Nuno Ramos, poesia... pois é | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
>>> O inútil de cada um
Mais Recentes
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
>>> urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas de Mauricio Sousa pela Mauricio Sousa (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 10/4/2012
Nuno Ramos, poesia... pois é
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6700 Acessos

Nuno Ramos tem gosto pela palavra. É autor de Ensaio Geral, livro de quase 400 páginas, além de mais 5 obras literárias: O pão do corvo, O mau vidraceiro, Cujo, Ó (prêmio Portugal Telecom de Literatura em 2009) e Junco (livro de poesia). No seu trabalho como artista plástico, também a palavra aparece como um dos elementos principais de sua criação.

Não estranha, portanto, o fato de Nuno Ramos também ser poeta. Seu livro, que denominou Junco, foi editado pela Iluminiras em 2011. O livro reúne poemas escritos e retrabalhados desde 1996, chegando até suas produções de 2010. Junto aos poemas, o poeta publica fotografias duplas, onde aparecem, lado a lado, as figuras de um cachorro caído em estradas e de troncos de árvores abandonados em praias desertas. A orelha do livro foi escrita pela estudiosa de literatura Flora Süssekind.

Depois da leitura de Junco, a primeira coisa que nos vêm à mente é a famosa frase de Mallarmé, endereçada ao pintor Degas, de que "não é com ideias que se fazem versos, mas com palavras". Esta talvez seja a característica principal da relação de Nuno Ramos com a poesia, ou seja, a de tratar o poema como o lugar onde a palavra explode quase como um objeto e não como instrumento de transmissão de ideias. Seu desejo é de reduzir a palavra a si mesma, torná-la independente da ideia, de quem sempre fôra veículo.

Se sua poesia tem uma grande virtude, ela é, antes de qualquer outra, a de abandonar o Eu romântico, característica que ainda assola parte da poesia contemporânea (e causa da desgraça de muitos poetas). Isso, por si só, já coloca Nuno Ramos junto com grande parte da boa poesia publicada hoje no Brasil (como é o caso da poesia de Júlio Castañon Guimarães).

Essa característica se deve, talvez, ao fato de que Nuno Ramos seja um artista plástico, lidando com objetos que são por ele (re)significados a partir de sua própria materialidade. E a poesia, enquanto lugar da vida das palavras, enquanto corpo presente, não deixa de ser um ramo entre outros da própria ideia de arte que Nuno processa.

Essa ideia pode ser reforçada pelas fotografias que conjugam uma relação próxima aos poemas, que são também objetos abandonados à sua condição de pura matéria, palavras deixadas na maré do asfalto das páginas do livro.

Também podemos pensar na ideia da palavra como objeto a partir de uma definição esplêndida que encontramos no livro Cujo, do próprio Nuno Ramos: "A pele do conteúdo cai. Depois de muitas peles, o próprio conteúdo cai. Depois o caído cai. Até a aniquilação."

Essa aniquilação interessa para a arte, lugar onde se detona o trabalho do tempo ao dar aos objetos o direito a uma última aparição, que seja na forma da matéria em estado bruto, só lâmina, mas transmutada na delicada condição poética do seu derradeiro resitir e existir.

A poesia de Nuno Ramos tateia os objetos e por isso estamos tão próximos de sentir sua presença carnal entre nossos dedos. Isso porque cada palavra parece investida de uma corporeidade que não a afasta, através de simbólicos significados ocultos, do objeto que representa. Lendo um dos poemas, o leitor poderá comprovar o que se disse acima:

Por fazer do mar gelatina
e tirar da areia sua opaca
modelagem
é a ti que canto, polvo
coisa mole e desabitada
pelo arcabouço de uma ossada
pronto para a metamorfose
lagarta transparente
onde recentes bichos humanos
mastigam
estrelas íntimas.
São oito veios de coral
canais de pedra e pistilos
renda
de sifões mínimos
onde sobre o alimento
pelo canudo faminto
que suga caule, areia e sal
e tudo o que cabe
numa manhã solar.

Lendo o poema acima, temos a sensação de que é a própria palavra quem fala, fala-se a si mesma, no sentido exigido por Mallarmé, de que ela se desvincula do sujeito, sendo mais "nome" que "verbo". A palavra deixa de ser o condutor de alguma verdade ou de conteúdos anímicos do sujeito (em crise).

Nas artes plásticas a mesma revolução já se processou, onde a tela não é mais o lugar da simples representação ou da transmutação do eu lírico em arte, mas da experiência física dos materiais no seu entre-choque com a forma.

Na literatura, Rimbaud iniciou essa revolução, tornando a palavra independente, sendo som, cor, valendo mais pelo que sugere do que pelo que transmite. Ele sente que o A é negro, "de negro veludo, esmaltado de ouro fino". Depois disso, a palavra teria outro valor na poesia, deixando de ser subordinada ao conteúdo. Não há mais possibilidade de poesia confessional, substituindo-se o EU pela poesia do É.

Em Nuno Ramos algo semelhante se processa, quando sentimos a dimensão sinestésica entre palavra e coisa: "polvo/ coisa mole e desabitada/ pelo arcabouço de uma ossada". Até se pode falar, em Junco, de um além do que desejava a poesia moderna, quando se buscava o casamento entre som e significado em unidades sólidas, o conteúdo intelectivo e o efeito sonoro produzindo um todo orgânico.

Chegando ao limite do dizível, resta à palavra sua existência própria, carnal, seu cheiro próprio, sua materialidade única, objectual, excluindo da sua relação com o homem a comunhão simbólica (já que a linguagem per si está em crise - ou Beckett não existiria), mantendo a distância entre as coisas e o eu. Poesia como "faca, só lâmina", como no verso de João Cabral, que Nuno admira tanto, chegando a dar à sua exposição no SESC o título "Só Lâmina".

É nesta clave que se situa a poesia de Nuno Ramos. E o casamento entre a plástica da fotografia e as palavras do poema em Junco está longe de servir como um instrumento de ilustração de um para o outro. Não são os significados que dão valor aos objetos (cachorro, troncos, palavras), são os objetos que se significam enquanto existência bruta, impondo-se peremptoriamente ao expectador, seja como coisa vazia de sentido (como o próprio homem), ou seja como o oceano deserto ou a estrada perdida, onde ancoramos nosso olhar, deitado sobre o vazio do objeto que se decompõe em inevitável aniquilamento, no nada.

Nuno Ramos não se deixa cair na cilada fácil da explicação/significação, fazendo nos seus versos as palavras retornarem ao lugar objectual que lhe interessa. Veja-se, por exemplo, a seguinte construção: "Um figo seco/ na praia onde fungos/ úmidos/ na praia onde fungos úmidos." Embora o poema prossiga, é preciso deter-se na matéria dos "fungos úmidos", é preciso que se lhes reconheça enquanto tal.

À questão nietzschiniana do sentido da palavra, de quem fala e porque fala, se fosse endereçada ao poeta Nuno Ramos, embora já saibamos, que quem fala é a própria palavra, ele responderia com sua própria poesia:

"(...)
Mas já velho navegado
Desejoso apenas de contar
os grãos do chão mais reles

de ler com as mãos
o texto que há nos veios
úmidos da árvore

horizontal, disponível
para autópsia
que encontrei na areia bege

de sentir a umidade
subir por meus cabelos
e o marrom quase da merda

contaminar as folhas verdes
de compreender com olfato
o signo

líquido
das entranhas
desses cães que idolatro (...)"


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/4/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eddie Van Halen (1955-2020) de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Cidade dos Lobisomens
Thiago Fernandes
Leitura
(2007)
R$ 10,00



Contos 4 Série Literária
Graciliano Ramos organização Maria Silva Gonçalves
Nacional
(1979)
R$ 10,00



Manual de Direito para Administração Hoteleira - 1988
Gladston Mamede
Atlas
(2002)
R$ 10,00



Além das Evidências
Alana Araji
Tlb
(2016)
R$ 10,00



Desenvolvimento Gerencial Estratégia e Competitividade
Pedro Monir Rodermel Maria do Carmo Schmidt
Ibpex
(2011)
R$ 10,00



Cultura Japonesa São Paulo - Rio de Janeiro - Curitiba
Célia F.
Aliança cultural Brasil-Japão
R$ 10,00



Eu Estou Ok, Você Está Ok?
Dr. Thomas A. Harris
Record
(1969)
R$ 10,00



Presença de Lobato
Paulo Dantas
Do Escritor
R$ 10,00



Ruínas de Gorlan - Rangers - Ordem dos Arqueiros 1
John Flanagan
Fundamento
(2011)
R$ 10,00



Aprendendo Com a Vida
Ivo Pitanguy
Best Seller / Círculo do Livro
(1993)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês