Shakespeare e as séries na TV | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Seis Contos da era do Jazz de F. Scott Fitzgerald pela José Olympio (1995)
>>> Livro Psicologia Libertando o Coração Espiritualidade e Psicologia Junguiana Coleção Estudos de Psicologia Junguiana Por Analistas Juinguianos de Lawrence W. Jaffe pela Cultrix (1990)
>>> Livro Poesia Chão de Vento de Flora Figueiredo pela Geração (2011)
>>> História Universal dos Algarismos 2 Tomos de Georges Ifrah pela Nova Fronteira (1997)
>>> Educação Psicocinética de Bruno Edgar Ries; Jacintho P. Targa; Luiz Settineri pela Sulina (1979)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Coleção Obra-Prima de Cada Autor 98 Macbeth de William Shakespeare pela Martin Claret (2002)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contos Volume 1 de H. P. Lovecraft pela Martin Claret (2017)
>>> As Aventuras Dos Filhotes de Vários Autores pela Todolivro (2004)
>>> Maturação Psicomotoro no Primeiro Ano de Vida da Criança de Lydia F. Coriat pela Cortez & Moraes (1977)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Livro Pedagogia Sobre Educação (Diálogos) de Paulo Freire; Sérgio Guimarães pela Paz e Terra (1982)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1998)
>>> Livro Literatura Estrangeira Canibais e Missionários de Mary Mccarthy pela Nova Fronteira (1980)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Canterville Ghost and Other Stories Level 4 de Oscar Wilde pela Pearson English Readers (2008)
>>> Anedotário Geral da Academia Brasileira de Josué Montello pela Francisco Alves (1980)
>>> Dudu E O Plástico-bolha de Stela Greco Loducca pela Companhia Das Letrinhas (2022)
>>> Livro Literatura Brasileira Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Possessing the Secret of Joy de Alice Walker pela Pocket Star Books (1992)
>>> Livro Literatura Brasileira Urupês Ml de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1997)
>>> Livro Mega Histórias 2 Em 1 Piratas E Dinossauros de Culturama pela Culturama (2016)
>>> Livro Culinária Alimentação Light de Ro Kupfer pela Ícone (1992)
>>> Grafite, Pichação & Cia de Célia Maria Antonacci Ramos pela Annablume (1994)
>>> Marquês de Sade - o Filósofo Libertino de Donald Thomas pela Civilizacao Brasileira (1992)
>>> Livro de Bolso Auto Ajuda Você é Insubstituível de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Comunicação Sem Complicação de Gustavo Gomes de Matos pela Campus
COLUNAS

Quinta-feira, 15/5/2014
Shakespeare e as séries na TV
Eugenia Zerbini
+ de 5000 Acessos



Os 450 anos do nascimento de William Shakespeare (1564-1616) são comemorados neste ano. Coincidência (ou não), durante um encontro em abril, em São Paulo, debateu-se a influência do dramaturgo e poeta inglês na produção dos atuais seriados televisivos. O evento, fruto de uma parceria entre a revista Brasileiros e a Livraria da Vila , reuniu, de um lado, Rodrigo Lacerda (escritor, ganhador por duas vezes do Prêmio Jabuti) e, do outro, Mauricio Stycer, colunista da Folha de São Paulo, sob a mediação de Daniel Benevides, editor do caderno de literatura da Brasileiros. Por caminhos diferentes chegaram à conclusão de que se o bardo vivesse hoje, estaria escrevendo series para a HBO.

Kevin Spacey já assumiu que se inspirou em Ricardo III para interpretar Frank Underwood, de House of Cards (por sinal, o ator já assumiu a pele do famigerado rei do "inverno do descontentamento" nos palcos ingleses e norte-americanos). Mas é de Iago, de Shakespeare, que o roteirista emprestou o molde para o senador. Em Otelo, tudo tem início quando o "mouro de Veneza" promove Cássio, preterindo Iago. É fácil transpor as palavras deste último para os lábios de Underwood, quando o recém eleito presidente dos Estados Unidos nega-lhe o cargo de chefe do Departamento de Estado:

"Só continuo sob as ordens dele para servir meus propósitos a seu respeito. Nem todos podem ser amos, nem todos os amos podem ser fielmente servidos. Observarás muitos desses canalhas, obedientes e de joelhos flexíveis, que, adorando sua obsequiosa servidão, empregam o próprio tempo exatamente como se fossem o burro do próprio dono, somente pela forragem e, quando ficam velhos, são demitidos. Chicote nesses patifes honestos! Há outros que, afetando observar escrupulosamente as formas e visagens da obediência e ataviando-se com a fisionomia de respeito, guardam nos corações a preocupação de si mesmos, só dando aos seus senhores a aparência do próprio zelo, utilizando-os para seus negócios e, bem forradas suas roupas, prestam homenagens a si mesmo. Esses camaradas tem certa inteligência e a semelhante categoria confesso pertencer" (Otelo, Primeiro Ato, Cena Primeira, diálogo entre Iago e Rodrigo).

Não é difícil identificar Lady Macbeth sob a cabeleira curta e loura de Claire Underwood. Francis - como apenas ela se dirige ao marido -, na segunda temporada de House of Cards, até comentou não saber se sente amor ou medo por Claire. Em Família Soprano, Tony Soprano, por sua vez, parece ter sido inspirado por Rei Lear, um soberano confuso e contraditório num reino que se desgoverna. E o espírito de Lord Macbeth estaria por trás da máscara de Walter White, de Breaking Bad, ambos vítimas de suas próprias escolhas, numa corrida sem freios em que o primeiro erro conduz a uma coleção de outros.

Abrindo o bate-papo da noite da noite de abril, Daniel Benevides, entusiasmado, alertou que quebraria as regras de mediador do debate. De pronto, adiantou que não tinha dúvida da influência de Shakespeare nas séries televisivas. A audiência que lotava o The Globe, onde o bardo encenava suas peças, era formada por pessoas do povo. Do mesmo modo que as séries são vistas por grandes audiências. Tanto na dramaturgia shakesperiana como nas três séries citadas, os enredos retratam dramas humanos, com personagens complexos, fugindo da superficialidade até então reinante na televisão.

Stycer avalizou a opinião do mediador. Seria até possível traduzir o alto nível dos seriados nos últimos anos em uma terceira edição dos Anos Dourados da televisão. Ponderou ele que a primeira ocorreu nos anos 1950, quando pela TV eram transmitidos concertos, óperas, peças clássicas e grandes entrevistas. A segunda, um breve período de excelência na programação das emissoras nos anos 1980. A terceira, a atual maré de ótimos seriados, cuja primeira onde foi Família Soprano, seguida de A sete palmos e Mad men. Ao assim periodizar a história da experiência televisiva, Mauricio Stycer reportou-se à classificação realizada no livro recém publicado no Brasil de Brett Martin, Homens Difíceis (os bastidores do processo criativo de Breaking Bad, Família Soprano e Mad Man e outras séries revolucionárias) (SP, Aleph, 2014), cuja leitura é quase tão prazerosa quanto assistir a uma temporada de uma dessas ótimas séries.

The last but not the least, Rodrigo Lacerda tomou a palavra. Com humor, arriscou discordar daqueles que o antecederam. Em primeiro lugar, sublinhou que, apesar de respeitar a opinião de Harold Bloom, expressa em A invenção do humano (RJ, Objetiva, 2000), não acredita na tese de que Shakespeare inventou o homem, ao nomear seus sentimentos, medos, fraquezas, fantasmas por meio de seus personagens. O homem não aprendeu a sentir ciúmes com Otelo. Aliás, observou Lacerda, passado o sucesso que suas peças experimentaram nos séculos XVI e XVII, no século seguinte Shakespeare caiu no esquecimento. Será resgatado, no século XIX, pelos românticos - afinal, haveria maior romântico do que Hamlet com suas questões sobre o ser ou não ser? - e pela publicação, em 1807, do All tales from Shakespeare, de Charles e Mary Lamb, em que o casal de irmãos colocou em prosa as peças do dramaturgo.

Continuando, o premiado autor de O mistério do leão rampante(SP, Ateliê Editorial) e O fazedor de velhos(SP,Cosac) apontou várias diferenças entre a dramaturgia de Shakespeare e as séries de TV. Longe de negar a genialidade do grande clássico, Rodrigo Lacerda lembrou que, se por um lado, os seriados primam por tramas originais, o autor inglês sempre recuperou seus enredos do passado. Às vezes, na crônica histórica, do seu país ou da Antiguidade Clássica. Por outras, em obras que o antecederam: Hamlet é uma antiquíssima lenda escandinava, ao passo que a história explorada em Rei Lear pertence ao folclore anglo-saxão. A principal fonte para Macbeth foi The Chronicle of England and Scotland, publicada em 1557 que, por seu turno, tem base em registros ainda mais antigos.

Prosseguindo, Lacerda esclareceu que, ao contrário do que se pensa, as peças de Shakespeare não são realistas. O maravilhoso desempenha papel importante em quase todos os contextos. As bruxas e a aparição em Macbeth; o fantasma em Hamlet; duendes, sátiros e ninfas, em Sonhos de uma Noite de Verão. Encenados em um palco despido de recursos cênicos, os textos são repletos de indicações de tempo e de espaço, possibilitando à plateia situar-se na cena. Por exemplo, em Romeu e Julieta, esta última pontua a passagem do tempo em uma de suas falas:

"O relógio soava nove horas, quando a ama partiu. Prometeu-me voltar em meia hora. Talvez não tenha podido encontrá-lo! Não, impossível! Oh! Ela é coxa! Os arautos do amor deviam ser os pensamentos, que correm dez vezes mais depressa do que os raios solares, quando expulsam as sombras das colinas nubladas. Por isso, puxam o carro do amor rápidas pombas e Cupido, semelhante ao vento, possui asas. Agora o sol está sobre o mais alto monte da jornada diária e três horas intermináveis transcorreram de nove às doze" (Romeu e Julieta, Ato II, Cena V, no Jardim dos Capuleto, fala de Julieta).

Nas séries, salientou Rodrigo Lacerda, onde o realismo impera, ancorado em recursos técnicos abundantes, essas marcações são desnecessárias. Indo além: segundo ele, nas séries, a construção e seus encaixes são perfeitos. Shakespeare, nesse ponto, é meio displicente, deixando mais de uma vez pontas soltas. O exemplo clássico é a morte de Polônio. Hamlet, em conversa com a rainha sua mãe, pressente alguém escondido atrás da cortina. Saca da espada e mata essa pessoa. Com horror, descobre tratar-se de Polônio, pai do seu amigo, Laerte. Mas na cena anterior, Hamlet não conversava com Polônio,a grande distância desse aposento? Haveria passagens ocultas, que permitiriam a movimentação escondida pelo castelo? E o que Polônio fazia no quarto da rainha?

Um amigo repetia que Shakespeare deveria ser um péssimo caráter pois só assim poderia dar vida à Ofélia, a desventurada noiva de Hamlet, que morre louca de amor, e, ao mesmo tempo, à inescrupulosa Lady Macbeth. Words, words, words, observaria Lord Polonius, se ainda estivesse vivo atrás daquela cortina hameltiana. Shakespeare inspirou desde óperas (Macbeth e Falstaff, via As alegres comadres de Windsor, as duas de Verdi; ) a musicais na Broadway (Kiss me Kate, do fabuloso Cole Porter, cuja fonte foi A megera domada); de música da câmara (o trio para piano e cordas nº 70/2 de Beethoven, conhecido como "trio Fantasma", sobre o qual já se escreveu aqui) a um sem numero de filmes, de Woody Allen a Kurosawa. Cada época com seus pássaros, cada pássaro com sua canção: por que não Shakespeare nas séries de TV? Além da bardolatria, o público só tem a ganhar.

Enfim, até outubro, a Brasileiros e a Livraria da Vila continuarão a promover debates mensais em que a literatura será a grande atração. A programação completa está no site dessa parceira, batizada como Projeto Vila Brasileiros. Gratuíto, sempre na Livraria da Vila, Rua Fradique Coutinho, 915, das 19h30 às 21h30.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 15/5/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu dente (quase) caiu de Ana Elisa Ribeiro
02. O Leão e o Unicórnio II de Guga Schultze
03. O fim do teatro de Kátia Gomes


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2014
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. O pródigo e o consumo - 11/9/2014
04. Jackie O., editora - 20/3/2014
05. Tons por detrás do rei de amarelo - 26/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Travessia 395
William P. Young
Arqueiro
(2012)



Livro Biografias Não Há Silêncio Que Não Termine Meus Anos de Cativeiro na Selva Colombiana
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert
Objetiva
(2008)



A Tres a Gente Sempre Sabe da Verdade e Salve o Casamento
Vand Grand
Oriom
(2008)



Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
IJb



Um Acordo de Cavalheiros
Lucy Vargas
Bertrand Brasil
(2017)



Imaginação Criadora
Roy Eugene Davis
Seicho no Ie
(1978)



Efeito Borboleta -um Simples Gesto, um Mundo de Diferença
Glenn Packiam
Garimpo
(2010)



As 5 Coisas Que Não Podemos Mudar
David Richo
Arx
(2006)



Um Sábado que Não Existiu
Renato Modernell
Mackenzie





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês