A Soma de Todos os Medos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/7/2002
A Soma de Todos os Medos
Gian Danton

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Acabei de assistir ao filme A Soma de Todos os Medos. A película só confirma uma suspeita que eu tinha há tempos: a paranóia é a doença do século. Segundo o dicionário, paranóia é uma doença mental em que a pessoa se sente perseguida. O paranóico sente que há alguém vigiando seus passos, um inimigo em cada esquina.

É exatamente assim que nos sentimos ao assistir ao filme estrelado por Ben Affleck e Morgan Freeman: um grupo de neonazistas consegue uma bomba atômica e a detona nos EUA, fazendo que o governo americano acredite que foi a Rússia e iniciando a Terceira Guerra Mundial. Mesmo ao final, quando tudo está resolvido, temos a impressão de que os passos do personagem principal (um historiador a serviço da CIA) são vigiados a todo instante.

A Soma de Todos os Medos não é um caso isolado. São incontáveis os filmes que têm como atrativo justamente esse sentimento paranóico de que uma conspiração que irá afetar a vida de todos nós está ocorrendo neste exato momento. O seriado Arquivo X baseou toda a sua popularidade na exploração da paranóia coletiva. Aliás, o próprio nome do seriado parte do princípio de que há uma pasta no FBI de investigação de assuntos sobre os quais a maioria das pessoas não têm qualquer conhecimento: Invasões alienígenas, experimentos governamentais, planos para controlar a mente....

O sentimento paranóico de que estão nos escondendo algo fundamentou até o posicionamento ideológico de uma parte da esquerda, que acredita em um grande monstro que domina todos os meios de comunicação de massa para transformar a população numa massa amorfa e acrítica. Boa parte dos herdeiros da Escola de Frankfurt seguiram essa linha, sem falar nos partidários da teoria dos aparelhos ideológicos do estado...

Até mesmo o diabo é acusado de ser o responsável por conspirações.

Um amigo meu, professor de pós-graduação em São Paulo, me conta que uma aluna sua era professora de educação artística em Cubatão. Em uma das aulas ela resolveu fazer um relaxamento com as crianças e, para isso, tocou uma música de Vivaldi. As crianças que eram filhas de evangélicos disseram aos pais que ouviram, no meio da música, a voz do demônio. Os pais tentaram destruir a escola e a professora teve de sair do local com a ajuda da polícia.

Aqueles pais que, com paus e pedras, tentavam linchar a professora sofriam da mesma doença daqueles que acreditam que Elvis não morreu, ou que Roberto Marinho inspeciona pessoalmente cada segundo da programação da Globo: paranóia. Mas não é um tipo qualquer de doença mental. É uma paranóia coletiva, que acomete grandes quantidades de pessoas.

Sabemos que os meios de comunicação de massa são apenas os sintomas disso, o veículo através do qual o inconsciente coletivo se manifesta. Daí a importância de estudar a maneira como a mídia exibe essa paranóia. Os filmes, histórias em quadrinhos e seriados são, para as massas, o que é o sonho para os indivíduos. É através deles que a grande mente coletiva se manifesta.

Basta uma olhada para o século XX para percebermos que esse sentimento de paranóia se justifica por vários fatos históricos. Não é à toa que no filme A Soma de Todos os Medos o inimigo oculto são os nazistas. O nazismo foi o paradigma político do século passado. Ao longo de 100 anos, muitas nações sofreram sob o julgo de estados ditatoriais. Na década de 70, por exemplo, quase toda a América Latina foi governada por ditaduras militares.

Minha avó, que passou pela ditadura de Vargas e dos militares, costumava pedir para que abaixássemos a voz quando conversávamos sobre política. Segundo ela, as paredes têm ouvidos. Não, ela não tinha qualquer envolvimento político e nunca foi presa, mas ainda assim desenvolveu a paranóia. Sabe-se que muitos presos políticos da época da ditadura se tornaram paranóicos, mas o problema se torna realmente chocante quando percebemos que até mesmo as pessoas apolíticas são acometidas pelo mal do século.

O nazismo e as violentas ditaduras do século passado (como a de Pinochet, no Chile, local em que toda família teve alguém preso e torturado) causaram um trauma no inconsciente coletivo. Afinal, a democracia parte do princípio de que todas as ações governamentais são transparentes e visam o bem comum. Apenas na ditadura os governantes agem às escondidas, com motivos escusos. Esse medo inconsciente da volta dos estados totalitários e ditatoriais são expressos através de seriados como Arquivo X e filmes como A Soma de Todos os Medos.

É um medo muitas vezes irracional e muitos poderão argumentar que se trata de uma volta ao irracionalismo da Idade Média. E é exatamente isso. O século XX demonstrou que o racionalismo modernista pode nos levar a episódios como a solução final dos nazistas (quem acha que Hitler era um louco irracional deveria assistir ao filme A Arquitetura da Destruição) e à bomba atômica. A conseqüência dessa percepção foi uma volta ao irracionalismo supersticioso da Idade Média. Na Idade Média as pessoas temiam o desconhecido e se protegiam fechando-se em pequenas comunidades. O diferente era visto com desconfiança e os males do mundo eram imputados a ele. Quando uma peste infestava uma localidade, por exemplo, era comum seus habitantes matarem alguns judeus por considerá-los responsáveis pela calamidade. É um fenômeno semelhante ao fundamentalismo religioso dos talibãs e dos evangélicos que tentam linchar a professora que toca Vivaldi para seus filhos. Num mundo dominado pela paranóia, qualquer um que faça algo diferente pode ser o inimigo, razão pela qual tudo que é novo deve ser visto com desconfiança.

Se já não bastassem todos os estímulos para essa paranóia coletiva, ainda tivemos 11 de setembro. O que, senão uma paranóia coletiva, pode explicar que um grupo de americanos linchem um brasileiro pensando que ele é árabe? Que diferença tem esse episódio dos massacres da Idade Média? É possível que a paranóia coletiva nos leve a uma nova Idade das Trevas? Para saber isso, tudo que podemos fazer é acompanhar a evolução da doença. E os sintomas estão aí, nos meios de comunicação de massa.


Gian Danton
Goiânia, 5/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
02. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
03. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva
04. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
05. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. Público, massa e multidão - 30/8/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002
05. O filósofo da contracultura - 18/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2002
08h51min
Prezado Gian: Seu texto tem pontos interessantes sobre a paranóia, mas infelizmente não passa dos pontos comuns já discutidos por todo mundo numa mesa de bar - e pontos equivocados, como chamar a Idade Média de "Idade das Trevas". Se vc ler Etienne Gilson, vai descobrir que a Idade Média não foi nada irracional e que a paranóia que dizem ter sido criado pela Igreja Católica era, na verdade, fruto de escolas dentro da Igreja e que foram expulsas pelo Papa por causa de seu cunho herético. Além disso, como vc pode chamar de "Idade das Trevas" uma época que tinha Santo Tomás de Aquino, Santo Agostinho, Abelardo, Meister Eckart e, bem no final, Dante Alighieri. Por acaso a nossa época - tão paranóica - tem como rivalizar com a honra destes nomes? No mais, se vc quer saber o que é realmente o efeito da paranóia na vida e na arte, leia Thomas Pynchon, em especial "V." e "O Leilão do Lote 49", ambos editados pela Cia de Letras. Um abraço e continue com seu trabalho Martim
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
9/7/2002
10h12min
Martim, concordo de certa forma com voc6e: que você falou apenas verdades, creio ser de comum acordo; porém você fez toda uma crítica a um excelente texto baseada apenas em três palavras -"idade das trevas" - quando o foco do texto é totalmente outro. E, se o que o autor falou é de certa forma "sendo comum", por outro lado ele apresentou muito bem seu ponto de vista, indo muito além de conversas de bar - que, aliás, mais comumente derivam para mulher, religião e futebol. Precisamos de mais pessoas que ajudem a criar o "senso comum", que falta ainda a boa parcela da sociedade.
[Leia outros Comentários de Alexandre Lobão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aprendiz do Futuro Cidadania Hoje e Amanha
Gilberto Dimenstein
Ática
(1997)



Sonata ao Luar
Álvaro Cardoso Gomes
Quinteto
(1995)



Liberte-se das Velhas Ideias
Patrick Lencioni
Elsevier
(2010)



O Vento e a tempestade - Volume I
Francisco Dirceu Barros
Consullex
(2021)
+ frete grátis



A Questão Nacional em Porto Rico: o Partido Nacionalista 1922-1954
Kátia Gerab Baggio
Anna Blume
(1998)



Não Existe Vitória sem Sacrifício
Diego Hypolito
Benvirá
(2019)



Português e Literatura
Aires da Mata Machado Filho
Santa Maria S/a
(1955)



Francisco de Asís (em Espanhol) - 3 Ex.
João Nunes Maia / pelo Espírito Miramez
Fonte Viva
(1998)



Tenho Diabetes Tipo 1, E Agora
Mark Barone
All Print
(2010)



Conexões: de George Washington a Compadre Washington
George Washington a Compadre / Superinteressante
Abril
(2016)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês