A música clássica ensurdece a democracia caótica | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Mais Recentes
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
>>> Pássaros Feridos
>>> Geografia do Brasil - Espaço Natural, Territorial e Sócioeconômico brasileiro
>>> Contratos Internacionais do Comércio
>>> Marketing Social: Novos Paradigmas
>>> Gestão Financeira das Empresas: um Modelo Dinâmico
>>> Fundamentos de Economia
>>> Economia Brasileira Contemporânea: Para Cursos de Economia e Administração
>>> À Margem da Linha
>>> Conecte História - 3º Ano - Ensino Médio
>>> Biologia 3 - 3ª edição
>>> Culinária para Bem Estar
>>> A Ilíada e a Odisseia - Coleção Clássicos Em Quadrinhos
>>> Asas do Brasil - Uma História que Voa Pelo Mundo - Em Ótimo Estado
>>> Esquecer o natal
>>> O Mistério dos Sete Candelabros de Ouro
>>> Dom Quichote De La Mancha - Cervantes / Gustavo Doré - Raro
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> Livro Curso Prático De Imposto De Renda
>>> O Medo e a Ternura
>>> Liberdade Virtual
>>> A Colina dos Suspiros
>>> Pretinha, eu?
>>> Amor Não Tem Cor
>>> A Morte Tem Sete Herdeiros
>>> Contos Urbanos e Lendas Rurais
>>> Redes de Abuso
>>> Jogo Duplo
>>> Bat Pat - O Monstro do Esgoto
>>> ABCdário da Revolução Pernambucana de 1817
>>> Almanaque do Cruzeiro
>>> Voragem
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
COLUNAS

Terça-feira, 3/1/2012
A música clássica ensurdece a democracia caótica
Wellington Machado

+ de 2900 Acessos

Crença de criança dificilmente é removida com argumentos adultos. Quando a mais inocente das mentes infantis em formação - a "tábula rasa" de John Locke - é preenchida por uma ideia ou teoria contrária aos ensinamentos dos adultos, dificilmente se consegue reverter a situação. Dia desses fui surpreendido por meu sobrinho com a seguinte frase: "Tio, sabia que música clássica pode provocar surdez?" A informação me remeteu automaticamente a Beethoven, e tentei dar o troco: "Não, você deve estar fazendo confusão; o compositor Beethoven é que ficou surdo". Mal acabara de falar e ele me tascou o seu livro de escola na cara, com uma pequena nota de canto de página (uma espécie de "janela de curiosidades"), avalizando sua afirmativa. Era um livro de ciências e, possivelmente, a matéria versava sobre os agudos provocados pelo violino ou outros instrumentos da orquestra. Admirador de música clássica que sou (e meu sobrinho sabe disso), não tive como contra-argumentar. Foi sua vingança, já que ele não curte muito o estilo.

Não vou citar aqui o nome do livro adotado na escola de meu sobrinho - na verdade trata-se de uma apostila, um dos volumes de uma espécie de "pacote educacional" padronizado, contendo todas as matérias; muito comum nas escolas atualmente. O material é de ótima qualidade e eu seria leviano se o condenasse por uma notinha de curiosidades. Prefiro encarar a informação como um deslize, que poderia ser evitado, já que inúmeros exemplos poderiam ser citados ali. Mas, por mínima que seja, a nota correu o país nas escolas que adotaram o livro.

O Brasil não é um país paradoxal; mas é um país exótico. O improvável parece conspirar a nosso favor, transformando em sucesso as mais remotas ou estapafúrdias possibilidades. Em recente perfil da nossa presidente na revista New Yorker, o país foi considerado uma "democracia caótica", com problemas estruturais graves, apesar do crescimento econômico dos últimos anos. Crescemos economicamente, mas somos um arraso social. Somos um carro novo rodando a todo vapor com combustível de quinta categoria. Mesmo com toda a crise na Europa, que reflete na economia mundial, o Brasil ainda cresce, ainda que timidamente.

Há muito que a economia predomina, em nível mundial, sobre a política e a cultura. Não há mais uma completa soberania do estado; todos os líderes têm de basear suas decisões nos humores dos mercados, sofrendo pressões de grandes conglomerados financeiros que atuam além das fronteiras. Haja vista as mudanças no comando dos países europeus, alçando ao poder tecnocratas "mais competentes" em lidar com as finanças.

Ouvir que o Brasil é um país emergente nos encanta. Estamos perto de concretizar a velha profecia de que éramos (quase somos, agora) o país do futuro. Darcy Ribeiro, em sua obra um tanto ufanista, O povo brasileiro, já adiantava, no início dos anos 90, que a vez do Brasil chegaria, muito em função da sua mistura de raças. Para o antropólogo, o povo brasileiro é um povo ímpar, sem igual em todo mundo; um povo criativo por obra do mestiçamento.

Esse predomínio do econômico, em particular no Brasil, impulsiona o país independentemente do seu desenvolvimento cultural. Temos na ciência, na literatura, nas universidades e hospitais, personalidades mundialmente famosas. Mas são exemplos muito pontuais. A maioria dessas "cabeças" é proveniente de famílias com uma certa estrutura material, ou seja, tiveram suporte para chegarem aonde chegaram. Temos boas universidades, mas a melhor delas (a USP) não está nem entre as cem mundiais.

A tal "democracia caótica" leva a nossa organização social (habitação, ruas, transporte particular e coletivo etc.) e o nosso sistema educacional a seguirem o mesmo caminho do caos. Amargamos o 84º lugar no IDH mundial. Os dois governos pós-ditadura, ocupados por um intelectual e um ex-operário, fracassaram na redução substancial da desigualdade social - os avanços foram modestos pelo que se esperava. Não conseguimos superar o velho "Princípio de Pareto", a tal "relação 80-20", onde uma pequena parcela da sociedade detém um naco enorme do bolo coletivo.

Enquanto o Brasil cresce economicamente - e carece cada vez mais de capital intelectual -, ocupamos a vergonhosa 88ª posição no ranking mundial de educação da ONU. Certamente teremos de importar mão de obra qualificada nos próximos anos. Os jovens alunos asiáticos, de países também emergentes, estudam em horário integral. Nós não temos essa tradição e disciplina.

Economia e números à parte, concentremo-nos em um outro tipo de caos: a cultura. Causou-me espanto o abrangente e criterioso artigo do Affonso Romano de Sant'anna, na edição virtual do jornal Rascunho. O poeta traçou um excelente panorama da crise editorial brasileira. Ele chega à conclusão de que não temos livros demais, mas leitores de menos. As editoras não têm mais onde colocar as sobras de suas edições, que ficam encalhadas e armazenadas em galpões alugados. O número de leitores brasileiros é vergonhoso - e os que se interessam pelas letras leem poucos livros por ano. Que a chegada dos kindles e tablets da vida nos salvem!

A crise editorial brasileira a que o Affonso se refere me fez pensar sobre a real importância dos livros, em especial os romances. Lembrei então das palavras de Mário Vargas Llosa, em ensaio publicado na Revista Piauí, em defesa do romance diante da supremacia tecnicista: "Vivemos numa época de especialização do conhecimento, causada pelo prodigioso desenvolvimento da ciência e da técnica, e da sua fragmentação em inumeráveis afluentes e compartimentos estanques. A especialização permite aprofundar a exploração e a experimentação, e é o motor do progresso; mas determina também, como consequência negativa, a eliminação daqueles denominadores comuns da cultura graças aos quais os homens e as mulheres podem coexistir, comunicar-se e se sentir de algum modo solidários."

Paralelamente à questão literária, volto à "vingança" do meu sobrinho, acerca da música clássica - que parece não ter muito prestígio entre o povo criativo de Darcy Ribeiro. Os quinhentos e poucos anos de idade do Brasil (um país muito novo, portanto) podem justificar a nossa pouca tradição no gênero e no hábito de ler. Talvez seja tarde para atingirmos os "denominadores comuns da cultura" que nos solidariza, já que somos parte desse "motor do progresso" citado por Vargas Llosa.

Não sei por quê, mas sempre que penso em música erudita no (e para o) Brasil, lembro do programa nacional de incentivo à música clássica da Venezuela (logo o país do pseudo-democrata Hugo Chaves!), voltado para o desenvolvimento musical de crianças carentes. O programa é copiado por vários países e revelou ao mundo um dos seus maiores maestros: Gustavo Dudamel, de 30 anos (hoje, diretor da Filarmônica de Los Angeles). E é duro também lembrar que a Venezuela é também um país "novo", como o Brasil.

Existem, é fato, várias ações esparsas em vários pontos do Brasil. Em Ouro Branco (MG), a Casa de Música faz um belo trabalho de formação de músicos. A escola conta atualmente com mais de 200 alunos que, além de se apresentarem regularmente na cidade, participam de festivais de música erudita em várias cidades. Outra boa iniciativa é a escola Mata Virgem, em Xerém (RJ), fundada e mantida por Zeca Pagodinho. Vez ou outra tomamos conhecimento de projetos desse tipo, o que é um alento. Mas falta um projeto nacional, bancado pelo Governo Federal. Contribui muito para o nosso "caos democrático" um orçamento que destina ao Ministério da Cultura uma fatia que não chega a 1% do arrecadado pela União.

Literatura, música de qualidade, museus, cinema, teatro etc. são ingredientes para o apuramento de algo essencial para o bem estar coletivo: a civilidade. Não adianta termos dinheiro sobrando no bolso, carros reluzentes nas ruas, e estacionarmos na vaga de portadores de necessidades especiais, quando não os somos - se é que me faço entender. Necessitamos de um sonhador como Fitzcarraldo (Werner Herzog, 1982), que cultive uma obsessão em nome da arte. Será que correremos o risco de, com poder aquisitivo, consumirmos tecnologia de ponta mundial e não termos conteúdo pra colocar ali dentro?


Wellington Machado
Belo Horizonte, 3/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MELHORES CONTOS BRASILEIROS DE FICÇÃO CIENTÍFICA
ROBERTO DE SOUSA CAUSO
DEVIR
(2010)
R$ 22,90



O QUE HÁ NA BOLSA DA MULHER INTELIGENTE?
CRISTIANE LAZOTTI
MATRIX
(2009)
R$ 6,90



HISTOIRE DE RUSSIE - ÉTUDE COMPARÉE ENTRE LORIENT ET LOCCIDENT
MARC SEMENOFF
LA RENAISSANCE DU LIVRE
(1924)
R$ 60,00



VARIÉTÉ
PAUL VALERY
GALLIMARD
(1924)
R$ 63,63



OS MISTÉRIOS DO AQUÉM
CARLOS EDUARDO NOVAES
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,83



REVISTA DO ATENEU ANGRENSE DE LETRAS E ARTES ANO XVI Nº 34
ATENEU ANGRENSE DE LETRAS / ARTES
ATENEU ANGRENSE
(2015)
R$ 7,00



CÓDIGO PENAL PARA CONCURSOS
ROGÉRIO SANCHES CUNHA
PODIVM
(2011)
R$ 50,00



NÍSIA FLORESTA: O CARAPUCEIRO E OUTROS ENSAIOS DE TRADUÇÃO CULTURAL - MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE (JORNALISMO/COMUNICAÇÃO)
MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



REFORMA ÍNTIMA
REFORMA ÍNTIMA, SOCIEDADE DE DIVULGAÇÃO ESPÍRITA AUTA DE SOUZA
AUTA DE SOUZA
(2006)
R$ 17,00



CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E LEGISLAÇÃO PROCESSUAL EM VIGOR
THEOTONIO NEGRÃO
SARAIVA
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês