias séries novas também, dentro das minhas limitações de pobre lascado e de sujeito impaciente para acompanhar temporadas longas de episódios dependentes um do outro. Já sei! Dirão que gostar de Albert e de Will Smith reflete um pouco essa minha personalidade gaiata e presepeira, cheia de piadinhas sem graça das quais só eu rio... E eu simplesmente direi: "Que papo é esse, leitor?"


Fernando Lago
Teixeira de Freitas, 13/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
02. Meio Sol Amarelo de Guilherme Carvalhal
03. O cão da meia-noite de Gian Danton
04. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer de Marcelo Spalding
05. Todo mundo é bonito de Ana Elisa Ribeiro


Mais Fernando Lago
Mais Especial Séries de TV
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2011
11h14min
Não é questão de ser pobre e não ter tv a cabo, grande parte das pessoas que assistem a séries baixam pela internet, através de sites de download ou torrents. Procure por essas séries pela rede, são pirateadas, mas é melhor do que estar sempre acompanhando as mesmas antigas...
[Leia outros Comentários de Nilton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eragon
Christopher Paolini
Rocco
(2003)
R$ 12,00



A Pintura Flamenga e Holandesa da Fundação Medeiros Almeida
Realidade e Capricho Novembro 2008
Fundação Medeiros e Almeida
(2008)
R$ 19,28



A Pré História
Teófilo Torronteguy
Ftd
(1995)
R$ 5,00



Wish Vol I
Clamp
Jbc
(2009)
R$ 5,00



Nas Fronteiras Celestiais
Stanley Stewart
Publicações Europa América
(2000)
R$ 84,78



Eles eram muitos cavalos
Luiz Ruffato
Record
(2007)
R$ 21,90



Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
Martin Claret
(2001)
R$ 24,30



O Campeão de Audiência
Walter Clark Com Gabriel Priolli
Best Seller
(1991)
R$ 19,90



Canadian Country Furniture 1675-1950
Michael S. Bird
Stoddart
(1994)
R$ 40,00



A história de Carmen Rodrigues
Ana Luiza Libânio
Literare Books International
(2012)
R$ 29,90





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês