Tom e Tim | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/3/2012
Tom e Tim
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

Nunca fui oficialmente jornalista cultural, mas tive meus momentos. No finalzinho dos anos 1990, quando eu era repórter do Globo-Ipanema, surgiu uma oportunidade daquelas: Tom Jobim faria um show único, em um espaço privilegiado que não costumava abrigar espetáculos. Era o Jockey Club, à beira da Lagoa Rodrigo de Freitas. O maestro já estava consagrado, não andava se apresentando no Brasil nem dando entrevistas, e morreria poucos anos depois, em 1994. Como foca que eu era, teria poucas chances de entrevistá-lo, mas acabei pegando carona em um acordo entre o jornal e sua assessoria de imprensa: antes da coletiva sobre o show, nas dependências do Jockey, Tom receberia o repórter do segundo caderno em sua casa. Eu iria junto, com a condição de não atrapalhar.

Com o carro do jornal, demoramos para encontrar a casa, uma construção nova e deslumbrante incrustada na mata atlântica no fim do bairro do Jardim Botânico. Sentamos nos sofás da sala, onde o maestro nos recebeu, e me posicionei discretamente, para não atrapalhar o fotógrafo e o repórter titular - a quem cabia as perguntas. Os jornais do dia seguinte estariam repletos de matérias sobre Tom, e a minha missão de conseguir um ângulo exclusivo era facilitada apenas pelo peculiar interesse dos jornais de bairro em histórias "de moradores", mesmo que fossem celebridades.

O papo sobre música, Brasil, Nova York, parecia render, mas eu pouco prestava a atenção. Nervosa e excluída, restava-me observar o ambiente. O tempo estava cronometrado, já que a coletiva aconteceria em sequência, e quando a entrevista dava mostras de se encerrar eu tentei, timidamente, fazer perguntas para o "morador" Tom. Ele gostou. Pareceu mais interessado do que na conversa anterior. Estava orgulhoso da casa nova, levantou-se e mostrou a encosta que ficava atrás, falando das espécies que habitavam ali, pássaros, macacos. Eu perguntei da infância em Ipanema, e aí ele abriu um sorriso cheio de nostalgia. Ipanema tinha dunas, ele nadava na Lagoa Rodrigo de Freitas (bastante poluída na época da entrevista), chegou a catar pedras semi-preciosas quando era criança em suas margens. Pedras semi-preciosas? Devo ter feito cara de espanto. Ainda hoje, teria duvidado.

Os meus minutos esgotavam-se, e a comitiva precisava rumar ao Jockey Club. Nosso carro iria atrás do dele. É provável que os jornalistas que esperavam no local tenham desconfiado da entrevista exclusiva quando a equipe do jornal chegou junto com Tom. Houve um certo clima, alguns repórteres tentaram se aproximar, mas os assessores pediram que todos se sentassem nas cadeiras previamente enfileiradas no salão. Estávamos acima das arquibancadas do Jockey, de frente para a Lagoa.

Quando se deparou com a paisagem, no entanto, o maestro ignorou a tentativa de ordem e pareceu procurar alguém entre os repórteres. Era eu. Pescou-me com um abraço para mostrar o local onde ele tinha achado, em certa ocasião, as tais pedrinhas semi-preciosas. Eu não sabia se anotava, se voltava a entrevistá-lo ou se pedia sua ajuda para enfrentar os "colegas" que me fuzilavam com os olhos. Era muita audácia para uma repórter novata, aquela situação.

Mas Tom era menos estrela do que contador de histórias boa-praça, como eu teria oportunidade de confirmar depois - não em novas "exclusivas", já que meus caminhos jornalísticos seriam outros, mas em documentários e entrevistas na TV. Acessíveis ou não, são assim também Ferreira Gullar, Ariano Suassuna, Chico Buarque. Que delícia assisti-los nos documentários que passaram a ser produzidos no Brasil nos últimos anos.

Por isso, quando fui ver A música segundo Tom Jobim saí um tanto decepcionada. A crítica especializada me explicou depois que o filme é ótimo, e que Nelson Pereira dos Santos empreendeu uma inovação no formato tradicional de documentário ao desenvolver o conceito de que a linguagem musical fala por ela própria no caso de Tom Jobim. Quem sou eu para discordar de tamanha revolução, e revelar meu conservadorismo de ter sentido falta até das legendas para identificar quem era quem (como a ficha técnica das músicas só aparece no final, passamos boa parte do filme tentando lembrar o nome dos intérpretes menos conhecidos).

Então o filme é ótimo porque as músicas são mesmo ótimas e seguem uma sequência ótima, também. Mas, talvez influenciada pela doce recordação de repórter foca, para mim faltaram as histórias. Sim, elas. As histórias, sempre elas. A paixão de Tom pela natureza (muito antes de isso ser moda), a relação com os parceiros, como surgiram algumas composições. Tudo aquilo que eu gostaria de ter podido perguntar numa tarde preguiçosa na casa de Tom, se tivesse tido realmente o privilégio de sua convivência.

O curioso é que, enquanto as suaves histórias de vida por trás da obra de Tom Jobim foram suprimidas em seu documentário, em outro sucesso de público as apimentadas histórias de um ídolo estão todas lá. Como expliquei no começo, não tive muitos momentos como repórter de cultura, mas na mesma época em que fui abraçada por Tom (perdoem o pequeno exagero) quase fui escorraçada por Tim Maia - o biografado de Nelson Mota em Vale tudo, transformado em musical recordista de bilheteria no Rio, com estreia paulista em março.

A matéria, dessa vez, era para o Globo-Tijuca, bairro onde Tim cresceu e formou seu primeiro conjunto musical, ao lado de Roberto Carlos. Mas a entrevista fora marcada em um flat na Barra, num local bem diferente da charmosa casa de Tom. Embora de frente para a praia, na Avenida Sernambetiba, o prédio era um caixote repleto de pequenos apartamentos - incluindo aquele onde o cantor costumava passar fins de semana e onde fui recebida por uma loura. Com o gravador emprestado em punho (não era hábito usá-los, mas eu havia sido alertada sobre a mania do artista de processar jornalistas), consegui extrair algumas das histórias antigas, numa entrevista relativamente tensa. Até que Tim resolveu cismar com o meu gravador. Disse que ia ficar com a fita. Não havia um diálogo possível, e lembro de ter praticamente fugido do local com o gravador, numa despedida antecipada pela mudança de humor do artista.

Tratando-se do intempestivo Tim Maia, não chega a ser uma grande história. De qualquer forma, ela acompanha a minha trilha sonora pessoal. Entre um "Azul da cor do mar" e um "Passarim", posso contar que conheci a doçura de um e o temperamento do outro. Viva Tim e viva Tom Jobim!



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 2/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A lei da palmada: entre tapas e beijos de Débora Carvalho
02. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal de Ricardo de Mattos
03. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
04. Eu, tu, íter... de Guga Schultze
05. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum de Marcelo Spalding


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês