Carta aos Amigos | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Senac São Paulo abre as portas para atividades voltadas ao protagonismo juvenil
>>> Ribeirão Preto recebe o Teatro Portátil no Dia das Crianças
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA INCENTIVA A ARTE NA REGIÃO COM O GRANJA CULTURAL
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dentro da Baleia
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
Mais Recentes
>>> Os Enamoramentos de Javier Marías pela Companhia das Letras (2015)
>>> Tex Almanaque do Faroeste Nº 1 de Bonelli pela Globo (1996)
>>> Persépolis - Completo de Marjane Satrapi pela Quadrinhos Na Cia (2018)
>>> Até Que a Morte os Separe de Nero Blanc pela Ediouro (2005)
>>> Getúlio 1882-1930: Dos Anos de Formação à Conquista do Poder de Lira Neto pela Companhia das Letras (2012)
>>> A Rainha Ginga de José Eduardo Agualusa pela Quetzal (2014)
>>> Escritos - Campo Freudiano no Brasil de Jacques Lacan pela Jorge Zahar (1998)
>>> Star Wars: A Trilogia - Special Edition de George Lucas pela DarkSide (2014)
>>> Squid: The Definitive Guide de Duane Wessels pela O"Reilly (2004)
>>> Tex e os Aventureiros Nº 3 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> O Ritual de Bordeaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2008)
>>> Genetic Algorithms in Search, Optimization and Machine Learning de David E. Goldberg pela Addison Wesley (1997)
>>> 1822 - Edição Juvenil Ilustrada de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2011)
>>> Nem Sempre é Assim de Shunryu Suzuki pela Religare (2003)
>>> O Mundo Emocionante do Romance Policial de Paulo M. E Albuquerque pela Francisco Alves (1979)
>>> Corpo Humano: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia de Gerard J. Tortora, Bryan Derrickson pela Artmed (2017)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2020)
>>> Public-Key Cryptography de Arto Salomaa pela Springer-Verlag (1996)
>>> Rainha do Inverno de Boris Akunin pela Objetiva (2003)
>>> A Travessia de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Coleção 70º Aniversário da 2ª Guerra Mundial - 30 Volumes de Abril Coleções pela Abril Coleções (2009)
>>> Desvendando Margaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2007)
>>> Bio-Inspired Credit Risk Analysis: Computational Intelligence with Support Vector Machines de Lean Yu; Shouyang Wang; Kin Keung Lai; Ligang Zhou pela Springer-Verlag (2010)
>>> A VIda é Cheia de Curvas de Eugenio Mussak pela Abril (2014)
>>> Action Coaching de David L. Dotlich pela Jossey Bass (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/10/2002
Carta aos Amigos
Rennata Airoldi

+ de 5400 Acessos

Caros Amigos,

(Aqui, tudo que não foi dito sobre a "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'" e que você não lerá em nenhum outro lugar. Um breve depoimento sobre a arte, o desafio e a loucura...)

Uma convocação! O primeiro encontro, numa sala de cinema, onde todos forneciam dados e assinavam documentos. Parecia um recrutamento, só que mais excitante. Um projeto fenomenal de uma proporção avassaladora e muitos rostos atentos às explicações que eram dadas. Sentados em uma grande platéia, éramos todos ali espectadores de um futuro que se desprenderia de nós mesmos, se desdobrando num presente imediato, semanas depois... Mensagens via Internet, distribuição de personagens, textos, dias da semana. Um grande quebra-cabeça que foi minuciosamente montado e que, aos poucos, se transformaria numa longa e deliciosa rotina. Cheia de surpresas e pequenos obstáculos que o acaso colocaria no caminho durante a jornada. Um ator que não pode comparecer, outro que consegue um trabalho repentino, enfim, substituições imediatas. Mudança em algumas das cartas, mas nada que impossibilitasse que cada uma das peças fosse ganhando vida, pouco a pouco.

Quase três longos meses. Vinte seis peças. Setenta e nove atores. Um desejo indescritível de respirar Teatro vinte quatro horas por dia. Desde o dia 9 de julho, todos foram chegando, unindo-se para a produção da maior Mostra de Teatro da cidade de São Paulo: a "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'". Como ratos: atores, técnicos, amigos, camaradas, foram se mudando para o Porão. Um lugar úmido, frio, escuro que foi se transformando na nossa casa... Quem diria que abrigaria tantas pessoas durante um tempo tão curto!

Tudo era uma grande novidade. Uma grande festa. Quem já se conhecia se reencontrava para uma nova temporada. Quem não conhecia ninguém tinha a chance de conquistar novas amizades. Conforme os ensaios eram marcados, os atores que contracenariam nas inúmeras cenas de todas as peças, iam se juntando. Perguntas como: "Você faz essa peça?"; "Ah, aquela outra a gente faz junto!"; "Você sabe quem é o fulano que faz esse personagem?" - estavam presentes a todo o momento e, desta forma, o grande quebra-cabeça foi sendo desvendado. Tudo isso aconteceu "meio no susto", durante as duas enlouquecidas semanas em que estrearam a maioria das peças.

Então, como era de se esperar, as afinidades foram surgindo. As noites eram longas no Bar Cultura, onde discutíamos as peças, nos conhecíamos melhor, enquanto tomávamos mais uma cerveja - ou um conhaque com mel e limão! (O drink que foi "hit" da Mostra.) A euforia tomava conta de cada um de nós, e a vontade de estar ali no Porão, por incrível que pareça, era imensa. Sair, voltar, sair de novo. Ansiedade e adrenalina. Quanto mais próximos das estréias, mais novidades iam surgindo. Até que, na véspera, todos haviam chegado. Ufa! Pronto. Era apertar os cintos e começar a viagem, ou ainda: embarcar nessa nau desvairada, comandada por Mário Bortolotto. E lá fomos nós!

Estréia, estréia, estréia. Era peça que não acabava mais. Assim, sem nos darmos conta, já estavam em temporada todos os espetáculos! No susto, na euforia, no momento. Ia como dava para ir. Sem tempo para perguntas cruciais ou dúvidas existenciais. E então, nos apaixonamos profundamente por nossos parceiros de cena, por nossos personagens e pseudo-personagens, por nossas mais breves passagens em cena. Simplesmente o prazer de estar ali, usufruindo de tanto aprendizado. Sendo um pequeno, mas importante, grão de areia que compunha a grande duna! Nos apaixonamos pela idéia de viver ali, só de teatro, e de transformar a vida num universo paralelo. Isso transformou um pobre porão em mil mundos. Ah, se não fosse a necessidade básica de todo o ser humano de comer, beber, morar e pagar as contas...

Porém, tentando esquecer tudo que nos prende ao chão, nos desdobramos em mil. E nisso, haja paixão! Haja coração! Muitos espectadores se tornaram freqüentadores assíduos, como o Tom Capri, que comparecia a todas as sessões com toda a família! Nos acostumamos a nos encontrar todos os dias para viver mais uma breve história. E assim aprendemos a respeitar o trabalho de muitos e admirar o imenso talento de outros. Um grande encontro de almas. Todos no mesmo barco.

Claro que o tempo e a convivência trazem à tona o stress, os desentendimentos, o cansaço, as desavenças. Como em qualquer lugar onde há muitas pessoas reunidas o tempo todo. Diferenças que, por um breve momento, tornam-se insuportáveis, ou afinidades que se tornaram grandes paixões... É assim que somos, todos nós, seres humanos, independentemente de profissão, raça, idade, crença. Apesar de nem tudo ser um "mar de rosas", o importante era não deixar a peteca cair pois show tem sempre de continuar!

(Acredito que esse depoimento pode soar estranho para aqueles que não conhecem o ofício do ator. Tentarei assim, tornar mais lúcida a nossa sutil loucura...) Nós atores, entregamos nossas almas, trocamos confidências, somos amigos inseparáveis durante a temporada de uma peça. Ainda que surjam problemas, alguns desencantos... Uns amadurecem e outros se desinteressam. A vida é assim mesmo. Mas, quero chegar na questão fundamental que é: continuamos sendo sempre mambembes, nômades, errantes. Estamos sempre buscando um novo lar. Uma nova margem de rio para plantar, semear e, depois da chuva, colher. Esta é a nossa verdade.

Assim, aquilo que parecia não ter fim... acabou. Então, sem que pudéssemos evitar, fomos nos despedindo, pouco a pouco. Peça por peça. Aplauso por aplauso. Até o último suspiro. Até silenciar o eco de todas as almas que pairaram ali no porão, tornando esta Mostra a maior do ano. Depois de tudo isso, depois das últimas palmas, apagaram-se as luzes. Fechou-se a porta. E o lugar mágico que abrigou tantas histórias e personagens, voltou a ser um simples porão: frio, úmido e escuro. Apenas ratos felizes, voltaram a circular em paz.

Quanto a nós, a última cerveja, os últimos abraços apertados e "TCHAU, a gente se vê!". Muitos de nós não se encontrarão por um bom tempo. Alguns se tornarão grandes amigos, outros estarão juntos numa nova casa, com uma nova história para contar. É assim mesmo. Apagam-se as luzes aqui, para que um outro foco possa iluminar o porvir, a próxima cena!

A todos vocês, caros amigos, muita "merda"!


Rennata Airoldi
São Paulo, 2/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O fim dos livros físicos? de Luís Fernando Amâncio
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
03. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
05. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cristianismo - Fraude Ou Fato Histórico?
Josh Mcdowell
Candela
(1999)



Abelhas e Mel - Criação - Extração
Nelson Mello da Lima
Ediouro



No Verão, a Primavera
Lucília J de Almeida Prado
Melhoramentos
(1980)



O Mundo Mágico de Harry Potter
David Colbert
sextante
(2001)



Bandeirismo: Dominacão e Violência
Julio Jose? Chiavenato
Moderna
(1991)



Aristóteles para Todos
Mortimer J. Adler
Realizações
(2010)



Livro - Sequestrado
Robert L. Stevenson
Nova Alexandria
(1996)



Meu Nome não é Johnny
Guilherme Fiuza
record
(2004)



Alma Paulista
Arnaldo Antunes
Abooks



O Livro Vermelho do Sexo sem Vergonha
Rose Villela
Novo Século
(2019)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês