Tire a naftalina da gaveta... | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/5/2002
Tire a naftalina da gaveta...
Adriana Baggio

+ de 3900 Acessos

...coloque em cima da mesa, pra não mofar as idéias. Com essa frase os meninos d'A Função abrem a música "Severino Soul" e passam o recado para quem ainda acha que na Paraíba só se faz forró. Da terra de Jackson do Pandeiro, Sivuca, Elba Ramalho, Zé Ramalho, Chico César e muitos outros artistas que você gosta-mas-não-sabe-de-onde-vêm, estão saindo boas contribuições para o som nacional.

A abertura do cenário musical brasileiro tem acontecido há algum tempo. As fórmulas tradicionais ficaram tão desgastadas que mesmo o que parecia esquisito, folclórico, passou a ter seu espaço. Por pura falta de opções originais no cardápio, o gosto nacional começa a perceber as sutilezas de um sabor diferente, mais picante e de digestão mais elaborada, na música que chega de fora dos centros tradicionais. Só um contexto como esse permite que novas propostas possam aspirar a algum tipo de repercussão em um cenário dominado pela música construída e distribuída pela mídia de massa. O fato é que desde o mangue beat de Recife, a música popular brasileira de fato, ou seja, aquela que é produzida dentro da cultura nacional, tem atraído a atenção da crítica, do público, e porque não, do mercado.

Meu cabelo duro é minha clara herança negra
Sou parte da massa dessa etnia esculhambada
Ser humano mestiço, autêntico vira-lata de raça
Eu tenho raças, eu tenho barba pixaim
Espalhada em minha pálida cara
Meu caro, não se engane, não se considere um puro sangue
Doe sangue, faça um transplante de novas idéias

Clara Herança Negra

Se a música pop produzida no chamado eixo desenvolvido do país tem a desvantagem de nascer de uma cultura pasteurizada, palatável para o consumo certo e imediato, o som que vem dos extremos geográficos nacionais ainda preserva elementos culturais distintos, originais, e posiciona-se como uma proposta autêntica de música brasileira. Os mesmo traços que garantem a originalidade das propostas, no entanto, também impedem a sua divulgação e afirmação em nível nacional. Puro preconceito. Os músicos paraibanos, por exemplo, têm conseguido fazer uma mistura agradável entre elementos regionais, nacionais e globais. Por ser esquecido como centro de consumo do país, o Nordeste sofre com menos impacto as imposições culturais da mídia de massa. O resultado é que ainda permanecem traços culturais tradicionais nas manifestações artísticas produzidas por essas bandas.

Seu Zé Severino tocando repente
De repente vem na mente
De tocar um soul
Sou gringo brasileiro
Num boteco estrangeiro
Arrochando o pandeiro
Pra tocar coco em Moscou
Passei na feira pra comprar hambúrguer, queijo e feijão
Deitei na rede pra fazer uma conexão
A minha avó mandou um e-mail lá do Cariri
Pedindo para eu mandar farinha e caldo de siri
Pra ela fazer um pirão

Severino Soul

Das artes plásticas à música, o nordestino, e em especial o paraibano, mistura com naturalidade as fortes influências regionais e os novos conceitos trazidos pelo fácil acesso à cultura global. Seguindo essa receita, a música produzida na Paraíba vem alcançando destaque nacional. É uma exposição merecida e comemorada, às vezes até com entusiasmo provinciano. Essa música não é o tradicional forró pé-de-serra, que virou moda no sul, ou o ritmo obscenamente artificial que se convencionou chamar forró, mas que não passa de uma pobre, brega e insuportável releitura e tradução de hits de músicas melosas em língua inglesa. Mas é da mesma partitura de onde vêm a riqueza da embolada, do coco, da ciranda, do maracatu e do repente que saem as notas da nova música paraibana.

Ouvi no vento um xote assim "mêi fanqueado"
Entrei de frente, entrei de banda, entrei de lado
E no tumulto, no "mêi dos cabôco doido"
Tomei um ponche de boldo pra ficar ligado
Fiquei ligado no decote da "cumadi"
Levei um bote dos seus olhos furta-cor
No bate-coxa, ralando bucho no xote
Cantei um certeiro mote falando de amor

Xote Fanqueado

Misturados com rock ou blues, os ritmos nordestinos ganham um verniz cosmopolita que facilita sua entrada nos mercados mais comerciais, arejando a música nacional. Bandas paraibanas como Pau de Dá em Doido, Cabruêra, Flavio C e As Bastianas têm feito sucesso em festivais regionais, nacionais e internacionais. Algumas delas, refazendo o histórico movimento migratório para o Sul, já arrumaram suas trouxas e armaram a tenda no eixo Rio-São Paulo. Mas ao contrário de seus conterrâneos de outras épocas, chegaram com trabalho garantido, reconhecimento e promessa de dinheiro.

Tô sentindo cheiro de fumaça de mato queimado
Tô sentindo que estão mexendo bem o angu
A nave se escondeu na nuvem bem ali do lado
Com um ET de cabelo azul
A fome quando aperta o bucho o luxo é pecado
Churrasco de urubu
Eu tô ouvindo uma cantiga do sapo do lago
Num dueto com um cururu
No desafio do Blue

Severino Soul

Dessa mesma boa safra desponta outra banda que soube dosar a mistura de elementos regionais e universais com muita sensualidade. A Função recheia as letras repletas de sonoridade regional com os sons dançantes do funk, do soul, do jazz, do blues. Aqui e ali aparecem os ritmos nordestinos, mesclados com os estrangeiros. É um funk que flerta com um xote, um jazz agilizado na mistura com a embolada, um blues ritmado com uma percussão quase tribal. A grande chave do sucesso para deixar de ser commodity é saber misturar a originalidade da cultura local com uma linguagem global. E nesse processo de locoglobalização cultural A Função está no caminho certo. Apesar das palavras e das referências que podem soar estranhas para quem está do outro lado do país, as músicas d'A Função têm temáticas universais: amor, relação homem-mulher, inconformismo, vida. Tudo muito quente, leve, irreverente, e que a gente entende na pele, sem precisar de muita tradução.

Ela não viu que eu sou um exemplar de macho raro
Um seguidor determinado da monogamia
Ela não vê que minha vida virou uma agonia
Quando eu a procuro pro chamego ela não tá do lado
Ela não lê o lado certo do meu pensamento
Ela não vê que o lado certo é o lado do meu corpo
Eu lato, eu mordo, eu choro, eu berro se ela me abandona
E ela me diz na cara dura vendo o meu sufoco
Que meu amor é pouco, que meu amor é pouco

É pouco

A Função não poderia ter um nome mais apropriado. A melodia, as letras e o ritmo fazem o corpo se mexer meio sem querer, como se estivesse pedindo para se soltar para a festa. Jackson do Pandeiro e Luiz Gonzaga já falavam em ir na função quando a idéia era festar. Mas a próxima festa d'A Função é se apresentar no Fenart, o principal festival cultural do estado e um dos maiores da região. O Fenart abre espaço para atrações alternativas locais, nacionais e internacionais. Ao contrário do que normalmente acontece, a banda vai receber cachê por suas apresentações. O caráter de exceção é devido à dificuldade que as bandas de música própria tem em conseguir se apresentar nos bares e casas de espetáculo. Entre os grupos cover e as bandas consagradas existe um limbo do qual as bandas com trabalho original tentam sair. Para cima, de preferência. Seguindo nessa linha, Jonathas Falcão - o compositor e letrista d'A Função - e seus companheiros de banda batalham por espaço na agenda cultural, nas rádios e na crítica especializada da cidade. Enquanto o reconhecimento "financeiro" não vem, só resta a eles ir tocando a vida todo dia e tocando música de vez em quando.

Curto minha vida do jeito que for
Contemplo o mundo com um rayban de camelô
Como carne seca como quem come filé mignon
Com a meretriz eu faço amor
(...)
Ganhei "mil conto" no jogo do bicho
Gastei metade com capricho pra te conquistar
Do meu inferno eu faço um paraíso
Do meu barraco, faço um castelo pra gente morar
(...)
Aí, meu irmão desencana
Pede um pão doce com caldo de cana
Vamos curtir o final de semana
Vida de bacana, vida de bacana


As letras que permeiam o texto são trechos de músicas d'A Função.
Para entrar em contato com a banda e solicitar CD demo, clique aqui.


Adriana Baggio
Curitiba, 16/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti
02. Beijinho no ombro de Marcelo Centauro
03. Só Cronista se Explica de Joca Souza Leão
04. Pô, Gostei da Sua Saia de Duanne Ribeiro
05. O fim e o café solúvel de Ana Elisa Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FADA ENFADADA
MARCO TÚLIO COSTA
FTD
(1998)
R$ 12,00



HOMENS, DINHEIRO E CHOCOLATE
MENNA VAN PRAAG; MICHELE GERHARDT MACCULLOCH
FONTANAR
(2009)
R$ 12,00



DA MISTIFICAÇÃO DA ESCOLA Á ESCOLA NECESSÁRIA
NEIDSON RODRIGUES
CORTEZ
(2000)
R$ 25,34



PROBLEMAS COMUNS DE OUVIDO, NARIZ E GARFANTA CLÍNICA GERAL : PRIMEI...
ROGER L. CRUMLEY
INTERAMERICANA
(1982)
R$ 16,50



SEXO NO FUTURO - 3724
BAKER ROBIN
RECORD
(2002)
R$ 10,00



MICROECONOMIA
DONALD S WATSON E MARY A HOLMAN
SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



GUIA DE ESTABELECIMENTOS TURÍSTICOS VERANO 2009
ESCAPADAS ARGENTINASCOM
MULTITARGET
(2009)
R$ 18,28



ARQUIVO X-O RAIO DA MORTE 8
CRIS CARTER
UNICÓRNIO AZUL
(1997)
R$ 10,00



EU AMO VOCÊ!
VÉRONIQUE BRONTE
JARDIM DOS LIVROS
(2008)
R$ 9,00



A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL AGOSTO 1985
JOHN HACKETT E OUTROS
MELHORAMENTOS
(1979)
R$ 5,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês