Kafka e as narrativas | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/8/2002
Kafka e as narrativas
Julio Daio Borges

+ de 7300 Acessos

"Faça o que quiser. A partir de hoje nossos caminhos se separam. Julgo que não considera isso nem inesperado nem incômodo. (...) No início, supus ser-lhe útil com a minha intervenção, ao passo que agora posso ver que eu o prejudiquei em todos os sentidos. Por que as coisas tomaram esse rumo eu não sei, os motivos para o êxito e o fracasso são sempre múltiplos; não procure apenas aquelas interpretações que falam em meu desfavor. Pense também em si mesmo; tinha as melhores intenções e no entanto sofreu um revés. (...) Mas chega disso. A única expiação que posso assumir é pedir perdão e, se o exige, a confissão que lhe fiz aqui, eu a repito publicamente."
("O mestre-escola da aldeia", Narrativas do espólio [1914-24])

Kafka é o tipo de autor que conquista logo na primeira frase. Ou então não conquista jamais. De forma que, para os eternos apreciadores de suas histórias, qualquer migalha tem um valor inestimável e, à maneira de Max Brod, publicariam todo o espólio - também sem hesitar - se este lhes fosse confiado. Kafka, se soubesse dessa traição, jamais a teria perdoado; com a convicção peculiar dos solitários, manifestaria sua decepção em palavras, através de um rompimento definitivo e cáustico. O mesmo que protagonizaria, em vida, para encerrar seu último ato: agonizante, acusando o próprio médico de assassinato, apenas por este ter lhe recusado uma injeção letal.

A imagem é forte, digna das novelas, dos contos e dos romances de Kafka. Mas, muito possivelmente, não corresponde à verdade. Como todo o resto também não corresponde. Kafka cobriu-se com o manto do fracasso, para, como os judeus retratados por Nietzsche, exaltar sua condição de oprimido e se elevar. Contrapunha-se, naturalmente, à figura vencedora do pai: um bem-sucedido comerciante de Praga; o mesmo que depositava cada novo livro seu numa pilha que não planejava tocar. O retrato dramático dessa relação conflituosa - a mesma que motivaria toda a sua obra (afirma a psicanálise) - está irretocavelmente esboçado em Carta ao Pai (1919), o único tratado edipiano jamais escrito por Freud.

Assim sendo, o opus kafkiano teria servido exemplarmente ao conteúdo programático das esquerdas mais variadas, não fosse por dois aspectos fundamentais: Kafka era um tremendo de um burguês; e Kafka gargalhava ao ler, para os amigos, as desventuras de seus anti-heróis, como Joseph K. Elevaram-no então à condição de profeta do Totalitarismo, afinal morreu em 1924, quando o Nazismo, que perseguiria e daria cabo de suas irmãs, ainda nem era uma ameaça. Por fim, reduziram sua obra a uma mera alegoria da "burocracia" (sobretudo em O Castelo [1922] e O Processo [1914]) e do "sistema", que massacra toda e qualquer individualidade (principalmente Na colônia penal [1914], mas também em O Processo). Completando a amarração, mais uma vez, o pai - junto a todos aqueles lugares-comuns sobre rejeição filial (a partir de O veredicto [1912], A metamorfose [1912], O foguista ou América [1912]).

Kafka, no entanto, não poderia se conformar às caricaturas desenhadas pela crítica a partir de alguns traços gerais. Onde entrariam, por exemplo, a força de suas fábulas, como "Diante da Lei" (do volume Um médico rural [1919], retomada magistralmente em O Processo [sempre ele]) ou, para ficar nas recém-lançadas Narrativas do espólio, "A Ponte": "Eu estava rígido e frio, era uma ponte, estendido sobre um abismo. As pontas dos pés cravadas deste lado, do outro as mãos, eu me prendia firme com os dentes na argila quebradiça. (...) Assim eu estava estendido e esperava; tinha de esperar. Uma vez erguida, nenhuma ponte pode deixar de ser ponte sem desabar."

Se a sugestão de apólogo ameaçava remetê-lo novamente às origens judaicas, o que dizer então de seus mergulhos no poço fundo da Tradição, como em "A verdade sobre Sancho Pança" (também presente nas tais Narrativas do espólio): "Sancho Pança, que por sinal nunca se vangloriou disso, no curso dos anos conseguiu, oferecendo-lhe inúmeros romances de cavalaria e de salteadores nas horas do anoitecer e da noite, afastar de si o seu demônio - a quem mais tarde deu o nome de D. Quixote - de tal maneira que este, fora de controle, realizou os atos mais loucos, os quais no entanto, por falta de um objeto predeterminado - que deveria ser precisamente Sancho Pança -, não prejudicaram ninguém."

Contrariando também qualquer infusão de religiosidade (inclusive por parte do próprio Brod: "Que tenho eu em comum com os judeus? Mal chego a ter algo em comum comigo mesmo..."), Kafka, como todo estilista, não fez mais que sua obrigação: escreveu como um demônio. Se durante o dia gastava seu latim como advogado, numa seguradora ou repartição pública, à noite costumava arder na grande fogueira da literatura. É recorrente, em sua fortuna crítica (ainda que não indique nenhum padrão específico), o episódio em que, de uma sentada, compôs a novela O veredicto (uma daquelas "contra" o pai, com final apocalíptico-suicida) - no diário, reclamou depois das pernas dormentes, já que finalizou a última frase às 6 da manhã, tendo se sentado às 10 da noite (do dia anterior) e tendo olhado para o relógio uma última vez às 2 da madrugada.

Claro, como todo sujeito que tem alguma coisa a mais na cabeça (Paulo Francis), Kafka quis se matar. Não chegou a atentar propriamente contra a vida, mas registrou seu desejo de se atirar pela janela (por exemplo), depois de horas estirado no sofá - após ouvir as reincidentes censuras do pai, por causa de mais um trabalho insatisfatório. Salvaram-lhe as suas mulheres; ele teve algumas. Apaixonado por Felice Bauer, uma de suas promessas frustradas de noivado, escrevia-lhe diariamente três terapêuticas cartas - a coleção completa reúne mais de mil (Modesto Carone, benemérito tradutor, tem dúvidas se vai encará-las). Em termos de língua, Milena Jesenská, um caso do tempo em que Kafka noivava Julia Wohryzek, foi um estímulo intelectual: com ela discutia seus escritos, enquanto a mesma os vertia para o tcheco. Mas quem o acompanhou na longa noite escura da alma, foi a jovem Dora Dymant, fiel na tuberculose (e fiel também na queima de alguns manuscritos, perdidos para sempre no limbo das cinzas).

É igualmente legendária, no folclore kafkiano, a história de que, já no leito de morte, revisava freneticamente os manuscritos de Um artista da fome (1922-24) e A construção (1923). Sobre o primeiro inclusive ("- Porque eu - disse o jejuador, levantando um pouco a cabecinha e falando dentro da orelha do inspetor com os lábios em ponta, como se fosse um beijo, para que nada se perdesse. - Porque eu não pude encontrar o alimento que me agrada. Se eu o tivesse encontrado, pode acreditar, não teria feito nenhum alarde e me empanturrado como você e todo mundo. / Estas foram suas últimas palavras, mas nos seus olhos embaciados persistia a convicção firme, embora não mais orgulhosa, de que continuava jejuando.") é comum se afirmar que representa a dificuldade do próprio Kafka em engolir sólidos, já irreversivelmente em sua fase terminal. Desse conjunto, faz também parte "Josefina, a cantora ou O povo dos camundongos", encerrando o ciclo de personagens do reino animal. Ou seria do reino dos humanos?

"'Ah', disse o rato, 'o mundo torna-se cada dia mais estreito. A princípio era tão vasto que me dava medo, eu continuava correndo e me sentia feliz com o fato de que finalmente via à distância, à direita e à esquerda, as paredes, mas essas longas paredes convergem tão depressa uma para a outra, que já estou no último quarto e lá no canto fica a ratoeira para a qual eu corro.' - 'Você só precisa mudar de direção', disse o gato e devorou-o."
("Pequena fábula", Narrativas do espólio [1914-24])


Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 23/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
03. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
04. Redescobrir as palavras, reinventar a vivência de Duanne Ribeiro
05. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOMEM SEXUALMENTE FELIZ
JUAN CARLOS KUSNETZOFF
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 15,00



60 MESES QUE MUDARAM O ORIENTE MÉDIO
DAVID TABACOF
KADIMAH
(2007)
R$ 5,00



MUITO PRAZER - FALE O PORTUGUÊS DO BRASIL. V. 2 CADERNO DE EXERCÍCIOS
GLÁUCIA ROBERTA ROCHA FERNANDES; E OUTROS
DISAL
(2014)
R$ 30,00



DIGGING FOR THE TRUTH
JOSH BERNSTEIN
GOTHAM BOOKS
(2006)
R$ 70,00



DIREITO DO TRABALHO
DÉLIO MARANHÃO
FGV
(1982)
R$ 39,90
+ frete grátis



PREPARANDO PARA O SÉCULO XXI
PAUL KENNEDY
CAMPUS
(1993)
R$ 15,00



PROBLEMAS DA LITERATURA INFANTIL
CECÍLIA MEIRELES
NOVA FRONTEIRA
(1984)
R$ 12,00



A CONQUISTA DE NÁPOLES - 2º VOLUME
ALEXANDRE DUMAS
SARAIVA
(1965)
R$ 4,00



FACA NA GARGANTA
HERMES LEAL
GERAÇÃO
(2006)
R$ 10,00



DIAGNÓSTICO E TESTES PSICOLÓGICOS
CHRISTIAN GUILLEVIC E STÉPHANE VAUTIER
CLIMEPSI
(1998)
R$ 32,88





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês