A vida sem assento | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/11/2012
A vida sem assento
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos


ilustra: Renato Lima

Preciso me sentar. Não por muito tempo, preciso me sentar por algumas poucas horas, não peço muito, apenas esperar e matar o tempo trabalhando. Mas preciso de um lugar para apoiar o corpo. Nem mesa peço, apenas cadeira em lugar relativamente seguro para encostar as costas. A esta altura, nem peço para encostar as costas mais, apenas para apoiar o quadril, as folhas e as canetas apoio no regaço, ou nem isso, suspendo as folhas ante meus olhos, porque as letras são pequeninas. De todo modo, não há onde se sentar e, em última hipótese, ficarei em pé, meio que encostada, num poste, num orelhão, num corrimão de escadaria, porque até para se encostar está difícil em São Paulo.

Preciso de um café, um café com uma pequena mesa, nada mais nada menos do que uma mesa minúscula onde eu possa pedir um pão de queijo, uma água, consumir o mínimo possível e encontrar apoio para papel e mente. Há alguns cafés no centro, mas estão todos lotados, essa vida é palpitante demais e parece que aos solavancos me coloca cada vez mais para fora de sua zona de influência. É desanimante a falta de espaço que uma cidade tão grande incute aos seus habitantes. Não há onde ficar, nunca há mesas nem cadeiras vagas, temos medo das praças, estou prestes a aceitar o desmoronamento das coisas, quando insisto, retorno, luto por um lugarzinho à sombra, debaixo do ar-condicionado, o tampo da mesa lascado, as pernas bambas. Sim! É preciso, é possível encontrar um lugar, uma moeda rara disposta no chão; e então a vida me coloca para dentro dela, gira nos eixos, como se para tanto fosse necessário pagar o quinhão da perseverança.

Não peço silêncio, encaro o ruído indistinto da soma das conversas. No meio de tanta gente estou só; seria um consolo aguardar alguém? Não, estou por mim mesma, a vida remexida e sugada pelo canudo. Agora já me dou ao luxo de consumir café gelado com chantilly, bolo de banana, croissant de frango, e a conta, ainda não penso nisso, ela fica para o final. O que importa é este momento de satisfação ilusória: eu tenho um lugar no mundo nesta cidade lotada e ninguém vai me tirar daqui antes das 22h. E isso nunca é o suficiente, há vazios a serem preenchidos, angústias que prosseguem a despeito da boca cheia. Viro a folha.

Gratuitamente, quero chegar num lugar, encontrar uma mesa e uma cadeira disponíveis num bom ambiente. Vou ao Centro Cultural. A esperança é a de que lá seja possível ver o luar, nem que seja dividir uma mesa, há todo tipo de estudantes, os de cursinhos, que tentam o vestibular, com suas apostilas grossas em espiral, folhas de fichário e canetas coloridas. Alguns, mais velhos, tentam concursos públicos e fazem suas amizades de mesa em mesa; um se apoia no outro. Naquela frente à minha, há um moço sério, de queixo duro, cabelo raspado e óculos. É um soldado dos estudos em sua trincheira de livros. Três tijolões e um eReader. Direito administrativo. Uma guerra de estudos silenciosa se desenrola, enquanto bem à minha frente o menino nem passou de dez páginas de uma introdução à engenharia, suas pernas compridas já trombaram em meus joelhos e cambaleia a fronte. Até que desiste e recosta a cabeça e os cotovelos no livro.

Acaso aqui, nesta vitrine de estudos fictícios, sossego tenho eu? Nestes espaços coletivos, amontoam-se revelações íntimas. Preciso agora me fixar num ponto − que se esvaneça em farelo de borracha, pó de queijo e grãos torrados esta paisagem que me fere e circunda −, e não pensar no que foi ou no que será. Mas me pergunto, o porquê, por que saímos em busca de um lugar e não permanecemos em casa? Se não há onde ficar, a cidade vai te empurrando pra fora, pra fora numa dança de cadeiras mais real do que nunca. Finalmente, já muito tarde na cidade sonolenta, consigo um assento no ônibus, sereno e volante.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 29/11/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anauê de Bruno Garschagen


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2012
01. Lobo branco em selva de pedra: Eduardo Semerjian - 1/3/2012
02. O lilás da avenida sou eu - 13/9/2012
03. Perdidos em Perdizes - 28/6/2012
04. Ode ao outono - 12/4/2012
05. O crime da torta de morango - 18/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Roland Barthes por Roland Barthes
Roland Barthes
estação liberdade
(2003)



Bumba-meu-boi
Fernando Vilela e Stela Barbieri
Wmf Martins Fontes
(2014)



Os Músicos de Bremen
Wilhelm Karl Grimm
Martins Fontes - Selo Martins
(2000)



A força da vida
James Van Praagh
sextante
(2001)



Em busca da Fraternidade
Mario leal Bacelar
Mandarino



Sucupira - Ame-a Ou Deixe-a
Dias Gomes
Civilização Brasileira
(1983)



A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo V. 1:elocuçoes Formais
Ataliba Teixeira de Castilho, Dino Preti-org
Taq
(1986)



Viagem Mística Como Alcançar a Elevação Espiritual
Sylvia Browne
prumo
(2009)



Triple - Pocketbook
Ken Follett
Signet Book
(1980)



Deus é justo
Grigore Valeriu
idéia e ação
(2009)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês