De quantos modos um menino queima? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> A arte de Reparar Histórias
>>> Músico Dudu Oliveira lança seu disco de estreia no Todas as Bossas da TV Brasil
>>> Antenize recebe Lázaro Ramos no especial sobre literatura deste sábado (18) na TV Brasil
>>> Festa
>>> Shopping Metrô Tucuruvi e Livrarias Curitiba preparam uma programação especial para este mês
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sobrecarga
>>> Frases e verdades
>>> Música & Filosofia
>>> Casa de couro
>>> Saber viver a vida é fundamental
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Procure saber: os novos donos da história
>>> Um jeito Mirador de ver a Wikipedia
>>> Como parecer culto
>>> Como parecer culto
>>> Me, myself e a Flip
>>> Baudelaire, um pária genial (parte final)
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> O Nobel de Tranströmer
>>> Só sei que nada sei
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Máscaras de Luiza Rios Ricci Volpato pela Entrelinhas (2010)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela L&pm Pocket (1999)
>>> She: A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> Aspirações Nacionais: Interpretação Histórico- Política de José Honério Rodrigues pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Moulin Rouge de Pierre La Mure pela Mérito/ RJ. (1959)
>>> O Mistério do Áureo Florescer de Samael aun Weor pela Movimento Gnóstico (1991)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (2001)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1984)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1993)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1991)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> Arco do Triunfo de Carlos Castello Branco pela Parma/ Grupo Aché
>>> Cartomancia Y Quiromancia de Gwen Le Scouézéc pela Ediciones Martinez Rocca/ Barcelona (1974)
>>> Revista Esotérica - Magia Wicca de Vitoria Feres Azar - Diretora-Geral pela Onde (2004)
>>> Agatha Christie de A Terceira Moça (formato original) pela Nova Fronteira
>>> Almanaque Ilustrado - Símbolos de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Sonhos Que Curam: Depoimentos Sobre a Conexão Mente-corpo/ Novo de marc Ian Barasch pela Record: Nova Era (2003)
>>> Formação Economica da América Latina de Celso Furtado pela Lia Editor/ Rio (1970)
>>> Quiromancia - Como Decifrar as Linhas da Vida de Roz Levine pela Bertrand Brasil (2001)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Companhia Ed. Nacional (1968)
>>> O Grande Livro dos Signos & Símbolos - Livro 2 de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Brasil: Radiografia de um Modelo de Nelson Werneck Sodré pela Bertrand Brasil/ Rio (1987)
>>> Encontros, Desencontros & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente/ São Paulo (1996)
>>> A Falta Que Ela Me Faz ... no Fim Dá Tudo Certo! de Fernando Sabino pela Record/ R. J. (1987)
>>> Ironias da História: Ensaios Sobre o Comunismo Contemporâneo de Isaac Deustcher pela Civilização Brasileira (1968)
>>> A Inflação Brasileira - Antes e Depois do Choque de Prof. Antonio Carlos Marques Mattos pela Vozes/ Rio de Janeiro (1987)
>>> Carta aos Comunistas de Luis carlos Prestes pela Alfa- Omega (1980)
>>> O Colapso do Neoliberalismo de Nilson Araújo de Souza pela Global/ São paulo (1995)
>>> Análise Contábil - Análise De Balanços de Américo M. Florentino pela Fundação Getúlio Vargas (1973)
>>> Assim Falou Zaratustra... de Friedrich W. Nietzsche/ Tradução: Mário da Silva pela Bertrand Brasil/ Rio (1994)
>>> Achegas ao Estudo do Folclore Brasileiro de Alfredo do Vale Cabral pela Funarte: Mec (1978)
>>> Vocabulário de Caça: Contendo os Termos Clássicos Portugueses... de C. Ribeiro de Lessa (clado) pela Companhia Ed. Nacional (1977)
>>> A Liberdade na Sociedade Contemporanea de Samuel Eliot Morison pela Fundo de Cultura Economica/ Rio (1959)
>>> Nos Passos de Hannah Arendt de Laure Adler pela Record (2007)
>>> O Poder do Pensamento Positivo para a Juventude de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> Ilíada de Homero 2 Volumes de Haroldo de Campos pela Mandarim (2001)
>>> Oráculos utilizados pelo povo Cigano - Acompanha baralho Cigano de Padrinho Juruá pela Alfabeto (2015)
>>> Como Agarrar o seu Amor pela Magia - Breviário de Salamandra de Maria Helena Farelli pela Pallas (2012)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1997)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Oscar Wilde Para Inquietos de Allan Percy pela Sextante (2012)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> A Perda da Radicalidade do Movimento Ambientalista Brasileiro:... de Agripa Faria Alexandre pela Edifurb/ Ed. da Ufsc (2000)
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
COLUNAS

Terça-feira, 24/7/2018
De quantos modos um menino queima?
Duanne Ribeiro

+ de 3700 Acessos

Você diz: é o mesmo sol no mesmo céu, as mesmas estrelas na mesma noite, o mesmo planeta no mesmo espaço sideral, os mesmos tempos nos mesmos dias, a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue, o mesmo ardor, o mesmo gosto, o mesmo você.

O devir patina, se irrealiza. Não é o que você diz? Então diga.

Diga que é o mesmo sol no mesmo céu, as mesmas estrelas na mesma noite, o mesmo planeta no mesmo espaço, os mesmos tempos se alternando nos mesmos dias, a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue, o mesmo ardor, o mesmo gosto – diga que é sempre o mesmo você, e que sempre será.

***

Labyrinth”, do Cure, é uma música que se move. Primeiro, do cosmos ao close-up: vem dos giros e brilhos dos astros ao comum na Terra; chega a uma casa, a um quarto; adentra uma subjetividade (diga que é o mesmo menino a arder na mesma cama!):

say it's the same sun
spinning in the same sky
say it's the same stars
streaming in the same night
tell me it's the same world
whirling through the same space
tell me it's the same time
tripping through the same day

so say it's the same house
and nothing in the house has changed
yeah, say it's the same room
and nothing in the room is strange
oh tell me it's the same boy
burning in the same bed
tell me it's the same blood
breaking in the same head
say it's the same taste
taking down the same kiss
E, segundo, move-se desses exemplos abstratos e dessa descrição em terceira pessoa a uma fala direta, o imperativo gradua – o que se evidencia pelas ênfases na voz e nos instrumentos – de uma demanda a um desafio:

say it's the same you
say it's the same you
and it's always been like this
say it's the same you
say it's the same you
and it always and forever is
Me parece cada vez mais um “você disse, terá coragem de repetir?”.

***

Esse alguém a quem o poeta se dirige – em certo sentido, poderíamos dizer que se trata dele mesmo. Pois o Cure é a mesma banda de “Killing an Arab”, música inspirada no livro O Estrangeiro, do filósofo e escritor Albert Camus, em que ouvimos:

whichever I chose
it amounts to the same:
absolutely nothing
Como no romance de Camus, sem poder encontrar uma base transcendente que valore e guie a existência, o eu lírico é tomado de niilismo. Aqui, o mesmo é inescapável, assim como àquele a quem o eu lírico de “Labyrinth” fala.

Desse modo, podemos refrasear a questão: “Eu disse isso! Terei coragem de repetir?”.

***

yeah, tell me it's all the same
this is how it's always been
but if nothing has changed...
then it must mean...
Se é tudo de fato o mesmo, então o sol é frio e as estrelas são pretas (repare: a luz que nos chega, ela elude a sua dinâmica, faz esquecer que queima continuamente para ser). Então não há movimento – e tempo e espaço, dia e noite perdem sentido. Chegamos ao “absolutamente nada” de “Killing the Arab”, mas dessa vez isso não alcança o status de conclusão.

but the sun is cold: the sky is wrong
the stars are black: the night is gone
the world is still: the space is stopped
the time is out: the day is dropped
No interior do mundo feito nada um menino arde (queima) estático (continuamente):

the house is dark: the room is scarred
the boy is stiff: the bed is hard
the blood is thick: the head is burst
the taste is dry: the kiss is thirst
Independente de como se classifiquem as experiências, percebe-se o quarto escuro, as histórias que ferem esse espaço, a rigidez do corpo, a dureza do colchão, a viscosidade do sangue, o peso na cabeça, a língua seca, o beijo que não satisfaz. Essas vivências são agora. Podem ter ocorrido fatos semelhantes antes; esses, agora, aparecem com a sua singularidade irredutível.

É o mesmo menino na mesma cama? Não,

and it's not the same you
it's not the same you
no, it never was like this

***

O terceiro caminho pelo qual “Labyrinth” se move é, assim, esse da argumentação: leva das proposições iniciais a esse veredicto final, através de uma redução ao absurdo. Uma intensidade ainda maior toma a música, pela reincidência dos versos e pela emoção que a voz passa a transmitir, além do instrumental, mais carregado:

it's not the same you
it's not the same you
and it never really is

it's not the same you
it's not the same you
no, it never was like this

it's not the same you
it's not the same you
and it never really is

it's not the same you
it's not the same you
O mais significativo: todas essas transições ocorrem com mudanças pequenas em uma letra cuja forma é constante. A figura de linguagem das primeiras estrofes é a anáfora – essa repetição nos inícios. Da afirmação à negação passamos simplesmente do “it’s the same you” para o “it’s not the same you”. Na espessura narrativa coloca-se apesar da insistência, por muito pouco, a novidade. E nas trocas simples de palavras — "say" por "tell me", "diga" por "me diz" — modulações qualitativas cirúrgicas, ressoantes.

E em relação à filosofia do absurdo que justificava “Killing an Arab”, é como se ela fosse derrotada no seu próprio jogo: é levando ao absurdo, à impossibilidade lógica, que essa ideia que todas as escolhas dão no mesmo (embora, se formos discutir o que se diz em O Estrangeiro, leremos lá não que as escolhas são idênticas, mas que “todas são ruins”). Sobretudo, a transformação do ponto de vista de uma canção à outra prova o vir-a-ser no próprio poeta.

oh it's not the same
this isn't how it's always been
everything has to have changed
or it's me...
O mundo não pode seguir o mesmo, senão por seus processos próprios, porque eu não posso recebê-lo igualmente. O dilema é similar ao do verso dos Smiths: “Has the world changed or have I changed?”. De todo modo, nada segue estável. O devir se realiza.

Não é o mesmo sol no mesmo céu. Não são as mesmas estrelas na mesma noite. Não é o mesmo planeta no mesmo espaço sideral. Nem os mesmos tempos nos mesmos dias. Jamais a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue. O gosto dos beijos variará ao sabor dos acasos. De quantas formas esse menino ainda pode queimar?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 24/7/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
04. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GRANDE AMOR DO PEQUENO VAMPIRO
ANGELA SOMMER-BODENBURG
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 12,93



TRATADO GERAL SOBRE A FOFOCA
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
SUMMUS
(1978)
R$ 25,00



LÍNGUA, LITERATURA E REDAÇÃO - VOLUME 1
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(1998)
R$ 8,00



AS FLORES DO MAL NOS JARDINS DE ITABIRA- BAUDELAIRE E DRUMMOND
GILDA SALEM SZKLO
AGIR
(1995)
R$ 18,90



LEVIATÃ: A MISSÃO SECRETA
SCOTT WESTERFELD
RECORD
(2012)
R$ 32,90



A GAROTA QUE VOCÊ DEIXOU PARA TRÁS
JOJO MOYSES
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 38,00
+ frete grátis



NOVE NOITES
BERNARDO CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 25,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



CLIM SAMGUINE (2 VOLUMES/OBRA INTEGRAL) MÁXIMO GÓRKI (LITERATURA RUSSA)
MÁXIMO GÓRKI
EDITORIAL MINERVA - LISBOA
R$ 80,00



ÉTICA COMO AMOR-PRÓPRIO
FERNANDO SAVATER
MARTINS FONTES
(2000)
R$ 19,90





busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês