Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Amor e relacionamentos em tempos de transição
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> 9º Búzios Jazz & Blues - I
Mais Recentes
>>> O cachorro Skoz - Cão ao mar
>>> O cachorro Skoz - Passeio no ar
>>> Seu cliente pode pagar mais - 3ª edição
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
>>> A Evocação do Zé Batalha - uma História Afro-brasileira - Teatro Rural
>>> Na Relva da Tua Lembrança
>>> The Quest For Paradise - Visions of Heaven and Eternity in the World's Myths and Religions
>>> Assombrações e Coisas do Além
>>> Dicas Úteis Para Uma Vida Fútil
>>> Coiote
>>> Mães Que Mudaram o Mundo
>>> Quem é Lou Sciortino?
COLUNAS

Quinta-feira, 28/12/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
Heloisa Pait

+ de 1900 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

– Quem vai, então?

Mónika buscou a todos com o olhar para ver se entendia a quê o aviador estava convidando.

– Puxa, Helmut, – disse um colega – hoje minha mulher marcou um almoço com toda a família dela. Vou te contar, viu.

– Adorei a idéia, – respondeu uma recém-doutora, prestes a se aposentar – olha que coisa bacana, mas não dá mesmo, tem reunião do conselho.

As negativas se sucediam mas Mónika não sabia a quê. Perguntou. Era como fazia sempre, ia perguntando.

– Ir aonde, Helmut?

– Vou voar. Sobrou gasolina no avião do Cavaletti, grande amigo lá da época da instrução, e ele me emprestou para uma volta.

– Mas teu brevê tá em ordem? – Mónika sempre checando o mundo.

– Claro que está. Vou deixar vencer? De modo algum. Voar não me tiram.

Helmut tinha sido piloto da Varig. Fazia pesquisas, dava aulas, era professor. Mas nunca ia deixar de ser piloto da Varig, que era mais que uma empresa aérea, era uma escola, uma missão.

– Posso ir? – perguntou nossa heroína. Mas fez-se um certo silêncio.

Mónika tinha chegado no Brasil, pasmem, de Varig. Não era fácil, naquela época, simplesmente sair do país, ainda mais com a família toda, inclusive os avós. Os pais de Mónika pensaram então num plano incrível. Compraram as passagens mais caras do vôo inaugural de Budapest da ambiciosa companhia paraestatal brasileira. E se apresentaram serenos no aeroporto, repleto de autoridades de ambos os países. Viajavam com o tanto certo de bagagem: nem muita que parecesse uma imigração, nem pouca que sugerisse uma fuga. Levaram também o pequeno cãozinho da família, o que era expressamente proibido e distraiu os burocratas da infração maior, transpor a cortina de ferro.

Imaginem agora a pequena Mónika, chorosa pela perda do cão, dos amigos, de tudo o que ela então conhecia, sendo recebida pelas afetuosas aeromoças da Varig e pelo comandante que veio pessoalmente, até falando umas palavras de húngaro, cumprimentar todos os passageiros da primeira classe, feitos na maioria de gordos burocratas e generais nacionais! Foi dentro daquele avião que Mónika primeiro entendeu que amaria seu novo país. Também foi naquele vôo, tendo se tornado mascote provisório dos afáveis militares brasileiros, em suas fardas verde-oliva, que percebeu que nunca o entenderia completamente.

Voltemos pois a Ambaíba, onde Mónika implorava o passeio aéreo.

O aviador hesitou. Não queria voar com ela. Respondeu, sem esconder a concessão, jogando o pulso para cima:

– Vamos lá, então! Leve só sua carteira e vamos.

Ia voar com o Helmut. Seu jeito direto, sem floreios, a deixava tranquila. Mónika não precisava ficar adivinhando o que ele pensava e ele, por sua vez, não estava nem aí para o que Mónika pensasse, ao contrário dos colegas, intimidados com os estudos esotéricos de nossa heroína.

Quem comanda um Boeing com 300 passageiros a bordo teme coisas de verdade, gelo na asa, terrorista ou pane no motor. Não intriga acadêmica. Seu braço esquerdo pendente, com músculos levemente atrofiados por uma paralisia que teve na infância, também o lembrava dos inimigos reais dos homens: a morte, e a doença. Continuava voando não por coragem, mas para não esquecer o que é ter medo.

Enfim, moreno, meio cigano, era impossível não olhar para ele, seus gestos, o braço bom gesticulando expressivo, como se para compensar o outro, os olhos azuis atrás de sobrancelhas muito pretas. Pensava no pai, talvez cigano também, como é que saberia? Como é que saberia de onde os homens vinham?

Foram em silêncio para o hangar. Ele descreveu a rota e informou o que ela devia fazer e o que não devia durante o vôo, como se ela fosse um novo copiloto. Ela fez que entendeu, mas não prestava atenção. Só pensava, um pouco como criança mesmo, que estava do lado do aviador! Que incrível.

Aí ele se desligou de tudo, concentrou-se nos controles, em botar o troço no ar. Sentia-se bem. Até melhor que antes, quando era trabalho, responsabilidade, formação, dedicação. Agora voava. A cidade, as plantações, os conjuntos habitacionais, os desmanches. Condomínios fechados. As estradas, ligando o país, ladeadas por acampamentos de lona. Uma represa. Voava. As imensas ravinas que circundavam a cidade. Viu a geografia particular de Ambaíba de um ângulo espetacular, onde o platô se projetava cortando uma ravina ao meio, como um ferro de passar roupa. Lembrou que havia ao lado alguém para quem mostrar, deu um pequeno soco com a palma da mão na coxa da Mónika e apontou para a ravina cindida.

Ela se assustou. Também tinha esquecido que estava ao lado do aviador. Via de cima a cidade, via o mesmo que ele. Via o campus ali pequeno, à beira do precipício, via o horizonte ali longe, mais longe. E, sim, via a ravina cortada, quis perguntar se ele já tinha ido lá embaixo, o barulho era grande, apenas assentiu com o rosto. Era hora de voltar, tinham conhecido a cidade juntos. Ele ainda deu um rasante pelo campus, riu, se divertia. Ela riu também, cada uma. E aí voltaram de vez.

Ele foi se despregando do assento, cintos, luvas, óculos, quando foi descer ela estava parada. Parada não, sacolejava. Helmut não sabia se ela ria, chorava, se tinha uma convulsão. Ela se virou para explicar, não conseguiu dizer nada, voltou a olhar para baixo. Estava chorando. Se fosse sua mulher – mãe, esposa ou filha – ele ia abraçá-la e dizer que estava tudo bem, que seja lá o que fosse, não era nada. Mas não era mulher sua. Não era de ninguém. Só podia esperar passar.

Perguntou-se se tinha feito algo errado, dito algo que a ofendesse. Não. Tinha certeza que não. Apaixonada ela não estava, e se estivesse também, não era problema seu, pensou de modo técnico, como se verificasse um equipamento. Mas não era isso também. Era que tinha sido um passeio bonito. A terra era bonita. Que terra bonita que era.

– Que bonita que é essa terra, não? – ele disse.

– Bonita demais – ela concordou. – Demais. – E aí derramou um choro normal, que foi passando, até secar.

E o passeio terminou.

Está no ar a sétima aventura de Mónika, Um Senador da República.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 28/12/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
02. O tempo de Arturo Pérez-Reverte de Celso A. Uequed Pitol
03. Garanto que você não vai gostar de Carina Destempero
04. Superficiais de Guilherme Pontes Coelho
05. Triste fim de meu cupcake de Elisa Andrade Buzzo


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2017
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky - 21/12/2017
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair - 28/12/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO AMOROSO DE CURITIBA
MARCIO RENATO DOS SANTOS
CASARÃO DO VERBO
(2014)
R$ 30,00



O DOM DE CURAR E A CHAVE DA BOA- NOVA NOVO PENTECOSTES- VOLUMES 8 E 13
VÁRIOS AUTORES E GEORGE KOSICK
LOYOLA
(1979)
R$ 12,00



RATIONAL-EMOTIVE THERAPY WITH ALCOHOLICS AND SUBSTANCE ABUSERS
ALBERT ELLIS, JOHN F. MCINERNEY, RAYMOND DIGIUSEPPE E RAYMONG J. YEAGER
PERGAMON PRESS
(1989)
R$ 45,30
+ frete grátis



GUARDIÕES DE SONHOS: O ENSINO BEM-SUCEDIDO DE CRIANÇAS AFRO-AMERICANAS, OS
GLORIA LADSON-BILLINGS
AUTÊNTICA
(2008)
R$ 41,83



OSTRACADILHOS
GEORGIANA GUINLE
STRAVAGANTE
(1991)
R$ 10,00



BURACOS BRANCOS
JOHN GRIBBIN
FRANCISCO ALVES
(1985)
R$ 19,00



FUGIR
JEAN-PHILIPPE TOUSSAINT
BERTRAND BRASIL
(2008)
R$ 19,00



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN
SEXTANTE
(2018)
R$ 10,00



FANGIRL
RAINBOW ROWELL
PAN MACMILLAN
(2014)
R$ 20,00



ANJOS- SERES DE LUZ, MENSAGEIROS CELESTES, PROTETORES DOS HOMENS
PAOLA GIOVETTI
SICILIANO
(1995)
R$ 20,00





busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês