Portas se abrindo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Que exemplo arrebatador a Colômbia dá ao mundo
>>> Um paralelepípedo
>>> Os bastidores de Psicose
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Público, massa e multidão
>>> Vida de Estagiário II
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
Mais Recentes
>>> O Vento - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Chuva - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Dia e Noite - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Que Medo ! - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Na Roça - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Tuca, Vovó e Guto - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> O Jogo e a Bola - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> O Trem - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> O Rabo do Gato - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> The Crucifixion of Mary Magdalene de Richard J. Hooper pela Sanctuary Publications (2005)
>>> Profiles of Jesus de Roy W. YHoover (ed.) pela Polebridge Press (2002)
>>> Introdução ao estudo do direito: Técnica, decisão, dominação de Tércio Sampaio Ferraz Júnior pela Atlas (2018)
>>> Múltiplas geografias -ensino-pesquisa-reflexão de Lucia helena batista gratão pela Humanidades (2008)
>>> Surpresas - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Hermenêutica Constitucional - A Sociedade Aberta dos Intérpretes da Constituição de Peter Häberlë pela Sergio Fabris (2002)
>>> Os direitos fundamentais e a (in) certeza do direito de Menelick de Carvalho Netto , Guilherme Scotti pela Fórum (2012)
>>> Sobre a Brevidade da Vida de Sêneca pela L&PM Pocket (2011)
>>> Princípios Do Processo Civil de Rui Portanova pela Livraria do Advogado (2013)
>>> Constituição e Processo: a contribuição do processo ao constitucionalismo democrático brasileiro de Felipe Machado , Marcelo Cattoni pela Del Rey (2009)
>>> Fundamentos do Direito Processual Civi de Eduardo Couture pela Conceito (2008)
>>> Acesso À Justiça Democrático de Dierle Nunes e Ludmila Teixeira pela Gazeta Jurídica (2021)
>>> O Juiz e a Democracia de Antoine Garapon pela Renavan (2001)
>>> Uso e gestão dos recursos hídricos no brasil de Rodrigo constante martins pela Rima (2003)
>>> Processo como teoria da lei democrática de Rosemiro Pereira Leal pela Fórum (2010)
>>> Teoria da Decisão Judicial: Fundamentos do Direito de Ricardo Luis Lorenzetti pela Rt (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/11/2014
Portas se abrindo
Marta Barcellos

+ de 2300 Acessos

Inteligência, todo mundo sabe, deixou de ser atributo humano para qualificar coisas que agora você compra mais caro. Do telefone celular ao prédio que economiza energia, passando pela pulseira que registra todas as suas atividades, a vida agora é smart. Dessa forma, pessoas atribuladas como nós não precisam se esforçar tanto. Nada mais natural, portanto, que o QI dos elevadores também subisse às alturas, junto com os espigões recordistas de andares na Ásia.

Mesmo do outro lado do planeta, em balneários que se prestam menos às novidades tecnológicas, como o Rio de Janeiro, o elevador inteligente já chegou. Se o seu destino for um prédio de escritórios no centro da cidade, tudo é possível: encarar uma longa fila para o único elevador funcionando, com porta pantográfica e ascensorista uniformizado (os outros dois estão "em manutenção"), ou dar num mezanino metalizado sem vivalma, com meia dúzia de catracas separando-o de um rol de elevadores sem botões por dentro. E você rezando para saber o que fazer com o cartão que a mocinha da recepção lhe deu lá embaixo sem maiores explicações.

Cartões magnéticos, botões fora do lugar, elevadores que falam. Se os primeiros sistemas com fama de inteligente apenas escolhiam o elevador mais próximo ao andar, agora eles podem incluir orientações de voz para o passageiro e restringir seu acesso ao andar autorizado.

O problema é que, para as gerações mais velhas, lidar com novas tecnologias nem sempre é fácil. No caso do elevador, onde o sujeito fica confinado num espaço nada amigável, a situação pode se radicalizar.

O aposentado cede aos apelos de sua senhora, e afinal vão passar as férias naquele belo hotel recomendado pela amiga dela que sempre viaja e por isso é tão feliz. De repente, se vê trancado no elevador, que não responde aos seus comandos:

-Aperta o botão direito, Inácio.

-Não adianta, querida. Acho que tem que enfiar o cartão do quarto nesse buraco. Viu? A luzinha ficou verde. Agora é só...

-Rápido, a luz ficou vermelha! Vamos ficar presos aqui dentro para sempre!

Não por acaso, além dos hotéis, são os prédios corporativos os que mais investem em elevadores vigilantes e inteligentes. Como frequento edifícios assim, dei a sorte de ser apresentada aos poucos às novidades, com a ajuda ocasional de alguém mais familiarizado do que eu por perto. Mesmo assim, lembro do incômodo na primeira vez em que precisei entrar em um deles.

No saguão, imitei os outros que digitaram no painel externo o seu andar de destino, e fui informada digitalmente que o meu seria diferente do deles. O E4, de forma muito perspicaz, percebeu que eu estava com pressa, e me ofereceu seus serviços exclusivos, longe do grupo de funcionários barulhentos que pingaria de andar em andar dentro do E2. Já bastava a minha experiência semanal de gastar uns cinco minutos dentro de um desses elevadores pinga-pinga, em Ipanema, e chegar devidamente estressada na terapia.

O saguão esvaziou, o E4 abriu suas portas e embarquei sozinha. Eu iria direto ao 12º andar, sem escalas. Mas, e se algo desse errado? Não que eu tenha claustrofobia ou algum trauma, mas a experiência inédita me causou algum desconforto. Um elevador burro mas cheio de botões parece oferecer mais possibilidades de escape.

Tudo deu certo, na ida e na volta, aumentando a minha sensação de produtividade total. A experiência teria sido perfeita não fosse, já na portaria, a catraca travar, apesar de eu ter colocado o cartão de visitante no compartimento adequado. A entrevista se prolongara e o expediente estava encerrado há tempos. Olhei para os lados, atrás da tal vivalma, quando finalmente surgiu um segurança. Levantei as mãos para cima, tentando explicar que já estava sem o cartão que provaria minha inocência de visitante, quando ele disse:

-É, está dando defeito mesmo - e aproximou o crachá pendurado no pescoço, liberando a minha passagem.

Viu como a tecnologia falha?, eu resmungava enquanto descia as escadas para a estação do metrô. E se o defeito fosse no tal elevador inteligente, e não na catraca, que pelo menos poderia ser pulada emergencialmente?

Coincidentemente, lá estava eu diante de outra catraca. Tirei da bolsa o cartão do metrô e... surpresa. Ele havia se transmutado no cartão do edifício de onde eu acabara de sair. Foi assim, de forma preguiçosa, que meus neurônios poupados pela tecnologia se reconectaram e concluíram que eu jogara o cartão magnético do metrô na catraca do prédio.

Não, a tecnologia não falhara.

E ela ainda vai evoluir muito.

Um dia, quem sabe, irá além de seu interesse em segurança, vigilância e produtividade, e enfim compreenderá a alma humana. Começando pelo pobre cidadão que não está up to date com tecnologias urbanas, porque já é idoso, ou porque resolveu viver no meio do mato, graças à conexão com a internet. Mesmo assim, numa eventualidade, ele precisará resolver problemas burocráticos em um novíssimo prédio comercial, e terá de se submeter ao novíssimo sistema de catracas e elevadores, sistema este chamado agora de "mobilidade interna". Na recepção, a mocinha escaneia sua íris e garante que o novíssimo sistema de mobilidade interna o levará automaticamente ao andar desejado.

Nosso personagem, digamos, é um poeta, embora ganhe a vida fazendo traduções de documentos jurídicos. Por isso precisava se cadastrar como prestador de serviços em um grande escritório de advocacia ali localizado, mais precisamente no vigésimo terceiro andar. Portas fechando, portas se abrindo, informa o elevador em inglês, até que nosso personagem finalmente se vê parado no andar. No andar errado. Está defronte a uma editora especializada em novos autores. "Publique aqui a sua poesia", diz a placa. Ainda tenta retornar, quando ouve: "mind the gap". E o elevador fecha a porta, com uma piscadela.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/11/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
02. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
03. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
04. Liberdade de Ricardo de Mattos
05. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Momentos de Paixão
Danielle Steel
Circulo do Livro
R$ 7,10



A Sociedade Atual
José V. Marqués Damián Mollá y Salvador Salcedo
Biblioteca Salvat
(1979)
R$ 10,00



História e Lendas (1a Série) C/ Dedicatória do Autor 7287
Tito Livio Ferreira
Civilização Brasileira
(1944)
R$ 30,00



Préjugé et Probleme des Sexes
Jean Finot
Félix Alcan
R$ 29,61



Teatro Bíblico Vol 1 Ciclodos Patriarcas: Pastorícia e Nomadismo
José Cardoso
Braga
(1987)
R$ 16,75



Uma angústia mortal
Eric Ambler
Nova Fronteira
R$ 10,00



Na Vida Ninguém Perde
Meire Campezi Marques
Vida e Consciência
(2018)
R$ 19,90



Quando Renunciar é preciso
Lourdes Carolina Gagete
Ide
(2012)
R$ 25,00



Comportamento Humano
Bernard Berelson e Gary A. Steiner
Ed. Brasiliense
(1971)
R$ 19,90



Manual De Direito Comercial
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
R$ 16,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês