Shakespeare de graça! | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/10/2002
Shakespeare de graça!
Rennata Airoldi

+ de 2000 Acessos

Montar um clássico é sempre um ato de coragem e, ao mesmo tempo, um grande desafio. Primeiro, por se tratar, na maioria das vezes, de textos mais eruditos e de espetáculos de longa duração e, segundo, porque o número de montagens de um clássico é imensa. Assim, comparações são inevitáveis. Por mais que haja adaptações diferentes de um mesmo texto, é óbvio que, em se tratando de uma história já conhecida, a liberdade de criação é, de certa forma, mais limitada.

Se por um lado há sempre aqueles que nunca assistiram determinada obra encenada, quando se monta um grande clássico, boa parte dos espectadores já conhece o que vai assistir e, assim, surpreender revela-se um trabalho difícil. Além disso, quando já conhecemos determinada obra, formamos, inevitavelmente, nossa própria imagem em relação aos personagens, ao cenário, às cores, etc. Mas tudo isso não deve impedir a realização de um espetáculo. É importante que haja sempre uma maneira de refazer os grandes autores da História do Teatro, levando ao grande público cultura e conhecimento. Shakespeare é um dos maiores autores de todos os tempos. Boa parte das pessoas já assistiu um filme baseado em sua obra, leu algum de seus textos ou, até mesmo, assistiu uma montagem teatral.

O Teatro Popular do SESI, que desenvolve um projeto para a comunidade há quase quatro décadas, tem essa função: levar cultura e entretenimento para o grande público. E, possuindo uma estrutura adequada, consegue produzir grandes textos, algo que, na maioria das vezes, seria financeiramente inviável (devido ao número de personagens, grandiosidade de cenário e de figurinos, que uma grande produção demanda). Claro que se pode montar uma peça de diferentes formas e que a simplicidade também é um grande desafio na arte. Mas falo aqui de uma proximidade com a obra original, no que diz respeito à estrutura e o seu alcance.

Neste teatro, estão atualmente em cartaz, duas peças do autor inglês: "Hamlet" e "Romeu e Julieta". As apresentações são gratuitas! Estas peças fazem, durante a semana, sessões agendadas para escolas e, nos fins de semana, abertas ao público que comparece em massa. Todos os sábados e domingos, uma grande fila se forma na porta do teatro, na tentativa de conseguir a senha e o ingresso. As pessoas chegam uma, duas horas, antes do espetáculo para enfrentar uma imensa fila e garantir um lugar na platéia. Isso tudo para assistir Shakespeare! Depois dizem que "o povo" não gosta de teatro...

"Hamlet" tem a tradução de José Rubens Siqueira e a direção de Francisco Medeiros. Em cena, na maioria das personagens, temos jovens atores e também a tentativa de transformar o clássico em uma peça mais acessível. É, sem dúvida, uma solução e um problema quando se trata de atingir a maioria, não tendo um público alvo pré-determinado. Às vezes, a dificuldade está em simplificar sem perder a força que o texto tem em sua essência. E, ao mesmo tempo, não subestimar a capacidade que todo o ser humano tem de compreender os dramas do homem diante do seu mundo. Por mais que se mudem as palavras, a maneira de dizer, o sentido, são sempre os mesmos.

A peça começa com um dos momentos mais bem resolvidos em relação a soluções cênicas da montagem. Porém, no decorrer da trama, há uma tentativa de "modernizar" vários aspectos e um dos que mais incomoda são os figurinos e adereços. Às vezes, os atores parecem carregar retalhos e sucatas sobre o corpo. A proposta pode até ser essa, mas não fica claro se é uma estilização dos trajes ou um gosto meio grotesco. Ainda falando de detalhes técnicos, a pobre Ofélia, grande personagem feminino da peça, carrega sobre a cabeça uma peruca no mínimo estrambótica. Isso é ruim pois rouba a atenção da cena criando um certo distanciamento em relação à figura pela qual deveríamos nos apaixonar.

Não diminuindo o mérito da montagem mas, já que existe a infra-estrutura para realizar um grande espetáculo, alguns pequenos cuidados poderiam melhorar a qualidade do todo. Há ainda grande desnível no que diz respeito à interpretação. Alguns atores realizam um caminho coerente durante o percurso da peça enquanto que outros estão sempre mal colocados em cena. Como se estivessem apenas fazendo "volume". Por outro lado, as coreografias cênicas, nos momentos de luta, são impecáveis! Temos a nítida impressão de que os atores vão se matar a qualquer momento. Outro ponto forte do espetáculo é a apresentação da companhia dos atores viajantes no palácio. Boas soluções e atuações no momento "meta-teatro" da obra. Há ainda, que se destacar o trabalho de Marcos Damigo, que faz um jovem Hamlet ardiloso e, ao mesmo tempo, cativante.

A peça é longa, mas é capaz de segurar o público até o fim; o mesmo que aplaude com muito entusiasmo. Na verdade, o grande mérito é a simples existência de um projeto cultural como esse, que favorece a todos de maneira idêntica. Não se paga nada, não há distinções na platéia, não há privilégios, etc. Ao mesmo tempo, quem nunca ouviu falar no autor, depara-se com um clássico que é facilmente digerido. A cada sessão, que mais e mais pessoas passam a contaminar com aquela que é a grande dúvida: "Ser ou não ser, eis a questão"!!!

Para ir além
"HAMLET" está em cartaz no Teatro Popular do SESI, Av. Paulista 1313, de Quinta à Domingo às 20hrs.; "Romeu e Julieta", aos sábados e domingos às 15hrs. De graça!


Rennata Airoldi
São Paulo, 23/10/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
04. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês