A Soma de Todos os Medos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
53430 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> But I like it
>>> Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> O tamanho do balde
>>> Baratas
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O dilúvio informacional, segundo a Economist
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> A arte de se tornar de Gennady Basin pela Madras (2003)
>>> Nhac de Canizales pela Telos (2017)
>>> Melusina de Ana Maria Machado pela Atica (2000)
>>> No Tempo em que a Televisão Mandava no Carlinhos de Ruth Rocha pela Ftd (2000)
>>> Lá é Aqui de Rogério Borges pela Positivo (2008)
>>> A Palavra, O Que É? de Luis Pimentel, Ionit Zilberman pela Positivo (2020)
>>> Volta Muriqui de Raquel Ribeiro pela Mib (2022)
>>> O Fantástico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Adormeceu a margarida? de Maria Heloísa Penteado pela Atual (2000)
>>> Juca Jabuti de Lessa Origenes pela Moderna (2002)
>>> Nós de Eva Furnari pela Moderna (2015)
>>> Drufs de Eva Furnari pela Moderna (2019)
>>> A Biblia da Aromaterapia de Gill Farrer-Halls pela Pensamento (2015)
>>> Yoga Para Nervosos de Hermógenes pela Nova era (1998)
>>> As sete leis do dinheiro de Michael Phillips pela Madras (1999)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2010)
>>> Vidas e vindas dos ciganos espirituais de Elizabeth da Cigana Núbia pela Madras (2015)
>>> A Bíblia dos Chakras de Patricia Mercier pela Pensamento (2017)
>>> Taro Das Bruxas de Andre Mantovanni pela Madras (2004)
>>> Ideia Maluca de Cecilia Vasconcelos pela Nova Fronteira - Grupo Ediouro - Paradidatico (2014)
>>> Livro Astronomia os Caçadores de Vênus a Corrida para Medir o Céu de Andrea Wulf pela Paz e Terra (2012)
>>> O Texto sem Mistério de Norma Seltzer Goldstein pela Atica (2009)
>>> Mais esperto que o Diabo de Napoleon Hill pela Citadel (2017)
>>> Introdução ao Teste de Software de Márcio Eduardo Delamaro, José Carlos Maldonado pela Elsevier (2007)
>>> A jornada da alma livro do futuro de M. Nilsa pela Jca e Mna (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/7/2002
A Soma de Todos os Medos
Gian Danton
+ de 4600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Acabei de assistir ao filme A Soma de Todos os Medos. A película só confirma uma suspeita que eu tinha há tempos: a paranóia é a doença do século. Segundo o dicionário, paranóia é uma doença mental em que a pessoa se sente perseguida. O paranóico sente que há alguém vigiando seus passos, um inimigo em cada esquina.

É exatamente assim que nos sentimos ao assistir ao filme estrelado por Ben Affleck e Morgan Freeman: um grupo de neonazistas consegue uma bomba atômica e a detona nos EUA, fazendo que o governo americano acredite que foi a Rússia e iniciando a Terceira Guerra Mundial. Mesmo ao final, quando tudo está resolvido, temos a impressão de que os passos do personagem principal (um historiador a serviço da CIA) são vigiados a todo instante.

A Soma de Todos os Medos não é um caso isolado. São incontáveis os filmes que têm como atrativo justamente esse sentimento paranóico de que uma conspiração que irá afetar a vida de todos nós está ocorrendo neste exato momento. O seriado Arquivo X baseou toda a sua popularidade na exploração da paranóia coletiva. Aliás, o próprio nome do seriado parte do princípio de que há uma pasta no FBI de investigação de assuntos sobre os quais a maioria das pessoas não têm qualquer conhecimento: Invasões alienígenas, experimentos governamentais, planos para controlar a mente....

O sentimento paranóico de que estão nos escondendo algo fundamentou até o posicionamento ideológico de uma parte da esquerda, que acredita em um grande monstro que domina todos os meios de comunicação de massa para transformar a população numa massa amorfa e acrítica. Boa parte dos herdeiros da Escola de Frankfurt seguiram essa linha, sem falar nos partidários da teoria dos aparelhos ideológicos do estado...

Até mesmo o diabo é acusado de ser o responsável por conspirações.

Um amigo meu, professor de pós-graduação em São Paulo, me conta que uma aluna sua era professora de educação artística em Cubatão. Em uma das aulas ela resolveu fazer um relaxamento com as crianças e, para isso, tocou uma música de Vivaldi. As crianças que eram filhas de evangélicos disseram aos pais que ouviram, no meio da música, a voz do demônio. Os pais tentaram destruir a escola e a professora teve de sair do local com a ajuda da polícia.

Aqueles pais que, com paus e pedras, tentavam linchar a professora sofriam da mesma doença daqueles que acreditam que Elvis não morreu, ou que Roberto Marinho inspeciona pessoalmente cada segundo da programação da Globo: paranóia. Mas não é um tipo qualquer de doença mental. É uma paranóia coletiva, que acomete grandes quantidades de pessoas.

Sabemos que os meios de comunicação de massa são apenas os sintomas disso, o veículo através do qual o inconsciente coletivo se manifesta. Daí a importância de estudar a maneira como a mídia exibe essa paranóia. Os filmes, histórias em quadrinhos e seriados são, para as massas, o que é o sonho para os indivíduos. É através deles que a grande mente coletiva se manifesta.

Basta uma olhada para o século XX para percebermos que esse sentimento de paranóia se justifica por vários fatos históricos. Não é à toa que no filme A Soma de Todos os Medos o inimigo oculto são os nazistas. O nazismo foi o paradigma político do século passado. Ao longo de 100 anos, muitas nações sofreram sob o julgo de estados ditatoriais. Na década de 70, por exemplo, quase toda a América Latina foi governada por ditaduras militares.

Minha avó, que passou pela ditadura de Vargas e dos militares, costumava pedir para que abaixássemos a voz quando conversávamos sobre política. Segundo ela, as paredes têm ouvidos. Não, ela não tinha qualquer envolvimento político e nunca foi presa, mas ainda assim desenvolveu a paranóia. Sabe-se que muitos presos políticos da época da ditadura se tornaram paranóicos, mas o problema se torna realmente chocante quando percebemos que até mesmo as pessoas apolíticas são acometidas pelo mal do século.

O nazismo e as violentas ditaduras do século passado (como a de Pinochet, no Chile, local em que toda família teve alguém preso e torturado) causaram um trauma no inconsciente coletivo. Afinal, a democracia parte do princípio de que todas as ações governamentais são transparentes e visam o bem comum. Apenas na ditadura os governantes agem às escondidas, com motivos escusos. Esse medo inconsciente da volta dos estados totalitários e ditatoriais são expressos através de seriados como Arquivo X e filmes como A Soma de Todos os Medos.

É um medo muitas vezes irracional e muitos poderão argumentar que se trata de uma volta ao irracionalismo da Idade Média. E é exatamente isso. O século XX demonstrou que o racionalismo modernista pode nos levar a episódios como a solução final dos nazistas (quem acha que Hitler era um louco irracional deveria assistir ao filme A Arquitetura da Destruição) e à bomba atômica. A conseqüência dessa percepção foi uma volta ao irracionalismo supersticioso da Idade Média. Na Idade Média as pessoas temiam o desconhecido e se protegiam fechando-se em pequenas comunidades. O diferente era visto com desconfiança e os males do mundo eram imputados a ele. Quando uma peste infestava uma localidade, por exemplo, era comum seus habitantes matarem alguns judeus por considerá-los responsáveis pela calamidade. É um fenômeno semelhante ao fundamentalismo religioso dos talibãs e dos evangélicos que tentam linchar a professora que toca Vivaldi para seus filhos. Num mundo dominado pela paranóia, qualquer um que faça algo diferente pode ser o inimigo, razão pela qual tudo que é novo deve ser visto com desconfiança.

Se já não bastassem todos os estímulos para essa paranóia coletiva, ainda tivemos 11 de setembro. O que, senão uma paranóia coletiva, pode explicar que um grupo de americanos linchem um brasileiro pensando que ele é árabe? Que diferença tem esse episódio dos massacres da Idade Média? É possível que a paranóia coletiva nos leve a uma nova Idade das Trevas? Para saber isso, tudo que podemos fazer é acompanhar a evolução da doença. E os sintomas estão aí, nos meios de comunicação de massa.


Gian Danton
Macapá, 5/7/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
03. Correio de Elisa Andrade Buzzo
04. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. Público, massa e multidão - 30/8/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. O filósofo da contracultura - 18/10/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2002
08h51min
Prezado Gian: Seu texto tem pontos interessantes sobre a paranóia, mas infelizmente não passa dos pontos comuns já discutidos por todo mundo numa mesa de bar - e pontos equivocados, como chamar a Idade Média de "Idade das Trevas". Se vc ler Etienne Gilson, vai descobrir que a Idade Média não foi nada irracional e que a paranóia que dizem ter sido criado pela Igreja Católica era, na verdade, fruto de escolas dentro da Igreja e que foram expulsas pelo Papa por causa de seu cunho herético. Além disso, como vc pode chamar de "Idade das Trevas" uma época que tinha Santo Tomás de Aquino, Santo Agostinho, Abelardo, Meister Eckart e, bem no final, Dante Alighieri. Por acaso a nossa época - tão paranóica - tem como rivalizar com a honra destes nomes? No mais, se vc quer saber o que é realmente o efeito da paranóia na vida e na arte, leia Thomas Pynchon, em especial "V." e "O Leilão do Lote 49", ambos editados pela Cia de Letras. Um abraço e continue com seu trabalho Martim
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
9/7/2002
10h12min
Martim, concordo de certa forma com voc6e: que você falou apenas verdades, creio ser de comum acordo; porém você fez toda uma crítica a um excelente texto baseada apenas em três palavras -"idade das trevas" - quando o foco do texto é totalmente outro. E, se o que o autor falou é de certa forma "sendo comum", por outro lado ele apresentou muito bem seu ponto de vista, indo muito além de conversas de bar - que, aliás, mais comumente derivam para mulher, religião e futebol. Precisamos de mais pessoas que ajudem a criar o "senso comum", que falta ainda a boa parcela da sociedade.
[Leia outros Comentários de Alexandre Lobão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Brasileira O Diário de um Mago
Paulo Coelho
Rocco
(1990)



Encontros com homens notáveis
G. I. Gurdjieff
Pensamento



Livro Capa Dura Administração Mary Kay On People Management The Business Philosophy That Brings Out The Best That People Have To Give - And Puts It To Work For You And Your Company.
Mary Kay Ash
Warner Books
(1984)



Um Apologo
Machado de Assis
Dcl
(2004)



Astronauta Assimetria
Danilo Beyruth
Panini Comics
(2016)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 160
Pini
Pini



Frances Guia de Conversação
Berlitz
Martins Fontes
(2007)



O Livro dos Casos Secretos - CD Comics - A Lenda do Batman
CD Comics
CD Comics



/Tá Gravando e Agora?
Kéfera Buchmann
Paralela
(2016)



Primeira Hora de Estudo - Para Piano - Volume 5
Georges Bull
Irmãos Vitale





busca | avançada
53430 visitas/dia
1,8 milhão/mês