Caminhos para a esquerda | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/2/2015
Caminhos para a esquerda
Celso A. Uequed Pitol

+ de 2800 Acessos

As eleições são, em geral, duelos de certezas: certezas sobre a maneira de se conduzir a economia, sobre os mecanismos de combate à corrupção, sobre a consistência moral e prática do projeto que se defende. E assim foi, mais do que todas, a eleição de 2014: eleitores dos dois lados envolvidos estavam, e ainda estão, plenos de certeza, de todas as certezas, e a elas se aferraram com impressionante vigor. É uma atitude natural. Não há espaço para questionamentos no meio da batalha: a dúvida e a incerteza são luxos a serem apreciados somente depois da eleição.

Pois bem. Passado algum tempo do pleito, com os resultados definidos, o partidário de um lado ou de outro pode finalmente apreciar estes luxos. Finalmente lhe é dada a chance de pegar um bom café, sentar gostosamente no sofá e meditar sobre o projeto que escolheu, pondo as certezas em momentânea suspensão e arriscando-se, com isso, a rever posicionamentos. Ou a reafirma-los mais consistemente após a passagem pelo ordálio do contraditório.

Para estas pessoas, que podem e querem dar a si mesmas este refinado prazer, recomenda-se vivamente a leitura de "O que a esquerda deve propor", de Roberto Mangabeira Unger neste momento. Não é necessário nos estendermos na apresentação do autor: trata-se de um dos maiores juristas do mundo, ex-ministro do governo Lula, professor em Harvard - onde chegou a dar aulas para o presidente Barack Obama - e um dos mais nomes mais relevantes da esquerda americana. Mangabeira Unger é, portanto, esquerdista, e fala daquilo que acha que a esquerda deveria propor. Mas sua fala não alcança apenas aos esquerdistas, e sim a todos os que estão preocupados com o futuro da democracia no Brasil.

Unger parte de uma constatação básica: "esgotaram-se as desastrosas aventuras ideológicas do século XX. E não surgiu qualquer ideologia abrangente, com a autoridade do liberalismo e do socialismo clássicos, para mostrar o caminho a seguir agora". É uma afirmação corajosa: com ela, o autor afasta-se dos últimos apologetas destas aventuras, alguns dos quais estariam, talvez, inclinados a simpatizar com ele. Ao mesmo tempo, não deixa de reconhecer "autoridade" no velho socialismo e no ainda mais velho liberalismo - uma autoridade inexistente nos discursos políticos que apareceram nas últimas décadas. "Os autodeclarados progressistas" - diz ele - " aparecem no palco da História contemporânea como humanizadores do inevitável: seu programa tornou-se o programa dos seus adversários conservadores, com um pequeno desconto. Disfarçam a rendição como síntese - de coesão social e flexibilidade econômica, por exemplo". E lança uma definição da "terceira via" dos trabalhistas ingleses, tão admirada nos 90 e no começo dos 2000, que merece figurar nos melhores commonplace books de hoje: "Suas "terceiras vias" são a primeira via com açúcar: o adoçante da política social compensatória e da seguridade social, substituindo a ampliação fundamental de oportunidades".

Unger está, portanto, insatisfeito. Não lhe basta o atual receituário do que se chama de esquerda e o antigo já não serve: o marxismo, diz ele, como doutrina está morto, e o socialismo como programa perdeu seu significado. É preciso procurar algo novo. E das muitas propostas e reflexões que este pequeno e inspirador livro traz, algumas sobressaem para o presente momento e podem nos ajudar a encontrar este novo caminho.

A primeira delas é a noção de democracia como promoção do indivíduo. Unger entende que democracia se estrutura a partir da promessa central de que o homem comum pode se tornar, nas suas palavras exatas, "maior e mais livre". Esta promessa, dirigida a este homem comum, é fundada numa crença fundamental: "fé nos poderes construtivos de homens e mulheres comuns - e o compromisso de elevá-los, para engrandecê-los" (p. 71). No entanto, essa atribuição do que deve ser a democracia e de qual o seu papel central pede que, antes de tudo, se tenha presente o que significa elevar o homem e para onde se quer elevá-lo. É um tema a ser discutido e refletido a priori, sem o qual a "fé nos poderes construtivos de homens e mulheres comuns" não levará a nada. É um antigo tópico iluminista devidamente atualizado.

Outra proposta fundamental é a de reinventar a economia de mercado. Não se trata, portanto, de lutar contra ela ou de tentar destruí-la , e nem mesmo da clássica fórmula social-democrata de Olof Palme, de considerar o capitalismo uma ovelha que não pode ser morta mas que deve ser mantida bem tosquiada. Unger não é contra o mercado. Ele quer buscar outro mercado, que a esquerda não deve tentar suprimir ou sufocar e sim democratizar. Marca desse posicionamento é a sua postura elogiosa ao empreendedorismo familiar como porta de entrada da população mais pobre, chegando mesmo a dizer que a esquerda não cometeu maior erro do que voltar-se contra a pequena burguesia, a qual - ele nota bem - "converteu-se na base social dos movimentos políticos que a derrotaram"(p. 53). Este é um ponto de especial interesse para o Brasil, país cujo povo é considerado o segundo mais empreendedor do mundo.

Contrariando o que grande parte da esquerda segue dizendo, Unger vê no nacionalismo um potencial a ser aproveitado pelo discurso progressista. A suspeita da esquerda em relação ao nacionalismo é bem fundada, e os exemplos de uso de sentimentos patrióticos pela extrema direita são suficientemente notórios para que seja necessário lembra-los. Ademais, a promoção dos direitos humanos, ponto básico de qualquer programa de esquerda, não deve conhecer fronteiras, raças, etnias ou idiomas. Unger argumenta, entretanto, que o processo de globalização e a tendência ao apagamento das identidades nacionais não diminuiram a vontade de diferença. Ao contrário: "à medida que uma nação" - diz ele -" fica mais parecida com sua vizinha, ela afirma mais desesperadamente sua dessemelhança". O nacionalismo existe e precisa ser trabalhado. E o nacionalismo redirecionado pela esquerda deve, segundo Unger, "transformar políticas democráticas, economias de mercado e sociedades civis livres em máquinas para o desenvolvimento de novas e definitivas formas de vida" (p. 57), além de ser um poderoso foco de resistência contra a globalização e seus efeitos maléficos: "O papel das diferenças nacionais, num mundo de democracias, é representar uma forma de especialização moral: a humanidade pode desenvolver seus poderes e possibilidades apenas se o fizer em direções diferentes" (p.140).

Outra rota de colisão entre Unger e grande parte da esquerda de hoje está em seu posicionamento sobre o que chama de "agendas morais modernistas", que incluem temas como o aborto, as ações afirmativas, etc, etc. No que respeita a estas últimas, ele duvida da sua eficácia como promotora de igualdade. Nesse ponto Unger não difere essencialmente da visão tradicional socialista, que desconfia das demandas "comunitárias" (feministas, étnicas, de minorias sexuais, etc.) por considerá-las divisivas dentro da luta de classes. Ele é explícito ao dizer que o critério para escolher beneficiários de programas sociais não deve ser a raça, mas sim a classe social (p.122). "Vai-se alcançar a raça através da classe, sem a mácula da inversão de benefício e necessidade, por conta do viés racial na composição da sub-classe". O foco da esquerda neste típico de política pública constitui, para ele, um equívoco, que ele expressa em tom surpreendente: "A decisão dos progressistas não só de esposar a agenda modernista, mas de reforça-la por lei e poder federais, foi uma calamidade prática. Junto com a ortodoxia racial, ajudou a reduzir as chances de conquistar, para um projeto progressista nacional, o apoio da maioria supra-racial da classe trabalhadora." E finaliza, em palavras que poderiam ter saído da pena e da boca de um marxista ortodoxo, que ele não é: "O coração de uma agenda de esquerda (....) tem de ser uma proposta de economia política".

Muitas das propostas presentes em "O que a esquerda deve propor" podem ser resumidas nos dois imperativos que ele coloca como essenciais para a política progressista: a necessidade de inovar e a necessidade de cooperar (pg. 63). Uma não pode existir sem a outra para que uma sociedade seja um motor de possibilidades para a população. Inovação sem cooperação degenera em atomização egoísta; cooperação sem inovação gera a estagnação e a repetição de fórmulas. Com estas guias mestras e muita coragem intelectual, Unger desafia ortodoxias e consensos ao apontar maneiras de a esquerda libertar-se da "ditadura de falta de alternativas" e propor caminhos que apontem o novo para as sociedades humanas. Que é, em suma, o que se espera dos adeptos e representantes da política progressista.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 3/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
02. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
05. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2015
01. Caminhos para a esquerda - 3/2/2015
02. Um estranho chamado Joe Strummer - 8/9/2015
03. Canadá, de Richard Ford - 17/11/2015
04. O testemunho de Bernanos - 4/8/2015
05. Um DJ no mundo comunista - 9/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU COMPRO, SIM! MAS A CULPA É DOS HORMÔNIOS
PEDRO DE CAMARGO
NOVAS IDEIAS
(2013)
R$ 10,00



O MEU SONHO É CIDADANIA
JOSÉ LUIZ DATENA
CELEBRIS
(2003)
R$ 8,00



DIREITO PENAL VOLUME 1 - PARTE GERAL, INTRODUÇÃO
LUIZ FLÁVIO GOMES
RT - REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2003)
R$ 22,00



BRAZIL FRAGRANCES
LUCILENE RIBEIRO CORD.
ABIHPEC
R$ 50,00



UMA ESTADIA NO INFERNO, POEMAS ESCOLHIDOS, A CARTA DO VIDENTE
ARTHUR RIMBAUD
MARTIN CLARET
(2005)
R$ 18,00



FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA VOL. ÚNICO
GILBERTO COTRIM
SARAIVA
(2013)
R$ 15,63



LEON TOLSTOI POR ELE MESMO
LEON TOLSTOI; CELIA XAVIER CAMARGO
PETIT
(2006)
R$ 14,00



AS 25 LEIS BÍBLICAS DO SUCESSO
WILLIAM DOUGLAS
SEXTANTE
(2012)
R$ 18,90



UM ASSASSINO PARA O PAPA
TAD SZULC
RECORD
(2001)
R$ 20,00



CRÔNICAS ESCOLHIDAS - JOSÉ DE ALENCAR (LITERATURA BRASILEIRA)
JOSÉ DE ALENCAR
ÁTICA
(1995)
R$ 4,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês