Livros do amanhã | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
>>> Boca Migotto lança livro sobre cinema gaúcho durante o 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
>>> Perry Rhodan - 50 anos de aventuras espaciais
>>> Manual de redação Rabisco
>>> A Promessa de Nicholson e o bem-acabado Desmundo
>>> Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história
>>> Projeto Piano Forte, com Brad Mehldau
Mais Recentes
>>> A Religião Civil do Estado Moderno de Nelson Lehmann da Silva pela Thesaurus (1985)
>>> O Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre; Vergílio Ferreira pela Editorial Presença (1978)
>>> Feijão, Angu e Couve: Ensaio Sobre a Comida dos Mineiros de Eduardo Frieiro pela Itatiaia (1982)
>>> História da Arte de German Bazin pela Martins Fontes (1980)
>>> Dengue no Brasil: Doença Urbana de Dr. Timerman & Outros pela Limay (2012)
>>> Movimentos da Arte Moderna: Realismo de James Malpas pela Cosac & Naify (2001)
>>> Chico Bento Nº 274 de Mauricio de Souza pela Globo (1997)
>>> Reporteros Brasil - Libro del Alumno 4 de Leandro Sangy (Autor) pela Difusión (2020)
>>> Reporteros Brasil - Libro del Alumno 4 de Leandro Sangy (Autor) pela Difusión (2020)
>>> Pamela e Satã ou Virtude ainda recompensada de Upton Sinclair pela Melhoramentos
>>> Filosofia e Sociologia - Volume Único de Marilena Chauí (Autor), Pérsio Oliveira (Autor) pela Atica (2019)
>>> Chico Bento Nº 261 de Mauricio de Souza pela Globo (1997)
>>> Van Gogh: Obra Completa de Pintura - Volume I de Ingo F. Walther; Rainer Metzger pela Taschen (2006)
>>> Limite Zero de Joe Vitale pela Rocco (2009)
>>> Chico Bento Nº 121 de Mauricio de Souza pela Globo (1991)
>>> Chico Bento Nº 107 de Mauricio de Souza pela Globo (1986)
>>> An Unusual Algebra de I. M. Yaglom pela Mir Publishers (1978)
>>> Entre o sonho e a realidade de Howard Spring pela Melhoramentos
>>> Chico Bento Nº 174 de Mauricio de Souza pela Globo (1993)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Hunter Books (2011)
>>> ArtBook: Velázquez - Luzes e Sombras do Século de Ouro de Vários Autores pela Nova Galicia Arte (2001)
>>> Terra Prometida de Joan Lowell pela Melhoramentos
>>> Chico Bento Nº 162 de Mauricio de Souza pela Globo (1993)
>>> ArtBook: Van Gogh - Pintarei com o Vermelho e com o Verde as Terríveis Paixões Humanas de Vários Autores pela Nova Galicia Arte (2000)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Quinta-feira, 21/6/2007
Livros do amanhã
Gian Danton

+ de 5600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quando eu tinha uns 12 anos ainda se usava encerar a casa e depois espalhar um monte de jornais pelo chão. Eu nunca entendi direito porque era necessário fazer isso, mas o fato é que se fazia... e eu era encarregado de encerar, lustrar e espalhar os jornais. Numa dessas ocasiões vi algo que me interessou num dos jornais espalhados pelo chão e já meio sujos de cera vermelha. Era uma artigo sobre histórias em quadrinhos, mais especificamente sobre O Fantasma. Fiquei lá acocorado, lendo e relendo a matéria. Não tinha a noção de que os gibis, tão desprezados, pudessem ser assunto de um artigo em jornal, quanto mais de um livro. Para mim foi algo revelador. Tempos depois eu assumi aquela mesma coluna no jornal.

A descoberta de que se podia escrever de forma séria sobre HQ foi fundamental para que eu procurasse livros sobre o assunto. A relação abaixo é um relato de uma busca que se iniciou naquele dia, acocorado sobre o chão encerado de vermelho e apresenta não todos os livros sobre o assunto, ou os mais importantes, mas os que mais me marcaram.

A primeira obra que li sobre o assunto foi O que é história em quadrinhos, de Sônia Luyten, da coleção Primeiros Passos (Brasiliense), emprestado da Biblioteca Pública. Para um livro sobre quadrinhos, era muito mal ilustrado, mas mesmo assim foi através dele que conheci alguns clássicos das HQs, como Little Nemo, Tarzan e Pogo. Além disso, o texto fluido da Sônia ajudava muito. É o primeiro livro que indico para quem quer está começando a pesquisar sobre o tema.

Já na faculdade, descobri, também na Biblioteca, Shazan!, uma coletânea organizada por Álvaro de Moya. Esse livro reúne artigos na maior parte do grupo que organizou a Primeira Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos (em 1951), além de Jô Soares e Naumim Aizen, filho de Adolfo Aizen, dono da editora Ebal, a maior da época.

É um volume pesado, de mais 300 páginas, mas com linguagem gostosa e repleto de ilustrações. Os temas abordados vão da pedagogia à política. Destaque para o artigo "Era uma vez um menino amarelo", de Álvaro de Moya, que serve de introdução ao volume, e "Os dilemas do Fantasma e do Capitão América", de Jô Soares, em que ele analisa a situação do Fantasma numa época em que a África lutava contra o colonialismo e do Capitão América numa época em que os EUA perdiam a guerra do Vietnã. Um texto curto e divertido, mas que faz profunda análise sociológica dos super-heróis.

Enfim, Shazan! É livro para ler diversas vezes, cada vez com um enfoque diferente.

Um dia, quando visita Belém, um amigo me emprestou As incríveis aventuras de Kavalier e Clay, de Michael Chabon. Chabon pesquisou a história da origem dos quadrinhos para fazer não um livro documental, mas um romance, e acabou construindo um amplo relato dos heróis que levantaram a indústria dos comics, muitas vezes sem ter qualquer retorno, mesmo financeiro, por isso.

Kavalier e Clay são dois jovens judeus fanáticos por ficção científica que se juntam para criar um personagem para aproveitar a onda de sucesso do Super-homem. Criam então o Escapista, um herói capaz de escapar de qualquer situação, da mesma forma que Kavalier havia escapado da Europa sob dominação nazista.

O que é fascinante em Chabon é como ele monta sua trama, mostrando como os acontecimentos particulares e sociais interferem na produção e, portanto, fazem com que o Escapista seja uma obra autoral, mesmo estando dentro de uma indústria. É natural, por exemplo, que os vilões das primeiras histórias sejam nazistas. Quando Kavalier conhece uma garota e se apaixona, o romance é introduzido na história. Quando os dois primos vão assistir ao filme Cidadão Kane, a HQ ganha ares de experimentação e proximidade da linguagem do cinema.

Kavalier e Clay são a personificação de figuras reais, que fizeram a história em quadrinhos: Jack Kirby, o criador do capitão América, Jerry Siegel e Joe Shuster, criadores do Superman, e Will Eisner, criador do Spirit. Chabon uniu suas histórias em uma só trama.

Além disso, o romance tem uma estrutura espiralada que obriga o leitor a ficar atento. A história começa lá no futuro e volta para o passado remoto, depois vai retornando ao futuro, para depois retroceder de novo.

Ao contrário do que muitos esperariam de um romance baseado em quadrinhos, As incríveis aventuras de Kavalier e Clay é um livro denso e profundo, que prima pela contextualização histórica e análise psicológica de seus personagens, mostrando toda a complexidade por trás dos comics de super-heróis. Sua qualidade é atestada pelo prêmio Pulitzer de 2001 na categoria de melhor romance.

Para entender melhor o livro de Chabon, vale ter na estante Homens do Amanhã, de Gerard Jones. Jones é roteirista de quadrinhos, tendo escrito, entre outros personagens, a Liga da Justiça, mas nos últimos anos tem se dedicado a pesquisar a origem dos quadrinhos de super-heróis.

Homens do Amanhã é focado em Jerry Siegel e Joe Shuster, os criadores do Super-homem, mas dá uma ampla panorâmica do surgimento desse tipo de diversão e de seus criadores. Jones mistura história, biografia de autores e análise de histórias. Ou seja, é um livro completo para quem quer entender esses heróis que usam a cueca sobre a roupa (inclusive isso é explicado no livro: os super eram baseados nos homens musculosos que se apresentavam em circos e que usavam short e malha).

O subtítulo da obra deixa claro o objeto de estudo: "geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis". Os primeiros autores de super-heróis eram rapazes despreparados para o mundo, fãs de ficção-científica, facilmente manipulados e explorados pelas empresas para as quais trabalhavam. Eram também judeus, já que os norte-americanos achavam indigno se envolver com esse tipo de lixo cultural. Aparentemente, boa parte do preconceito contra os gibis está relacionado ao preconceito racial: algo feito por judeus não deve ser boa coisa.

No entanto, Jones mostra que os autores colocavam suas angústias e sonhos nos quadrinhos, fazendo muitas vezes uma obra autoral.

O que Homens do Amanhã é para os quadrinhos norte-americanos, A guerra dos gibis, de Gonçalo Júnior, é para os quadrinhos nacionais.

Gonçalo acompanhou a trajetória de Adolfo Aizen, dono da editora Ebal, do início modesto como jornalista até a criação da maior editora da América Latina, culiminando na melancólica decadência da Ebal. Como a Ebal focava quase toda a sua produção na área de quadrinhos, A guerra dos gibis acaba traçando um vasto panorama da nona arte no nosso país.

O livro se destaca especialmente por mostrar que a perseguição aos quadrinhos adquiriu no Brasil traços políticos por conta das brigas entre Roberto Marinho com seus inimigos. Como Marinho fez sua fortuna publicando gibis, a maneira mais fácil de atacá-lo era batendo nos quadrinhos.

A narrativa de Gonçalo Júnior é gostosa e o livro se lê de uma topada. O autor revela uma afeição por Adolfo Aizen que acaba sendo compartilhada pelo leitor.

O senão é que o livro é centrado demais nos editores. Uma outra obra, nos mesmos moldes, focado nos quadrinistas completaria a lacuna e seria o outro grande livro sobre os quadrinhos nacionais. Mas esse ainda está por ser escrito.

Nota do Editor
Gian Danton é autor do blog Idéias de Jeca-tatu.


Gian Danton
Goiânia, 21/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
02. História dos Estados Unidos de Rafael Rodrigues


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2007
01. Os meninos da rua Paulo - 13/8/2007
02. Orwell na pior em Paris e Londres - 8/3/2007
03. Wikipedia e a informação livre - 2/5/2007
04. Logan's run - 21/5/2007
05. Lugar Nenhum - 31/12/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2007
16h01min
Quando eu tinha uns 12 anos ainda se usava encerar a casa e depois espalhar um monte de jornais pelo chão... hahahá, sou daquele tempo!!! Que delícia! Obrigada pelas tuas preciosas informações. Desenhos são "fascinantes" em quaisquer obras!!! Aprendi muito deste maravilhoso "dom" dos talentosos desenhistas, ilustradores, chargistas... Graças também a eles vejo o mundo com outros olhos! Grande abraço Gian e continue envolvido com esta ilustrada paixão!!!
[Leia outros Comentários de Maira Knop]
21/6/2007
16h51min
Adorei seu texto, Gian! Também gostaria de ver uma obra focada nos quadrinistas.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
21/6/2007
22h29min
Otimo texto, Gian! Importantissimo que existam caras como vc e o Paulo Ramos (Blog dos quadrinhos - UOL) para exaltar esta arte tão pouco valorizada no Brasil. E não digo isso apenas como chargista, mas tb como leitor de quadrinhos. Ah, eu tb peguei esse tempo de cera vermelha no chão... rs. Abraços
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
22/6/2007
10h31min
Oi, Gian, tudo bem? infelizmente, na minha formação, não contei muito com a leitura de quadrinhos, um prazer que apenas agora estou descobrindo. Nunca é tarde, enfim.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ciência do Bem-viver Volume 1 - 4ª Edição.
Masaharu Taniguchi
Seicho-no-ie
(1979)



Dicionário das Metáforas Filosóficas - 1ª Edição
Ralf Konersmann (org.)
Loyola
(2012)



Cartas Lacradas
Dora Openheim
Record
(2013)



Acordar Ou Morrer
Stella Carr
Moderna
(1994)



Astrologia e Você
Sheila Geddes
Saraiva
(1995)



Enciclopédia Olímpica Brasileira
Varios Autores
Mp
(2015)



O Batizado da Vaca
Chico Anísio
José Olympio
(1973)



Miragens Preversas - Diamantino Jesus e Zé Diogo
Coleção Berardo
Ddiarte
(2006)



Vivendo Em Família
Maria Luiza Dias
Moderna
(1992)



Luz Viva
Joanna de Ângelis
Leal
(1985)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês