Sylvia | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Há um corpo estendido no chão
>>> A Viagem de Klimt
>>> Fazendo Amigos e Influenciando Pessoas
>>> A internet não é nada
>>> Hellbox
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Anos Incríveis
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Filas
Mais Recentes
>>> Mulher Brasileira Em Primeiro Lugar de Ludenbergue Góes pela Ediouro (2007)
>>> O que a Bíblia realmente ensina? de Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania pela Watch Tower Bible (2013)
>>> Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake pela Novo Conceito (2012)
>>> Matéria dos Sonhos de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro (1988)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ática (1992)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Para Sempre de Alyson Noël pela Intrínseca (2009)
>>> Como Se Dar Bem Com as Pessoas de M. K. Rustomji pela Summus (1975)
>>> As Mentiras que os Homens Contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> Raiva e Paciência - Ensaios Sobre Literatura Política e Colonialismo de Hans Magnus Enzensberger pela Paz e Terra (1985)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Comunicar Para Liderar de Leny Kyrillos e Mílton Jung pela Contexto (2016)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Círculo do Livro (1994)
>>> O Essencial no Amor: as diferentes faces da experiência amorosa de Catherine Bensaid e Jean-Yves Leloup pela Vozes (2006)
>>> Deus Castiga? de Helena Craveiro pela Petit (1998)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia Roza pela Record (2001)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História Viva de um Ideal - uma Orquestra uma Família uma Profissão de Hélio Brandão pela Do Autor (1996)
>>> Álbum de Família de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> Tragédia o Mal de Todos os Tempos Como Suavizar a Voz Nesses Conflitos de Glorinha Beuttenmüller pela Instituto Montenegro Raman (2009)
>>> Educação corporativa fundamentos e praticas de Ana Paula Freitas Mundim/ Eleonora Jorge Ricardo pela Qualitymark (2004)
>>> Fontes para a educação infantil de Alex Criado pela Cortez (2003)
>>> Uma Mulher Inacabada de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Difel (1983)
>>> Não enviem orquideas para miss blandish de James Hadley Chase pela Globo Rs (1967)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/5/2002
Sylvia
Rennata Airoldi

+ de 2000 Acessos

Desde o seu início, Teatro sempre foi convenção. Estabeleceu-se um jogo entre palco e platéia que vem se desenvolvendo dentro das regras (ou não), no decorrer do espetáculo. Durante o mesmo, um outro universo é sugerido: uma nova realidade que será (ou não) aceita pela audiência. O sucesso de cada sessão depende desse jogo, que deve ser jogado sem preconceitos ou sem distanciamento, até o fim. (Até o momento em que se apagam as luzes e os aplausos ecoam pelo espaço...)

"Sylvia" é uma peça que propõe um jogo muito estreito entre os atores e os espectadores. Isso porque mexe com o imaginário, que nós adultos muitas vezes nos recusamos a admitir como "realidade". A dificuldade talvez esteja em tratar o universo ficcional de maneira tão absurda e tão real, ao mesmo tempo. Confuso? Existem coisas que são mais difíceis de se explicar do que de se vivenciar. Quem de nós não teve problemas, crises intensas, que acabaram nos distanciando do mundo, propondo novas relações, fugas, amizades inusitadas?

A peça conta a história de um casal, que está junto há vinte e dois anos: Gil e Cátia. Gil está numa fase difícil de sua vida; um momento de poucas aspirações profissionais, poucas coisas a serem conquistadas, ou seja: uma crise de meia idade, uma andropausa. Por outro lado, sua esposa Cátia está num excelente momento profissional; também feliz por ter os filhos adultos e independentes. Nesse contexto é que surge "Sylvia". Apesar do nome de gente, Sylvia é uma cadela; encontrada por Gil numa praça. Encantado, ele não contém seus impulsos e a leva para casa.

Aqui começa a parte inteligente dessa comédia. Digo isso porque pensar numa atriz consagrada (como Louise Cardoso) comemorando 25 anos de carreira fazendo um personagem inusitado como esse (uma cadela) pode parecer, a princípio, patético ou até mesmo ridículo. Engana-se quem pensa isso ao ler a sinopse da peça nos encartes e jornais. Na verdade, é um trabalho minucioso, e muito detalhista, a transposição cênica dessa cadela-mulher ou mulher-cadela (depende do ponto de vista).

O olhar de Gil, sobre seu animal, acaba humanizando-o - a ponto de, muitas vezes, não notarmos a porção "cachorro" contida em Sylvia. Ela é a companheira que ele precisa para superar sua crise e uma nova motivação que, com toda a lealdade e ingenuidade canina, passa a ser os "olhos" e os "sentidos" de seu novo dono. Por outro lado, de maneira sutil, há sempre uma postura, um caminhar, uma reação inesperada em Sylvia, que revela o animal propriamente dito, o cachorro real que está em cena. A dedicação de Gil por sua "nova companheira" é cada vez mais perturbadora, principalmente na visão de sua esposa, que não compreende o porquê de tantos mimos e cuidados com um cachorro que ela não queria nem de presente.

Dessa forma, estabelece-se um triângulo amoroso: Gil, Sylvia e Cátia. O que determina as relações estabelecidas entre eles são os diferentes "olhares" dedicados ao animal. Enquanto Gil enxerga praticamente uma mulher em Sylvia, Cátia enxerga uma simples cadela, que está atrapalhando seus planos conjugais futuros. Na cabeça de Cátia, é preciso livrar-se de Sylvia... Nesse ínterim, há também outros personagens que "pontuam as cenas", trazendo novos "olhares" sobre o animal e sobre a sua relação com o ser humano.

Embora a tendência seja imaginar o contrário, os personagens "Sylvia" (Louise Cardoso), Gil (André Valli) e Cátia (Guida Vianna) entram em cena com uma interpretação bem naturalista. Tudo isso porque a cachorra é um reflexo do "olhar que seu dono" sobre ela. Assim, fica caracterizada essa brincadeira de gêneros. Como contraponto, Marcelo Saback, o quarto ator dessa trama, interpreta personagens oriundos do nosso meio social: um dono de um cachorro; uma amiga de Cátia; um terapeuta sem sexo definido. Todos bem caricaturados em cena. De construção cômica e trejeitos arquetípicos, eles levam o público facilmente ao riso. Aliás, como disse o próprio ator: seus personagens são "vermelhos" num universo que está bem "cinzento", devido à crise de Gil.

Apesar de "Sylvia" ser um espetáculo "off-broadway", a adaptação de Flávio Marinho não deixa resquícios do texto americano; pelo contrário. Graças à direção de Aderbal Ferreira, aceitamos com tranqüilidade com a confusão homem-animal, e terminamos refletindo sobre a nossa própria dificuldade em lidar com momentos difíceis através das fugas. Para completar, o cenário (de Gringo Gardia) e os figurinos (de Flávio Namatame) dão unidade, reforçando o aspecto de "jogo" e as brincadeiras com o imaginário do público.

Claro que há muito mais entre Cátia, Gil e Sylvia do que esta coluna pode desvendar. Porém, o que posso afirmar é que a crise de Gil é determinante para de encarar, de uma nova maneira, sua vida e suas relações. Assim, qualquer um que se habilite a embarcar nessa "comédia romântica", siga sem preconceito, sem medo de deixar o imaginário vir à tona. Vale ressaltar, ainda, o ato de coragem desses atores consagrados pela mídia, ao proporcionarem uma experiência que vai além do "naturalismo televisivo" da sala com cadeiras, do teatro "careta" que não arrisca, que não propõe nenhuma mudança de comportamento, que não deixa o espectador pensar, refletir e se transformar. Todos nós já nos deparamos (ou vamos nos deparar) com alguma "Sylvia" na vida; independente de sua forma física, um "ser" que - aparentemente inanimado - será, para nós, uma referência, um conforto, uma realidade.

"Sylvia" - de A .R. Gurney, adp. Flávio Marinho

Teatro Cultura Artística - Sala Rubens Sverner

R. Nestor Pestana, 196 / Fone : 3256-3616

Sex. e Sáb. 21 h e Dom. 18h


Rennata Airoldi
São Paulo, 8/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Busca ao Santo Graal de Juliano Maesano


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Melhores Histórias de Reinos
Lidia Chaib
Publifolha
(2000)



Organizaciones Fronterizas Fronteras del Psicoanalisis
Hugo Lerner e Susana Sternbach
Lugar
(2007)



Fundamentos do Treinamento de Força Muscular
Steven J. Fleck, William J. Kraemer
Artmed
(1999)



Homens, Dinheiro e Chocolate
Menna Van Praag; Michele Gerhardt Macculloch
Fontanar
(2009)



A Crise do Mito Americano
Gerald Messadié
Ática
(1989)



Jüdisches Wien - Entdeckungsreisen
Christof Habres
Metroverlag
(2011)



Belle-É preciso coragem para perder a inocência.
Lesley Pearce
Novo Conceito
(2012)
+ frete grátis



Clavícula de Salomão: as Chaves da Magia Cerimonial - 1ª Edição
Irene Liber
Pallas
(2004)



Terminglês
E. P. Luna
Aduaneiras
(2002)



Dicionário Ediouro: Francês-português, Português-francês
Vários Autores
Ediouro





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês