Carai! | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/5/2002
Carai!
Adriana Baggio

+ de 4100 Acessos

Como num manjadíssimo roteiro hollywoodiano, suspeitas de intriga, favorecimentos e defesa de interesses escusos permearam a escolha de Abril Despedaçado como o filme brasileiro que concorreu à última edição do Oscar. O escolhido entre 10 concorrentes tão bons quanto ou até melhores, foi acusado ter sido privilegiado por sua premeditada adequação à disputa do prêmio que move a indústria cinematográfica norte-americana - e agora, move nossa indústria também. Se é que se pode caracterizar como indústria a produção cinematográfica brasileira. Usando o próprio filme de Walter Salles como metáfora, estamos mais para o artesanal engenho de açúcar da família Breves do que para as novas usinas a vapor do início do século XX. Ou seja, nossa rapadura demanda mais tempo e trabalho para ser produzida, não consegue competir com a produção em larga escala da rapadura da usina do vizinho e é vendida no mercado a preço de banana. Tudo bem, a carroça foi para a frente dos bois. Mas isso é até bom, porque Abril Despedaçado merece ser apreciado independentemente das tramóias dos bastidores. Então é melhor se concentrar nas engrenagens do moinho de cana do que nos intricados mecanismos que movem - ou emperram, não sei - a política cultural do governo brasileiro.

Abril Despedaçado, com direção de Walter Salles (Central do Brasil, Terra Estrangeira), é adaptação do livro do albanês Ismail Kadaré. A história foi transposta para o ano de 1910, no sertão do nordeste do Brasil (é a tal da locoglobalização; na abertura do filme, um lettering contextualiza espaço e tempo: Sertão Brasileiro, 1910. Se o filme não tivesse uma preparação para o mercado internacional, não precisaria explicar o cenário. Mas deixa esse assunto pra lá...). A disputa de terras entre duas famílias deu origem a uma vendetta que se arrasta há anos. Na prática do olho por olho, dente por dente, cada morte em uma das famílias é vingada com morte na outra. Assim, o filme começa mostrando o assassinato do filho mais velho da família Breves. Seguindo a engrenagem, o personagem Tonho, irmão do morto, interpretado por Rodrigo Santoro, tem por missão lavar a honra dos Breves matando o correspondente da família Ferreira. A morte do rival determina a morte do próprio Tonho. Será a vez dele quando o sangue da camisa do Ferreira amarelar. A família Breves passa a viver em função da morte anunciada, sem questionar a validade dessa "tradição". O único a se revoltar é o irmão mais novo de Tonho, interpretado pelo ator-mirim Ravi Ramos Lacerda. No período de espera pela hora da vingança, certos acontecimentos quebram a rotina sofrida da família. Perdidos no caminho, um artista mambembe e sua enteada pedem informação ao personagem de Ravi, que não tem nome, é chamado apenas de "menino". A moça dá um livro e ele. Mais tarde, os dois irmãos vão à cidade para ver o circo, e se encantam com a artista engolidora de fogo. Um pela associação com a magia das figuras do livro, e outro pela imagem real da mulher. A ida ao circo é castigada pelo pai. Após esse confronto, Tonho sai de casa e coloca a honra da família em risco, ao interromper o andamento da engrenagem da vingança. A partir daí a história começa a caminhar para seu destino final, que muitos chamam de trágico.

Cores e metáforas
A história de Abril Despedaçado parece não ser mais do que um pretexto para as metáforas do diretor e as belas imagens de Walter Carvalho. É um filme de tirar o fôlego pelas cores que apresenta, pelos movimentos de câmera, pela linguagem que vai muito além das palavras. Existe nas imagens de Abril Despedaçado uma crítica social e até política, mas são as referências aos aspectos comuns da vida que tornam o filme mágico, encantador. Em primeiro lugar, as cores: Walter Carvalho pintou tudo de azul, marrom e amarelo, principalmente amarelo. O amarelo está presente na luz inclemente do sol do sertão; no sangue que seca na camisa e anuncia a hora da vingança; no parco fogo que ilumina as casas humildes do fim do mundo; no fogo sensual que a personagem Clara, artista mambembe, engole e guarda dentro de si; no caldo de cana fervente que vai virar rapadura. O azul é o céu e o mar para onde se vai e não se morre, e o marrom o inferno da terra sem esperança. O céu e a terra são os únicos limites conhecidos pelo menino dos Breves para indicar a localização do lugar onde mora, Riacho das Almas. Como ele mesmo diz, em sua sabedoria ignorante, o riacho já secou faz tempo, só sobraram as almas. Almas como as de Gogol, contadas como cabeça de gado, e as almas dos mortos que determinam o ciclo de vida dos vivos nas engrenagens da vendetta.

A fatalidade é tão naturalmente aceita pela família que não se deram nem ao trabalho de batizar o filho mais novo. O menino, como é chamado, ganha o nome de Pacu, dado pelo artista mambembe no dia em que vão ver o circo. Enquanto Tonho parece ser alfabetizado, Pacu não sabe ler nem escrever. No entanto, mesmo abandonado à sorte e valendo menos, talvez, do que um dos bois que rodam o moinho, Pacu tem sabedoria, lirismo e dignidade. Consegue ver, mais claramente do que todo mundo, o absurdo da situação em que vivem. Mesmo sem saber direito o que fazer, Pacu tenta fugir do destino já traçado com os meios que encontra pela frente. É assim com o livro que ganha de Clara. Apesar de não entender o que está escrito, tem consciência de que pode ler as figuras. E a partir daí constrói uma história diferente para si mesmo. Seu paraíso é representado pelo mar, que ele nunca viu, mas que imagina ser um lugar onde não se morre e onde há espaço para todo mundo, ou seja, onde não há disputa de terras nem vingança. A seqüência onde Pacu explica a Tonho o que está lendo é impagável. O menino tem resposta para tudo. Numa das cenas mais engraçadas, diz ao artista mambembe que faz gozação com ele por não ter nome: "é melhor não ter nome do que se chamar Salustiano". Apesar do caráter trágico ou no mínimo dramático do filme, as risadas não são deslocadas. O riso não é provocado por piedade ou nervosismo. É um riso permitido pela dignidade e honestidade com as quais o personagem encara sua situação. Ingênuo, inocente, e apesar de tudo, alegre, Pacu mostra seu entusiasmo pelas coisas belas quando solta um empolgado "carai" (é a corruptela disso mesmo que você pensou).

Roda do tempo
A história é toda permeada pela noção de tempo. Tempo cronológico, contado pelas luas e pelos dias que antecedem a Páscoa, e tempo de espera para que as coisas aconteçam. O abril despedaçado no filme é o abril da festa da Ressurreição. O tempo cronológico entre a morte que Tonho causou e a de que vai ser vítima parece uma quaresma, um tempo de contemplação, de reflexão, de sacrifício. Tanto que o patriarca dos Breves castiga o filho na volta do circo, justificando para isso a época em que estão. A quaresma coincide com o período de luto pelo primogênito morto, assim como o simbolismo da Páscoa vai se confundir com o destino do outro filho da família.

Já o tempo de espera é representando vezes pelo movimento giratório do moedor de cana puxado por bois, vezes pelo movimento pendular do balanço do quintal dos Breves. Uma das cenas mais lindas do filme mostra o menino balançando alto, livre, com a montanha ao fundo, o céu azul no alto e a árvore seca e encarquilhada segurando as cordas. Como um pêndulo de relógio, o balanço marca a espera de Pacu por Tonho, e marca a lembrança de tempos felizes quando Tonho e Pacu eram mais novos. Já o pêndulo do relógio de verdade da casa da família Ferreira, a rival dos Breves, marca o tempo que resta de vida para Tonho.

O moinho de cana é o relógio da vida da família. Tudo gira em torno da cana que é moída para virar caldo, que depois é fervido e transformado em rapadura. As imagens alternam cenas abertas do moinho sendo girado pelos bois, e cenas fechadas das engrenagens que movem a máquina, como um relógio mesmo. Uma das metáforas mais duras do filme mostra que o destino da família é não sair daquele lugar físico e nem das engrenagens da vingança. Certo dia um dos bois que movimenta a roda cai pelo esforço e a máquina pára. O trabalho é interrompido. A próxima cena mostra Tonho de costas carregando a canga que segurava os bois, como se a canga fosse para ele. Em seguida, a tela mostra os bois andando sozinhos, em círculo, em volta do moinho. A visão da metáfora da própria vida é demais para Tonho, que larga a canga e vai embora.

A consciência de que vai morrer de qualquer maneira faz com que Tonho procure se libertar da canga e caminhar em um sentido diferente daquele andar em círculos que tem sido a vida da sua família. Vai ao encontro de Clara e Salustiano e parte com eles para uma cidade maior, Ventura, para os festejos de Páscoa. É sábado de Aleluia e a cidade ferve em animação na praça. Enquanto Salustiano conversa com um amigo, Clara sobe em uma corda na praça e começa a rodar, em uma acrobacia circense. Tonho roda a corda com Clara durante muito tempo, até o anoitecer. É difícil não perceber nos movimentos de Clara e Tonho uma relação sexual platônica, que culmina num êxtase, mais perceptivo do que físico, de que cada um pode seguir um caminho diferente daquele para o qual foi destinado.

Prata da casa
Junto com as metáforas e as belas imagens, os movimentos de câmera fazem o filme valer a pena. A câmera se coloca em posições diferentes durante a história. Uma das melhores cenas é a da perseguição de Tonho para matar o rival da família Ferreira. Os dois correm entre as plantas secas da caatinga, que ora mostram, ora escondem o perseguido de seu caçador. Quem está no cinema quase consegue sentir os ramos arranhando o rosto durante a corrida desesperada. A câmera segue também os movimentos de vai e vem da rapadura sendo colocada nas caixas para a venda na cidade, e o espectador sente o peso das barrinhas que não vão valer nada no mercado. Mas a sensação mais viva é de tontura, quando a câmera acompanha o movimento do balanço. Cuidado para não vomitar no coitado que estiver à sua frente. Em um desses momentos, a câmera está colocada exatamente na cara de Pacu, e pode-se ver a expressão de felicidade do menino em primeiro plano, enquanto que, por trás dele, o chão e paisagem correm desfocadas pelo movimento do brinquedo. Em outro momento, a câmera está posicionada no alto da corda que segura o balanço. Dá para ver o corpo esticado de Tonho sobre o balanço, e embaixo dele, ora a terra do chão, ora o azul do céu.

Se Abril Despedaçado foi feito assim para ganhar o Oscar, que bom. A nova safra de filmes brasileiros tem sido elogiada pela qualidade de seus roteiros. O filme de Walter Salles, apesar de contar uma boa história, tem seu maior mérito na forma original com que foi realizado, na beleza da fotografia e no simbolismo que carrega. Peca um pouco quando tenta explicar as metáforas, ou porque subestima o telespectador, ou porque precisa deixar tudo mastigado para ser palatável ao público norte-americano. Para os paraibanos, o sucesso de Abril Despedaçado tem um sabor todo especial: alguns dos maiores talentos do filme são daqui. Ravi Ramos Lacerda, o ator que interpreta Pacu, é de João Pessoa, e quando criança imitava Charles Chaplin na capital paraibana. Luiz Carlos Vasconcelos, o Salustiano, e Everaldo Pontes, o cego patriarca da família Ferreira, também são paraibanos. Assim como Walter Carvalho, que conseguiu levar para as telas a beleza das cores duras e mágicas do sertão nordestino.



Adriana Baggio
Curitiba, 9/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
02. Entretenimento dá dinheiro, sim! de Pilar Fazito
03. Um pouco de rock curitibano de Adriana Baggio
04. Acordei que sonhava de Rennata Airoldi
05. Manuscritos perdidos de Nemo Nox


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEPHARIALS NEW DICTIONARY OF ASTROLOGY
SEPHARIAL
FOULSHAM
(1963)
R$ 19,82



GUIA DE BOLSO CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS
MINISTÉRIO DO TURISMO
MINISTÉRIO DO TURISMO
R$ 5,00



HISTÓRIA DA GRÉCIA
M. ROSTOVTZEFF
ZAHAR EDITORES
(1973)
R$ 20,00



CONEXÃO BVLGARI
FAY WELDON
RECORD
(2005)
R$ 14,00



DESCOBRINDO A HISTÓRIA DA ARTE
GRAÇA PROENÇA
ATICA
(2005)
R$ 60,00



FOI ELA (E) QUE COMEÇOU
TONI BRANDÃO
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 4,00



NA SALA COM DANUZA
DANUZA LEAO
SICILIANO
(1992)
R$ 7,00



AS MULHERES É QUE MANDAM... E É BOM QUE SEJA ASSIM
ROGÉRIO LACAZ-RUIZ
LAWBOOK
(2008)
R$ 4,50



PSICOLOGIA GERAL
LANNOY DORIN
ED. DO BRASIL
(1978)
R$ 5,00



VODU FENÔMENOS PSIQUICOS DA JAMAICA
JOSEPH WILLIAMS
MADRAS
(2004)
R$ 30,81





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês