Shakespeare e as séries na TV | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Civilizado?
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/5/2014
Shakespeare e as séries na TV
Eugenia Zerbini

+ de 4100 Acessos



Os 450 anos do nascimento de William Shakespeare (1564-1616) são comemorados neste ano. Coincidência (ou não), durante um encontro em abril, em São Paulo, debateu-se a influência do dramaturgo e poeta inglês na produção dos atuais seriados televisivos. O evento, fruto de uma parceria entre a revista Brasileiros e a Livraria da Vila , reuniu, de um lado, Rodrigo Lacerda (escritor, ganhador por duas vezes do Prêmio Jabuti) e, do outro, Mauricio Stycer, colunista da Folha de São Paulo, sob a mediação de Daniel Benevides, editor do caderno de literatura da Brasileiros. Por caminhos diferentes chegaram à conclusão de que se o bardo vivesse hoje, estaria escrevendo series para a HBO.

Kevin Spacey já assumiu que se inspirou em Ricardo III para interpretar Frank Underwood, de House of Cards (por sinal, o ator já assumiu a pele do famigerado rei do "inverno do descontentamento" nos palcos ingleses e norte-americanos). Mas é de Iago, de Shakespeare, que o roteirista emprestou o molde para o senador. Em Otelo, tudo tem início quando o "mouro de Veneza" promove Cássio, preterindo Iago. É fácil transpor as palavras deste último para os lábios de Underwood, quando o recém eleito presidente dos Estados Unidos nega-lhe o cargo de chefe do Departamento de Estado:

"Só continuo sob as ordens dele para servir meus propósitos a seu respeito. Nem todos podem ser amos, nem todos os amos podem ser fielmente servidos. Observarás muitos desses canalhas, obedientes e de joelhos flexíveis, que, adorando sua obsequiosa servidão, empregam o próprio tempo exatamente como se fossem o burro do próprio dono, somente pela forragem e, quando ficam velhos, são demitidos. Chicote nesses patifes honestos! Há outros que, afetando observar escrupulosamente as formas e visagens da obediência e ataviando-se com a fisionomia de respeito, guardam nos corações a preocupação de si mesmos, só dando aos seus senhores a aparência do próprio zelo, utilizando-os para seus negócios e, bem forradas suas roupas, prestam homenagens a si mesmo. Esses camaradas tem certa inteligência e a semelhante categoria confesso pertencer" (Otelo, Primeiro Ato, Cena Primeira, diálogo entre Iago e Rodrigo).

Não é difícil identificar Lady Macbeth sob a cabeleira curta e loura de Claire Underwood. Francis - como apenas ela se dirige ao marido -, na segunda temporada de House of Cards, até comentou não saber se sente amor ou medo por Claire. Em Família Soprano, Tony Soprano, por sua vez, parece ter sido inspirado por Rei Lear, um soberano confuso e contraditório num reino que se desgoverna. E o espírito de Lord Macbeth estaria por trás da máscara de Walter White, de Breaking Bad, ambos vítimas de suas próprias escolhas, numa corrida sem freios em que o primeiro erro conduz a uma coleção de outros.

Abrindo o bate-papo da noite da noite de abril, Daniel Benevides, entusiasmado, alertou que quebraria as regras de mediador do debate. De pronto, adiantou que não tinha dúvida da influência de Shakespeare nas séries televisivas. A audiência que lotava o The Globe, onde o bardo encenava suas peças, era formada por pessoas do povo. Do mesmo modo que as séries são vistas por grandes audiências. Tanto na dramaturgia shakesperiana como nas três séries citadas, os enredos retratam dramas humanos, com personagens complexos, fugindo da superficialidade até então reinante na televisão.

Stycer avalizou a opinião do mediador. Seria até possível traduzir o alto nível dos seriados nos últimos anos em uma terceira edição dos Anos Dourados da televisão. Ponderou ele que a primeira ocorreu nos anos 1950, quando pela TV eram transmitidos concertos, óperas, peças clássicas e grandes entrevistas. A segunda, um breve período de excelência na programação das emissoras nos anos 1980. A terceira, a atual maré de ótimos seriados, cuja primeira onde foi Família Soprano, seguida de A sete palmos e Mad men. Ao assim periodizar a história da experiência televisiva, Mauricio Stycer reportou-se à classificação realizada no livro recém publicado no Brasil de Brett Martin, Homens Difíceis (os bastidores do processo criativo de Breaking Bad, Família Soprano e Mad Man e outras séries revolucionárias) (SP, Aleph, 2014), cuja leitura é quase tão prazerosa quanto assistir a uma temporada de uma dessas ótimas séries.

The last but not the least, Rodrigo Lacerda tomou a palavra. Com humor, arriscou discordar daqueles que o antecederam. Em primeiro lugar, sublinhou que, apesar de respeitar a opinião de Harold Bloom, expressa em A invenção do humano (RJ, Objetiva, 2000), não acredita na tese de que Shakespeare inventou o homem, ao nomear seus sentimentos, medos, fraquezas, fantasmas por meio de seus personagens. O homem não aprendeu a sentir ciúmes com Otelo. Aliás, observou Lacerda, passado o sucesso que suas peças experimentaram nos séculos XVI e XVII, no século seguinte Shakespeare caiu no esquecimento. Será resgatado, no século XIX, pelos românticos - afinal, haveria maior romântico do que Hamlet com suas questões sobre o ser ou não ser? - e pela publicação, em 1807, do All tales from Shakespeare, de Charles e Mary Lamb, em que o casal de irmãos colocou em prosa as peças do dramaturgo.

Continuando, o premiado autor de O mistério do leão rampante(SP, Ateliê Editorial) e O fazedor de velhos(SP,Cosac) apontou várias diferenças entre a dramaturgia de Shakespeare e as séries de TV. Longe de negar a genialidade do grande clássico, Rodrigo Lacerda lembrou que, se por um lado, os seriados primam por tramas originais, o autor inglês sempre recuperou seus enredos do passado. Às vezes, na crônica histórica, do seu país ou da Antiguidade Clássica. Por outras, em obras que o antecederam: Hamlet é uma antiquíssima lenda escandinava, ao passo que a história explorada em Rei Lear pertence ao folclore anglo-saxão. A principal fonte para Macbeth foi The Chronicle of England and Scotland, publicada em 1557 que, por seu turno, tem base em registros ainda mais antigos.

Prosseguindo, Lacerda esclareceu que, ao contrário do que se pensa, as peças de Shakespeare não são realistas. O maravilhoso desempenha papel importante em quase todos os contextos. As bruxas e a aparição em Macbeth; o fantasma em Hamlet; duendes, sátiros e ninfas, em Sonhos de uma Noite de Verão. Encenados em um palco despido de recursos cênicos, os textos são repletos de indicações de tempo e de espaço, possibilitando à plateia situar-se na cena. Por exemplo, em Romeu e Julieta, esta última pontua a passagem do tempo em uma de suas falas:

"O relógio soava nove horas, quando a ama partiu. Prometeu-me voltar em meia hora. Talvez não tenha podido encontrá-lo! Não, impossível! Oh! Ela é coxa! Os arautos do amor deviam ser os pensamentos, que correm dez vezes mais depressa do que os raios solares, quando expulsam as sombras das colinas nubladas. Por isso, puxam o carro do amor rápidas pombas e Cupido, semelhante ao vento, possui asas. Agora o sol está sobre o mais alto monte da jornada diária e três horas intermináveis transcorreram de nove às doze" (Romeu e Julieta, Ato II, Cena V, no Jardim dos Capuleto, fala de Julieta).

Nas séries, salientou Rodrigo Lacerda, onde o realismo impera, ancorado em recursos técnicos abundantes, essas marcações são desnecessárias. Indo além: segundo ele, nas séries, a construção e seus encaixes são perfeitos. Shakespeare, nesse ponto, é meio displicente, deixando mais de uma vez pontas soltas. O exemplo clássico é a morte de Polônio. Hamlet, em conversa com a rainha sua mãe, pressente alguém escondido atrás da cortina. Saca da espada e mata essa pessoa. Com horror, descobre tratar-se de Polônio, pai do seu amigo, Laerte. Mas na cena anterior, Hamlet não conversava com Polônio,a grande distância desse aposento? Haveria passagens ocultas, que permitiriam a movimentação escondida pelo castelo? E o que Polônio fazia no quarto da rainha?

Um amigo repetia que Shakespeare deveria ser um péssimo caráter pois só assim poderia dar vida à Ofélia, a desventurada noiva de Hamlet, que morre louca de amor, e, ao mesmo tempo, à inescrupulosa Lady Macbeth. Words, words, words, observaria Lord Polonius, se ainda estivesse vivo atrás daquela cortina hameltiana. Shakespeare inspirou desde óperas (Macbeth e Falstaff, via As alegres comadres de Windsor, as duas de Verdi; ) a musicais na Broadway (Kiss me Kate, do fabuloso Cole Porter, cuja fonte foi A megera domada); de música da câmara (o trio para piano e cordas nº 70/2 de Beethoven, conhecido como "trio Fantasma", sobre o qual já se escreveu aqui) a um sem numero de filmes, de Woody Allen a Kurosawa. Cada época com seus pássaros, cada pássaro com sua canção: por que não Shakespeare nas séries de TV? Além da bardolatria, o público só tem a ganhar.

Enfim, até outubro, a Brasileiros e a Livraria da Vila continuarão a promover debates mensais em que a literatura será a grande atração. A programação completa está no site dessa parceira, batizada como Projeto Vila Brasileiros. Gratuíto, sempre na Livraria da Vila, Rua Fradique Coutinho, 915, das 19h30 às 21h30.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 15/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
04. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
05. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2014
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. O pródigo e o consumo - 11/9/2014
04. Jackie O., editora - 20/3/2014
05. Tons por detrás do rei de amarelo - 26/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INDEPENDENT FILMMAKING
LENNY LIPTON
STUDIO VISTA (LONDRES)
(1974)
R$ 20,28



QUEM FICA COM FELIPE?
ILSA MONTEIRO
FTD
R$ 7,00



CHICO BENTO MOÇO VOL 15
MAURICIO DE SOUSA
PANINI
(2013)
R$ 6,70



FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA GERAL
PEDRO ANTÓNIO DOS SANTOS
GEN / ATLAS
(2013)
R$ 60,00



ARTE BRASILEIRA DOS SECULOS XIX E XX NA COLECAO BOVESPA
VÁRIOS AUTORES
BOVESPA
(2007)
R$ 60,00



PRATICA FORENSE V. 2 - PRATICA ADMINISTRATIVO
ALEXANDRE MAZZA - FLÁVIA CRISTINA MOURA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 37,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO, OS ADULTOS PODEM VIRAR GENTE
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 15,00



NOS SUBTERRÂNEOS DA MENTE 5565
FRITZ REDLICH E JUNE BINGHAM
IBRASA
(1962)
R$ 8,00



A DIVINA COMÉDIA - EDIÇÃO BILÍNGUE
DANTE ALIGHIERI; VASCO GRAÇA MOURA
LANDMARK
(2005)
R$ 95,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
KLICK
R$ 4,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês