Eros, Tânatos e Mnemósina | Assunção Medeiros | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/4/2002
Eros, Tânatos e Mnemósina
Assunção Medeiros

+ de 5200 Acessos
+ 6 Comentário(s)

É tão estranha nossa sociedade moderna! Falamos o tempo todo da evolução da humanidade, de como hoje as pessoas vivem mais e melhor, dos avanços da ciência e da medicina... e da genética então! Clonamos seres vivos, iguaizinhos uns aos outros. Mas socialmente, estamos cada vez mais nos afastando de nossa humanidade. Antes, havia contato entre as gerações, havia o grupo familiar maior que pai, mãe e filhos... uma quantidade espantosa de tios, primos, avôs, avós, tios-avôs e bisavós, gerações muito diferentes convivendo juntas, às vezes numa mesma casa. Muitas crianças de todas as idades crescendo lado a lado. Mamãe paria o irmãozinho no quarto, ajudada pela vovó, enquanto as tias preparavam o almoço na cozinha e os homens fumavam, nervosos, na sala. Vovô morria em sua cama e era velado carinhosamente na mesa da sala. As crianças estavam por toda a parte e viam tudo: todo o ciclo de nascimento, morte e renascimento. Isso dá uma inteireza às pessoas que nos falta hoje.

Estamos agora todos fragmentados. Crianças afastadas de suas famílias, presas em "creches". Idosos isolados de todos em "casas de repouso". Adultos presos por dez, doze horas ou mais por dia, em "escritórios". Os adolescentes, coitados, são os únicos acusados sempre de "andar em grupo" e de formarem "gangues". Mas não estamos todos agrupados em nossas caixinhas? Será que fomos todos condenados à prisão perpétua, e ninguém nos avisou? Estamos cativos em nossos apartamentos com grades, em nossos cubículos de dormir e de trabalhar. Este isolamento em pequenos grupos nos isolou de sentimentos como a dor e a morte.

A dor nos assusta. Não se foge do sofrimento, entretanto, porque ele é tão parte da existência quanto qualquer outra emoção, e tentar fugir dele é tentar se esconder da vida. Você não consegue, mas ao mesmo tempo empaca o seu desenvolvimento pessoal. Você na realidade duplica seu sofrimento: sofre pelo que acontece e pelo que pode acontecer. Seria melhor vivermos a realidade como ela se apresenta, mas estamos em uma sociedade que busca a fantasia e a fuga. Estamos levando às últimas conseqüências o pavor que os egípcios tinham da morte. Eles tentavam a todo custo, como nós tentamos, prolongar a vida, e chegaram à mumificação como tentativa de preservar o corpo para sempre, numa busca de uma outra vida para o espírito. Nós, hoje, queremos conservar nosso corpo para sempre através de clonagem. Queremos fazer "mudas" de seres humanos, como se estes fossem laranjeiras.

Cada vez mais, usamos próteses artificiais para "aperfeiçoar" nossos corpos, para prolongar a vida. Cada vez mais estabelecemos padrões de perfeição e beleza inatingíveis pelas pessoas comuns ou pobres. Estimula-se a juventude a passar horas a fio em academias, num culto extremo ao corpo e ao individualismo. E nunca, mas nunca mesmo, convivemos naturalmente com a dor e a morte. Agora, vovô morre no hospital, numa ala separada da mamãe, que também pariu o nosso irmãozinho no hospital, que fica numa sala com outras criancinhas, como numa fábrica de bebês. Tudo bem organizadinho, pareceria a alguém que olhasse de fora que nunca essas coisas se misturariam. Acontece que não é assim que a vida funciona. Quando se vive uma vida mais naturalmente humana, com contato com todas as facetas da existência, a dor tem seu lugar e sua função, e também o seu tamanho certo. Não se pode estar SEMPRE feliz, ou triste, ou enlutado, ou brincando. A vida humana é um caleidoscópio sempre em movimento, e tentar limitar esse caleidoscópio às emoções que nos parecem mais prazerosas é parte do que tem distorcido nossa sociedade.

E ficamos lutando para esquecer, através do prazer, que a dor e a morte existem. É Eros gritando: Some daqui, Tânatos! Criamos todo o tipo de mecanismo para não vê-las. Mas as grandes mestras não se deixam ignorar assim. Elas demandam a nossa atenção. Sempre nos lembramos mais dos momentos em que a gente sofre. A dor cria a lembrança, que cria a dor, que cria a lembrança que cria a dor... Parece masoquismo, mas a dor física tem a função de avisar ao corpo que algo está errado, que corremos algum tipo de ameaça à nossa integridade corporal. A psicológica tem a função de nos lembrar que já trilhamos um determinado caminho e não deu certo; ou que algo é radicalmente contra nossa personalidade, nos avilta, nos incomoda demais e deve ser mantido à distância; ou que devemos mudar, destruir algo em nossas vidas URGENTE! A dor é um alerta.

Existem no entanto dores que não são pessoais, que não têm origem dentro de nós, que nem sequer poderiam ser consideradas dores. Na realidade, são chamadas "dores" porque nos afetam de forma tão profunda, como espécie quase, não as podemos impedir de entrar, nem as entendemos ou aceitamos, sequer temos nome para elas. Então dói, e as chamamos de dores por falta de um nome melhor. Ao contrário do que pensa a maioria das pessoas, o mundo é maior que apenas o número de indivíduos que vive nele. Essas dores não são avisos do nosso sistema neurológico, mas sim fatos maiores que nós, vindos do mundo, sem aviso, sem racionalização possível, e essas grandes dores são as nossas maiores mestras... Essas são as dores que derrubam as barreiras cuidadosamente erguidas entre nós e os outros. Todas as pequenas classificações e separações caem por terra.

Quando se vê, como vimos, duas gigantescas torres, com milhares de pessoas trabalhando, virarem entulho diante de nossos olhos, o choque é tão profundo que não conseguimos descrever o que acontece. Sabemos, mesmo sem ter nenhuma relação direta com isto, que está acontecendo de alguma forma conosco também. Não são pessoas conhecidas - eu, pelo menos, não conheço pessoa alguma que trabalhasse no World Trade Center - mas essa dor atinge um nível profundo do nosso inconsciente, nos mantém grudados na cadeira, em estado de profundo choque. É a mesma fascinação que se vê no rosto das pessoas quando presenciam um acidente. Ninguém consegue se afastar da cena. Aquela dor é parte de todos nós.

A memória da dor também serve para manter nossa identidade. Tudo o que sentimos, sentimos porque LEMBRAMOS. Ah, doce Mnemósina, deusa da memória, mãe das musas! Se não nos lembramos das coisas que passamos, não sabemos mais quem somos. Além disso, como um amigo querido me lembrou, a maior parte da nossa cultura foi transmitida oralmente durante gerações e gerações. Os poetas e bardos da Antigüidade possuíam memória prodigiosa, e podiam lembrar de cabeça todas as sagas e épicos das suas culturas. Imaginem alguém hoje tentar decorar toda a obra de William Shakespeare! Imaginem agora tentar recitar de memória todas as obras de literatura inglesa! Pois haviam pessoas nas civilizações antigas que faziam exatamente isso... eram a memória da sociedade. Hoje, infelizmente, somos menores do que fomos. Porque não lembramos.


Assunção Medeiros
Rio de Janeiro, 18/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como será a literatura na internet? de Marcelo Spalding
02. FLIP X FLAP de Marília Almeida


Mais Assunção Medeiros
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/4/2002
11h03min
Recruta Sue. Excelente estréia. Bravo, bravíssimo! Gostei realmente do texto. Vou pedir ao general Alexandre que lhe promova a cabo, quiçá sargento. Apenas uma pequena discordância: não acho que somos menores do que fomos. Eu tenho um metro e oitenta e um e meus antepassados, pelo que sei, não passavam de um e setenta e cinco. :) Parabéns! Um beijo, Fabio.
[Leia outros Comentários de Fabio]
18/4/2002
14h47min
Meu caro Fábio, que bela altura, um e oitenta e um... realmente, você seria considerado um gigante em altura nos tempos medievais... mas a próxima vez que visitar a Europa, peça a alguém que deixe você tentar levantar uma broadsword daquelas e depois pense que aqueles homens baixinhos passavam horas, quiçá (adorei o quiçá!) dias lutando ferozmente com aqueles trambolhos. Depois pense um pouco se somos menores ou não. Obrigada pelo pedido de promoção, mas por enquanto fico como recruta mesmo, pois preciso treinar meu braço da espada. Depois que conseguir ficar confortável com a arma na mão (epa!) e pegar experiência de batalha, aí veremos. Enquanto isto, faço como os Celtas: enfrento o inimigo cantando, principalmente tendo meu general Alexandre e meu capitão Fabio ao meu lado! Que bela luta será! As Valkírias cantarão louvores a nós! Beijos da Sue! :o))
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
18/4/2002
16h11min
Muito bem, Sue! Splendid job, what? Mas afinal eu não esperava nada menos da tradutora do Venerável Beda...Quanto à memória da humanidade- talvez algum leitor queira dar uma olhada em http://www.brathair.cjb.net/ , que também recebe a colaboração da autora deste texto. E, Sue- bem-vinda ao Digestivo, onde você entrou por direito de conquista. Um beijo, Alexandre
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
18/4/2002
21h35min
Atenção tropa! Sentido! Obrigada comandante, pelas belas palavras. E pelo comercial também! Realmente, quem gosta de história antiga e medieval, e das culturas celta e germânica, vai gostar do Brathair. Nós todos do Brathair estamos envolvidos na tradução do monge Beda. Eu sou apenas uma recrutinha lá, como sou aqui! Mas sempre querendo melhorar! Beijos da Sue
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
23/4/2002
03h55min
Mas de alguma forma, alguem como voce, lembrou e ficou na memoria o que eramos e alguem como voce, a traduziu em palavras o que fomos e o que somos agora.
[Leia outros Comentários de Marli]
23/4/2002
06h01min
O grande exercício para descobrirmos o que somos é tentar refazer o caminho de onde viemos. Por isso nossa sociedade anda tão perdida... Lembre-se você também do que você era, e veja que naravilhoso caminho você percorreu até aqui. Examine as coisas que abandonou, e pondere se deveria ter abandonado ou não; tome-as de volta, se quiser. Abandone outras coisas. Seja o SUJEITO de sua existência. Depois disso, todos nós juntos deveríamos fazer o mesmo pela nossa sociedade. Beijo carinhoso da Sue.
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




I CHING (ESPANHOL)
JOHN TAMPION E OUTROS
SIRIO
(1987)
R$ 10,00



FISIOLOGIA MÉDICA
WILLIAM F. GANONG
ATHENEU
(1977)
R$ 64,00



CARTAS A FREUD
FLÁVIO FORTES D ANDREA
BERTRAND BRASIL
(1990)
R$ 22,82



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA Nº 02
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(1993)
R$ 20,00



VIAGEM AOS SEIOS DE DUÍLIA
ANÍBAL MACHADO
O DIA
(1998)
R$ 25,00
+ frete grátis



LENIN, TROTSKY E O FIM DO SOCIALISMO REAL; POR QUE PARLAMENTARISM
REVISTA ARCHÈ, ANO 2 - Nº 4
FACULDADE CÂNDIDO MENDES
(1993)
R$ 18,28



COZINHA MARAVILHOSA DE OFÉLIA PEIXES & FRUTOS DO MAR
VARIOS AUTORES
ED. KLICK
R$ 4,90



ETERNAMENTE FEMININA
ROBERT A. WILSON
EDAMERIS
(1966)
R$ 10,00



O VALOR DOS RECURSOS HUMANOS NA ERA DO CONHECIMENTO
VICENTE FALCONI CAMPOS
INDG
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



COMPRAS EM BUENOS AIRES - COLEÇÃO VIAGEM DE BOLSO
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês