Se o mundo fosse de Alice | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
Mais Recentes
>>> O Cortiço de Aluísio De Azevedo pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Cinquenta Tons do Sr. Darcy - uma Paródia de Emma Thomas pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Esquecer para Lembrar: Boitempo III de Carlos Drummond Andrade pela José Olympio
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards; Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> Monster High 4: Mais Mortos do Que Nunca! de Lisi Harrison pela Moderna (2012)
>>> E-mail Que Funciona! de Fernando Andrade pela Nobel (2006)
>>> Inside Girl, V. 4 - Nem Tudo Que Reluz e Ouro de J. Minter; Noely Russo pela Id (2013)
>>> Matemática Financeira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira pela Intersaberes (2010)
>>> Não Entendo Muito de Vinho, Mas Sei do Que Gosto de Simon Woods pela Sextante (2007)
>>> A Relíquia Apresentaçao e Notas Fernando Marcilio L Couto de Eça de Queirós pela Atelie (2001)
>>> A Espada Selvagem de Conan a Coleção - a Torre do Elefante 8 de Roy Thomas / John Buscema pela Panini Comics (2019)
>>> Iwoz de Steve Wosniak; Gina Smith pela Évora (2011)
>>> Sinopse Tributaria de Mattos Filho pela Mattos Filho
>>> Competências Coletivas no Limiar da Estratégia de Christian Defelix; Thierry Picq; Didier Retour pela Bookman (2011)
>>> Pretty Little Liars - Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Livro Aberto de Sylvia Orthof pela Atual Didáticos (2006)
>>> Inocência Ordinária de Emmanuelle pela Futurama (2017)
>>> É Preciso Lutar ! de Marcia Kupstas pela Ftd
>>> Arte Em Deslocamento Transitos Geopoeticos de Priscila Arantes pela Paço das Artes (2015)
>>> O Livro de Informática do Menino Maluquinho-livro de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2009)
>>> Plano Diretor do Mercado de Capitais Parceria Público-privada de Suces de Ney Carvalho pela Publit
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> Daqui de Lilian Aquino pela Patuá (2017)
>>> Para Sempre Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/8/2002
Se o mundo fosse de Alice
Rennata Airoldi

+ de 2000 Acessos

Enquanto o mundo gira, artistas repensam a humanidade. Entre ensaios, filmagens e pesquisas, pessoas se confinam em diversos lugares para dar asas à imaginação. Num mesmo espaço, cada mente constrói seu universo paralelo. Somando as personalidades, pode-se obter de uma caixa preta o caos do mundo ingênuo e mágico de Alice ou mesmo a realidade dura e concreta de uma telenovela. Não importa qual seja o resultado desde que seja feito com entusiasmo, sinceridade e verdade. A crença daquele que diz é fundamental para aquele que escuta, acredite.

Estava pensando no tamanho das possibilidades nos dias atuais. Podemos falar de tudo através da arte e existem pessoas que vão se identificar com qualquer assunto e maneira de apropriação. As opções são tantas que, às vezes, tenho a nítida sensação de que nem os artistas sabem mais o que querem dizer. Ou que precisa ser dito. Sentada, assistindo uma peça, muitas vezes não me convenço daquilo que o ator tenta "vender". Talvez porque ele não tenha entendido nada do que quer dizer aquelas ações e palavras ou, talvez, porque ele não saiba o que o impulsiona dentro de sua arte.

O que mais dificulta a vida do artista contemporâneo é o modelo de vida moderno além, é claro, da necessidade básica que todos os seres humanos têm de comer, beber, morar, comprar, pagar contas. O artista também carrega esse grande fardo. Enquanto atores eram seres marginalizados pela sociedade e viviam em guetos isolados, em carroças que percorriam o mundo, em companhias mambembes, não havia a preocupação com o lado material. Uma noite em cada hospedaria e uma apresentação por uma refeição! Tudo pelo amor à Arte.

Ingenuidade e desapego que quase não cabe mais nos dias de hoje. Os atores estudam, lêem, pesquisam e se questionam. (Ao menos espera-se isso deles.) Todos somos reféns do sistema. E quando digo isto, é porque não importa quem você seja ou qual a sua profissão. Você tem um celular, uma televisão, um computador, um carro, um aparelho de som, uma cama, um chuveiro quente e uma escova de dentes. Há como se desfazer de algumas destas coisas; no entanto, dificilmente viveríamos sem nada disso.

Desta forma, vai ficando cada vez mais difícil ser fiel aos próprios princípios. Cada um tem um preço e não existe espírito puro o suficiente para não se corromper diante de nada. Neste momento, faço um adendo: não estou incluindo nesse pensamento ações que prejudiquem uma terceira pessoa. Estou falando do artista diante de sua própria obra. O quanto ele determina o que deve ser feito e o quanto ele é comandado por forças circunstanciais.

Nós sabemos muito bem quais peças terão maior chance de sucesso junto ao grande público, qual o besteirol que precisa ser feito para lotar um teatro, qual o texto que incomoda, qual é o teatro que questiona. Agora, qual o impulso que me move? É difícil responder esta pergunta assim como é difícil negar um salário quando se está sem dinheiro para pagar as contas, por mais que o trabalho em questão não tenha a mínima qualidade artística. Infelizmente, a medida em que o ator deixou de ser o marginal mambembe e passou a ser um modelo de sucesso, caiu continuamente nessa emboscada. Optar muitas vezes entre arte e dinheiro. O difícil é conseguir conciliar um bom projeto com um bom retorno financeiro. Assim, nem sempre conseguimos manter toda a pureza necessária para que a fidelidade à nossa arte e aos princípios seja determinante.

Tirando aqueles que fazem qualquer coisa por não terem discernimento daquilo que realizam, por status, sempre nos deparamos com atores maravilhosos nas situações mais constrangedoras. Em novelas, peças, filmes. É difícil encontrar pessoas que conseguem se manter firmes diante de sua convicção sem olhar para os lados. Não conheço muitas. Aliás pouquíssimos artistas têm esse desprendimento diante de ofertas sedutoras.

Não condeno um lado, nem outro. O que não suporto é a ignorância. Se um amigo recebe uma proposta de trabalho pelo qual receberá dignamente, acho justo que ele aceite, mesmo que não seja a melhor obra do mundo. Mesmo que não seja algo que ele sempre desejou fazer. Não há mal nenhum em querer viver bem. Viver de teatro num país como o nosso, é luxo para poucos. O trabalho é escasso, o apoio a grupos e pesquisadores é mínimo. Por outro lado, acho louvável aqueles que se mantém puros. É raro. Talvez seja um sonho inocente de todos nós e uma bandeira que devemos levantar. Se tudo fosse fantasia, poderíamos trabalhar vinte e quatro horas dentro da caixa preta e nos alimentarmos apenas dos aplausos finais!

Esse é um tormento que circunda a vida dos atores nos dias de hoje. Não daqueles que não têm compromisso com a arte. Esses, vivem conforme sopra o vento. São capazes de qualquer coisa a qualquer preço e não merecem a credibilidade. É desconfortável achar verdade naquilo que não acreditamos. É triste saber que muitos artistas geniais passam fome. É esperado que trabalhos de baixa qualidade artística tenham uma procura enorme em função do salário fixo, pago a cada dia 10...

Vender-se ou não vender-se, eis a questão. Nua e crua, a realidade é uma onda que vai crescendo e inundando tudo em volta. De repente, salve-se quem puder! O importante para o artista é saber que sempre existe uma maneira de retomar suas verdades.

Boletim da Mostra
Esta é a semana dos encenadores na "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'", que acontece no Porão do Centro Cultural São Paulo. Dedicada a diretores que montaram peças de Mário Bortolotto. Aliás, o autor está concorrendo ao prêmio Shell de melhor texto pela peça: "Hotel Lancaster". Dentro de toda a programação da Mostra, só resta uma última estréia que é "Fábula Podre" dia 20, às 19hrs. E o melhor é que continua sendo um sucesso de público.

* "Hotel Lancaster" (dir. Marcos Loureiro): dia 14 às 19 e às 21 hrs.
* "Leila Baby" (dir. Jairo Mattos): dia 15 às 19 e às 21hrs.; dia 17 às 21 hrs.
* "Fica Frio" (dir. Marco Antonio Pâmio): dia 16 às 19 e às 21 hrs.; dia 17 às 19 hrs.
* "Gravidade Zero" (dir. Elias Andreatto): dia 18 às 18 e às 20 hrs.

Maiores informações sobre a "II Mostra de Teatro Cemitério de Automóveis" através do site: www.cemiteriodeautomoveis.hpg.ig.com.br


Rennata Airoldi
São Paulo, 14/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori de Jardel Dias Cavalcanti
02. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
03. Notas confessionais de um angustiado (Final) de Cassionei Niches Petry
04. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
05. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Teorema Katherine
John Green
Intrínseca
(2013)



Histórias sem Data - Confira!
Machado de Assis
Civilização Brasileira
(1975)



Santa Catarina - Patrimônio Histórico
Rosange Sena N21698
Secco
(2010)



Como É Ruim Ser Diferente!
Giselda Laporta Nicolelis
Quinteto
(2005)



Heróis - Coleção Mitologia
Ivan Rendall
Abril
(1995)



Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins Br
(2019)



As Sandálias do Pescador - Supersellers
Morris West
Altaya/Record
(1974)
+ frete grátis



Do Povo para o Povo
Roger Osborne
Bertrand Brasil
(2013)



A prova
Agota Kristof
Rocco
(1989)



Conecte Biologia - Caderno de Competência
Sônia Lopes Sergio Rosso
Saraiva Didatico
(2014)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês