Tom e Tim | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/3/2012
Tom e Tim
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos

Nunca fui oficialmente jornalista cultural, mas tive meus momentos. No finalzinho dos anos 1990, quando eu era repórter do Globo-Ipanema, surgiu uma oportunidade daquelas: Tom Jobim faria um show único, em um espaço privilegiado que não costumava abrigar espetáculos. Era o Jockey Club, à beira da Lagoa Rodrigo de Freitas. O maestro já estava consagrado, não andava se apresentando no Brasil nem dando entrevistas, e morreria poucos anos depois, em 1994. Como foca que eu era, teria poucas chances de entrevistá-lo, mas acabei pegando carona em um acordo entre o jornal e sua assessoria de imprensa: antes da coletiva sobre o show, nas dependências do Jockey, Tom receberia o repórter do segundo caderno em sua casa. Eu iria junto, com a condição de não atrapalhar.

Com o carro do jornal, demoramos para encontrar a casa, uma construção nova e deslumbrante incrustada na mata atlântica no fim do bairro do Jardim Botânico. Sentamos nos sofás da sala, onde o maestro nos recebeu, e me posicionei discretamente, para não atrapalhar o fotógrafo e o repórter titular - a quem cabia as perguntas. Os jornais do dia seguinte estariam repletos de matérias sobre Tom, e a minha missão de conseguir um ângulo exclusivo era facilitada apenas pelo peculiar interesse dos jornais de bairro em histórias "de moradores", mesmo que fossem celebridades.

O papo sobre música, Brasil, Nova York, parecia render, mas eu pouco prestava a atenção. Nervosa e excluída, restava-me observar o ambiente. O tempo estava cronometrado, já que a coletiva aconteceria em sequência, e quando a entrevista dava mostras de se encerrar eu tentei, timidamente, fazer perguntas para o "morador" Tom. Ele gostou. Pareceu mais interessado do que na conversa anterior. Estava orgulhoso da casa nova, levantou-se e mostrou a encosta que ficava atrás, falando das espécies que habitavam ali, pássaros, macacos. Eu perguntei da infância em Ipanema, e aí ele abriu um sorriso cheio de nostalgia. Ipanema tinha dunas, ele nadava na Lagoa Rodrigo de Freitas (bastante poluída na época da entrevista), chegou a catar pedras semi-preciosas quando era criança em suas margens. Pedras semi-preciosas? Devo ter feito cara de espanto. Ainda hoje, teria duvidado.

Os meus minutos esgotavam-se, e a comitiva precisava rumar ao Jockey Club. Nosso carro iria atrás do dele. É provável que os jornalistas que esperavam no local tenham desconfiado da entrevista exclusiva quando a equipe do jornal chegou junto com Tom. Houve um certo clima, alguns repórteres tentaram se aproximar, mas os assessores pediram que todos se sentassem nas cadeiras previamente enfileiradas no salão. Estávamos acima das arquibancadas do Jockey, de frente para a Lagoa.

Quando se deparou com a paisagem, no entanto, o maestro ignorou a tentativa de ordem e pareceu procurar alguém entre os repórteres. Era eu. Pescou-me com um abraço para mostrar o local onde ele tinha achado, em certa ocasião, as tais pedrinhas semi-preciosas. Eu não sabia se anotava, se voltava a entrevistá-lo ou se pedia sua ajuda para enfrentar os "colegas" que me fuzilavam com os olhos. Era muita audácia para uma repórter novata, aquela situação.

Mas Tom era menos estrela do que contador de histórias boa-praça, como eu teria oportunidade de confirmar depois - não em novas "exclusivas", já que meus caminhos jornalísticos seriam outros, mas em documentários e entrevistas na TV. Acessíveis ou não, são assim também Ferreira Gullar, Ariano Suassuna, Chico Buarque. Que delícia assisti-los nos documentários que passaram a ser produzidos no Brasil nos últimos anos.

Por isso, quando fui ver A música segundo Tom Jobim saí um tanto decepcionada. A crítica especializada me explicou depois que o filme é ótimo, e que Nelson Pereira dos Santos empreendeu uma inovação no formato tradicional de documentário ao desenvolver o conceito de que a linguagem musical fala por ela própria no caso de Tom Jobim. Quem sou eu para discordar de tamanha revolução, e revelar meu conservadorismo de ter sentido falta até das legendas para identificar quem era quem (como a ficha técnica das músicas só aparece no final, passamos boa parte do filme tentando lembrar o nome dos intérpretes menos conhecidos).

Então o filme é ótimo porque as músicas são mesmo ótimas e seguem uma sequência ótima, também. Mas, talvez influenciada pela doce recordação de repórter foca, para mim faltaram as histórias. Sim, elas. As histórias, sempre elas. A paixão de Tom pela natureza (muito antes de isso ser moda), a relação com os parceiros, como surgiram algumas composições. Tudo aquilo que eu gostaria de ter podido perguntar numa tarde preguiçosa na casa de Tom, se tivesse tido realmente o privilégio de sua convivência.

O curioso é que, enquanto as suaves histórias de vida por trás da obra de Tom Jobim foram suprimidas em seu documentário, em outro sucesso de público as apimentadas histórias de um ídolo estão todas lá. Como expliquei no começo, não tive muitos momentos como repórter de cultura, mas na mesma época em que fui abraçada por Tom (perdoem o pequeno exagero) quase fui escorraçada por Tim Maia - o biografado de Nelson Mota em Vale tudo, transformado em musical recordista de bilheteria no Rio, com estreia paulista em março.

A matéria, dessa vez, era para o Globo-Tijuca, bairro onde Tim cresceu e formou seu primeiro conjunto musical, ao lado de Roberto Carlos. Mas a entrevista fora marcada em um flat na Barra, num local bem diferente da charmosa casa de Tom. Embora de frente para a praia, na Avenida Sernambetiba, o prédio era um caixote repleto de pequenos apartamentos - incluindo aquele onde o cantor costumava passar fins de semana e onde fui recebida por uma loura. Com o gravador emprestado em punho (não era hábito usá-los, mas eu havia sido alertada sobre a mania do artista de processar jornalistas), consegui extrair algumas das histórias antigas, numa entrevista relativamente tensa. Até que Tim resolveu cismar com o meu gravador. Disse que ia ficar com a fita. Não havia um diálogo possível, e lembro de ter praticamente fugido do local com o gravador, numa despedida antecipada pela mudança de humor do artista.

Tratando-se do intempestivo Tim Maia, não chega a ser uma grande história. De qualquer forma, ela acompanha a minha trilha sonora pessoal. Entre um "Azul da cor do mar" e um "Passarim", posso contar que conheci a doçura de um e o temperamento do outro. Viva Tim e viva Tom Jobim!



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 2/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
02. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
03. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
04. Bibliotecários de Ricardo de Mattos
05. Escritor: jovem, bonito, simpático... de Marta Barcellos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERAPIA DE SER MULHER
KAREN KATAFIASZ
PAULUS
(2002)
R$ 5,00



"... E ENTÃO VIRÁ O FIM"
RODOLPHO BELZ
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(1967)
R$ 12,00



AMIGOS DO PLANETA
VILMAR SIDNEI DEMAMAM BERNA
PAULUS
(2008)
R$ 21,00



O MUNDO DEPOIS DA QUEDA
EMIR SADER
PAZ E TERRA
(2002)
R$ 34,00



OCIDENTE DIVIDIDO, O
HABERMAS
UNESP
(2016)
R$ 42,44



ANHANGUERA EDUCACIONAL - FÍSICA I
HALLIDAY; RESNICK E WALKER
LTC
(2006)
R$ 25,00



MORTE NA MESOPOTAMIA
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 10,00



SANDOKAN O REI DO MAR
EMILIO SANDOKAN
TEMPO E CULTURA
(1989)
R$ 9,00



GLOBAL LINKS 1 - ENGLISH FOR INTERNACIONAL BUSINESS - TEACHERS MANUAL
KENNETH SCHMIDT
LONGMAN
(2006)
R$ 25,00



STEALING SHADOWS
KAY HOOPER
BANTAM BOOKS
(2007)
R$ 21,28





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês