Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça... | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/3/2022
Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3900 Acessos

“Linda Elisa, ainda tão menina em minha cabeça.” Eis como recebo uma mensagem com um rosto que, a princípio, não reconheço; ou então, é mais o ângulo que me deixa em dúvida sobre a identidade da pessoa, ou a memória que quando é pega surpreendida, em tempos de certa reclusão, demora a concatenar com alguns de seus melhores momentos. Os rostos não se alteram, ou mudam, todo ele lá está formado, embora pronto a ser rabiscado? No entanto, ela me reconhece, com facilidade ou, afinal, reconheceria?

Se houvesse um livro da vida, talvez fosse suficiente que nele se colocasse qualquer episódio dessa época que é a infância, como o padrão, como a extensão futura de tudo o que pudesse ser e acontecer: amizade, ética, amor, sexo, família, ódio etc. – aventuras. De forma que, pode tudo já estar dentro de uma caixinha de joias, de uma pasta de papéis de carta, de uma casa de bonecas, de um jogo de vídeo game, de tardes em jogos de amarelinha e passeios de bicicleta, e na invasão de casas e piscinas abandonadas?

Pegue um acontecimento da infância e teremos uma fatia, a princípio magra e ingênua, mas sementeira de qualquer evento futuro. “O menino é pai do homem”, diria Brás Cubas, no décimo primeiro capítulo de suas memórias póstumas, que um poeta dizia... Pegue-o, e faça... Afinal, faça o quê? Seja o quê? Um brinquedo, um títere, uma marioneta eterna do que já fora moldado? Existimos. Ainda que ainda puramente, em formas passadas, assim, uma na cabeça da outra. E haveria além desta alguma outra forma melhor ou mais adequada?

Agora que estamos na exata metade da idade entre o nascimento e a morte, somos, portanto, invariavelmente as mesmas, e mesmo assim, podíamos ser diferentes, cambiarmos para o que quiséssemos; ainda o podemos. Isto, para quem ainda quer viver. E se antes necessitávamos convencer alguém de alguma coisa – planos mirabolantes para os pais comprarem os brinquedos, estratégias milenares para passar no vestibular, rituais intrincados para que alguém nos ame –, nessa altura da vida, a quem temos de convencer, a quem vamos convencer de algo, senão a nós mesmas e de...?

Examino-me. A reflexão é muito breve para a extensão dos anos, que, aliás, teimam em agora passar mais rápido que de costume. E se ela, velha amiga, se lembra de mim em sua cabeça, hoje me lembro do ar frio das colinas outonais, em que só se ouve um crepitar de folhas e gente ausente. Lembro-me; lembro como quem quer afastar logo o pensamento para outras zonas mais imediatas e menos turvas, dele tão menino, olhos vidrados; e penso que, para viver, temos de ser um pouco maus.

Lisboa, 7 de fevereiro de 2022.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 3/3/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
02. Sou diabético de Fabrício Carpinejar


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo
01. Mia Couto revisitado - 14/9/2006
02. Novos autores na poesia brasileira - 18/5/2006
03. Mais outro cais - 7/6/2018
04. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
05. O dia em que não conheci Chico Buarque - 21/6/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La France En Direct 2 a - Cahier Dexercices
Janine Capelle / Guy Capelle
Educom



O Diário Roubado
Régine Deforges
Klick



O Canto da Sereia
Juliana Messenberg
Nova Bandeira
(2011)



Vida Maravilhosa
Stehen Jayt Gould
Círculo do Livro
(1992)



A Instituição Imaginária da Sociedade - 3ª Edição
Cornelius Castoriadis
Paz e Terra
(1995)



Português Básico para Cursos Superiores
Antonio Fernando de Almeida
Atlas
(1980)



Triste Fim de Policarpo Quaresma Série Bom Livro
Lima Barreto
Atica



Oxford Business English: Grammar & Practice
Michael Duckworth
Oxford University Press
(1997)



O cavalheiro de domingo
Irving Wallace
Nova Fronteira
(1965)



A Ameaça Sombria 2
Melissa Grey
Seguinte
(2017)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês