Caminhos para a esquerda | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
>>> Cisne Negro
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
Mais Recentes
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
>>> Romântico, sedutor e anarquista -Como e por que ler Jorge Amado de Ana Maria Machado pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Easy English - Book One - 6a Edição de Nelsi M. de Jesus pela Eden
>>> Dieta das 8 horas de David Zinczenko - Peter Moore pela Sextante (2014)
>>> Law And Ecology The Rise of The Ecosystem Regime de Richard O. Broks/Ross Jones/Ross A.Virgínia pela Asgate Publishing (2002)
>>> Perguntas Perfeitas, Respostas Perfeitas de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupãda e Bob Cohen pela Bbt (1999)
>>> The Book Thief de Markus Zusak pela Knopf (2007)
>>> O processo civilizador 2: formação do estado e civilização de Norbert Elias pela Zahar (2019)
>>> O Livro das Coisas Perdidas de John Connolly pela Bertrand Brasil (2006)
>>> O Avesso e o Direito de Albert Camus pela Record (1996)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> A Semiologia de Pierre Guiraud pela Editorial Presença (1973)
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2020)
>>> Alta Fidelidade de Nick Hornby pela Rocco (1995)
>>> Fonte Viva de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2003)
>>> Cozinha de Estar - Receitas Práticas para Receber de Rita Lobo pela Paralela (2012)
>>> Uma janela em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das letras (2001)
>>> O ateneu de Raul Pompéia pela Estadão (1999)
>>> Deserto de Luis S. Krausz pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 3/2/2015
Caminhos para a esquerda
Celso A. Uequed Pitol

+ de 3200 Acessos

As eleições são, em geral, duelos de certezas: certezas sobre a maneira de se conduzir a economia, sobre os mecanismos de combate à corrupção, sobre a consistência moral e prática do projeto que se defende. E assim foi, mais do que todas, a eleição de 2014: eleitores dos dois lados envolvidos estavam, e ainda estão, plenos de certeza, de todas as certezas, e a elas se aferraram com impressionante vigor. É uma atitude natural. Não há espaço para questionamentos no meio da batalha: a dúvida e a incerteza são luxos a serem apreciados somente depois da eleição.

Pois bem. Passado algum tempo do pleito, com os resultados definidos, o partidário de um lado ou de outro pode finalmente apreciar estes luxos. Finalmente lhe é dada a chance de pegar um bom café, sentar gostosamente no sofá e meditar sobre o projeto que escolheu, pondo as certezas em momentânea suspensão e arriscando-se, com isso, a rever posicionamentos. Ou a reafirma-los mais consistemente após a passagem pelo ordálio do contraditório.

Para estas pessoas, que podem e querem dar a si mesmas este refinado prazer, recomenda-se vivamente a leitura de "O que a esquerda deve propor", de Roberto Mangabeira Unger neste momento. Não é necessário nos estendermos na apresentação do autor: trata-se de um dos maiores juristas do mundo, ex-ministro do governo Lula, professor em Harvard - onde chegou a dar aulas para o presidente Barack Obama - e um dos mais nomes mais relevantes da esquerda americana. Mangabeira Unger é, portanto, esquerdista, e fala daquilo que acha que a esquerda deveria propor. Mas sua fala não alcança apenas aos esquerdistas, e sim a todos os que estão preocupados com o futuro da democracia no Brasil.

Unger parte de uma constatação básica: "esgotaram-se as desastrosas aventuras ideológicas do século XX. E não surgiu qualquer ideologia abrangente, com a autoridade do liberalismo e do socialismo clássicos, para mostrar o caminho a seguir agora". É uma afirmação corajosa: com ela, o autor afasta-se dos últimos apologetas destas aventuras, alguns dos quais estariam, talvez, inclinados a simpatizar com ele. Ao mesmo tempo, não deixa de reconhecer "autoridade" no velho socialismo e no ainda mais velho liberalismo - uma autoridade inexistente nos discursos políticos que apareceram nas últimas décadas. "Os autodeclarados progressistas" - diz ele - " aparecem no palco da História contemporânea como humanizadores do inevitável: seu programa tornou-se o programa dos seus adversários conservadores, com um pequeno desconto. Disfarçam a rendição como síntese - de coesão social e flexibilidade econômica, por exemplo". E lança uma definição da "terceira via" dos trabalhistas ingleses, tão admirada nos 90 e no começo dos 2000, que merece figurar nos melhores commonplace books de hoje: "Suas "terceiras vias" são a primeira via com açúcar: o adoçante da política social compensatória e da seguridade social, substituindo a ampliação fundamental de oportunidades".

Unger está, portanto, insatisfeito. Não lhe basta o atual receituário do que se chama de esquerda e o antigo já não serve: o marxismo, diz ele, como doutrina está morto, e o socialismo como programa perdeu seu significado. É preciso procurar algo novo. E das muitas propostas e reflexões que este pequeno e inspirador livro traz, algumas sobressaem para o presente momento e podem nos ajudar a encontrar este novo caminho.

A primeira delas é a noção de democracia como promoção do indivíduo. Unger entende que democracia se estrutura a partir da promessa central de que o homem comum pode se tornar, nas suas palavras exatas, "maior e mais livre". Esta promessa, dirigida a este homem comum, é fundada numa crença fundamental: "fé nos poderes construtivos de homens e mulheres comuns - e o compromisso de elevá-los, para engrandecê-los" (p. 71). No entanto, essa atribuição do que deve ser a democracia e de qual o seu papel central pede que, antes de tudo, se tenha presente o que significa elevar o homem e para onde se quer elevá-lo. É um tema a ser discutido e refletido a priori, sem o qual a "fé nos poderes construtivos de homens e mulheres comuns" não levará a nada. É um antigo tópico iluminista devidamente atualizado.

Outra proposta fundamental é a de reinventar a economia de mercado. Não se trata, portanto, de lutar contra ela ou de tentar destruí-la , e nem mesmo da clássica fórmula social-democrata de Olof Palme, de considerar o capitalismo uma ovelha que não pode ser morta mas que deve ser mantida bem tosquiada. Unger não é contra o mercado. Ele quer buscar outro mercado, que a esquerda não deve tentar suprimir ou sufocar e sim democratizar. Marca desse posicionamento é a sua postura elogiosa ao empreendedorismo familiar como porta de entrada da população mais pobre, chegando mesmo a dizer que a esquerda não cometeu maior erro do que voltar-se contra a pequena burguesia, a qual - ele nota bem - "converteu-se na base social dos movimentos políticos que a derrotaram"(p. 53). Este é um ponto de especial interesse para o Brasil, país cujo povo é considerado o segundo mais empreendedor do mundo.

Contrariando o que grande parte da esquerda segue dizendo, Unger vê no nacionalismo um potencial a ser aproveitado pelo discurso progressista. A suspeita da esquerda em relação ao nacionalismo é bem fundada, e os exemplos de uso de sentimentos patrióticos pela extrema direita são suficientemente notórios para que seja necessário lembra-los. Ademais, a promoção dos direitos humanos, ponto básico de qualquer programa de esquerda, não deve conhecer fronteiras, raças, etnias ou idiomas. Unger argumenta, entretanto, que o processo de globalização e a tendência ao apagamento das identidades nacionais não diminuiram a vontade de diferença. Ao contrário: "à medida que uma nação" - diz ele -" fica mais parecida com sua vizinha, ela afirma mais desesperadamente sua dessemelhança". O nacionalismo existe e precisa ser trabalhado. E o nacionalismo redirecionado pela esquerda deve, segundo Unger, "transformar políticas democráticas, economias de mercado e sociedades civis livres em máquinas para o desenvolvimento de novas e definitivas formas de vida" (p. 57), além de ser um poderoso foco de resistência contra a globalização e seus efeitos maléficos: "O papel das diferenças nacionais, num mundo de democracias, é representar uma forma de especialização moral: a humanidade pode desenvolver seus poderes e possibilidades apenas se o fizer em direções diferentes" (p.140).

Outra rota de colisão entre Unger e grande parte da esquerda de hoje está em seu posicionamento sobre o que chama de "agendas morais modernistas", que incluem temas como o aborto, as ações afirmativas, etc, etc. No que respeita a estas últimas, ele duvida da sua eficácia como promotora de igualdade. Nesse ponto Unger não difere essencialmente da visão tradicional socialista, que desconfia das demandas "comunitárias" (feministas, étnicas, de minorias sexuais, etc.) por considerá-las divisivas dentro da luta de classes. Ele é explícito ao dizer que o critério para escolher beneficiários de programas sociais não deve ser a raça, mas sim a classe social (p.122). "Vai-se alcançar a raça através da classe, sem a mácula da inversão de benefício e necessidade, por conta do viés racial na composição da sub-classe". O foco da esquerda neste típico de política pública constitui, para ele, um equívoco, que ele expressa em tom surpreendente: "A decisão dos progressistas não só de esposar a agenda modernista, mas de reforça-la por lei e poder federais, foi uma calamidade prática. Junto com a ortodoxia racial, ajudou a reduzir as chances de conquistar, para um projeto progressista nacional, o apoio da maioria supra-racial da classe trabalhadora." E finaliza, em palavras que poderiam ter saído da pena e da boca de um marxista ortodoxo, que ele não é: "O coração de uma agenda de esquerda (....) tem de ser uma proposta de economia política".

Muitas das propostas presentes em "O que a esquerda deve propor" podem ser resumidas nos dois imperativos que ele coloca como essenciais para a política progressista: a necessidade de inovar e a necessidade de cooperar (pg. 63). Uma não pode existir sem a outra para que uma sociedade seja um motor de possibilidades para a população. Inovação sem cooperação degenera em atomização egoísta; cooperação sem inovação gera a estagnação e a repetição de fórmulas. Com estas guias mestras e muita coragem intelectual, Unger desafia ortodoxias e consensos ao apontar maneiras de a esquerda libertar-se da "ditadura de falta de alternativas" e propor caminhos que apontem o novo para as sociedades humanas. Que é, em suma, o que se espera dos adeptos e representantes da política progressista.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 3/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
03. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
04. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
05. 'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo de Duanne Ribeiro


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2015
01. Caminhos para a esquerda - 3/2/2015
02. Um estranho chamado Joe Strummer - 8/9/2015
03. Canadá, de Richard Ford - 17/11/2015
04. O testemunho de Bernanos - 4/8/2015
05. Um DJ no mundo comunista - 9/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRIANÇA E MISÉRIA - VIDA OU MORTE? - COLEÇÃO POLÊMICA
JOHN DREXEL E LEILA RENTROIA IANNONE
MODERNA
(1993)
R$ 5,00



O CASTELO BRANCO
ORHAN PAMUK; SERGIO FLAKSMAN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 24,90



THE ORDEAL OF TOTAL WAR 1939 - 1945
GORDON WRIGHT
HARPER
R$ 27,60



O PAPEL DA JURISPRUDÊNCIA NO STJ
ISABEL GALLOTTI
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2014)
R$ 110,00



SATIUSFAÇÃO DO CLIENTE - A OUTRA PARTE DO SEU TRABALHO
DRU SCOTT , PHD
QUALITYMARK
(2000)
R$ 12,00



IDEIAS DE LACAN - 2ª EDIÇÃO
OSCAR CESAROTTO ( ORGANIZADOR )
ILUMINURAS
(2016)
R$ 40,95



A AVENTURA DA REPORTAGEM
GILBERTO DIMENSTEIN/ RICARDO KOTSCHO
SUNMUS EDITORIAL
(1990)
R$ 9,98



AMEI, PERDI, FIZ ESPAGUETE
GIULIA MELUCCI
RECORD
(2010)
R$ 40,00



VIDA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY; PETER LANDLEES
DO AUTOR
(2014)
R$ 5,00



O REI DA MADISON AVENUE
KENNETH ROMAN
CULTRIX
(2011)
R$ 30,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês