Um demente chamado J.G. Ballard | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/7/2013
Um demente chamado J.G. Ballard
Luiz Rebinski Junior

+ de 4000 Acessos

Já foi provado cientificamente que conhecer um autor de ficção faz mal à saúde mental do leitor. Para quem procura apenas o que realmente importa na literatura - ou seja, os livros -, o bom mesmo é não saber uma linha sequer da biografia dos escritores que lê. O que, claro, é quase impossível em nossa época, em que sabemos mais dos escritores do que de seus livros.

Ler um livro no escuro talvez seja, hoje, o que de mais honesto o leitor pode fazer para um escritor, já que a avaliação prévia que fazemos de todo autor, nesse caso não existirá. Foi com esse espírito livre, esteado por minha ignorância a respeito de J.G. Ballard, que li Crash, um de seus livros mais célebres que, até então, para mim não existia. Ainda que realmente tenha convicção do que escrevi no primeiro parágrafo, paradoxalmente sou um leitor de entrevistas e biografias de escritores. Mas quando abri o romance de Ballard, por uma razão que desconheço, não li nem mesmo seu pequeno resumo biográfico na orelha de trás do volume. Talvez estivesse sob a influência da estranheza do romance e de seus protagonistas.

Narrado em primeira pessoa, não há nada em Crash que aproxime Ballard de algo como "um escritor amargurado tentando demonstrar que, apesar de seu fracasso profissional ou literário, ele, no fundo, é um gênio e toda a história que se empenhou para contar é apenas para reforçar a sua crença". O narrador Ballard de Crash fala em uma primeira pessoa desvinculada do ego, se é que me entendem. O cara tem um texto tão fino - o que não quer dizer rebuscado -, que os "eus" desaparecem em meio à sua prosa desconcertante e recheada de pensamentos, igualmente na medida, sobre a humanidade e seu plano fracassado. Tudo feito de forma que as reflexões passem longe de qualquer almanaque filosófico.

Ballard é um roteirista de cinema e TV que sofre um acidente de carro próximo ao aeroporto de Londres, matando um homem e deixando sua mulher gravemente ferida. Mas antes de o leitor ficar extasiado com a narração do acidente, nas primeiras linhas do livro já é possível sacar que aquela não se trata de uma história convencional: "Vaughan morreu ontem em seu último desastre de carro. Ao longo de nossa amizade, ele ensaiava sua morte em muitos desastres, mas esse foi seu único acidente de verdade. Conduzindo em rota de colisão com a limusine da atriz de cinema, seu carro saltou sobre o parapeito do elevado do aeroporto de Londres e mergulhou no teto de um ônibus cheio de passageiros de uma companhia aérea". Um ótimo prólogo para o que vem pela frente.

Ballard e Vaughan são dois doentes mentais que, aos poucos, criam uma confraria de lunáticos que sentem prazer em provocar e ver acidentes automobilísticos. Uma tara que excita os participantes dessa estranha turma, que ainda conta com uma mulher mutilada, um dublê de acidentes, além da própria esposa de Ballard e, para deixar a coisa ainda mais quente, a médica que perdeu o marido na colisão com Ballard. Realmente é um time de peso. Mas ninguém tira o posto de lunático premium de Vaughan, que, como o Brás Cubas de Machado, inicia o romance morto. Vaughan é uma espécie de Antonio Conselheiro das estradas e dos acidentes, que reúne em torno de suas obsessões alguns tarados tão loucos quanto ele. Ex-especialista em computadores, Vaughan percorre as rodovias da Inglaterra fotografando acidentes e casais transando. Leva em seu carro quase todo o seu acervo, que não é pequeno. Fotos de braços decepados, tórax esmagados e carne humana presa em ferragens de caminhões se misturam a imagens de sexo oral e bundas cabeludas flagradas por sua grande angular.

Todos os membros da confraria, de uma maneira ou de outra, foram vítimas do voyerismo de Vaughan, que exerce um perturbador fascínio em que se aproxima dele, apesar de ser um homem feio, cheio de cicatrizes pelo corpo. É aí que a coisa fica mais bizarra, pois os defeitos físicos, para esse povo, são parte do prazer, como se pudessem, de alguma forma, vivenciar sexualmente os acidentes que tanto veneram.

Minha leitura não é propriamente muito original, mas me satisfaz. É quase um ato-contínuo relacionar a tara dos malucões comandados por Vaughan com os tarados por tecnologia de hoje, essa gente com uma estranha obsessão por maçãs já mordidas que faz de tudo olhando para uma tela, até mesmo sexo - ou principalmente isso. Em 1973 os computadores ainda não estavam em alta, e talvez os carros fossem um símbolo forte de tecnologia da época, mas é só trocar o carro por computadores, telefones e internet, que Crash imediatamente passa a ser um romance dos anos 2000. Ballard, portanto, pode se sentar ao lado daqueles escritores conhecidos por vislumbrar o futuro com suas ficções, pelo menos no meu entendimento.

Ballard, o escritor, é daqueles autores que faz o leitor acreditar que todas aquelas palavras do livro são indispensáveis e insubstituíveis - o que certamente, no caso do livro que li, também deve ser creditado o trampo do tradutor. Não há linha ou parágrafo fora do lugar. O que certamente está indissociavelmente ligado às reflexões sobre a relação entre tecnologia e perversão sexual que o romance bizarramente discute. Some-se a essas habilidades, o fato de o mote do romance ser extremamente inventivo e exótico, como poucos hoje.

Os personagens também tomam suas pílulas, pois ninguém vive apenas de sexo e acidentes. E nessa hora Ballard, o escritor, aproveita para ir fundo na mente de suas crias. Mas as viagens de Crash não incluem alucinações que trazem à mente do indivíduo elefantes que voam ou coisas similares que o cinema sempre tentou retratar e nunca conseguiu. As drogas ajudam a capitalizar a sensibilidade dos personagens para que um decifre a mente do outro, num jogo de paranoia ferrado.

"Comecei a compreender os verdadeiros prazeres do desastre de carro depois do meu primeiro encontro com Vaughan. Sustentada num par de pernas tortas e cheias de cicatrizes, machucadas reiteradamente em uma ou outra colisão automobilística, a rude e perturbadora figura desse cientista truculento entrou na minha vida numa época em que suas obsessões eram sem dúvidas as de um louco", diz Ballard em um dos primeiros trechos do livro, sobre o fascínio exercido pelo guru das colisões.

Todos os atores desse roteiro de filme trash têm a convicção de que aquilo que cultuam simplesmente faz parte do mundo, ainda que tenham um mínimo de noção das convenções que os cercam. Assim como os noias do crack, os viciados em jogos e os pedófilos, os personagens de Ballard acreditam piamente que simplesmente existem e nada mais importa. Mas o que é mais impressionante, é que por um momento o leitor passa a acreditar que realmente aquele mundo é possível e até mesmo viável - e talvez o seja mesmo.

Ballard escreveu que ao ler Crash, seu analista disse que aquilo só poderia ter saído de uma mente doentia. O escritor encarou as palavras como um elogio. De minha parte, rezo todos os dias para encontrar livros como o desse demente.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 3/7/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lá onde brotam grandes autores da literatura de Renato Alessandro dos Santos
02. Da fatalidade do desejo de Elisa Andrade Buzzo
03. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
04. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior
01. Literatura pop: um gênero que não existe - 5/12/2007
02. Recordações da casa dos mortos - 12/4/2007
03. Quem é o autor de um filme? - 6/8/2007
04. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
05. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre o Amor e a Paixão
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2013)



Ponte Estaiada
Luciana Cotrim
Estaçao das Letras
(2014)



Manual Prático da Autoridade Policial Militar
Sergio Moreira dos Santos
Suprema Cultura
(2007)



Entrada para o Paraíso
Junji Miyaura
Seicho-no-ie
(2012)



Observatório de Geog. 8 Ano Fronteiras e Nações -8ano
Regina Araujo- Angela Cortes da Silva Raul Borges
Moderna
(2010)



Coleção Info no 13 - Windows Xp
Carlos Machado (editor)
Abril
(2004)



The Keys of Hell
Jack Higgins
Harper Collins



Os Males do Tabaco e Outras Peças Em um Ato
Tchékhov, Homero Freitas de Andrade
Ateliê Editorial
(2003)



Projeto Radix Ciências 8º Ano
Leonel /karina / Elisangela
Scipione
(2013)



Curso de Processo Penal [CAPA DURA]
Eugênio Pacelli de Oliveira
Del Rey
(2007)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês