Portas se abrindo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/11/2014
Portas se abrindo
Marta Barcellos

+ de 1800 Acessos

Inteligência, todo mundo sabe, deixou de ser atributo humano para qualificar coisas que agora você compra mais caro. Do telefone celular ao prédio que economiza energia, passando pela pulseira que registra todas as suas atividades, a vida agora é smart. Dessa forma, pessoas atribuladas como nós não precisam se esforçar tanto. Nada mais natural, portanto, que o QI dos elevadores também subisse às alturas, junto com os espigões recordistas de andares na Ásia.

Mesmo do outro lado do planeta, em balneários que se prestam menos às novidades tecnológicas, como o Rio de Janeiro, o elevador inteligente já chegou. Se o seu destino for um prédio de escritórios no centro da cidade, tudo é possível: encarar uma longa fila para o único elevador funcionando, com porta pantográfica e ascensorista uniformizado (os outros dois estão "em manutenção"), ou dar num mezanino metalizado sem vivalma, com meia dúzia de catracas separando-o de um rol de elevadores sem botões por dentro. E você rezando para saber o que fazer com o cartão que a mocinha da recepção lhe deu lá embaixo sem maiores explicações.

Cartões magnéticos, botões fora do lugar, elevadores que falam. Se os primeiros sistemas com fama de inteligente apenas escolhiam o elevador mais próximo ao andar, agora eles podem incluir orientações de voz para o passageiro e restringir seu acesso ao andar autorizado.

O problema é que, para as gerações mais velhas, lidar com novas tecnologias nem sempre é fácil. No caso do elevador, onde o sujeito fica confinado num espaço nada amigável, a situação pode se radicalizar.

O aposentado cede aos apelos de sua senhora, e afinal vão passar as férias naquele belo hotel recomendado pela amiga dela que sempre viaja e por isso é tão feliz. De repente, se vê trancado no elevador, que não responde aos seus comandos:

-Aperta o botão direito, Inácio.

-Não adianta, querida. Acho que tem que enfiar o cartão do quarto nesse buraco. Viu? A luzinha ficou verde. Agora é só...

-Rápido, a luz ficou vermelha! Vamos ficar presos aqui dentro para sempre!

Não por acaso, além dos hotéis, são os prédios corporativos os que mais investem em elevadores vigilantes e inteligentes. Como frequento edifícios assim, dei a sorte de ser apresentada aos poucos às novidades, com a ajuda ocasional de alguém mais familiarizado do que eu por perto. Mesmo assim, lembro do incômodo na primeira vez em que precisei entrar em um deles.

No saguão, imitei os outros que digitaram no painel externo o seu andar de destino, e fui informada digitalmente que o meu seria diferente do deles. O E4, de forma muito perspicaz, percebeu que eu estava com pressa, e me ofereceu seus serviços exclusivos, longe do grupo de funcionários barulhentos que pingaria de andar em andar dentro do E2. Já bastava a minha experiência semanal de gastar uns cinco minutos dentro de um desses elevadores pinga-pinga, em Ipanema, e chegar devidamente estressada na terapia.

O saguão esvaziou, o E4 abriu suas portas e embarquei sozinha. Eu iria direto ao 12º andar, sem escalas. Mas, e se algo desse errado? Não que eu tenha claustrofobia ou algum trauma, mas a experiência inédita me causou algum desconforto. Um elevador burro mas cheio de botões parece oferecer mais possibilidades de escape.

Tudo deu certo, na ida e na volta, aumentando a minha sensação de produtividade total. A experiência teria sido perfeita não fosse, já na portaria, a catraca travar, apesar de eu ter colocado o cartão de visitante no compartimento adequado. A entrevista se prolongara e o expediente estava encerrado há tempos. Olhei para os lados, atrás da tal vivalma, quando finalmente surgiu um segurança. Levantei as mãos para cima, tentando explicar que já estava sem o cartão que provaria minha inocência de visitante, quando ele disse:

-É, está dando defeito mesmo - e aproximou o crachá pendurado no pescoço, liberando a minha passagem.

Viu como a tecnologia falha?, eu resmungava enquanto descia as escadas para a estação do metrô. E se o defeito fosse no tal elevador inteligente, e não na catraca, que pelo menos poderia ser pulada emergencialmente?

Coincidentemente, lá estava eu diante de outra catraca. Tirei da bolsa o cartão do metrô e... surpresa. Ele havia se transmutado no cartão do edifício de onde eu acabara de sair. Foi assim, de forma preguiçosa, que meus neurônios poupados pela tecnologia se reconectaram e concluíram que eu jogara o cartão magnético do metrô na catraca do prédio.

Não, a tecnologia não falhara.

E ela ainda vai evoluir muito.

Um dia, quem sabe, irá além de seu interesse em segurança, vigilância e produtividade, e enfim compreenderá a alma humana. Começando pelo pobre cidadão que não está up to date com tecnologias urbanas, porque já é idoso, ou porque resolveu viver no meio do mato, graças à conexão com a internet. Mesmo assim, numa eventualidade, ele precisará resolver problemas burocráticos em um novíssimo prédio comercial, e terá de se submeter ao novíssimo sistema de catracas e elevadores, sistema este chamado agora de "mobilidade interna". Na recepção, a mocinha escaneia sua íris e garante que o novíssimo sistema de mobilidade interna o levará automaticamente ao andar desejado.

Nosso personagem, digamos, é um poeta, embora ganhe a vida fazendo traduções de documentos jurídicos. Por isso precisava se cadastrar como prestador de serviços em um grande escritório de advocacia ali localizado, mais precisamente no vigésimo terceiro andar. Portas fechando, portas se abrindo, informa o elevador em inglês, até que nosso personagem finalmente se vê parado no andar. No andar errado. Está defronte a uma editora especializada em novos autores. "Publique aqui a sua poesia", diz a placa. Ainda tenta retornar, quando ouve: "mind the gap". E o elevador fecha a porta, com uma piscadela.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
03. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
04. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
05. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORTUNA DE GASPAR (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CONDESSA DE SÉGUR
DO BRASIL
R$ 10,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
OBJETIVO
R$ 6,00



DE OLHO NA MORTE E ANTES
FERNANDO FORTES
ATELIÊ EDITORIAL
(2012)
R$ 22,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY
A. S. HORBNY
OXFORD
(2000)
R$ 30,00



ALICE PARA SEMPRE
ELTON LICKS
BESOUROBOX
R$ 26,00



FISIOLOGIA CELULAR
DAVID LANDOWNE
MCGRAW HILL ARTMED
(2006)
R$ 67,00



NEW ENGLISH 900 BOOK 1
COLLIER MACMILLAN INTERNACIONAL
ENGLISH LANGUAGE SERVICES
(1978)
R$ 15,00



IL NUOVO DOMANI
MAEVE BINCHY
SPERLING & KUPFER
(1998)
R$ 50,00
+ frete grátis



SÓ O AMOR É REAL
BRIAN L. WEISS
ALAMANDRA
(1996)
R$ 4,00



CRIME E CASTIGO
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 28,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês