Shakespeare e as séries na TV | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
82020 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Historiador mapeia o apoio financeiro norte-americano a governadores pré-golpe de 1964
>>> Oficina: Revisão de literatura traduzida Inglês/Português (EaD)
>>> DIA 5 DE OUTUBRO – BJÖRK DIGITAL ONLINE!
>>> Próxima Live do Grupontapé será realizada com o ator e diretor teatral do Grupo Galpão de Belo Horiz
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filosofia cai no gosto... (2)
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mudanças I
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> 7 de Setembro
>>> Vicky Cristina Barcelona
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Dogville e a poesia
Mais Recentes
>>> O Fundo do Ar e Outros Poemas de Alexandre Brito 2004 Ameop pela Ameop (2004)
>>> O Mínimo Tu Em Mim de Daniel Conte pela Trajetos Editorial (2017)
>>> Renascimento e a Lei do Carma de William Walker Atkinson pela Pensamento (1963)
>>> As Chaves do Reino Interno de Jorge Adoum pela Pensamento (1993)
>>> A Sabedoria Tradicional de H. P. Blavatsky pela Hemus (1982)
>>> Um Habitante de Dois Planetas de Phylos o tibetano pela Biblioteca Rosacruz (1994)
>>> Mito e Corpo - Uma Conversa com Joseph Campbell de Stanley Keleman pela Summus (2001)
>>> Trotski de Orlando Miranda pela Ática (1981)
>>> Missao, Motivo, Guerra de Patrick ness pela Pandora (2013)
>>> Cerejeira Rosa de Mario Mascarenhas pela Fermata (1954)
>>> A Morte da Verdade. Notas Sobre a Mentira na Era Trump de Michiko Kakutani pela Intrínseca (2018)
>>> Tópicos de Manejo da Fauna silvestre de Elias Silva pela Ufv (1993)
>>> Cielito lindo e LA cucaracha de Mario Mascarenhas pela Mario Mascarenhas (1959)
>>> Proudhon de Paulo-Edgar A. Resende & Edson Passetti pela Ática (1986)
>>> Atuação ano 19 n° 3 Revolução Farroupilha e Pelotas Parou de Diversos autores pela Ucpel (1985)
>>> Música 38 Gil Baby e Zezé de Sistema Imprima de cifragem pela Imprima (1980)
>>> Jazz para principiantes de Ron David pela Objetiva (1996)
>>> Beethoven Sonata op 79 Per Pianoforte de Casella pela Ricordi
>>> Deus fala a seus filhos de Maria cecilia Amarante pela Verbo Divino
>>> Altura 22 abril 1949 de Diversos autores pela Altura (1949)
>>> Hypnosis in the relief of paim de Ernest r hilgard josephine hilgard pela William Kaufmann (1975)
>>> Encontros de Redação de Jayme Barros pela Moderna (1986)
>>> Amigos de Pelotas.com de Rubens filho org. pela Mundial (2009)
>>> Versos e Crônicas do Acaso de Oswaldo Bender pela Mundial (1986)
>>> Tex especial de férias 9 de Mythos editora pela Mythos (2010)
>>> Tex especial de férias 11 de Mythos editora pela Mythos (2012)
>>> Sétimo Céu 248 de Diversos autores pela Bloch
>>> Sétimo céu 13 o máximo em fotonovelas de Diversos autores pela Bloch (1973)
>>> Quarenta e oito: Direitos Humanos de Bethânia Helder, Caroline Frantz e Tiago Bianchi editores pela Puc Rio Grande do Sul (2015)
>>> Herança Judaica n. 115 Leon Fetter 1902-1998: Tragetória de um lider de Vários pela B'Nai B'Rith do Brasil - Distrito 25 (2002)
>>> Again (Fox) de Lionel Newman dorcas cochran pela Todamerica (1948)
>>> O vendedor de amendoim rumba de Mario Mascarenhas pela Mangione (1932)
>>> Vassourinha Frevo de Mario Mascarenhas pela Irmãos Vitale (1953)
>>> Dinheiro&direitos N.8 Automóvel de Vários pela Proteste (2007)
>>> Mojo The Collector Series de Bob Dylan 1941-1973 pela Mojo (2020)
>>> Diana de Paul Anka pela Robert Mellin (1957)
>>> Soy um extraño de Gonzalo Curiel pela Irmãos Vitale (1956)
>>> Para vigo me voy de Ernesto Lecuona pela Irmãos Vitale (1938)
>>> Que é O Sistema Mundial do Socialismo de G. Pirogov pela Edições Proguresso (1987)
>>> Atlas da exclusão social no Brasil de Diversos autores pela Cortez (2003)
>>> Desenvolvimento de competencias matemáticas com recursos lúdico manipulativos de Angel Alsina pela Base (2009)
>>> Coleção Grandes Astros do Cinema v. 18- Jeanne Moreau de Folha de São Paulo pela Folha (2014)
>>> Czerny etudes de mecanisme de Tyson Wolff pela Breitkopf
>>> Nuestra senora del Huerto de Juan franc aragone pela Casa lacano (1925)
>>> Antologia do Conto Moderno de Ignazio Silone pela Atlântida (1915)
>>> Reforma, revisionismo e oportunismo de Rosa Luxemburg pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Obras-primas do jazz de Luiz Orlando Carneiro pela Jorge Zahar (1986)
>>> Contos de Machado de Assis pela Movimento (2000)
>>> Anarquismo. Uma história das ideias e movimentos libertários Vol. 2 de George Woodcock pela L&PM (1984)
>>> Para Ler Gaúchos de Aldyr Garcia Schlee, Charles Kiefer, Josué Guimarães, laury Maciel, Lourenço Cazarré, Moacyar Scliar e Sérgio Faraco pela Novo Século (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/5/2014
Shakespeare e as séries na TV
Eugenia Zerbini

+ de 4300 Acessos



Os 450 anos do nascimento de William Shakespeare (1564-1616) são comemorados neste ano. Coincidência (ou não), durante um encontro em abril, em São Paulo, debateu-se a influência do dramaturgo e poeta inglês na produção dos atuais seriados televisivos. O evento, fruto de uma parceria entre a revista Brasileiros e a Livraria da Vila , reuniu, de um lado, Rodrigo Lacerda (escritor, ganhador por duas vezes do Prêmio Jabuti) e, do outro, Mauricio Stycer, colunista da Folha de São Paulo, sob a mediação de Daniel Benevides, editor do caderno de literatura da Brasileiros. Por caminhos diferentes chegaram à conclusão de que se o bardo vivesse hoje, estaria escrevendo series para a HBO.

Kevin Spacey já assumiu que se inspirou em Ricardo III para interpretar Frank Underwood, de House of Cards (por sinal, o ator já assumiu a pele do famigerado rei do "inverno do descontentamento" nos palcos ingleses e norte-americanos). Mas é de Iago, de Shakespeare, que o roteirista emprestou o molde para o senador. Em Otelo, tudo tem início quando o "mouro de Veneza" promove Cássio, preterindo Iago. É fácil transpor as palavras deste último para os lábios de Underwood, quando o recém eleito presidente dos Estados Unidos nega-lhe o cargo de chefe do Departamento de Estado:

"Só continuo sob as ordens dele para servir meus propósitos a seu respeito. Nem todos podem ser amos, nem todos os amos podem ser fielmente servidos. Observarás muitos desses canalhas, obedientes e de joelhos flexíveis, que, adorando sua obsequiosa servidão, empregam o próprio tempo exatamente como se fossem o burro do próprio dono, somente pela forragem e, quando ficam velhos, são demitidos. Chicote nesses patifes honestos! Há outros que, afetando observar escrupulosamente as formas e visagens da obediência e ataviando-se com a fisionomia de respeito, guardam nos corações a preocupação de si mesmos, só dando aos seus senhores a aparência do próprio zelo, utilizando-os para seus negócios e, bem forradas suas roupas, prestam homenagens a si mesmo. Esses camaradas tem certa inteligência e a semelhante categoria confesso pertencer" (Otelo, Primeiro Ato, Cena Primeira, diálogo entre Iago e Rodrigo).

Não é difícil identificar Lady Macbeth sob a cabeleira curta e loura de Claire Underwood. Francis - como apenas ela se dirige ao marido -, na segunda temporada de House of Cards, até comentou não saber se sente amor ou medo por Claire. Em Família Soprano, Tony Soprano, por sua vez, parece ter sido inspirado por Rei Lear, um soberano confuso e contraditório num reino que se desgoverna. E o espírito de Lord Macbeth estaria por trás da máscara de Walter White, de Breaking Bad, ambos vítimas de suas próprias escolhas, numa corrida sem freios em que o primeiro erro conduz a uma coleção de outros.

Abrindo o bate-papo da noite da noite de abril, Daniel Benevides, entusiasmado, alertou que quebraria as regras de mediador do debate. De pronto, adiantou que não tinha dúvida da influência de Shakespeare nas séries televisivas. A audiência que lotava o The Globe, onde o bardo encenava suas peças, era formada por pessoas do povo. Do mesmo modo que as séries são vistas por grandes audiências. Tanto na dramaturgia shakesperiana como nas três séries citadas, os enredos retratam dramas humanos, com personagens complexos, fugindo da superficialidade até então reinante na televisão.

Stycer avalizou a opinião do mediador. Seria até possível traduzir o alto nível dos seriados nos últimos anos em uma terceira edição dos Anos Dourados da televisão. Ponderou ele que a primeira ocorreu nos anos 1950, quando pela TV eram transmitidos concertos, óperas, peças clássicas e grandes entrevistas. A segunda, um breve período de excelência na programação das emissoras nos anos 1980. A terceira, a atual maré de ótimos seriados, cuja primeira onde foi Família Soprano, seguida de A sete palmos e Mad men. Ao assim periodizar a história da experiência televisiva, Mauricio Stycer reportou-se à classificação realizada no livro recém publicado no Brasil de Brett Martin, Homens Difíceis (os bastidores do processo criativo de Breaking Bad, Família Soprano e Mad Man e outras séries revolucionárias) (SP, Aleph, 2014), cuja leitura é quase tão prazerosa quanto assistir a uma temporada de uma dessas ótimas séries.

The last but not the least, Rodrigo Lacerda tomou a palavra. Com humor, arriscou discordar daqueles que o antecederam. Em primeiro lugar, sublinhou que, apesar de respeitar a opinião de Harold Bloom, expressa em A invenção do humano (RJ, Objetiva, 2000), não acredita na tese de que Shakespeare inventou o homem, ao nomear seus sentimentos, medos, fraquezas, fantasmas por meio de seus personagens. O homem não aprendeu a sentir ciúmes com Otelo. Aliás, observou Lacerda, passado o sucesso que suas peças experimentaram nos séculos XVI e XVII, no século seguinte Shakespeare caiu no esquecimento. Será resgatado, no século XIX, pelos românticos - afinal, haveria maior romântico do que Hamlet com suas questões sobre o ser ou não ser? - e pela publicação, em 1807, do All tales from Shakespeare, de Charles e Mary Lamb, em que o casal de irmãos colocou em prosa as peças do dramaturgo.

Continuando, o premiado autor de O mistério do leão rampante(SP, Ateliê Editorial) e O fazedor de velhos(SP,Cosac) apontou várias diferenças entre a dramaturgia de Shakespeare e as séries de TV. Longe de negar a genialidade do grande clássico, Rodrigo Lacerda lembrou que, se por um lado, os seriados primam por tramas originais, o autor inglês sempre recuperou seus enredos do passado. Às vezes, na crônica histórica, do seu país ou da Antiguidade Clássica. Por outras, em obras que o antecederam: Hamlet é uma antiquíssima lenda escandinava, ao passo que a história explorada em Rei Lear pertence ao folclore anglo-saxão. A principal fonte para Macbeth foi The Chronicle of England and Scotland, publicada em 1557 que, por seu turno, tem base em registros ainda mais antigos.

Prosseguindo, Lacerda esclareceu que, ao contrário do que se pensa, as peças de Shakespeare não são realistas. O maravilhoso desempenha papel importante em quase todos os contextos. As bruxas e a aparição em Macbeth; o fantasma em Hamlet; duendes, sátiros e ninfas, em Sonhos de uma Noite de Verão. Encenados em um palco despido de recursos cênicos, os textos são repletos de indicações de tempo e de espaço, possibilitando à plateia situar-se na cena. Por exemplo, em Romeu e Julieta, esta última pontua a passagem do tempo em uma de suas falas:

"O relógio soava nove horas, quando a ama partiu. Prometeu-me voltar em meia hora. Talvez não tenha podido encontrá-lo! Não, impossível! Oh! Ela é coxa! Os arautos do amor deviam ser os pensamentos, que correm dez vezes mais depressa do que os raios solares, quando expulsam as sombras das colinas nubladas. Por isso, puxam o carro do amor rápidas pombas e Cupido, semelhante ao vento, possui asas. Agora o sol está sobre o mais alto monte da jornada diária e três horas intermináveis transcorreram de nove às doze" (Romeu e Julieta, Ato II, Cena V, no Jardim dos Capuleto, fala de Julieta).

Nas séries, salientou Rodrigo Lacerda, onde o realismo impera, ancorado em recursos técnicos abundantes, essas marcações são desnecessárias. Indo além: segundo ele, nas séries, a construção e seus encaixes são perfeitos. Shakespeare, nesse ponto, é meio displicente, deixando mais de uma vez pontas soltas. O exemplo clássico é a morte de Polônio. Hamlet, em conversa com a rainha sua mãe, pressente alguém escondido atrás da cortina. Saca da espada e mata essa pessoa. Com horror, descobre tratar-se de Polônio, pai do seu amigo, Laerte. Mas na cena anterior, Hamlet não conversava com Polônio,a grande distância desse aposento? Haveria passagens ocultas, que permitiriam a movimentação escondida pelo castelo? E o que Polônio fazia no quarto da rainha?

Um amigo repetia que Shakespeare deveria ser um péssimo caráter pois só assim poderia dar vida à Ofélia, a desventurada noiva de Hamlet, que morre louca de amor, e, ao mesmo tempo, à inescrupulosa Lady Macbeth. Words, words, words, observaria Lord Polonius, se ainda estivesse vivo atrás daquela cortina hameltiana. Shakespeare inspirou desde óperas (Macbeth e Falstaff, via As alegres comadres de Windsor, as duas de Verdi; ) a musicais na Broadway (Kiss me Kate, do fabuloso Cole Porter, cuja fonte foi A megera domada); de música da câmara (o trio para piano e cordas nº 70/2 de Beethoven, conhecido como "trio Fantasma", sobre o qual já se escreveu aqui) a um sem numero de filmes, de Woody Allen a Kurosawa. Cada época com seus pássaros, cada pássaro com sua canção: por que não Shakespeare nas séries de TV? Além da bardolatria, o público só tem a ganhar.

Enfim, até outubro, a Brasileiros e a Livraria da Vila continuarão a promover debates mensais em que a literatura será a grande atração. A programação completa está no site dessa parceira, batizada como Projeto Vila Brasileiros. Gratuíto, sempre na Livraria da Vila, Rua Fradique Coutinho, 915, das 19h30 às 21h30.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 15/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. A aproximação entre Grécia e Rússia de Celso A. Uequed Pitol
03. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
04. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles
05. 40 de Julio Daio Borges


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2014
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. O pródigo e o consumo - 11/9/2014
04. Jackie O., editora - 20/3/2014
05. Tons por detrás do rei de amarelo - 26/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERU O NOVO NACIONALISMO LATINO - AMERICANO
NEWTON CARLOS
LIA
(1969)
R$ 6,87



BURAJIRU. HAICAIS
NELSON SAVIOLI
QUALITYMARK
(2007)
R$ 12,25



DUBLE DE ANJO
ANIZIO VIANNA
MAZA
(1996)
R$ 5,00



SELEÇÕES DE LIVROS - DANÇA COM A MORTE E OUTROS
READERS DIGEST
READERS DIGEST
(1999)
R$ 11,00



FASHIONISTAS 4 CANDY
SARRA MANNING; RITA SUSSEKIND
PRUMO
(2012)
R$ 20,00



QUESTÕES DE PORTUGUES
FRANCISCO RIBEIRO SAMPAIO
AURORA
(1939)
R$ 9,80



CAPITALISME ET INDUSTRIES CULTURELLES
ARMEL HUET, ALAIN LEFEBVRE E OUTROS
PRESSES UNIV DE GRENOBLE
(1978)
R$ 27,28



INQUÉRITO SOBRE CONDIÇÕES LOCAIS DE TRABALHO
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTU
R$ 40,00



A CAMINHO DO PAI
TERESA DE CRISTO LEZIER OSU
AGIR
(1963)
R$ 5,00



PALAVRA LIVRE
ÉLCIO PEREIRA DE ARAÚJO
INSTANTE
(1971)
R$ 49,16





busca | avançada
82020 visitas/dia
2,1 milhões/mês