Quero ser Marina Abramović | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/5/2015
Quero ser Marina Abramović
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3200 Acessos

Não sei se preciso necessariamente desacelerar; talvez minha vida, na contramão da própria vida estandartizada, não seja assim tão acelerada. Talvez eu tenha estratégias próprias de sobrevivência. Ao menos, não me vanglorio de ter uma "vida corrida" e todas as publicidades enganosas, vícios e vaidades que daí podem decorrer. No entanto, estive em uma sessão, com o intuito de "desacelerar", do Método Abramović, que "reúne uma série de exercícios que exploram os limites do corpo e da mente". Alguns ingênuos pensavam que ela, a avó da performance, estaria presente pessoalmente para ensinar o método a nós, pobres mortais, pois todos querem ver Marina Abramović.

Todos querem Marina e sonham em vê-la tomando um cafezinho no Sesc Pompeia, que abriga a maior retrospectiva de sua obra já feita na América Latina. Sua presença é onipresente: televisores em linha exibem as performances históricas, nas quais vemos o rosto de Marina comendo cebolas, o rosto de Marina imerso entre cristais, o cabelo de Marina penteado com fúria enquanto ela diz "art must be beautiful", o corpo de Marina engolfado por uma cobra gigante e medonha, Marina lavando um esqueleto com afinco, o rosto de Marina, o corpo de Marina. Além desses vídeos, que se iniciam na década de 70 e prolongam-se até os anos 2000, telões com as performances impressionantes em colaboração com o antigo parceiro Ulay e trabalhos de performers brasileiros complementam a mostra.

Mas os vídeos, o único registro dessa arte, não são suficientes. O público quer Marina em carne e osso. Nem que, para tanto, sejam necessárias horas de espera numa fila imensa dos ingressos para uma de suas conferências públicas. E quando Marina fala, seu tom de voz é tão calmo e envolvente, que somos imediatamente cativados por ela, transportados para outra frequência (além de ficarmos extremamente felizes de entendermos tudo o que ela fala em inglês, devido a seu sotaque). Sempre de preto, como se usasse um uniforme político, e com os longos cabelos impecáveis, ela lança um aspecto de semideusa por onde passa e, no entanto, o afeto com que trata seu público a traz de volta à realidade.

A performance, o teatro real, lugar onde tudo pode acontecer e tem sua dose de perigo, onde não há falas marcadas, aquilo que não é para ser necessariamente belo, onde se confrontam os medos, onde se repousam as questões, o quão longe é possível ir, um teste dos limites humanos, uma arte imaterial − tudo isso diz a artista sobre a chamada performance, em sua primeira palestra ao público brasileiro. E, revendo agora suas palavras, acompanhando outros performers no Sesc, parece-me que a arte performática é a que mais se parece com a vida em estado vivo, pulsante, o acontecer diário, a que se conjuga no instante presente e fugaz das ações, reinando absoluta e obrigatória na existência própria.

Estou agora com um fone de ouvido especial, com o qual nada mais se ouve, a não ser o abafamento bizarro do nada, como se o ar pudesse ser limpo do mero adereço do som. Deito numa cama com cristais encravados na cabeceira, fecho os olhos. Sou acordada com um leve toque de dedos. Percorro o ambiente lentamente, sentindo todos os ossinhos dos pés passeando no chão. A cada passo, meu corpo se inclina, o centro de massa é alterado. Agora estou sentada, novamente envolta por cristais. Depois, em pé, no vão mais longínquo do galpão percebo uma grande aranha preta caminhar pela estrutura do telhado. Não vejo seu corpo, apenas uma de suas patas, que alternadamente surge e se oculta na dimensão da viga de madeira.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/5/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia de Luiz Rebinski Junior
02. Uma caixa grande demais de Marcos Visnadi
03. A literatura feminina de Adélia Prado de Marcelo Spalding
04. Raul Gil e sua usina de cantores de Félix Maier
05. A ranhetice da égüinha pocotó de Alessandro Garcia


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2015
01. Rugas e rusgas - 15/1/2015
02. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá - 5/2/2015
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas - 26/2/2015
04. Quero ser Marina Abramović - 7/5/2015
05. Em noite de lua azul - 6/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Coleção de Bruxas de Meu Pai - Autografado
Rosa Amanda Strausz
Salamandra
(1995)



A Formação Humana no Projecto da Modernidade
F. Cabral Pinto
Edicoes Piaget
(1996)



O Motoboy do Amor. Dicas, Truques e Cantadas Infalíveis
Bruno Tavares
Age
(2004)



Escala Richter
Leonardo Gandolfi
7 Letras
(2015)



A Literatura Brasileira Atraves dos Textos
Massaud Moises
Cultrix
(2010)



Nicolau e Sua Casca
Ivanir Calado
Ediouro
(1995)



Alô Chics!
Gloria Kalil
Pocket Ouro
(2008)



Curso de Direito Administrativo
Dirley da Cunha Junior (6ª Edição)
Podium
(2007)



Fisiología Humana: Riñon
E. Sánchez de Badajoz
Editorial Marban (madri)
(1980)



Comentarios á Consolidação das Leis do Trabalho - 33ªedição
Valentin Carrion
Saraiva
(2008)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês