Nuno Ramos, poesia... pois é | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
>>> Um Chute na Rotina: os Quatro Papéis Essenciais do Processo Criativo de Roger Von Oech/ Ilustr. C. Scatamacchia pela Cultura Editores Associados (1998)
>>> Um Toc na Cuca: Técnicas para quem quer Ter Mais Criatividade na Vida de Roger Von Oech/ Ilustr. C. Scatamacchia pela Cultura Ed. Associados (1990)
>>> A filosofia na obra de Machado de Assis de Miguel Reale pela Pioneira (1982)
>>> La Rose du Peuple - La poésie de Carlos Drummond de Andrade de Dionysio Toledo- Wander Mello de Miranda- Celso Libânio (orgs.) pela Ufmg (2019)
>>> Cristianismo e Espiritismo de Léon Denis pela Feb (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 10/4/2012
Nuno Ramos, poesia... pois é
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5900 Acessos

Nuno Ramos tem gosto pela palavra. É autor de Ensaio Geral, livro de quase 400 páginas, além de mais 5 obras literárias: O pão do corvo, O mau vidraceiro, Cujo, Ó (prêmio Portugal Telecom de Literatura em 2009) e Junco (livro de poesia). No seu trabalho como artista plástico, também a palavra aparece como um dos elementos principais de sua criação.

Não estranha, portanto, o fato de Nuno Ramos também ser poeta. Seu livro, que denominou Junco, foi editado pela Iluminiras em 2011. O livro reúne poemas escritos e retrabalhados desde 1996, chegando até suas produções de 2010. Junto aos poemas, o poeta publica fotografias duplas, onde aparecem, lado a lado, as figuras de um cachorro caído em estradas e de troncos de árvores abandonados em praias desertas. A orelha do livro foi escrita pela estudiosa de literatura Flora Süssekind.

Depois da leitura de Junco, a primeira coisa que nos vêm à mente é a famosa frase de Mallarmé, endereçada ao pintor Degas, de que "não é com ideias que se fazem versos, mas com palavras". Esta talvez seja a característica principal da relação de Nuno Ramos com a poesia, ou seja, a de tratar o poema como o lugar onde a palavra explode quase como um objeto e não como instrumento de transmissão de ideias. Seu desejo é de reduzir a palavra a si mesma, torná-la independente da ideia, de quem sempre fôra veículo.

Se sua poesia tem uma grande virtude, ela é, antes de qualquer outra, a de abandonar o Eu romântico, característica que ainda assola parte da poesia contemporânea (e causa da desgraça de muitos poetas). Isso, por si só, já coloca Nuno Ramos junto com grande parte da boa poesia publicada hoje no Brasil (como é o caso da poesia de Júlio Castañon Guimarães).

Essa característica se deve, talvez, ao fato de que Nuno Ramos seja um artista plástico, lidando com objetos que são por ele (re)significados a partir de sua própria materialidade. E a poesia, enquanto lugar da vida das palavras, enquanto corpo presente, não deixa de ser um ramo entre outros da própria ideia de arte que Nuno processa.

Essa ideia pode ser reforçada pelas fotografias que conjugam uma relação próxima aos poemas, que são também objetos abandonados à sua condição de pura matéria, palavras deixadas na maré do asfalto das páginas do livro.

Também podemos pensar na ideia da palavra como objeto a partir de uma definição esplêndida que encontramos no livro Cujo, do próprio Nuno Ramos: "A pele do conteúdo cai. Depois de muitas peles, o próprio conteúdo cai. Depois o caído cai. Até a aniquilação."

Essa aniquilação interessa para a arte, lugar onde se detona o trabalho do tempo ao dar aos objetos o direito a uma última aparição, que seja na forma da matéria em estado bruto, só lâmina, mas transmutada na delicada condição poética do seu derradeiro resitir e existir.

A poesia de Nuno Ramos tateia os objetos e por isso estamos tão próximos de sentir sua presença carnal entre nossos dedos. Isso porque cada palavra parece investida de uma corporeidade que não a afasta, através de simbólicos significados ocultos, do objeto que representa. Lendo um dos poemas, o leitor poderá comprovar o que se disse acima:

Por fazer do mar gelatina
e tirar da areia sua opaca
modelagem
é a ti que canto, polvo
coisa mole e desabitada
pelo arcabouço de uma ossada
pronto para a metamorfose
lagarta transparente
onde recentes bichos humanos
mastigam
estrelas íntimas.
São oito veios de coral
canais de pedra e pistilos
renda
de sifões mínimos
onde sobre o alimento
pelo canudo faminto
que suga caule, areia e sal
e tudo o que cabe
numa manhã solar.

Lendo o poema acima, temos a sensação de que é a própria palavra quem fala, fala-se a si mesma, no sentido exigido por Mallarmé, de que ela se desvincula do sujeito, sendo mais "nome" que "verbo". A palavra deixa de ser o condutor de alguma verdade ou de conteúdos anímicos do sujeito (em crise).

Nas artes plásticas a mesma revolução já se processou, onde a tela não é mais o lugar da simples representação ou da transmutação do eu lírico em arte, mas da experiência física dos materiais no seu entre-choque com a forma.

Na literatura, Rimbaud iniciou essa revolução, tornando a palavra independente, sendo som, cor, valendo mais pelo que sugere do que pelo que transmite. Ele sente que o A é negro, "de negro veludo, esmaltado de ouro fino". Depois disso, a palavra teria outro valor na poesia, deixando de ser subordinada ao conteúdo. Não há mais possibilidade de poesia confessional, substituindo-se o EU pela poesia do É.

Em Nuno Ramos algo semelhante se processa, quando sentimos a dimensão sinestésica entre palavra e coisa: "polvo/ coisa mole e desabitada/ pelo arcabouço de uma ossada". Até se pode falar, em Junco, de um além do que desejava a poesia moderna, quando se buscava o casamento entre som e significado em unidades sólidas, o conteúdo intelectivo e o efeito sonoro produzindo um todo orgânico.

Chegando ao limite do dizível, resta à palavra sua existência própria, carnal, seu cheiro próprio, sua materialidade única, objectual, excluindo da sua relação com o homem a comunhão simbólica (já que a linguagem per si está em crise - ou Beckett não existiria), mantendo a distância entre as coisas e o eu. Poesia como "faca, só lâmina", como no verso de João Cabral, que Nuno admira tanto, chegando a dar à sua exposição no SESC o título "Só Lâmina".

É nesta clave que se situa a poesia de Nuno Ramos. E o casamento entre a plástica da fotografia e as palavras do poema em Junco está longe de servir como um instrumento de ilustração de um para o outro. Não são os significados que dão valor aos objetos (cachorro, troncos, palavras), são os objetos que se significam enquanto existência bruta, impondo-se peremptoriamente ao expectador, seja como coisa vazia de sentido (como o próprio homem), ou seja como o oceano deserto ou a estrada perdida, onde ancoramos nosso olhar, deitado sobre o vazio do objeto que se decompõe em inevitável aniquilamento, no nada.

Nuno Ramos não se deixa cair na cilada fácil da explicação/significação, fazendo nos seus versos as palavras retornarem ao lugar objectual que lhe interessa. Veja-se, por exemplo, a seguinte construção: "Um figo seco/ na praia onde fungos/ úmidos/ na praia onde fungos úmidos." Embora o poema prossiga, é preciso deter-se na matéria dos "fungos úmidos", é preciso que se lhes reconheça enquanto tal.

À questão nietzschiniana do sentido da palavra, de quem fala e porque fala, se fosse endereçada ao poeta Nuno Ramos, embora já saibamos, que quem fala é a própria palavra, ele responderia com sua própria poesia:

"(...)
Mas já velho navegado
Desejoso apenas de contar
os grãos do chão mais reles

de ler com as mãos
o texto que há nos veios
úmidos da árvore

horizontal, disponível
para autópsia
que encontrei na areia bege

de sentir a umidade
subir por meus cabelos
e o marrom quase da merda

contaminar as folhas verdes
de compreender com olfato
o signo

líquido
das entranhas
desses cães que idolatro (...)"


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/4/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS SEGREDOS DOS HOMENS
KEN DRUCK E JAMES SIMMONS
SARAIVA
(1989)
R$ 10,00



A TUMBA DA FAMÍLIA DE JESUS
SIMCHA JACOBOVICI E CHARLES PELLEGRINO
PLANETA
(2007)
R$ 12,00



EL OJO DEL TIGRE
WILBUR SMITH
EMECE
(1975)
R$ 7,50



OS JOGOS NO ENSINO DE CONCEITOS DE GEOMETRIA
LÚCIA HELENA SOARES DE OLIVEIRA UND PATRÍCIA SÁNCHEZ LIZARDI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O ROCHEDO DOS AMANTES (ESPÍRITO ANTÔNIO CARLOS)
VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
LÚMEN
(1995)
R$ 10,00



O LUSTRE CLARICE LISPECTOR
CLARICE LISPECTOR
EDIÇÕES DE OURO
R$ 6,90



A MAIS EFICAZ DAS ORGANIZAÇÕES
ROBERT WATSON / BEN BROWN
VIDA
(2003)
R$ 10,00



CLEÓPATRA - A HISTÓRIA DE UMA RAINHA
EMIL LUDWING
OUTROS
(1943)
R$ 8,64



FAZENDO O QUE IMPORTA
JAMES M. KILTS
CULTRIX
(2009)
R$ 23,90



HOLDINGS E JOINT VENTURES
RASMUSSEN
ADUANEIRAS
(1988)
R$ 21,82





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês