De quantos modos um menino queima? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34641 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Rosangela Lyra lança canal sobre política no YouTube
>>> Andrea e Bia Jabor fazem a Festa da Árvore neste domingo!
>>> Alfabetização visual comemora 10 anos com mostra de fotografias feitas por pessoas com deficiência
>>> Musical jovem AVESSO reestreia em janeiro e traz fortes emoções no conflito de gerações
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> Canções de amor
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cantiga de amigo
>>> Um repórter a mil calorias por dia*
>>> Bill Evans Trio on Jazz 625
>>> Poesia, Crônica, Conto e Charge
>>> Os Vingadores versus... Collin Powell
>>> Um Coração Simples, de Flaubert, por Milton Hatoum
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Por que a beleza importa
Mais Recentes
>>> As Aventuras de Popeye de E. C. Segar pela Presença (1973)
>>> Paulette de Wolinski e G. Pichard pela Grilo (1973)
>>> As Férias de Iznogud de Goscinny e Tabary pela Rge (1968)
>>> A vida literária no Brasil durante o Romantismo de Ubiratã Machado pela Eduerj (2001)
>>> As Aventuras do Califa Harrum Al Mofadah o Grão-vizir Iznogud de Goscinny e Tabary pela Record (1987)
>>> O Amigo da Onça - A Obra Imortal de Péricles pela Busca Vida (1987)
>>> A Vida do Super Homem: de Krypton à Terra, a Espetacular Saga do Maior de DC Comics pela Ebal (1983)
>>> Dr. Macarra: um Playboy na Feb de Carlos Estêvão pela Record (1981)
>>> Help! - Sistema de Consulta Interativa - História do Brasil de Laura Tetti (coord.) pela O Estado de S. Paulo (1997)
>>> Amantes e Cartomantes de Paulo Centenaro pela Editado pelo Autor (2001)
>>> Minha Vida - Uma Vida com Desafios Vale a Pena Ser Vivida de Marcus Nogueira pela O Lutador (2018)
>>> Ratobúrguer de David Walliams pela Intrínseca (2013)
>>> Superação de Hermógenes pela Record (1982)
>>> Terapia do Conto - Para Curar o Coração de Paula Furtado pela Girassol (2012)
>>> Novos Roteiros em Educação de Krishnamurti pela Cultrix (1980)
>>> Histórias Bilíngues - Cinderela de Marcela Grez pela Girassol Brasil Edições (2013)
>>> Haja luz de Ponte para a liberdade pela Ponte para a liberdade (2005)
>>> Disney Frozen Magical Story de Disney Enterprises pela Parragon Books (2015)
>>> Pai Patrao & Recanto - Romance Italiano impecável! de Gavino Ledda pela Berlendis & Vertecchia (2004)
>>> Sonhos Em Amarelo - O garoto que não esqueceu Van Gogh de Luiz Antonio Aguiar pela Melhoramentos (2007)
>>> O Pequeno Assassino de Bradbury pela L&PM (1991)
>>> O olho do furacão de Murillo Nunes de Azevedo pela Civilização brasileira (1973)
>>> O Estranho Mundo de Zé do Caixão de José Mojica Marins / R. F. Lucchetti / Nico Rosso pela L&PM (1987)
>>> Roma Antiga de Martin César Feijó pela Ática (1994)
>>> Serm Asas ao Amanhecer de Luciana Scotti pela Melhoramentos (2003)
>>> Poesia Africana de Lingua Portuguesa de Livia Apa, Maria Daskalos pela Lacerda (2003)
>>> El plano astral y el plano mental de C. W. Leadbeater pela Teorema (1986)
>>> Memoria, politica y pedagogia de Graciela Rubio Soto pela Lom (2013)
>>> Mulheres Apaixonadas de D. H. Lawrence pela Abril Cultural (1979)
>>> Histoire de Ma Vie de George Sand pela Stock (1949)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela O Globo (2003)
>>> Cuentos de la Alhambra de Whashington Irving pela Padre Suarez (1967)
>>> Libro de Manuel de Julio Cortázar pela Bruguera (1981)
>>> A Incrível e Triste História de Cândida Eréndira e sua Avó Desalmada de Gabriel garcia Márquez pela Círculo do Livro (1975)
>>> Le Communisme Utopique, Le Mouvement de Mai 1968 de Alain Touraine pela Seuil (1972)
>>> Dicionário Ediouro Espanhol - Português Português - Espanhol de Éverton Florenzano pela Ediouro
>>> Les Structures du Hasard de Jean-Louis Boursin pela Du Seuil
>>> Amor É Prosa Sexo É Poesia de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2009)
>>> As relações Perigosas de Choderlos de Laclos pela Globo (1987)
>>> O Idiota de Fiodór Dostoiévski pela Martin Claret (2005)
>>> 201 Mensagens para o Amor da Minha Vida de Diana Lerner pela Vergara & Riba (2007)
>>> Tragédia Grega, Estudo Literário II Volume de H. D. F. Kitto pela Arménio amado (1972)
>>> Hegel de Roland Corbisier pela Civilização Brasileira (1981)
>>> O Anarquismo e a Democracia Burguesa de Malatesta, Bakunin, Engels e outros pela Global (1980)
>>> Teoria da História de Maria Beatriz Nizza da Silva (Org.) pela Cultrix (1976)
>>> Sobre la Esencia de la Libertad Humana de Federico Schelling pela Juarez (1969)
>>> Alrededor del Cuanto de L Ponomariov pela Editorial Mir (1974)
>>> Teeteto de Platão pela Inqérito
>>> Griegos y Persas, El Mundo Mediterráneo en la Edad Antigua I de Hermann Bengtson pela Siglo Veintuno (1972)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 24/7/2018
De quantos modos um menino queima?
Duanne Ribeiro

+ de 4700 Acessos

Você diz: é o mesmo sol no mesmo céu, as mesmas estrelas na mesma noite, o mesmo planeta no mesmo espaço sideral, os mesmos tempos nos mesmos dias, a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue, o mesmo ardor, o mesmo gosto, o mesmo você.

O devir patina, se irrealiza. Não é o que você diz? Então diga.

Diga que é o mesmo sol no mesmo céu, as mesmas estrelas na mesma noite, o mesmo planeta no mesmo espaço, os mesmos tempos se alternando nos mesmos dias, a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue, o mesmo ardor, o mesmo gosto – diga que é sempre o mesmo você, e que sempre será.

***

Labyrinth”, do Cure, é uma música que se move. Primeiro, do cosmos ao close-up: vem dos giros e brilhos dos astros ao comum na Terra; chega a uma casa, a um quarto; adentra uma subjetividade (diga que é o mesmo menino a arder na mesma cama!):

say it's the same sun
spinning in the same sky
say it's the same stars
streaming in the same night
tell me it's the same world
whirling through the same space
tell me it's the same time
tripping through the same day

so say it's the same house
and nothing in the house has changed
yeah, say it's the same room
and nothing in the room is strange
oh tell me it's the same boy
burning in the same bed
tell me it's the same blood
breaking in the same head
say it's the same taste
taking down the same kiss
E, segundo, move-se desses exemplos abstratos e dessa descrição em terceira pessoa a uma fala direta, o imperativo gradua – o que se evidencia pelas ênfases na voz e nos instrumentos – de uma demanda a um desafio:

say it's the same you
say it's the same you
and it's always been like this
say it's the same you
say it's the same you
and it always and forever is
Me parece cada vez mais um “você disse, terá coragem de repetir?”.

***

Esse alguém a quem o poeta se dirige – em certo sentido, poderíamos dizer que se trata dele mesmo. Pois o Cure é a mesma banda de “Killing an Arab”, música inspirada no livro O Estrangeiro, do filósofo e escritor Albert Camus, em que ouvimos:

whichever I chose
it amounts to the same:
absolutely nothing
Como no romance de Camus, sem poder encontrar uma base transcendente que valore e guie a existência, o eu lírico é tomado de niilismo. Aqui, o mesmo é inescapável, assim como àquele a quem o eu lírico de “Labyrinth” fala.

Desse modo, podemos refrasear a questão: “Eu disse isso! Terei coragem de repetir?”.

***

yeah, tell me it's all the same
this is how it's always been
but if nothing has changed...
then it must mean...
Se é tudo de fato o mesmo, então o sol é frio e as estrelas são pretas (repare: a luz que nos chega, ela elude a sua dinâmica, faz esquecer que queima continuamente para ser). Então não há movimento – e tempo e espaço, dia e noite perdem sentido. Chegamos ao “absolutamente nada” de “Killing the Arab”, mas dessa vez isso não alcança o status de conclusão.

but the sun is cold: the sky is wrong
the stars are black: the night is gone
the world is still: the space is stopped
the time is out: the day is dropped
No interior do mundo feito nada um menino arde (queima) estático (continuamente):

the house is dark: the room is scarred
the boy is stiff: the bed is hard
the blood is thick: the head is burst
the taste is dry: the kiss is thirst
Independente de como se classifiquem as experiências, percebe-se o quarto escuro, as histórias que ferem esse espaço, a rigidez do corpo, a dureza do colchão, a viscosidade do sangue, o peso na cabeça, a língua seca, o beijo que não satisfaz. Essas vivências são agora. Podem ter ocorrido fatos semelhantes antes; esses, agora, aparecem com a sua singularidade irredutível.

É o mesmo menino na mesma cama? Não,

and it's not the same you
it's not the same you
no, it never was like this

***

O terceiro caminho pelo qual “Labyrinth” se move é, assim, esse da argumentação: leva das proposições iniciais a esse veredicto final, através de uma redução ao absurdo. Uma intensidade ainda maior toma a música, pela reincidência dos versos e pela emoção que a voz passa a transmitir, além do instrumental, mais carregado:

it's not the same you
it's not the same you
and it never really is

it's not the same you
it's not the same you
no, it never was like this

it's not the same you
it's not the same you
and it never really is

it's not the same you
it's not the same you
O mais significativo: todas essas transições ocorrem com mudanças pequenas em uma letra cuja forma é constante. A figura de linguagem das primeiras estrofes é a anáfora – essa repetição nos inícios. Da afirmação à negação passamos simplesmente do “it’s the same you” para o “it’s not the same you”. Na espessura narrativa coloca-se apesar da insistência, por muito pouco, a novidade. E nas trocas simples de palavras — "say" por "tell me", "diga" por "me diz" — modulações qualitativas cirúrgicas, ressoantes.

E em relação à filosofia do absurdo que justificava “Killing an Arab”, é como se ela fosse derrotada no seu próprio jogo: é levando ao absurdo, à impossibilidade lógica, que essa ideia que todas as escolhas dão no mesmo (embora, se formos discutir o que se diz em O Estrangeiro, leremos lá não que as escolhas são idênticas, mas que “todas são ruins”). Sobretudo, a transformação do ponto de vista de uma canção à outra prova o vir-a-ser no próprio poeta.

oh it's not the same
this isn't how it's always been
everything has to have changed
or it's me...
O mundo não pode seguir o mesmo, senão por seus processos próprios, porque eu não posso recebê-lo igualmente. O dilema é similar ao do verso dos Smiths: “Has the world changed or have I changed?”. De todo modo, nada segue estável. O devir se realiza.

Não é o mesmo sol no mesmo céu. Não são as mesmas estrelas na mesma noite. Não é o mesmo planeta no mesmo espaço sideral. Nem os mesmos tempos nos mesmos dias. Jamais a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue. O gosto dos beijos variará ao sabor dos acasos. De quantas formas esse menino ainda pode queimar?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 24/7/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
05. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA DOROTEA/LA TERCERA CELESTINA - LOPE DE VEGA (TEATRO ESPANHOL)
LOPE DE VEGA
BÉRGUA
(1933)
R$ 35,00



DE VITÓRIA EM VITÓRIA
HAROLD CABALLEROS
PROFETIZANDO VIDA
R$ 22,00



O PODER DO SILÊNCIO
ECKHART TOLLE
SEXTANTE
(2010)
R$ 7,00



SOB A LUZ DAS ESTRELAS
A. J. CRONIN
RECORD
R$ 7,00



O DESPERTAR DA TERRA - O CÉREBRO GLOBAL
PETER RUSSELL
CULTRIX
(1995)
R$ 35,00



O QUE É VIDA? 50 ANOS DEPOIS. ESPECULAÇÕES SOBRE O FUTURO DA BIOLOGIA
MICHAEL P. MURPHY, LUKE A. J. O'NEILL (ORGS.)
UNESP/CAMBRIDGE
(1997)
R$ 20,00



CORES - ELIANE KRUSCHEWKY
ELIANE KRUSCHEWSKY
VJ
(2011)
R$ 149,00



O PEQUENO FILÓSOFO
GABRIEL CHALITA
GLOBO
(2011)
R$ 4,90



LOS ESTRENOS TEATRALES DE FEDERICO GARCÍA LORCA (1920-1945) - TEATRO ESPANHOL
MARIA FRANCISCA VILCHES DE FRUTOS E DRU DOUGHERTY
TABAPRESS
(1992)
R$ 25,00



TRATADO DE DIREITO PRIVADO - TOMO 4
PONTES DE MIRANDA
BOOKSELLER
(2000)
R$ 9,90





busca | avançada
34641 visitas/dia
1,1 milhão/mês