Carta aos Amigos | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/10/2002
Carta aos Amigos
Rennata Airoldi

+ de 1700 Acessos

Caros Amigos,

(Aqui, tudo que não foi dito sobre a "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'" e que você não lerá em nenhum outro lugar. Um breve depoimento sobre a arte, o desafio e a loucura...)

Uma convocação! O primeiro encontro, numa sala de cinema, onde todos forneciam dados e assinavam documentos. Parecia um recrutamento, só que mais excitante. Um projeto fenomenal de uma proporção avassaladora e muitos rostos atentos às explicações que eram dadas. Sentados em uma grande platéia, éramos todos ali espectadores de um futuro que se desprenderia de nós mesmos, se desdobrando num presente imediato, semanas depois... Mensagens via Internet, distribuição de personagens, textos, dias da semana. Um grande quebra-cabeça que foi minuciosamente montado e que, aos poucos, se transformaria numa longa e deliciosa rotina. Cheia de surpresas e pequenos obstáculos que o acaso colocaria no caminho durante a jornada. Um ator que não pode comparecer, outro que consegue um trabalho repentino, enfim, substituições imediatas. Mudança em algumas das cartas, mas nada que impossibilitasse que cada uma das peças fosse ganhando vida, pouco a pouco.

Quase três longos meses. Vinte seis peças. Setenta e nove atores. Um desejo indescritível de respirar Teatro vinte quatro horas por dia. Desde o dia 9 de julho, todos foram chegando, unindo-se para a produção da maior Mostra de Teatro da cidade de São Paulo: a "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'". Como ratos: atores, técnicos, amigos, camaradas, foram se mudando para o Porão. Um lugar úmido, frio, escuro que foi se transformando na nossa casa... Quem diria que abrigaria tantas pessoas durante um tempo tão curto!

Tudo era uma grande novidade. Uma grande festa. Quem já se conhecia se reencontrava para uma nova temporada. Quem não conhecia ninguém tinha a chance de conquistar novas amizades. Conforme os ensaios eram marcados, os atores que contracenariam nas inúmeras cenas de todas as peças, iam se juntando. Perguntas como: "Você faz essa peça?"; "Ah, aquela outra a gente faz junto!"; "Você sabe quem é o fulano que faz esse personagem?" - estavam presentes a todo o momento e, desta forma, o grande quebra-cabeça foi sendo desvendado. Tudo isso aconteceu "meio no susto", durante as duas enlouquecidas semanas em que estrearam a maioria das peças.

Então, como era de se esperar, as afinidades foram surgindo. As noites eram longas no Bar Cultura, onde discutíamos as peças, nos conhecíamos melhor, enquanto tomávamos mais uma cerveja - ou um conhaque com mel e limão! (O drink que foi "hit" da Mostra.) A euforia tomava conta de cada um de nós, e a vontade de estar ali no Porão, por incrível que pareça, era imensa. Sair, voltar, sair de novo. Ansiedade e adrenalina. Quanto mais próximos das estréias, mais novidades iam surgindo. Até que, na véspera, todos haviam chegado. Ufa! Pronto. Era apertar os cintos e começar a viagem, ou ainda: embarcar nessa nau desvairada, comandada por Mário Bortolotto. E lá fomos nós!

Estréia, estréia, estréia. Era peça que não acabava mais. Assim, sem nos darmos conta, já estavam em temporada todos os espetáculos! No susto, na euforia, no momento. Ia como dava para ir. Sem tempo para perguntas cruciais ou dúvidas existenciais. E então, nos apaixonamos profundamente por nossos parceiros de cena, por nossos personagens e pseudo-personagens, por nossas mais breves passagens em cena. Simplesmente o prazer de estar ali, usufruindo de tanto aprendizado. Sendo um pequeno, mas importante, grão de areia que compunha a grande duna! Nos apaixonamos pela idéia de viver ali, só de teatro, e de transformar a vida num universo paralelo. Isso transformou um pobre porão em mil mundos. Ah, se não fosse a necessidade básica de todo o ser humano de comer, beber, morar e pagar as contas...

Porém, tentando esquecer tudo que nos prende ao chão, nos desdobramos em mil. E nisso, haja paixão! Haja coração! Muitos espectadores se tornaram freqüentadores assíduos, como o Tom Capri, que comparecia a todas as sessões com toda a família! Nos acostumamos a nos encontrar todos os dias para viver mais uma breve história. E assim aprendemos a respeitar o trabalho de muitos e admirar o imenso talento de outros. Um grande encontro de almas. Todos no mesmo barco.

Claro que o tempo e a convivência trazem à tona o stress, os desentendimentos, o cansaço, as desavenças. Como em qualquer lugar onde há muitas pessoas reunidas o tempo todo. Diferenças que, por um breve momento, tornam-se insuportáveis, ou afinidades que se tornaram grandes paixões... É assim que somos, todos nós, seres humanos, independentemente de profissão, raça, idade, crença. Apesar de nem tudo ser um "mar de rosas", o importante era não deixar a peteca cair pois show tem sempre de continuar!

(Acredito que esse depoimento pode soar estranho para aqueles que não conhecem o ofício do ator. Tentarei assim, tornar mais lúcida a nossa sutil loucura...) Nós atores, entregamos nossas almas, trocamos confidências, somos amigos inseparáveis durante a temporada de uma peça. Ainda que surjam problemas, alguns desencantos... Uns amadurecem e outros se desinteressam. A vida é assim mesmo. Mas, quero chegar na questão fundamental que é: continuamos sendo sempre mambembes, nômades, errantes. Estamos sempre buscando um novo lar. Uma nova margem de rio para plantar, semear e, depois da chuva, colher. Esta é a nossa verdade.

Assim, aquilo que parecia não ter fim... acabou. Então, sem que pudéssemos evitar, fomos nos despedindo, pouco a pouco. Peça por peça. Aplauso por aplauso. Até o último suspiro. Até silenciar o eco de todas as almas que pairaram ali no porão, tornando esta Mostra a maior do ano. Depois de tudo isso, depois das últimas palmas, apagaram-se as luzes. Fechou-se a porta. E o lugar mágico que abrigou tantas histórias e personagens, voltou a ser um simples porão: frio, úmido e escuro. Apenas ratos felizes, voltaram a circular em paz.

Quanto a nós, a última cerveja, os últimos abraços apertados e "TCHAU, a gente se vê!". Muitos de nós não se encontrarão por um bom tempo. Alguns se tornarão grandes amigos, outros estarão juntos numa nova casa, com uma nova história para contar. É assim mesmo. Apagam-se as luzes aqui, para que um outro foco possa iluminar o porvir, a próxima cena!

A todos vocês, caros amigos, muita "merda"!


Rennata Airoldi
São Paulo, 2/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
02. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
03. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
03. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
04. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002
05. Uma conversa com Reinaldo Moraes - 18/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
R$ 4,00



CLASH ROYALE
GUILHERME ATHAIDE
PANDA BOOKS
(2016)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



O CAVALO VERDE - CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 24,00



O PENSAMENTO ANTIGO (2 VOLUMES) RODOLFO MANDOLFO (FILOSOFIA)
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1964)
R$ 30,00



SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1973)
R$ 10,00



CARLOS VERGARA: PINTURAS
PAULO SERGIO DUARTE
AUTOMÁTICA
(2011)
R$ 60,00



THAT WAS THAT! CONSONANT DIGRAPHS TH
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2010)
R$ 20,28



ANTOLOGIA POÉTICA
MAIACOVSKI
MAX LIMONAD
(1984)
R$ 35,00



ESTA MENINA ESTÁ FICANDO IGREJA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1984)
R$ 4,84





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês