Entredentes, peça de Gerald Thomas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> A moreninha de Joaquim Manuel De Macedo pela Martinn Claret
>>> Ciências Telares 8º ano de Fernando Gewandsznajder e Helena Pacca pela Atica (2019)
>>> Morte e vida Severina Capa Dura de João Cabral de Melo Neto pela Grandes Escritores Brasileiros (1955)
>>> Papisa Joana - romance de Donna Woolfolk Cross pela Geração (2009)
>>> Crown of Midnight de Sarah J Maas pela Bloomsbury (2013)
>>> Ragtime de E.L. Doctorow pela Record (2017)
>>> Procura-se um coração de Lucia Seixas pela Ftd (2010)
>>> A Tulipa Negra de Alexandre dumas tradução e adaptação de Francisco Balthar Peixoto pela Ftd (2015)
>>> Por Que Amamos - O Que Os Mitos E A Filosofia Têm A Dizer Sobre O Amor de Renato nogueira pela Harper collins (2020)
>>> Os Mistérios Rosacruzes de Max Heindel pela Pensamento (1993)
>>> Grammatica - enciclopedia: iltaliana-inglese per gli it. deli stati uniti de Alberto pecorini pela Libreria nuova italia
>>> O Príncipe Destemido: a Saga de Prahlada Maharaja de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pela Igvi (2011)
>>> O Príncipe Destemido: a Saga de Prahlada Maharaja de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pela Igvi (2011)
>>> O Avatara Dourado de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pela Braja (2011)
>>> A Verdade Sobre os Incas de Roselis Von Sass pela Ordem Do Graal (2011)
>>> Eurico o Presbítero de Alexandre Herculano pela Folha
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Folha
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Folha
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela O globo
>>> Muito Além do Nirvana: Biografia da Filosofia Mayavada de Srila Bhakti Prajanana Kesava Gosvami Maharaja pela Braja (2012)
>>> Lírica, redondilhas e sonetos de Camões pela Folha
>>> Espumas Flutuantes de Castro Alves pela Folha
>>> Senhora de José de Alencar pela Folha
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda: Laranja da China de Antônio de Alcântara Machado pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela O globo
COLUNAS

Terça-feira, 13/5/2014
Entredentes, peça de Gerald Thomas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4700 Acessos

É preciso ter os nervos à flor de uma úlcera para saber que nada está tranquilo no reino da Dinamarca (Brasil). É preciso sair de dentro de uma boceta, renascer como astronauta vindo sabe-se lá de onde, ter sotaque português ou falar a língua de Beckett, Wagner e Joyce, para revelar isso aos brasileiros. É preciso estar intranquilo não só com nosso quintal, mas com todo o mapa das guerras e violências mundiais, com seus ódios religiosos, de raça e de gênero, com a insanidade do Capital e as burrices crônico-tecnológicas que assolam as vidas (des)humanas no mundo de hoje.

É preciso denunciar os muros, fazê-los cair, e abandonar a vida como um muro de lamentações. É preciso ter entrado em coma várias vezes, e quantas vezes for necessário, para cuspir sobre a acéfala sombra espúria das nossas massas silenciosas. É preciso perder a paz (mesmo que se coma e se trepe todo dia) ao esperar pela janela de nossa surrealidade aviões descerem com suas bombas de agonia sobre as cidades. Enfim, é preciso criar um teatro de nervos expostos e estômagos revirados, como o de Gerald Thomas, para olhar o monstro da insensatez humana (e, principalmente, a brasileira) na cara e dizer o que ele é.

Entredentes, sua nova peça, surpreende por várias razões. Por ser uma obra de arte completa, como sempre foi o propósito do dramaturgo e diretor, em que música, texto, performance de atores e imagem se configuram como criação em fluxo contínuo. Por não poupar a linguagem das dissonâncias textuais, por rir de si mesmo (exigência mínima do pensamento criativo), e por ser, antes de tudo, pessimista quanto ao destino humano (e, principalmente, o do nosso país).

A peça também é surpreendente na escolha dos atores: Ney Latorraca, Edi Botelho e a atriz portuguesa Maria de Lima. Enlouquecidos, incertos, colapsados, mancos, falastrões, interpretam de forma excepcional a insanidade do mundo e do Brasil, seja através das ações do próprio corpo alquebrado e ulcerado, seja sendo-se possuído por espíritos de porcos que os esquizofrenizam durante momentos da peça.

Momento forte da peça é quando a atriz Maria de Lima pragueja sem pudor sobre os espectadores-brasileiros, exibindo nossa desgraça, nossa insensatez, nossa burrice, nossa incapacidade de ter de fato uma história. Gerald fala através deste "outro" (a atriz) sobre suas próprias angústias diante do presente amorfo do Brasil. Não esconde a autoria da fala ("Esse texto quem escreveu não fui eu, foi o Gerald", diz a atriz no final de seu discurso visceral).

A mensagem de Entredentes (tem uma mensagem aqui?) pesa como a porrada de um Anderson Silva: nossa antropofagia não valeu de nada, sofremos ainda de complexo de vira-lata. Ignorantes, cegamos nosso olho diante da TV. Importamos seriados enlatados como última moda de um primeiro mundo kamikaze. Tudo vem do outro mundo como importação de receitas prontas, pasteurizadas.

Nosso brado forte, à margem de tudo, não deu em nada. Pecamos contra nós mesmos com um otimismo de perdedores (denunciado por Gerald Thomas na fala da atriz Maria de Lima e, em outro contexto, pelo historiador Carlos Fico no seu livro A invenção do otimismo no Brasil). Nossa história não cheira a sangue revolucionário. Não decapitamos nenhum político salafrário até hoje. Nos condenamos à ilusão sanguessuga de viver da vida dos outros, nas sucessivas e entorpecentes novelas que fabricam cidadãos acéfalos diariamente no país.

Valorizamos as desgraças, a estupidez, a burrice e a falta de caráter. Desde que haja bunda, novelas e carnaval... A forca que aparece no final da peça dá a medida de uma sugestão: colapsar-se é preciso! (Zweig suicidou-se em Petrópolis no dia em que a Europa afundava seu humanismo sob o nazismo e o Brasil comemorava tranquilamente seu carnaval).

O apelo dramático da peça é regulado principalmente pela música, pelo texto autofágico dos atores e, mais do que tudo, pelo andar capenga da atriz portuguesa, usando apenas um salto alto, talvez para revelar o quanto é manco todo discurso, sua impossibilidade diante de uma realidade absolutamente grosseira e insana.

Gerald Thomas não faz um teatro local, apesar das alfinetadas no Brasil (a escolha da música "Chão de estrelas", na abertura da peça, é significativa nesse sentido - ao alegorizar o Brasil como o "palhaço das perdidas ilusões"). Seu teatro discute os dramas universais, onde se perpassa os signos da vida humana (sair da boceta e cair nessa terra insana) e a construção dos signos da história (do Muro de Berlim ao Muro das Lamentações). Faz um teatro da linguagem, do jogo livre das associações estapafúrdias, e, discípulo de Freud que sempre parece ser, faz-se também um destruidor de ilusões. Mesmo assim, não se deixa amargurar enquanto autor e diretor teatral: faz rir, de todos e de tudo que diz. Diz com veemência, mas diz o que deve dizer: que o teatro é o lugar da invenção da linguagem fora do discurso corrente.

Suas aporias, como as de Beckett, ressoam o desejo de continuar: "Você precisa seguir adiante, eu não posso seguir, eu vou seguir adiante". Gerald não deixa o teatro, porque não quer deixar também de incomodar os idiotas.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 13/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pieguice ou hipocrisia? de Rosângela Vieira Rocha
02. Declínio e queda do império de papel de Eduardo Mineo
03. Quase uma despedida de Eduardo Carvalho
04. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece de Daniela Sandler


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Voce S. A: Como Administrar Sua Carreira Como Se Fosse um Negocio
Ricardo de Almeida Prado Xavier
Sts / Manager
(1997)



Breaking Dawn
Stephenie Meyer
Megan Tingley Books
(2006)



Sobre a Fisionomia do Retrato; Tecnologia Intelectual: Progresso
Revista Humboldt, Nº 44 de 1981
F Bruckmann
(1981)



Nova Escola 219 - Janeiro / Fevereiro 2009 - Produção de Texto
Gabriel Pillar grossi
Abril
(2009)



Nella Foresta del Vocabolario
Aldo Gabrielli
Oscar Mondadori
(1977)



Farragans Retreat
Tom Mchale
Bantan Books
(1972)



Secretário Íntimo Preboste Ou Juiz Ou Mestre Irlandês...
Jorge Adoum - Mago Jefa
Pensamento



Direito na Atualidade – Volume III
André Vicente Freitas, Fernanda Paula Diniz
Lumen Juris
(2016)



Mariana Adeus
Noenio Spinola
Mandarim
(1998)



Taktike Systema Schema Futebol
Orlando Duarte
Unip
(2002)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês