Livros do amanhã | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Há vida inteligente fora da internet?
Mais Recentes
>>> Um bebê em casa - um guia prático com informações, dicas e curiosidades, da gravidez ao primeiro aninho. de Chis Flores pela Panda Books (2011)
>>> O Pensamento Político De Érico Veríssimo de Daniel Fresnot pela Graal (1977)
>>> Sobre a Literatura de Marcel Proust pela Pontes (1989)
>>> Poemas Sacros de Menotti Del Picchia pela Martins (1992)
>>> O Grotesco Na Criação De Machado De Assis de Maria Eurides Pitombeira de Freitas pela Presença (1981)
>>> Machado De Assis Para Principiantes de Org. Marcos Bagno pela Ática (1998)
>>> A Barca Dos Amantes de Antônio Barreto pela (1989)
>>> O Tao da Respiração Natural de Dennis Lewis pela Pensamento (1997)
>>> O Aprendiz Da Madrugada de Luiz Carlos Lisboa pela Gente (1994)
>>> Vencendo nos Vales da Vida de Ray Conceição pela Holy Bible (1995)
>>> Eça, Discípulo De Machado de Alberto Machado Da Rosa pela Editora Fundo De Cultura (1963)
>>> Perdão A Cura para Todos os Males de Gerald G. Jampolsky pela Cultrix (2006)
>>> Em Quincas Borba De Machado De Assis de Ivan C. Monteiro E Outro pela Livraria Acadêmica (1966)
>>> A Liberação Da Mente Através Do Tantra Yoga de Ananda Marga pela Ananda Marga Publicaçãoes (2002)
>>> O Oráculo Interior de Dick Sutphen pela Nova Era (1994)
>>> Manual Do Terapeuta Profissional De Segundo Grau de David G. Jarrell pela Pensamento (1995)
>>> O Discurso Da Libertação na Sinagoga De Nazaré de org. Leonardo Boff entre outros pela Vozes (1974)
>>> O Pensar Sacramental REB 35 de org. Leonardo Boff entre outros pela Vozes (1975)
>>> Meditações Diárias Para Casais de Dennis e Barbara Rainey pela United Press (1998)
>>> Machado De Assis de org. por Luís Martins pela Iris
>>> Massagem Para Energizar Os Chakras de Marianne Uhl pela Nova Era (2001)
>>> O Mundo Social Do Quincas Borba de Flávio Loureiro Chaves pela Movimento (1974)
>>> Pensamento Diário de Elsa kouber (entre outros) pela Rádio Transmundial (2019)
>>> O Que É Esta Religião? de Ibps do Brasil (org) pela Ibps do Brasil
>>> Meditando a Vida de Padma Samten pela Peirópolis (2001)
>>> O Poder Da Paciência de M. J. Rayan pela Sextante (2006)
>>> Liberdade? Nem Pensar! de Aquino e Bello pela Record (2001)
>>> Desafio Educacional Japonês de Merry Whitte pela Brasiliense (1988)
>>> As Flores Do Mal Nos Jardins De Itabira de Gilda Salem Szklo pela Agir (1995)
>>> A Era Do Inconcebível de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Lestras (2010)
>>> A Voz e a Série de Flora Süssekind pela Sette Letras (1998)
>>> Cure Seu Corpo de Louise L. Hay pela Best Seller (2004)
>>> História Viva De Um Ideal de Hélio Brandão pela Do autor (1996)
>>> Cure Seu Corpo de Louise L. Hay pela Dag Gráfica
>>> Índice Analítico Do Vocabulário De Os Lusíadas J-Z de Org. por A. G. Cunha pela Instituto Nacional Do Livro (1966)
>>> Sempre Zen Aprender Ensinar E Ser de Monja Coen pela Publifolha (2006)
>>> I Ching O Livro das Mutações de Não Informado pela Hemus (1984)
>>> Via Zen Reflexões Sobre O Instante e O Caminho de Monja Coen pela Publifolha (2004)
>>> Praticando o Poder Do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2005)
>>> La Théologie De La Foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> Quatre Vingt Neuf de Georges Lefebvre pela Sociales (1964)
>>> Haikai de Paulo Franchetti (e outros) pela Unicamp (1991)
>>> As Razões Da Inconfidência de Antônio Torres pela Itatiaia (1956)
>>> Estratégias e Máscaras de um Fingidor, Crônicas de Machado De Assis de Dilson F. Cruz Jr pela Nankin editorial (2002)
>>> Anjo Caído de Daniel Silva pela Arqueiro (2013)
>>> A Paz Interior de Joseph Murphy pela Nova Era (2000)
>>> A Pedra e o Rio ( uma interpretação da poesia de João Cabral de Melo Neto) de Lauro Escorel pela Livraria Duas Cidades LTDA. (1973)
>>> Como Utilizar O Seu Poder De Cura de Joseph Murphy pela Nova Era (1997)
>>> Os sete Crimes De Édipo de Pedro Américo Corrêa Netto pela Agir (1987)
>>> Transportes Pelo Olhar de Machado de Assis de Ana Luiza Andrade pela Grifos (1999)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Quinta-feira, 21/6/2007
Livros do amanhã
Gian Danton

+ de 5100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quando eu tinha uns 12 anos ainda se usava encerar a casa e depois espalhar um monte de jornais pelo chão. Eu nunca entendi direito porque era necessário fazer isso, mas o fato é que se fazia... e eu era encarregado de encerar, lustrar e espalhar os jornais. Numa dessas ocasiões vi algo que me interessou num dos jornais espalhados pelo chão e já meio sujos de cera vermelha. Era uma artigo sobre histórias em quadrinhos, mais especificamente sobre O Fantasma. Fiquei lá acocorado, lendo e relendo a matéria. Não tinha a noção de que os gibis, tão desprezados, pudessem ser assunto de um artigo em jornal, quanto mais de um livro. Para mim foi algo revelador. Tempos depois eu assumi aquela mesma coluna no jornal.

A descoberta de que se podia escrever de forma séria sobre HQ foi fundamental para que eu procurasse livros sobre o assunto. A relação abaixo é um relato de uma busca que se iniciou naquele dia, acocorado sobre o chão encerado de vermelho e apresenta não todos os livros sobre o assunto, ou os mais importantes, mas os que mais me marcaram.

A primeira obra que li sobre o assunto foi O que é história em quadrinhos, de Sônia Luyten, da coleção Primeiros Passos (Brasiliense), emprestado da Biblioteca Pública. Para um livro sobre quadrinhos, era muito mal ilustrado, mas mesmo assim foi através dele que conheci alguns clássicos das HQs, como Little Nemo, Tarzan e Pogo. Além disso, o texto fluido da Sônia ajudava muito. É o primeiro livro que indico para quem quer está começando a pesquisar sobre o tema.

Já na faculdade, descobri, também na Biblioteca, Shazan!, uma coletânea organizada por Álvaro de Moya. Esse livro reúne artigos na maior parte do grupo que organizou a Primeira Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos (em 1951), além de Jô Soares e Naumim Aizen, filho de Adolfo Aizen, dono da editora Ebal, a maior da época.

É um volume pesado, de mais 300 páginas, mas com linguagem gostosa e repleto de ilustrações. Os temas abordados vão da pedagogia à política. Destaque para o artigo "Era uma vez um menino amarelo", de Álvaro de Moya, que serve de introdução ao volume, e "Os dilemas do Fantasma e do Capitão América", de Jô Soares, em que ele analisa a situação do Fantasma numa época em que a África lutava contra o colonialismo e do Capitão América numa época em que os EUA perdiam a guerra do Vietnã. Um texto curto e divertido, mas que faz profunda análise sociológica dos super-heróis.

Enfim, Shazan! É livro para ler diversas vezes, cada vez com um enfoque diferente.

Um dia, quando visita Belém, um amigo me emprestou As incríveis aventuras de Kavalier e Clay, de Michael Chabon. Chabon pesquisou a história da origem dos quadrinhos para fazer não um livro documental, mas um romance, e acabou construindo um amplo relato dos heróis que levantaram a indústria dos comics, muitas vezes sem ter qualquer retorno, mesmo financeiro, por isso.

Kavalier e Clay são dois jovens judeus fanáticos por ficção científica que se juntam para criar um personagem para aproveitar a onda de sucesso do Super-homem. Criam então o Escapista, um herói capaz de escapar de qualquer situação, da mesma forma que Kavalier havia escapado da Europa sob dominação nazista.

O que é fascinante em Chabon é como ele monta sua trama, mostrando como os acontecimentos particulares e sociais interferem na produção e, portanto, fazem com que o Escapista seja uma obra autoral, mesmo estando dentro de uma indústria. É natural, por exemplo, que os vilões das primeiras histórias sejam nazistas. Quando Kavalier conhece uma garota e se apaixona, o romance é introduzido na história. Quando os dois primos vão assistir ao filme Cidadão Kane, a HQ ganha ares de experimentação e proximidade da linguagem do cinema.

Kavalier e Clay são a personificação de figuras reais, que fizeram a história em quadrinhos: Jack Kirby, o criador do capitão América, Jerry Siegel e Joe Shuster, criadores do Superman, e Will Eisner, criador do Spirit. Chabon uniu suas histórias em uma só trama.

Além disso, o romance tem uma estrutura espiralada que obriga o leitor a ficar atento. A história começa lá no futuro e volta para o passado remoto, depois vai retornando ao futuro, para depois retroceder de novo.

Ao contrário do que muitos esperariam de um romance baseado em quadrinhos, As incríveis aventuras de Kavalier e Clay é um livro denso e profundo, que prima pela contextualização histórica e análise psicológica de seus personagens, mostrando toda a complexidade por trás dos comics de super-heróis. Sua qualidade é atestada pelo prêmio Pulitzer de 2001 na categoria de melhor romance.

Para entender melhor o livro de Chabon, vale ter na estante Homens do Amanhã, de Gerard Jones. Jones é roteirista de quadrinhos, tendo escrito, entre outros personagens, a Liga da Justiça, mas nos últimos anos tem se dedicado a pesquisar a origem dos quadrinhos de super-heróis.

Homens do Amanhã é focado em Jerry Siegel e Joe Shuster, os criadores do Super-homem, mas dá uma ampla panorâmica do surgimento desse tipo de diversão e de seus criadores. Jones mistura história, biografia de autores e análise de histórias. Ou seja, é um livro completo para quem quer entender esses heróis que usam a cueca sobre a roupa (inclusive isso é explicado no livro: os super eram baseados nos homens musculosos que se apresentavam em circos e que usavam short e malha).

O subtítulo da obra deixa claro o objeto de estudo: "geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis". Os primeiros autores de super-heróis eram rapazes despreparados para o mundo, fãs de ficção-científica, facilmente manipulados e explorados pelas empresas para as quais trabalhavam. Eram também judeus, já que os norte-americanos achavam indigno se envolver com esse tipo de lixo cultural. Aparentemente, boa parte do preconceito contra os gibis está relacionado ao preconceito racial: algo feito por judeus não deve ser boa coisa.

No entanto, Jones mostra que os autores colocavam suas angústias e sonhos nos quadrinhos, fazendo muitas vezes uma obra autoral.

O que Homens do Amanhã é para os quadrinhos norte-americanos, A guerra dos gibis, de Gonçalo Júnior, é para os quadrinhos nacionais.

Gonçalo acompanhou a trajetória de Adolfo Aizen, dono da editora Ebal, do início modesto como jornalista até a criação da maior editora da América Latina, culiminando na melancólica decadência da Ebal. Como a Ebal focava quase toda a sua produção na área de quadrinhos, A guerra dos gibis acaba traçando um vasto panorama da nona arte no nosso país.

O livro se destaca especialmente por mostrar que a perseguição aos quadrinhos adquiriu no Brasil traços políticos por conta das brigas entre Roberto Marinho com seus inimigos. Como Marinho fez sua fortuna publicando gibis, a maneira mais fácil de atacá-lo era batendo nos quadrinhos.

A narrativa de Gonçalo Júnior é gostosa e o livro se lê de uma topada. O autor revela uma afeição por Adolfo Aizen que acaba sendo compartilhada pelo leitor.

O senão é que o livro é centrado demais nos editores. Uma outra obra, nos mesmos moldes, focado nos quadrinistas completaria a lacuna e seria o outro grande livro sobre os quadrinhos nacionais. Mas esse ainda está por ser escrito.

Nota do Editor
Gian Danton é autor do blog Idéias de Jeca-tatu.


Gian Danton
Goiânia, 21/6/2007


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2007
01. Os meninos da rua Paulo - 13/8/2007
02. Orwell na pior em Paris e Londres - 8/3/2007
03. Wikipedia e a informação livre - 2/5/2007
04. Logan's run - 21/5/2007
05. Lugar Nenhum - 31/12/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2007
16h01min
Quando eu tinha uns 12 anos ainda se usava encerar a casa e depois espalhar um monte de jornais pelo chão... hahahá, sou daquele tempo!!! Que delícia! Obrigada pelas tuas preciosas informações. Desenhos são "fascinantes" em quaisquer obras!!! Aprendi muito deste maravilhoso "dom" dos talentosos desenhistas, ilustradores, chargistas... Graças também a eles vejo o mundo com outros olhos! Grande abraço Gian e continue envolvido com esta ilustrada paixão!!!
[Leia outros Comentários de Maira Knop]
21/6/2007
16h51min
Adorei seu texto, Gian! Também gostaria de ver uma obra focada nos quadrinistas.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
21/6/2007
22h29min
Otimo texto, Gian! Importantissimo que existam caras como vc e o Paulo Ramos (Blog dos quadrinhos - UOL) para exaltar esta arte tão pouco valorizada no Brasil. E não digo isso apenas como chargista, mas tb como leitor de quadrinhos. Ah, eu tb peguei esse tempo de cera vermelha no chão... rs. Abraços
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
22/6/2007
10h31min
Oi, Gian, tudo bem? infelizmente, na minha formação, não contei muito com a leitura de quadrinhos, um prazer que apenas agora estou descobrindo. Nunca é tarde, enfim.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLULAS-TRONCO - UMA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA
OIRÃ
OIRÃ
(2008)
R$ 18,00



SER JOVEM NUM BAIRRO DE HABITAÇÃO SOCIAL
MARIA CIDÁLIA QUIROZ MARIELLE CHRISTINE GROS
CAMPO DAS LETRAS
(2002)
R$ 36,84



UMA VIDA TRATANDO ÁGUAS
MANOEL HENRIQUE CAMPOS BOTELHO
ENGENHO
(2000)
R$ 10,00



TODO ESSE LANCE QUE ROLA
MAURÍCIO MURAD
RELUME DUMARÁ
(1996)
R$ 5,00



O PEQUENO FILÓSOFO
GABRIEL CHALITA
GLOBO
(2011)
R$ 5,00



O FIM DA LIDERANÇA
BARBARA KELLERMAN
ELSEVIER
(2012)
R$ 50,00



TRISTEZAS À BEIRA-MAR
PINHEIRO CHAGAS
TRÊS
(1973)
R$ 7,00



O HOMEM FÓSSIL
MICHAEL H. DAY
MELHORAMENTOS
(1979)
R$ 6,90



SONGBOOK DO CHORO CURITIBANO - VOLUME 1
TIAGO PORTELLA
OTTO PRODUÇÕES
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



BIBLIOGRAFIA BRASILEIRA DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL VOL. 10
BIBLIOTECA MONTEIRO LOBATO
SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTU
(1999)
R$ 5,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês