Ronald e Donizete: Falência Múltipla dos Autômatos | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/10/2002
Ronald e Donizete: Falência Múltipla dos Autômatos
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3000 Acessos

"A anomia é a sombra da solidariedade orgânica." (Baudrillard)

O corpo é o leitmotiv do novo livro de poesia "Pelo Corpo", que reúne Donizete Galvão e Ronald Polito numa publicação da Alpharrabio Livraria e Editora. São 28 poemas que podem ser lidos na clave dessa "máquina orgânica". Os dois poetas estão convencidos de que o corpo é um trambolho-máquina ou, se não, tornou-se isso. E essa máquina é habitada pela prótese-vazio, pela prótese-insignificância, que torna todas as trocas a que se submete satelizadas por sinais anódinos.

É estranho e extraordinário que exista, nesse momento, um livro de poesia centrado neste tema - num momento onde as pessoas buscam para seus corpos "não a saúde, que é um estado de equilíbrio orgânico, mas um brilho efêmero, higiênico e publicitário do corpo, bem mais uma performance do que o estado ideal. Já nem é narcisismo, é extraversão sem profundidade, um tipo de ingenuidade publicitária em que cada um torna-se empresário da própria aparência". (Baudrillard).

Num momento como esse, dois poetas se reúnem para compor a falência múltipla desses autômatos-corpos. E o primeiro poema do livro, escrito por Donizete, já nos anuncia o tom de todo o livro, conceituando o corpo como essa "vida secreta que se abre e apodrece no mesmo instante".

De uma forma geral, os poemas produzem um efeito de terribilità. Isso porque os corpos que se desenham aqui estão muito próximos das figuras criadas por Giacometti ou pelo descarnado "Cristo no Sepulcro" (Museu da Basiléia), de H. Holbein. Mais perto da obra destes artistas do que da imagem dos inúteis, operacionais e malhados corpos da contemporaneidade.

O corpo vai se definindo a cada poema como "camadas de entulhos" e "estragos troços", nas poesias de Polito. Os poemas e os dois autores se reverberam: produzem por isso, intencionalmente, versos leucêmicos, caquéticos - claro, movidos por uma energia maldita que os alimenta insanamente.

No caso de Polito, o estrago é maior. Aqui, como dizia Hegel, estamos em cheio "na vida, movente em si, daquilo que está morto". O poema "Espécie em extinção" nos fala desse corpo "funcionando de modo tão bem maquinal" que "pode por inteiro ser um animal sem alma./ e quase matar/ e quase morrer." Num poema final, sua "exegese parcial" (já que tudo aqui é fragmentado), admite: "o corpo é uma cruz" - ou seja, algo que é doloroso trazer consigo. Mais ainda, num salto suicida, o corpo "estimula" seu próprio ocaso ao se desmembrar em "cacos da colisão".

Assim, o corpo, como matéria auto-viral e máquina vencida, se deprecia na poesia de Galvão: "De hoje em diante/ a máquina imperfeita/ de teus músculos/ será mais um objeto/ em desuso." A relação com Giacometti se estreita num anúncio metafísico-crítico fatal: "corpos sem encarnação", "sem entranhas", "corpos como um traço,/ um risco de carvão". Menos que isso, indefinível, Polito encerra o livro com a sentença final: "o corpo é um x".

São inúmeras as referências à mecanicidade calcinada e desastrosa do corpo, como em "Irradiação", de Polito, onde "dentro da perna mecânica ainda bate/ uma veia com dano. Cicatriz." Mais estridente, a mecanicidade ressurge total no poema "Enjambement", também de Polito.

O corpo, em sua trágica e fraca energia, supermultiplicada pela inércia, quase não resiste à força da ação da cidade sobre ele. Depois do poema "A cidade no corpo", de Galvão, podemos dizer que é um milagre que tudo recomece no dia seguinte. Mas como sabemos, os especialistas que só computam os dados quantitativos de um sistema energético subestimam essa fonte de energia que é seu próprio gasto. Mas ao livro esse dado não escapa, ao contrário, funda-se toda uma teoria a esse respeito no poema "Carga", de Polito.

Sintetizando, através de alguns versos de Polito e Galvão, podemos dizer que o corpo é uma máquina imperfeita, se não, uma morte que nasceu... com sua "quota de vácuo". Os poemas atestam esse ignóbil furor que é a sobrevivência alimentada pelo seu próprio transbordamento - em direção a uma curva estranha - a catástrofe.

Em meio a tanta negatividade (já que não há poema nesse livro que não dê morada à idéia de uma superexcitação fatal que é o existir físico) emerge, em meio ao violento esquartejamento do corpo, no poema "Órfico", de Galvão, um canto de esperança que parece dizer que disso tudo o que se salva é o fazer poético: "a cabeça/ separada/ do corpo/ ainda canta/ vale uma vida/ vale uma morte/ esse hino".

Existe um texto de Jean Genet sobre Giacometti que talvez explique o sentido deste livro de Galvão e Polito: "A beleza tem apenas uma origem: a ferida, singular, diferente para cada um, oculta ou visível, que o indivíduo preserva e para onde se retira quando quer deixar o mundo para uma solidão temporária, porém profunda. A arte parece querer descobrir essa ferida secreta de todo ser e mesmo de todas as coisas, para que ela os ilumine".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma nova corrida espacial? de Vicente Escudero
02. O turista motorista de Adriana Baggio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2002
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Drummond: o mundo como provocação - 26/11/2002
03. A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres - 5/11/2002
04. O último Shakespeare - 3/12/2002
05. Cactos Implacáveis: entrevista com Ronald Polito - 10/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês