Entredentes, peça de Gerald Thomas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poder da idéia
>>> A cidade e as serras
>>> A falta de paciência com o cinema
>>> Feliz aniversário, envelheço na cidade
>>> Antonio Candido
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
Mais Recentes
>>> Einstein e o Universo Relativístico (lacrado) de José Cláudio Reis, Marco Braga, Jairo Freitas pela Atual (2019)
>>> Adornos do Brasil Indígena - Resistências Contemporâneas de Vários Autores pela Sesc
>>> O Eclipse da Melancolia de Marcio Aquiles pela Patuá (2018)
>>> 1434 - o Ano Em Que uma Magnífica Frota Chinesa Velejou... (lacrado) de Gavin Menzies pela Bertrand Brasil (2010)
>>> Cozinha Regional Brasileira - Amazônia de Abril Coleções pela Abril (2009)
>>> Termodinâmica de Gilberto Ieno / Luiz Negro pela Cw (2004)
>>> King S Ransom de Ed Mcbain pela Oxford University Press (2000)
>>> De Tudo Que Eu Vi (lacrado) de Paulo César de Oliveira pela José Olympio (2019)
>>> O Show é Você (lacrado) de Clovis Tavares pela Integrare (2009)
>>> Juventude Em Viena - uma Autobiografia de Arthur Schnitzler pela Record (2015)
>>> O Ano Vermelho de Luiz Alberto Moniz Bandeira pela Civilização Brasileira (2017)
>>> Fundamentos Técnicos e o Sistema Nacional de Biossegurança Em Biotecno de Pedro Canisio Binsfeld pela Interciência (2015)
>>> Brasil Atlântico - um País Com a Raiz na Mata de Vários Autores pela Mar de Ideias (2010)
>>> The Winged Tiger Comics & Stories - 1999 de Phil Yeah pela Não Consta
>>> O Cliente por um Fio de Marcelo Rissato pela Nobel (2004)
>>> A Segunda Dama de Irwing Wallace pela Nova Cultural (1985)
>>> Partir da Infância - Diálogos Sobre Educação de Paulo Freire, Sérgio Guimarães pela Paz & Terra (2011)
>>> Diarios do Vampiro - o Retorno: Almas Sombrias de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Curso de Processo Penal de Fernando Capez pela Saraiva (1999)
>>> Os Novos 52- a Sombra do Batman N°8 de Dc Comics pela Panini
>>> Segurança Pública e Ministério Público (lacrado) de Lia de Souza Siqueira pela Lumen Juris (2017)
>>> Poderes Paranormais - Como a Ciência Explica a Parapsicologia de Diane Hennacy Powell pela Nova Era (2011)
>>> Livro dos Editoriais 20 Anos de Ibccrim pela Ibccrim (2012)
>>> O Guardião Invisível de Dolores Redondo pela Record (2014)
>>> A Christmas Carol - Level 4 de Charles Dickens pela Penguin Readers (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 13/5/2014
Entredentes, peça de Gerald Thomas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5000 Acessos

É preciso ter os nervos à flor de uma úlcera para saber que nada está tranquilo no reino da Dinamarca (Brasil). É preciso sair de dentro de uma boceta, renascer como astronauta vindo sabe-se lá de onde, ter sotaque português ou falar a língua de Beckett, Wagner e Joyce, para revelar isso aos brasileiros. É preciso estar intranquilo não só com nosso quintal, mas com todo o mapa das guerras e violências mundiais, com seus ódios religiosos, de raça e de gênero, com a insanidade do Capital e as burrices crônico-tecnológicas que assolam as vidas (des)humanas no mundo de hoje.

É preciso denunciar os muros, fazê-los cair, e abandonar a vida como um muro de lamentações. É preciso ter entrado em coma várias vezes, e quantas vezes for necessário, para cuspir sobre a acéfala sombra espúria das nossas massas silenciosas. É preciso perder a paz (mesmo que se coma e se trepe todo dia) ao esperar pela janela de nossa surrealidade aviões descerem com suas bombas de agonia sobre as cidades. Enfim, é preciso criar um teatro de nervos expostos e estômagos revirados, como o de Gerald Thomas, para olhar o monstro da insensatez humana (e, principalmente, a brasileira) na cara e dizer o que ele é.

Entredentes, sua nova peça, surpreende por várias razões. Por ser uma obra de arte completa, como sempre foi o propósito do dramaturgo e diretor, em que música, texto, performance de atores e imagem se configuram como criação em fluxo contínuo. Por não poupar a linguagem das dissonâncias textuais, por rir de si mesmo (exigência mínima do pensamento criativo), e por ser, antes de tudo, pessimista quanto ao destino humano (e, principalmente, o do nosso país).

A peça também é surpreendente na escolha dos atores: Ney Latorraca, Edi Botelho e a atriz portuguesa Maria de Lima. Enlouquecidos, incertos, colapsados, mancos, falastrões, interpretam de forma excepcional a insanidade do mundo e do Brasil, seja através das ações do próprio corpo alquebrado e ulcerado, seja sendo-se possuído por espíritos de porcos que os esquizofrenizam durante momentos da peça.

Momento forte da peça é quando a atriz Maria de Lima pragueja sem pudor sobre os espectadores-brasileiros, exibindo nossa desgraça, nossa insensatez, nossa burrice, nossa incapacidade de ter de fato uma história. Gerald fala através deste "outro" (a atriz) sobre suas próprias angústias diante do presente amorfo do Brasil. Não esconde a autoria da fala ("Esse texto quem escreveu não fui eu, foi o Gerald", diz a atriz no final de seu discurso visceral).

A mensagem de Entredentes (tem uma mensagem aqui?) pesa como a porrada de um Anderson Silva: nossa antropofagia não valeu de nada, sofremos ainda de complexo de vira-lata. Ignorantes, cegamos nosso olho diante da TV. Importamos seriados enlatados como última moda de um primeiro mundo kamikaze. Tudo vem do outro mundo como importação de receitas prontas, pasteurizadas.

Nosso brado forte, à margem de tudo, não deu em nada. Pecamos contra nós mesmos com um otimismo de perdedores (denunciado por Gerald Thomas na fala da atriz Maria de Lima e, em outro contexto, pelo historiador Carlos Fico no seu livro A invenção do otimismo no Brasil). Nossa história não cheira a sangue revolucionário. Não decapitamos nenhum político salafrário até hoje. Nos condenamos à ilusão sanguessuga de viver da vida dos outros, nas sucessivas e entorpecentes novelas que fabricam cidadãos acéfalos diariamente no país.

Valorizamos as desgraças, a estupidez, a burrice e a falta de caráter. Desde que haja bunda, novelas e carnaval... A forca que aparece no final da peça dá a medida de uma sugestão: colapsar-se é preciso! (Zweig suicidou-se em Petrópolis no dia em que a Europa afundava seu humanismo sob o nazismo e o Brasil comemorava tranquilamente seu carnaval).

O apelo dramático da peça é regulado principalmente pela música, pelo texto autofágico dos atores e, mais do que tudo, pelo andar capenga da atriz portuguesa, usando apenas um salto alto, talvez para revelar o quanto é manco todo discurso, sua impossibilidade diante de uma realidade absolutamente grosseira e insana.

Gerald Thomas não faz um teatro local, apesar das alfinetadas no Brasil (a escolha da música "Chão de estrelas", na abertura da peça, é significativa nesse sentido - ao alegorizar o Brasil como o "palhaço das perdidas ilusões"). Seu teatro discute os dramas universais, onde se perpassa os signos da vida humana (sair da boceta e cair nessa terra insana) e a construção dos signos da história (do Muro de Berlim ao Muro das Lamentações). Faz um teatro da linguagem, do jogo livre das associações estapafúrdias, e, discípulo de Freud que sempre parece ser, faz-se também um destruidor de ilusões. Mesmo assim, não se deixa amargurar enquanto autor e diretor teatral: faz rir, de todos e de tudo que diz. Diz com veemência, mas diz o que deve dizer: que o teatro é o lugar da invenção da linguagem fora do discurso corrente.

Suas aporias, como as de Beckett, ressoam o desejo de continuar: "Você precisa seguir adiante, eu não posso seguir, eu vou seguir adiante". Gerald não deixa o teatro, porque não quer deixar também de incomodar os idiotas.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 13/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dê uma lidinha de Elisa Andrade Buzzo
02. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' de Humberto Pereira da Silva
03. Qual é a alma da cidade? de Ana Elisa Ribeiro
04. O que você está lendo? de Abdalan da Gama


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Rotas de Colisão um Tecnothriller Vertiginoso
Chris Hejmanowski
Jangada
(2014)



Nu sem Amuleto
José Fonseca Fernandes
José Olympio
(1968)



Mecânica Vetorial para engenheiros dinânica 2
Ferdinard P. Beer
Mcgraw Hill
(1980)



O Enigma das Pirâmides
Alvarez Lopez
Hemus
(1978)



Iluminação Cotidiana Como Ser Um Guerreiro Espiritual No Dia A Dia - Esoterico
Yeshe Chodron
Gaia



Morte e Suicídio Uma Abordagem Multidisciplinar
Evaldo A. D'Assumpção e Outros
Vozes
(1984)



Negócios e Prazer Harlequin Paixão Edição 177
Negócios e Prazer
Harlequin Books
(2010)



Clique a Clique - Baixando Programas da Internet - Livro + Dvd N04
Equipe Abril
Abril
(2011)



O Dossie Iscariotes
Marcos Losekann
Planeta
(2006)



A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)





busca | avançada
60917 visitas/dia
1,9 milhão/mês